O Treinador do Sporting - notas soltas

Algumas ideias na sequência da mais que provável demissão de Sá Pinto

1) Espero que a conversa do sportinguismo enquanto critério para a escolha do treinador tenha morrido de vez. Estou-me nas tintas se o próximo treinador é do Real Madrid, do Benfica ou do Oriental. Minto: prefiro até que o próximo treinador que não seja sportinguista - ou pelo menos que não tenha tido qualquer envolvimento em funções no clube na última (e trágica) década, pela razão abaixo.

2) Espero que esta ideia de “promover de dentro” tenha sido definitivamente enterrada. Pode fazer algum sentido em clubes que atravessam um período vencedor na sua história. Mas faz zero sentido num clube, no que ao futebol diz respeito, está submerso numa cultura de derrota e de conformismo. Neste caso precisa-se de ruptura e não de continuidade. E quem já está lá dentro não tem condições para o fazer.

3) Espero que Godinho Lopes tenha aprendido outra lição: querer agradar às claques, sobejamente conhecidas pelo seu discernimento a avaliar treinadores e jogadores, resultou na escolha de um dos piores treinadores da história recente do Sporting. Não cometa o mesmo erro outra vez. O que lhe vai salvar a pele não são os cachecóis da Juve Leo ao pescoço do recém-chegado no dia da apresentação mas as taças no final da época que entram para o Mundo Sporting.

4) Por uma vez na vida, façam uma escolha informada e não por palpite ou preguiça. Evitem o treinador da moda e o regresso ao passado. Entrevistem 10, 20, 50 treinadores - os que forem precisos. Analisem os seus currículos, vejam 500 jogos das suas equipas (sim, para terem 500 jogos têm de ter pelo menos 10 anos de experiência de topo). Vejam se se identificam com as suas ideias e com o estilo de jogo das equipas que treinou no passado. Avaliem o seu conhecimento do futebol mundial. Assim, quando finalmente escolherem um novo treinador, estarão em condições de o defenderem da forma mais convicta possível - porque o conhecem bem e têm uma boa noção do que ele vale. De outra forma, estarão no terreno movediço da “fezada”.

Levem o tempo que for preciso: Sá Pinto deixou a equipa num estado tal que nenhum interino fará pior. Mas, por uma vez, escolhem bem.

© Petrovich 2012

Como sempre sai uma setinha minha para o Petrovich :arrow:

bom post. :clap: :clap:

Para variar, mais uma salva de palmas para o Petrovich :clap:

na mouche eu não teria dito melhor… :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap:

Muito boa análise! :clap: Infelizmente, todos nós sabemos que os do poleiro não têm capacidade para tomar uma decisão com base em critérios, mas sim pelo que ‘sentem’ ser o melhor para o clube. Sendo assim, vamos levar com Oceano ou Abel, sendo que esse, segundo nos vão dizer, será de vez o treinador para o resto do triénio (até ser mandado embora por maus resultados). É isto o ‘Ciclo’ do nosso clube.

Tas a partir do principio que vai haver algum novo treinador…

:clap: :clap: :clap: :’( :clap: :clap: :clap: :clap:

cada mudança de treinador resulta em dinheiro a favor do banco!

Godinho esta aqui a fazer a mesma coisa que fez o JEB.

Excelente comentário Petrovich :clap: :clap: :clap:

Muito bom texto, concordo com quase tudo. Só a parte do “levem o tempo que for preciso” é que me deixa um pouco nervoso, é que me faz lembrar os tempos em que gramámos com os adjuntos do Octávio Machado durante 2-3 meses com o pretexto de que não havia pressa para escolher o treinador porque o que era preciso era escolher bem e depois desse longo período de seleção apareceu Vicente Cantatore que só cá esteve 20 dias.

Sportinguismo não é sinónimo de incompetência e baixa cultura de exigência, embora tal seja evidente em algumas franjas de adeptos.

Concordo que opções saídas da estrutura de futebol, doente, impregnada de mediocridade, por esta seja contaminadas mas vou até aqui. Houvesse no mercado, disponível, um treinador português, Sportinguista, competente e de personalidade forte e livre do vírus incapacitante que grassa por Alvalade, seria essa a minha escolha.

Mas também é minha convicção que o mal do clube é estrutural, depois de anos de falta de liderança, vivendo neste momento o enésimo episódio de falta de rumo, pela inexistência de um líder. Talvez haja organizações com sucesso sem alguém capaz de planeamento estratégico, de definir objectivos, de motivar os seus colaboradores, mantê-los focados em fazer mais e melhor, de corrigir desvios, de escolher as pessoas certas para lugares de relevância, mas custa-me encontrá-las e não acredito que sejam bem sucedidas, de forma consistente.

Enquanto se mantiver no clube gente que promoveu " a cultura de derrota e conformismo ", esperar que seja um treinador a alterar, verdadeiramente, o estado de coisas é… vou utilizar novamente esta expressão: wishful thinking.

Certeiro, como de costume.

Só tenho pena que o Petrovich escreva tão pouco por aqui. Faz uma falta tremenda neste espaço, tremenda.

Tudo dito.

Que se aprenda definitivamente com os erros para que os mesmos sejam erradicados de vez para as bandas de Alvalade.

O Sporting não tem mais margem para experienciazinhas e carolices.

Um excelente texto, sucinto, certeiro, clarividente. :clap: :clap: :clap:

Que pena escreveres tão pouco por aqui, @ Petrovich.

Bom texto…

Contudo, o treinador q vier, se for bom, só vai acertar nas suas decisões/escolhas e nunca nas do resto da estrutura.
Quero com isto dizer que o problema vem de fundo, minto… d topo!

Não quero um treinador benfiquista desculpa lá
Não acredito que um adepto desse clube possa dirigir o Sporting com ambição de torná.lo o maior clube português e é disso que precisamos.
Não acredito que um lampião venha para o Sporting com outra intenção que não a de ter trabalho e ganhar umas coroas.
Não quero mais um Domingos - acredita no projecto, investe no projecto, dedica-se ao projecto, mas há ali uma costelazinha que inconscientemente nunca o irá deixar de se sentir dividido.
Prefiro alguém que não saiba o que é o Sporting e o veja como o melhor clube do mundo simplesmente porque é o que está a treinar.
Nenhum benfiquista consegue achar que qualquer outro clube possa ser melhor que o dele e nunca irá, certamente, ver o grande rival da cidade como tal.
Desculpa lá, mas benfiquista ou portista não.

Já estou a ver o filme , oceano faz um brilharete amanha. E apanhamos com ele até ao fim da época

Podes crer que vai ser esse o filme!!

A nao ser que o proximo ja esteja contratado,ja conheco estas situacoes no Sporting ha mais de 30 anos, sempre foi assim, e iriam mudar agora?
Mas nao digo isto de animo leve, e com muita tisteza!!

http://www.forumscp.com/index.php?topic=31490.msg2174066#msg2174066

Sinceramente é-me indiferente que seja sportinguista - ou não -, português, chinês ou de qualquer outra nacionalidade.

Não falta só um treinador ao Sporting CP. Para começar falta alguém que os saiba escolher e, neste momento, não me parece que exista essa pessoa no Sporting CP. Mais: o problema do Sporting CP não está só na falta de um Sporting CP, falta uma equipa técnica decente que permita baixar a quantidade de lesões, que meta os jogadores a correr nos treinos, que trabalhe as bolas paradas, o processo ofensivo e defensivo, alguém que trabalhe os índices anímicos dos jogadores, etc.

Com dirigentes competentes no Sporting CP não tinha vindo nem o Domingos, nem se tinha chamado o Sá Pinto. O Sá Pinto é demasiado inexperiente para tomar as rédeas de uma equipa do Sporting CP e o Domingos foi, na minha opinião mal escolhido com a equipa que foi contratada. Passo a explicar:

O Sporting CP tem jogadores decentes, não tenho quaisquer dúvidas disso, todavia, olho para os jogadores que hoje jogaram e vejo Rui Patrício (24), Cedric (21), Boulahrouz (30), Rojo (22), Insua (23), Elias (27), Schaars (28), Izmailov (30), Carrillo (21), Pranjic (30), Wolfswinkel (23), Adrien (23), Jeffren (24) e Viola (21). Num jogo onde o Sporting CP usou 14 jogadores, 9 têm 24 ou menos anos. São todos muito jovens, alguns deles a dar os primeiros passos na Europa, a maioria são estrangeiros e estão longe da família, etc.

O Sporting CP precisa de uma equipa técnica que sejam mais do que meros treinadores, precisa também de alguém que seja capaz de construir um relacionamento com eles, alguém que eles vejam como uma espécie de “pai”. Alguém que respeitem e que acatem as suas ordens, alguém que saibam que é mais experiente que eles e que está a ensinar-lhes algo que é valioso para o seu futuro.

Temos visto treinadores com muito pouca experiência, que deixaram de jogar futebol à meia-dúzia de anos, que nem sequer parecem ter voz de autoridade. O Sporting CP precisa de uma equipa técnica que não só seja competente a trabalhar a componente técnica e táctica, mas também psicológica. O Sporting CP necessita de alguém que gere uma onda de respeito e autoridade, alguém que tenha voz de comando. Não há disto no Sporting CP há muito tempo. Isso aliado a falta de estrutura dá no que temos visto.

Olhe-se para os rivais. No FC Porto temos uma estrutura MUITO competente, com processos enraizados, portanto, pode-se apostar em treinadores jovens e com qualidade porque há uma equipa que já por si é experiente. Além disso, tem pessoas perto do futebol que ajudam à integração dos jogadores e a tal componente técnica e táctica pode ficar ao cargo do jogador.

No SL Benfica onde a estrutura não é tão forte, há uma equipa técnica que claramente tem um indivíduo que os jogadores respeitam. O J. Jesus pode ser um bronco, um cretino que assassina constantemente o português, todavia, é alguém que tem voz de comando, é alguém que os jogadores respeitam.

No Sporting CP nem há estrutura, nem há treinador. Há um nada. Contratam-se jovens com muito potencial, todavia, não há quem os conduza, não há quem os eduque. A estrutura que há no FC Porto não existe há MUITO tempo, os “projectos” são um nada que servem apenas e só para mandar areia para os olhos dos adeptos. A equipa técnica competente que dispõe o SL Benfica que é liderada por alguém experiente e respeitado já não é vista em Alvalade há MUITOS anos.

Gostava muito de acreditar que o próximo treinador fosse alguém com personalidade e competência para “educar” os jogadores e, sinceramente, que não venha sozinho. É importante que exista alguém que saiba o que é o Sporting CP e que o possa mostrar aos jogadores; alguém que perceba da vertente táctica; alguém que perceba da física; alguém que trabalhe a componente anímica, etc., etc.

Não acredito que esta direcção perceba isto e, sinceramente, enquanto isto não for feito o Sporting CP não vai poder ambicionar mais do que aquilo que tem acontecido nas temporadas transactas. Não se criará a tal estrutura e o clube nunca vai conhecer a estabilidade que necessita.