Um Sporting adormecido

O despejar de convicções e de sofrimentos desportivos, um Sporting que se encontra passivo e sem chama, os anos de glória agora são agora só memorias, o Sofá tornou-se o nosso assento desportivo favorito. A Irresponsabilidade não tem limites em Alvalade.

Mais uma semana apertada em termos de trabalho, mais umas ideias para uma crónica tão desejada quanto esquecida, tento pensar no que me falta escrever, sinto falta de imaginação e solto um sorriso quando percebo que vale a pena voltar a falar do Sporting. Abro a carteira a vejo o meu cartão de associado, um associado recente mas um associado pagador, daqueles poucos que já existem em alvalade. Voltei a lembrar-me que o Sporting joga hoje no Bonfim, até há pouco tempo ainda sentia um nervoso miudinho antes dos nossos valiosos jogadores entrarem em campo, mas hoje em dia o meu afastamento da vida do Sporting é notória, penso mais no bem-estar dos meus e dos meus problemas profissionais.

Não quero voltar a repetir-me, mas este Sporting já não é o meu Sporting, este Sporting já não representa o esforço (a exibição na Bulgária é espelho disso), dedicação, e devoção quanto mais a gloria, gloria só o nome do jogo de tabuleiro, porque o Sporting presente já assassinou a palavra gloria. É claro que ainda vivo com o Sporting no coração, é claro que mantenho com a instituição uma relação de paixão, mas a instituição continua a rejeitar um passado vencedor, todos os rostos de figuras Leoninas fruto dum passado vencedor são prontamente substituídas por Pseudo-Sportinguistas. Os tais que em conferencias de imprensa bem calculistas merecem quase honras de estado, os tais que continuam a levar o meu clube para uma fossa sem fim à vista. Porque são ouvidos cada vez menos os sócios do Sporting? Assim sendo defendo abertamente um fórum Leonino de debate de ideias, algo que volte a aproximar os sócios da direção do Clube, Esta direção parece que tem medo do debates de ideias e do esclarecimento publico. E a respeito das últimas aparições públicas de dirigentes leoninos deva-se dizer que a Policia de segurança pública não poderia entrar nesse debate de ideias.

Estamos demasiado adormecidos, os Sportinguistas tornaram-se adeptos passivos, dignos de ser colhidos numa qualquer marrada desportiva. Já não vivemos tão intensamente as vitórias e já não nos importamos com as derrotas, somos o reflexo desta nossa sociedade, onde a passividade e a impunidade imperam. Nem o mais compreensivo adepto leonino tem paciência para aturar revoltas ou manifestações, na última que tive até imagine-se passou uma pessoa mais velha por mim e afirmou: “ó Filho isto não serve para nada, isto é só uma assembleia geral da SAD”, Fiquei calmo porque consegue desligar o interruptor da ordinarice, mas foram palavras que me custaram dolorosamente ouvir. Parece que já nada nos importuna, parece que fomos feitos de tristezas desportivas, parece que já nem a atitude dos nossos jogadores e dirigentes nos entristecem. Somos mesmo feitos de aço massivo, já nenhum sentimento desportivo nos chega ao nosso coração verde.

Relembro que ontem (segunda-feira) voltamos a ganhar, voltamos novamente a ser grandes, já voltamos ao estável terceiro lugar, lugar que obtivemos por direito próprio dizem uns, lugar que não desejo manter por muito tempo digo eu, desejo sempre mais, desejo que não nos refugiemos em orçamentos ou políticas desportivas para mantermos este terceiro lugar, quero sempre mais. Quando ouço dizer que não temos condições para mais vitórias fico agastado, então que se volte a criar as condições para voltarmos a ser grandes, que se volte a dignificar o nome do Sporting Clube de Portugal. Mas a passividade obriga-nos agora a mantermos fieis ao nosso sofá, nele não apanhamos vento nem chuva, podemos gritar á vontade e até sermos malcriados com a televisão, o Sofá ouve-nos e compreendo-nos, o sofá não tem opiniões diferentes da nossa, o sofá mantem-se sempre fiel ao seu dono. Enfim o sofá tornou-se a nossa gamebox.

Bom texto, mas um pouco cliché!

Parabéns na mesma! :great:

«Cliché» é a palavra certa… ainda que também eu parabenize o texto, tal como todos os comentários que aqui referem um estado de alma comum e um eventual incentivo para o futuro!

Mas deixo aqui a minha crítica também acerca da forma como tão fácilmente apontamos os erros presentes e pretéritos, às vezes a roçar mesmo a injustiça e o insulto gratuito, pondo em causa, muitas vezes, o esforço de alguns em prol de muitos, mesmo quando os resultados desse trabalho não colhem os louros desejados.

Volto a frisar, tal como em textos anteriores, que não ponho em causa o sportinguismo dos meus dirigentes, mas sim, a sua competência para tornar o Sporting melhor!
Mas tenho que voltar a repetir que cabe a nós. enquanto sócios e adeptos deste mágico clube, dar o nosso contributo, de uma forma construtiva, de modo a catalizar o almejado desejo de voltar a ver o Sporting no plano que ele merece.

Quanto a isso não vale muito a pena chorarmos constantemente em leite derramado, mas procurar, isso sim, as respostas necessárias para podermos evoluir.
Mas para ser possível atingir esse desígnio temos antes que entender o paradigma em que nos movemos.
O Sporting é constítuido por uma SAD onde o clube é maioritário e soberano nas decisões das mesmas. É na assembleia geral do clube e não no plenário da sociedade que se tomam as decisões maiores.
Só depois de aí aprovadas, estas se podem tornar legítimas em sede da Sporting SAD.
No entanto é comum assistir a muitos protestos e lamúrias dos adeptos, mas não conrespondentes à muito pouca participação activa em local próprio.
Depois, temos que entender que é fácil de mais vir para aqui reenvidicar equipas de futebol mais competitivas, através da aquisição de valores seguros quando o difícil é arranjar dinheiro para o conseguir.
Volto a repetir que o Sporting teve, em minha opinião uma gestão correcta e competitiva durante 4 anos onde conseguiu reequilibrar as suas finanças à custa do património e do esforço técnico e competente de todos os envolvidos.
Não quer isto dizer que tivéssemos alcançado todos os objectivos possíveis e não tivéssemos cometido erros… porque o mundo, esse não é perfeito e nem sempre nos satisfaz plenamente!

Para mais, temos diáriamente que competir com outros bem mais preparados que nós e outros ainda que se revestem de uma aura de ineputáveis, ao qual todo o mundo tem que se debruçar para os agradar…!
Quanto aos primeiros, devem ser apenas parte do exemplo que devemos seguir, mas onde, antes de mais, temos que conseguir cerrar esforços e manter a tolerância necessária para permitir que o edifício se resconstrua de um modo sólido.
Em relacção aos segundos, estes terão a resposta à sua forma irresponsável e demagoga de se gerirem e mais tarde ou mais cedo irão pagar toda a quantidade de disparates e megalomanias.
É que o mundo está cada vez mais difícil e os recursos e os apadrinhamentos políticos. e mesmo a roçar a corrupção, tenderão a acabar, se calhar, mais depressa do que se julga.

Voltando a nós, pretendo dizer apenas que devemos, isso sim, saber gerir os parcos recursos à disposição e não apenas desbaratá-los de uma forma tresloucada, aquilo que tanto custou a reunir… situação essa que reflete muito daquilo que se passa actualmente no nosso clube!

Mas, de resto, mantenha a minha ideia: é muito fácil criticar, é bem mais difícil empreeender…

Compreendo o desencanto Jaimitos, mas temos que continuar a lutar e lutar é dar o nosso apoio ao máximo e também a nossa crítica construtiva, para juntos, sem desfalecimentos, puxarmos pelo clube, de volta às vitórias, também no futebol. O SPORTING SOMOS NÓS.
.
Muito bom o post do Pepeu. :great:

Jaimitos, podias começar a escrever uma crónica no jornal Sporting

Parabéns ao Jaimito por mais uma crónica excelente, e ao pepeu pelo seu comentário !

Reerguer o Sporting !

O adormecimento dos Sportinguistas, sócios e adeptos, é, muito mais do que os passivos, delapidação de activos ou falta de títulos, a consequência mais grave da gestão daquela gente.

Compete-nos a nós mantermo-nos e aos Sportinguistas acordados.

SL

Eu acho que Portugal está todo em profunda anestesia. As pessoas já nem se importam com coisas impensáveis há 20 anos.

Peço desculpa, mas já leio aqui neste texto os “frutos” das doses maciças de brasileirismo que, se já eram preocupantes com as carradas de telenovelas e música brasileira, agora assumiram proporções dantescas com um acordo criminoso feito na mesma linha das cooptações: sem consultar, à socapa e por imposição.

Andámos nós a resistir e a exigir que respeitassem o Português de Portugal desde 1973, para não termos de “acessar”, “gerenciar”, assinar “patos de estabilidade” e não termos que lidar com os “fatos da vida”… eis que de repente a nova geração replica as “direções” e “parabeniza” os interlocutores em vez de os direccionar e congratular.

É assim que eu percebo como a comunicação social e os diktats são a melhor maneira de controlar o povo, especialmente em épocas onde há tanto tempo em que pensar, que as pessoas deixam passar tudo sem questionar e em piloto automático.

E é por isso que eu nem abro jornais “convertidos” como o Record. Eu ato as minhas botas, num acto diário: Nada de confusões. E quando tenho de me retrACtar, digo-o com a vogal aberta pelo C, da mesma maneira que distingo um retrato na parede de uma retracção ou retracto que possa vir a efectuar. É um facto que o dialecto brasileiro é uma variante muito mais pobre do Português, com menos riqueza lexical e de uma pobreza sintáctica atroz e é por isso que devemos cuidar do que é nosso.

Peço que não me levem a mal. Vejam isto como uma crítica construtiva. Se não me sentisse preocupado, não estava com o trabalho de vos chamar à atenção.

Mas tudo isto está ligado. Como o Jaimitos disse: Parece que já nada nos importuna.

PS: Acho maravilhosa a fotografia do leão! E cá para mim ele está só a reflectir :wink:

@ Viridis

Leio sempre os teus “posts” com imensa atenção. És um dos foristas que me habituei a procurar aqui no Fórum. Isto porque, apesar de teres pontos de vista diametralmente opostos aos meus em muitas coisas, quando escreves, escreves sempre com uma imaginação, uma capacidade de fundamentação, uma qualidade, que muitas vezes me deixa simplesmente estupefacto.

Este teu “post” merece nota 10. Não só porque me revejo nele e porque é um dos “posts” mais bem articulados e formulados que já li aqui neste Fórum.

Os meus sinceros :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap:, de alentejano para alentejano.

Txi! :-[
Compadre GBM, não tenho jeito nenhum para receber elogios, mas agradeço obviamente!

vamos deixar todo este desencanto e regressar ao apoio efectivo e militante que durante 18 anos, mesmo sem títulos, acontecia…deixar este amorfismo em que temos vindo a cair e que se reflecte na ausência de nervoso miudinho antes de um jogo do verdadeiramente glorioso…temos todos de puxar para o mesmo lado e ver uma coisa: neste momento os dirigentes do sporting são todos pessoas sportinguistas como todos nós… logo, serão eles os primeiros a sentir os insucessos… na sua dupla condição de simpatizantes e responsáveis!!! por isso, v :boohoo:mos ab :boohoo:ndonar a critica destrutiva e vamos, cada um de nós contribuir com a sua quota parte: o apoio nos jogos, para que a equipa se galvanize e jogue ao seu melhor nível, pois só assim será possível salvar a época… unidos… seremos muito mais fortes…

al-face… por alguma razão não se arredou pé durante 18 anos; este conformismo actual não nasceu por e pelos adeptos, foi provocado por actos e palavras de dirigentes que foram um insulto à nossa grandeza.

Bom texto… uma espécie de desabafo…

O quanto eu “sinto” aqui que não se dá importância aos jogos como se davam antes, apesar de não estar aqui à muito, mas dá para entender que isto está mesmo a ir de mal a pior…

O pessoal não tem onde concordar com as coisas, não gostamos dos mesmos jogadores, é tudo com 11’s diferentes, existe muita opinião diferente sobre os “casos”…

Mesmo com muitos golos, e vitórias, eu não as vibro como antes, estou a ver um jogo e: “Goolo.”

Quero jogos como o de Brondby, Benfica 5-3, Everton… por aí… quanto tempo mais faltará para haver mais “finais”… :frowning:
:’(

concordo com o amigo al face. o importante é o nosso sportiiiiinnngggg.
unidos é mais fácil
sporting para sempre

Lamentável este tipo de opiniões. Já agora, que tal ler o Acordo Ortográfico?
http://www.flip.pt/AcordoOrtogr%C3%A1fico/TextodoAcordo/tabid/511/Default.aspx
Nomeadamente a Base IV:
http://www.flip.pt/AcordoOrtogr%C3%A1fico/TextodoAcordo/BaseIVDassequ%C3%AAnciasconson%C3%A2nticas/tabid/517/Default.aspx
Pode estar-se em desacordo, mas deturpar não devia valer.

Mas isto interessa AQUI???
Esqueçam lá isso e façam-me sonhar que ser sportinguista é 1 orgulho para mim…sim, peço-vos a vós porque á corja que dirije, já percebi que não o farão!

Sporting sempre (mas triste, sem duvida)

Caro Viridis!

Eu ainda não tenho 1000 anos, como tu, mas apenas 44…
Como tal, e segundo o teu ponto de vista, incluo-me ainda naquilo que apelidas de novas gerações escravizadas e conformadas, entre outras coisas, ao próprio acordo ortográfico.

Acontece que eu não me revejo como tal, antes pelo contrário!
Até ao momento da absoluta necessidade de se ter que adoptar o novo léxico, considero-me mesmo, um resistente…
No entanto, tenho para mim presente que não vale a pena lutarmos, apenas e só, de modo avulso pelas nossas convicções, mas será, mais importante sim, sabermo-nos adaptar a novas realidades e paradigmas.

Para o presente assunto, parece que esta polémica tem pouca ou nenhuma utilidade, mas insisto nisto, a propósito do facto de considerar ser também este um problema vigente que afecta a actual realidade do meu clube e toda a sua incapacidade para saber reagir e se adaptar às actuais circunstâncias, com todas as dificuldades, mas também, com as oportunidades que este modelo nos oferece.

Acontece que, quanto a mim, existe neste momento, sobretudo, um conflito de prespectivas entre aqueles que tomaram as rédeas do nosso clube, nos últimos 15 anos e as óbvias expectativas e ensejos daqueles que abraçam a paixão pelo clube, na qualidade de sócios ou simples adeptos!

Sucede que os primeiros vêem, apenas como modelo de sucesso, uma gerência pragmática e toldada por objectivos muito normativos e burocráticamente estruturados, enquanto que os outros, descontentes com os resultados alcançados, vêem a saída para esta crise num retorno aos métodos e processos antigos, que em tempos, nos fizeram sonhar e chegar mais alto.

Penso que estamos mesmo todos um pouco equivocados quanto ao rumo que seguir, porque parece-me a mim que não há lugar a qualquer modelo primário mas também não existe uma inteligência, estruturadamente sólida, na forma como é conduzido o actual processo de gestão.

No entanto, tendo tido a oportunidade de ler alguém, em entrevista, que se posicionou como peça fundamental na condução do clube nos últimos anos - Carlos Freitas - mantenho a minha convicção que tivemos no limiar duma solução capaz e bem mais consensual com os objectivos de todos, durante 4 anos com resultados visíveis que acabaram por ser descontinuados apenas pela ansiedade e sofreguidão da massa associativa, que não vê como caminho aceitável, ter que esperar o que quer que seja necessário para conseguir reunir as condições possíveis, para chegar de uma forma sólida ao topo.

Tivemos durante esse período gente muito válida, que agora está a provar as suas capacidades fora do nosso clube, ainda que não isenta de erros como é absolutamente natural e humano, mas essa é apenas a percepção que todos devem ter quando apreciam o trabalho desenvolvido por outros, devendo saber dar a margem necessária ao desenvolvimento de um processo que tem sempre de admitir irregularidades e momentos menos conseguidos, a caminho de um objectivo que se pretende ser bem sucedido …!

Agora temos enfim que viver com outros que vivem, sistemáticamente, no erro com resultados bem visíveis, levando-me a ter sentimentos nostálgicos dos tempos que já não voltam…!

Se o Sporting tivesse 1000 anos como tu, não poderia viver nesse paradigma que defendes porque já teria morrido por inadaptabilidade àsa novas realidades que nos confrontam sistemáticamente.
Nem tu sequer serias ainda vivo, pois, até tu já tiveste que adaptar a tua escrita às muitas alterações surgidas no léxico da nosso lingua-pátria, mas suficientemente universalista para se manter viva num mundo que não é apenas o nosso, ou como nós queremos que seja…

Saiba o nosso clube e os seus adeptos, assim o perceber… e se adaptar!

Compreendo o tópico e as intenções nele depositado. Estava para escrever este comentário no tópico do Izmailov ou do Vukcevic, mas, de forma a não ser injusto para com os jogadores, pois não conheço todos os parâmetros que levaram às suas actuais posições dentro do clube e com os intervenientes técnicos actuais. Sem querer sem injusto com qualquer um dos titulares, suplentes ou júniores do Sporting, além de saber que o tempo do “amor à camisola” se esgotou e o profissionalismo não inclui também o brio e o orgulho de vestir uma camisola centenária com uma das mais belas histórias do futebol mundial. Sim, leiam a história do Sporting e aperceber-se-ão da beleza de pequenos momentos e pormenores que tornam a nossa história rica, cativante, deliciosa e com toques de requinte, dos quais os nossos jogadores, jovens da “cantera” principalmente, deveriam ser embebidos. Lembrei-me de escrever estas palavras ao ler uma parte da nossa história, para fazer um paralelismo com a actual profissionalismo (ou falta dele) dos jogadores que ostentam o símbolo mais lindo da Europa, do Mundo, da Galáxia e infinidades do Universo. Deixo um pequeno parágrafo com algumas situações da nossa história, para todos os verdadeiros adeptos (esqueçam as dezenas de infiltrados que todos os dias deixam o seu comentário, qual mina terrestre pronta a ser pisada. Mas têm um problema, os verdadeiros sportinguistas passam por cima delas, levados pela garra do leão e pelo sentimento de que, mesmo que nunca mais sejamos campeões, seremos sempre adeptos ferrenhos daquilo que é o Melhor Clube do Mundo)…

“”…Os “cinco Violinos” são uma lenda. Não apenas eles, mas toda a equipa. Azevedo, o heróico Guarda-Redes que um dia jogou grande parte de um encontro com o Benfica com um braço partido (não havia substituições, nem de Guarda-Redes) e assegurou a vitória… enquanto os “cinco violinos” jogaram juntos, durante três temporadas, o Sporting foi sempre campeão. Na última delas, em 1949, com um toque especial. O Sporting precisava de ganhar ao Benfica por três golos de diferença para conquistar o “tri”. Peyroteo esteve para não jogar, passou a noite em claro, com febre, mas alinhou. Marcou quatro golos, o Sporting ganhou por 4-1 e foi campeão."

Leram? Deliciaram-se? Eu sim, com toda a certeza. Mas novamente, e tantas vezes já estas épocas, entristeci-me. Onde está esta vontade de vestir a camisola e de dar tudo por ela, como se qualquer jogo fosse o último, ou o mais importante?
Ao ler este pequeno parágrafo, lembrei-me de todos os casos que têm assolado o Sporting nos últimos anos, com os jogadores a rejeitarem-se a jogar por um ou outro motivo. Mas, devemos ver o copo meio-cheio e não meio-vazio. Além dos problemas, lembro-me de nesta época Carriço, o capitão, o jovem leão que transpira sportinguismo por todos os poros, ter jogado um jogo doente, com febre. Ah leão. Assim, sim. Ainda houve quem dissesse, que não devias ter a braçadeira. Está muito bem entregue. Precisamos de jogadores como tu, que amem o Sporting verdadeiramente e que dêem o que têm e o que não têm em prol do nosso grande clube.

SPORTING! ACORDA! Lembra-te da tua glória e volta a ser grande, tão grande como os maiores da Europa.

Sobre a questão de Portugal, é muito simples…não há dinheiro, não há vícios.

Antes havia mais paixão pela bola, e o país já andava mal. Mas o que é facto é que também não havia tanta noção de quão mais elevadas podiam ser as nossas aspirações. Era tudo mais modesto, por outras palavras. No entanto, antes da crise tinhamos chegado a um estado superior ao que tinha sido a nossa realidade até aí e por isso agora parece que tudo se desmancha como um baralho de cartas. Por consequência a população anda mais preocupada e com menos vontade para muitas coisas, nomeadamente para o futebol. Já há problemas que cheguem fora da nossa cadeira em Alvalade.

É o que eu noto no público pelo menos.

Boa noite a todos.

Esta um excelente tópico. Parabéns :wink:

mas o que posso realçar é que para isto tudo contribuiu a hierarquia das direcções sucessivas do Sporting nestes últimos anos. é como na politica o governo é sempre de esquerda, o Sporting é a mesma coisa sempre com os mesmos ideais estas direcções não muda nada. Não há ninguém que consiga se impor e mudar o rumo dos acontecimentos e ganhar umas eleições. Muitos dos sócios com mais de 30 anos de sócio teem medo da mudança o que afectaria os custos do clube etc etc. Nunca saberemos assim, se não forem os sócios e adeptos mais novos a mudar isto eles continuaram la sucessivos e sucessivos anos.
Não é por isto que deixo de apoiar o meu clube e sábado lá estarei na Juventude Leonina a apoiar mais uma vez o nosso Sporting mas que as coisas vão mal isso vão. Temos que mudar!
Em relação aos adeptos não irem á bola e ficarem no sofá tem uma só explicação, o futebol do Sporting não entusiasma ninguém e ate podemos ganhar mas continua a ser medíocre. Para isso deve-se ao nosso treinador que é tambem medíocre mas quem nem tem culpa é ele, é sim quem la o pôs.
Por aqui me fico,

Saudações Leoninas :wink: