Ténis

Turim disponível para receber as ATP Finals caso Londres desista

Capital inglesa recebe a prova de forma consecutiva desde 2009

A cidade de Turim está disponível para receber as ATP Finals deste ano, caso Londres decida renunciar à organização da prova, devido à pandemia de covid-19, revelou esta terça-feira o presidente da Federação Italiana de Ténis (FIT).

Turim foi a cidade escolhida para ser a nova sede das finais da ATP a partir de 2021, em substituição da capital inglesa, que recebe a prova de forma consecutiva desde 2009, mas Angelo Binaghi garantiu que, caso seja necessário, estará tudo preparado para isso acontecer já este ano.

“Falei com a presidente da câmara de Turim e, se Londres não puder, nós aproveitaremos. O ténis é o desporto mais seguro a nível sanitário. Não pode ser tratado como um desporto de equipas. Com as devidas normas de segurança, como vestiários fechados e bancos em lados opostos de campo, o ténis pode e deve ser retomado o mais rápido possível”, disse Binaghi.

As ATP Finals estão agendadas de 15 a 22 de novembro na O2 Arena, em Londres, recinto que tem apenas essas datas livres para receber o habitual torneio de fim de época.

Em entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera, o responsável da FIT admitiu ainda a possibilidade de realizar encontros sem público e mostrou-se esperançado de que o Masters 1000 de Itália, agendado para maio, mas que acabou adiado, ainda possa ser disputado, seja em Roma ou noutra cidade.

O novo coronavírus já provocou mais de 117 mil mortos e infetou quase 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, cerca de 402 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 962 mil infetados e cerca de 80 mil mortos, é o que regista o maior número de casos, e a Itália é o segundo país do mundo com mais vítimas mortais, contando 20.465 óbitos e mais de 159 mil casos confirmados.

Já o Reino Unido regista 11.329 mortos, em 88 mil casos de infeção.

Record

TÉNIS VOLTARÁ COMO NUNCA: SEM TREINADORES NEM APANHA-BOLAS, MENOS ESPECTADORES

TÉNIS 11:33

Por
Redação

Haverá no ténis, como noutras modalidades, um antes e depois da pandemia. O presidente da Federação italiana de ténis (FIT), Angelo Binaghi, previu que pelo menos durante um ano se jogue em condições nunca antes vistas, com muito menos gente em cada encontro. Sem apanha-bolas, sem treinadores nas bancadas e número reduzido de espectadores.

Todo o mundo do ténis está parado até 13 de julho e o regresso é ainda uma incógnita.

«Durante um ou dois anos nada será como antes, Os jogadores deverão ir buscar as bolas e toalhas, não poderão levar a equipa técnica. O público que entrar deverá sentar-se separado, com gel e máscaras para todos», disse Binaghi ao site da FIT.

«Será um bom sistema e o ténis deveria ser premiado pelas suas características únicas. É um desporto seguro a nível sanitário», acrescentou.

A Bola

Contagem dos ‘rankings’ não contam para efeitos de recordes

Enquanto a atividade estiver suspensa

A Associação de Tenistas Profissionais (ATP) informou hoje que enquanto a atividade estiver suspensa, pelo menos até dia 13 de julho, devido à pandemia de covid-19, as contagens dos ‘rankings’ não contam para efeitos de recordes.

“O ATP confirmou que o congelamento do FedEx ATP Rankings, com efeitos a partir de 16 de março de 2020, também se aplica a quaisquer recordes durante o período de suspensão do ‘Tour’”, escreveu o organismo na rede social Twitter.

Esta medida faz com que as contagens das semanas dos jogadores no top-10 do circuito ou do líder mundial fiquem suspensas, algo que também a WTA, que rege o ténis feminino, decidiu aplicar.

Record

ORGANIZAÇÃO MANTÉM US OPEN NAS DATAS ORIGINAIS

TÉNIS 00:00

Por
Redação

A Associação de Ténis dos Estados Unidos assegurou esta quinta-feira que o US Open se vai manter nas datas originais. A prova tem início marcado para 31 de agosto, em Nova Iorque, cidade do mundo com maior número de óbitos por Covid-19 (mais de 10 mil).

Mike Dowse, líder da associação, garantiu ainda que a prova será disputada com público.

«Não excluímos qualquer hipótese, mas para ser honesto, isso parece-me altamente improvável. A menos que especialistas médicos nos garantam que é estritamente necessário para garantir a segurança de todos, não me parece necessário», atirou.

Recorde-se que o Roland Garros (França) foi adiado de 24 de maio para 20 de setembro, enquanto o Wimbledon (Inglaterra) foi cancelado.

A Bola

Quarta edição da Laver Cup em ténis cancelada, mas regressa em 2021

Devido à pandemia de covid-19

A quarta edição da Laver Cup em ténis, agendada de 25 a 27 de setembro, foi cancelada por coincidir com outros grandes torneios da modalidade, devido à pandemia de covid-19, mas voltará em 2021, anunciou esta sexta-feira a organização.

“Anunciamos hoje que a Laver Cup não se vai realizar em 2020, mas vai regressar em 2021, em Boston. Isto está relacionado com as mudanças no calendário internacional que criaram conflitos com outros grandes eventos do ténis internacional”, comunicou a organização na página oficial na Internet.

Em comunicado, os responsáveis acrescentam que “a quarta edição da Laver Cup está prevista para acontecer em Boston, entre os dias 24 e 26 de setembro de 2021, no TD Garden”.

A Laver Cup é uma prova de exibição, fundada e organizada pelo suíço Roger Federer, que reúne duas equipas de tenistas masculinos, uma composta por jogadores europeus e outra por atletas do resto do mundo.

O helvético, quarto classificado do ‘ranking’ mundial, lamentou igualmente o cancelamento “infeliz e dececionante”, considerando que “foi a coisa certa a fazer para todos os envolvidos”.

“É lamentável que tenhamos de adiar a edição deste ano para 2021, mas, nesta fase, é a coisa certa a fazer. É bom que o TD Garden, em Boston, esteja disponível para nos receber no próximo ano e estou ansioso por jogar lá pela primeira vez”, referiu o detentor de 20 troféus do ‘Grand Slam’.

Toda a atividade do ténis internacional está suspensa até 13 de julho de 2020, devido à pandemia.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 145 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 465 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Record

US OPEN SEM PÚBLICO É «ALTAMENTE IMPROVÁVEL»

TÉNIS 19-04-2020 18:45

Por
Redação

A pandemia do coronavírus afetou a larga escala o calendário de 2020 dos circuitos ATP e WTA. Para já, Roland Garros foi adiado e Wimbledon foi cancelado, sendo, para já, prematuro prever o que poderá acontecer ao US Open. Para já, o quarto Grand Slam da temporada mantém as datas inicias (24 de agosto a 13 de setembro) e Mike Dowse, diretor executivo da associação de tenistas dos Estados Unidos, recusa a possibilidade de realizar o evento à porta fechada.

«Não é algo que possamos colocar de parte, mas, para já, esse cenário é altamente improvável e nem sequer se coaduna com o espírito do ténis», afirmou Dowse à AFP.

Nova Iorque tem sido o epicentro da propagação do Covid-19 nos Estados Unidos e o governo norte-americano até já alertou para a possibilidade de ter de instalar hospitais de campanha em Flushing Meadows, recinto do torneio.

A Bola

Federer defende fusão entre as associações de ténis masculina e feminina

Federer defendeu a união das associações que dirigem o ténis masculino e feminino, mas esclareceu que não pretende a fusão dos dois circuitos.

O suíço Roger Federer defendeu hoje a fusão entre as associações profissionais de ténis masculina (ATP) e feminina (WTA) e, ao mesmo tempo, pediu a união de ambas nestes tempos conturbados, devido à pandemia de covid-19.

Federer, quarto classificado do ranking mundial e vencedor de 20 títulos do Grand Slam, defendeu na rede social Twitter a união das associações que dirigem o ténis masculino e feminino, mas esclareceu que não pretende a fusão dos dois circuitos.

O suíço, de 38 anos, questionou se era o único a achar que era a hora dos tenistas, homens e mulheres, se unirem e saírem desta situação juntos, e abriu espaço ao debate, tendo vários praticantes aderido à ideia, como o australiano Nick Kyrgios.

“Não estou a falar de unir as competições nos courts, mas de fundir os dois organismos que os governam e que promovem os circuitos masculino e feminino”, explicou Federer, à margem de um projeto para angariar seis milhões de dólares (cerca de 5,5 milhões de euros), para ajudar tenistas em dificuldades.

O Jogo

TOUR OBRIGA AO ADIAMENTO DE ROLAND GARROS POR MAIS UMA SEMANA

TÉNIS 23-04-2020 23:28

Por
Redação

A organização do torneio de Roland Garros, segundo Grand Slam da temporada de ténis, decidiu adiar a prova por mais uma semana. Adiado de maio/junho para setembro devido à pandemia do Covid-19, o torneio na terra batida de Paris viu agora o seu início atrasado por mais uma semana - começará a 27 de setembro em vez de 20 e terminará a 11 de outubro - para não coincidir com o Tour de France, também ele adiado devido ao coronavírus.

A etapa final da mítica prova de ciclismo está marcada precisamente para dia 20 em Paris, o que sobrecarregaria as forças policiais nesse domingo na capital francesa. As televisões também foram favoráveis a este adiamento, uma vez que nesse fim de semana também se disputam as 24 Horas de Le Mans em automobilismo.

A Bola

Open da Austrália prepara-se para o pior cenário de só voltar a disputar-se em 2022

Devido à pandemia de Covid-19

Os organizadores do Open da Austrália estão a preparar vários cenários, entre os quais o de o torneio só regressar em 2022, devido à pandemia de coronavírus.

Segundo revelou Craig Tiley, CEO da Tennis Australia e diretor do torneio, várias possibilidades estão em cima da mesa: “Sermos o primeiro torneio de ténis a regressar à competição é um dos cenários com os quais lidamos. Outro cenário é disputar o Grand Slam sem público. Outro e o pior de todos é adiar tudo mais um ano e só regressar à competição em 2022. Temos que nos preparar para tudo”, assumiu ao jornal ‘The Age’.

Craig Tiley afirmou ainda que o torneio tem um seguro contra pandemia: “Temos um seguro completo e um seguro para pandemias. São dois tipos de seguro. Mas neste momento estamos em negociações com a mesma seguradora. E isto é interessante porque as seguradoras precisam de tomar uma decisão nesta situação. Provavelmente agora é um bom momento para as seguradoras pensarem em seguros contra pandemias.”

Record

Nadal: “Sou muito pessimista em relação ao regresso do circuito…”

Tenista espanhol considera que, “mesmo à porta fechada”, jogar será um problema sério.

O tenista espanhol Rafael Nadal, segundo jogador do ranking mundial, assumiu estar “muito pessimista” quanto ao regresso em breve do circuito internacional, face às viagens que o mesmo obriga e ao perigo da covid-19.

“Sou muito pessimista sobre quando o circuito voltará à atividade normal devido ao fato de termos de viajar. Embora se jogue à porta fechada, é preciso pensar que há muitas pessoas envolvidas. Internacionalmente, vejo isso como um problema sério”, justificou o atleta.

Em conversa virtual promovida pela Federação de ténis espanhola, o maiorquino de 33 anos assumiu que o mundo é hoje um lugar “muito difícil para todos depois de um mês e meio duríssimo, com muitas perdas de vida irreparáveis”.

A crise económica derivada da pandemia também provocará “um grande sofrimento na sociedade, pelas pessoas que vão ser afetadas com a perda do emprego”.

A seguir aos Estados Unidos e Itália, a Espanha é o terceiro país do Mundo com mais mortos, 23 190 mortos, registando-se ainda mais de 226 mil casos de infetados. Rafael Nadal entende que a situação no seu país poderia ser menos grave caso tivesse havido uma reação rápida das autoridades, entretanto obrigadas a decisões mais drásticas.

“Tivemos um momento muito mau e tivemos de adotar medidas extremas, porque infelizmente não tomámos medidas preventivas adequadas e agora o que continua a importar é salvar vidas”, criticou Nadal.

O tenista deplorou as “notícias muito desagradáveis” que foi vendo durante as últimas semanas, elogiou a “atitude memorável” dos profissionais de saúde e lamentou o facto de estes terem de trabalhar “sem dispor dos meios que precisava” para fazer o melhor possível.

O Jogo

THIEM NÃO CONTRIBUI PARA FUNDO DE JOGADORES COM PIOR RANKING POR NÃO SEREM «PROFISSIONAIS»

TÉNIS 09:36

Por
Redação

O austríaco Dominic Thiem, n.º 3 mundial, afirmou não contribuir para o fundo de apoio aos jogadores com pior ranking, mais fragilizados economicamente pela paragem de todas as competições devido à pandemia, por considerar que alguns deles «não se comportam com profissionalismo».

«Prefiro dar dinheiro a pessoas ou organizações que precisem verdadeiramente», atirou o Thiem ao jornal Kronen Zeitung.

A Bola

Coronavírus: Federação de Ténis pretende reatar competições em junho com limitações

Admitindo “restrições de público” e todas as “limitações” anunciadas pelo governo

A Federação Portuguesa de Ténis (FPT) pretende reatar as competições nacionais em junho, admitindo fazê-lo com “restrições de público” e todas as “limitações” anunciadas pelo governo devido à pandemia de covid-19, revelou esta quinta-feira o presidente do organismo.

De acordo com o plano de desconfinamento anunciado pelo executivo de António Costa, a prática de desportos individuais ao ar livre, sem a utilização de balneários ou piscinas, vai ser permitida já a partir de segunda feira, uma medida que é “boa para os praticantes” e deixou Vasco Costa “bastante contente”, conforme revelou em declarações à agência Lusa.

“A FPT já tinha suspendido todas as competições até 31 de maio e a nível internacional estão suspensas até 12 de julho. É nossa expectativa que as nacionais recomecem mais cedo e gostaríamos que fosse em meados de junho”, assumiu o líder federativo português.

A medida, além disso, é “obviamente boa” para os tenistas de alta competição, que começam a ver uma ‘luz ao fundo do túnel’, mas também para os praticantes de ténis de uma forma geral.

“Penso que a preocupação do governo é também que as pessoas recomecem a praticar desporto, que faz bem à saúde”, concluiu Vasco Costa.

O Governo definiu hoje, no plano de desconfinamento da pandemia de covid-19, que a I Liga de futebol e a final da Taça de Portugal vão poder ser disputados, permitindo também desportos individuais ao ar livre.

Estas medidas constam no plano de desconfinamento aprovado hoje em Conselho de Ministros, quanto à transição do estado de emergência, que cessa no sábado, para o estado de calamidade.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 227 mil mortos e infetou quase 3,2 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Cerca de 908 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 989 pessoas das 25.045 confirmadas como infetadas, e há 1.519 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Record

Ténis regressou com máscaras na Alemanha

Benjamin Hassan é um dos tenistas em ação no torneio

O ténis já ‘ressuscitou’ na Alemanha, com um primeiro torneio de exibição com alguma dimensão internacional e jogadores estrangeiros. Há transmissão televisiva, mas não há juízes de linha, apanha-bolas ou público, com todas as medidas de segurança a serem seguidas. Há mesmo jogadores a atuarem… com máscaras.

O conceito competitivo pode ser interessante, numa altura em que não se sabe quando a modalidade vai voltar, mas nem todos os jogadores estão particularmente confortáveis com a situação.

Yannick Hanfmann (143º do Mundo e antigo top 60) é um dos jogadores que admitem estar a jogar… pelo dinheiro. “Eu estou a economizar dinheiro neste momento e não iria desperdiçar a chance de melhorar essa parte. Faço pelo dinheiro. As coisas estão complicadas agora.”

Record

Diretor-executivo da WTA favorável ao desafio de fusão com o circuíto ATP

Desde o início da pandemia, os circuitos ATP e WTA foram forçados a tomar medidas de corte de custos e as épocas foram interrompidas em meados de março, com vários torneios cancelados ou adiados

A fusão dos circuitos de ténis masculino (ATP) e feminino (WTA) teve esta terça-feira o apoio do diretor executivo da “tour” feminino, Steve Simon, favorável ao desafio feito por Roger Federer e apoiado por outras lendas da modalidade.

“Não tenho medo de uma fusão, isso nunca me assustou. Certamente eu seria o primeiro a aprovar essa ideia. É obviamente um caminho longo e sinuoso para chegar lá, mas acho que faz sentido no mundo de hoje”, disse, em declarações ao New York Times.

Federer esclareceu que não pretende uma união das competições, mas da parte administrativa, já que entende que a atual divisão provoca confusão nos adeptos, face aos diferentes sistemas de “ranking” e distintas categorias de torneios.

“Estava a pensar… sou o único que acha que chegou a hora do ténis masculino e feminino se unirem para formar um só?”, questionou, há duas semanas no twitter, o suíço vencedor de 20 torneios do Grand Slam.

Rafael Nadal, segundo jogador do ranking mundial, secundou as suas palavras: “Concordo plenamente que seria excelente sair desta crise global com a união do ténis masculino e feminino numa só organização”.

“Eu concordo e digo isso desde o início dos anos 70. Uma voz, mulheres e homens juntos. Vamos fazer acontecer”, escreveu a lenda do ténis Billie Jean King, a dar mais força à ideia.

O Jogo

Open da Austrália pode disputar-se apenas com adeptos locais

Assumiu o diretor-geral do Grand Slam australiano, agendado para janeiro de 2021

O próximo Open da Austrália em ténis está pensado para vários cenários devido à covid-19, desde o ser cancelado ao disputar-se somente com adeptos locais, assumiu esta quarta-feira o diretor-geral do Grand Slam australiano, agendado para janeiro de 2021.

“O nosso melhor cenário neste momento é ter um evento com jogadores que possam chegar aqui cumprindo quarentenas, e com adeptos somente australianos”, disse Craig Tiley, à Associated Press.

Sem poder prever ou controlar o avanço da pandemia, o diretor-geral do ‘major’ australiano, o primeiro dos Grand Slam de cada temporada, assume que “o pior cenário” será mesmo o de não haver competição, sendo que a organização está preparada para as “diversas situações”.

A pandemia adiou ou cancelou mais de 30 torneios, com Roland Garros a ser transferido de maio para setembro e Wimbledon a ser cancelado pela primeira vez em 75 anos. Em junho, decide-se quanto ao Open dos Estados Unidos, o último dos quatro Grand Slam.

Na terça-feira, o espanhol Rafael Nadal, número dois do ranking mundial, admitiu que a época do ténis mundial apenas regresse em 2021, mostrando-se cético quanto a um recomeço ainda este ano, devido à pandemia da covid-19.

“[Regressar aos ‘courts’ ainda este ano] Oxalá, mas não acredito. Infelizmente. Espero estar preparado para 2021”, disse o tenista numa entrevista ao jornal El País, na qual falou em especial sobre o cenário existente devido ao novo coronavírus.

O vencedor de 19 torneios do Grand Slam, 12 dos quais na terra batida de Roland Garros, revelou pouca confiança no regresso à competição ainda este ano.

“Preocupa-me mais o Open da Austrália, do que aquilo que venha a acontecer no final deste ano. Vejo 2020 praticamente perdido. Tenho a esperança de poder recomeçar no próximo. Desejo que assim seja”, disse o tenista, de 33 anos.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 257 mil mortos e infetou quase 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Record

Federação francesa de ténis reembolsa os ingressos para Roland Garros

Torneio foi remarcado para o período entre 20 de setembro e 4 de outubro, se as condições sanitárias o permitirem

A Federação Francesa de Ténis (FFT) vai devolver o dinheiro dos bilhetes comprados para as datas originais do torneio parisiense de Roland Garros, que foi adiado devido à pandemia do novo coronavírus, foi esta quinta-feira anunciado.

O Grand Slam francês, disputado na terra batida do complexo parisiense, estava inicialmente programado para decorrer de 24 de maio a 07 de junho, mas foi remarcado para o período entre 20 de setembro e 4 de outubro, se as condições sanitárias o permitirem.

A federação gaulesa de ténis refere que tomou a decisão de cancelar e reembolsar todos os ingressos comprados para as datas originais do torneio de Roland Garros e que os reembolsos serão processados até ao final de maio.

O organismo refere ainda que está a trabalhar em estreita colaboração com as autoridades francesas “para estabelecer as medidas necessárias que garantam a saúde e a segurança de todos os agentes do torneio” no sentido de assegurar a sua realização em setembro.

Um novo procedimento de emissão de bilhetes será aberto oportunamente pela FFT se o torneio puder ser disputado nas novas datas.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 263 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

França é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, com 25.809 mortos em mais de 174 mil casos.

Record

ATP E WTA PREPARAM-SE PARA CANCELAR MAIS 14 TORNEIOS ATÉ AGOSTO

TÉNIS 09:25

Por
Redação

O ATP e WTA deverão, no próximo dia 15, cancelar mais 14 torneios dos circuitos masculino e feminino devido à pandemia do novo coronavírus.

Andrea Gaudenzi, presidente do ATP, confirmou a informação à Reuters: «Temos uma data limite, 15 de maio, para tomar decisões sobre os torneios de julho posteriores a Wimbledon. E a 1 de julho decidiremos sobre o que acontecerá em agosto», disse. Assim, Hamburgo, Newport, Bastad, Los Cabos, Gstaad, Umag, Atlanta e Kitzbühel (ATP) e Bucareste, Lausanne, Palermo, Jurmala, New Haven e Karslruhe (WTA) deverão juntar-se aos 34 torneios já anulados nesta temporada.

Gaudenzi disse ainda que «é possível jogar um torneio na Suécia nesta altura» mas «impossível fazer chegar 100 jogadores ao país» para o jogarem.

A Bola

FEDERAÇÃO FRANCESA ADMITE ROLAND GARROS À PORTA FECHADA

TÉNIS 10-05-2020 18:06

Por
Redação

O presidente da Federação Francesa de Ténis (FFT), Bernard Giudicelli, admitiu, este domingo, a possibilidade de o torneio de Roland Garros, adiado para setembro devido à pandemia de Covid-19, seja realizado sem público.

«Organizar a prova à porta fechada permitiria manter parte do modelo económico, os direitos televisivos e os patrocínios», disse Bernard Giudicelli. em entrevista ao Journal du Dimache.

A prova estava inicialmente agendada para 24 de maio a 7 de junho, mas foi remarcado para 20 de setembro e 4 de outubro, dependente da evolução da pandemia.

A Bola

ATP CANCELA COMPETIÇÃO ATÉ 31 DE JULHO

TÉNIS 15-05-2020 15:19

Por
Redação

O ATP anunciou, esta sexta-feira, os torneios vão continuar cancelados até 31 de julho devido à pandemia do coronavírus.

«Devido às incertezas acerca do Covid-19, temos muita pena de anunciar o prolongamento da suspensão da competição. Tal como todos os adeptos, jogadores e locais onde iam decorrer as competições em todo o mundo, nós partilhamos a vossa tristeza pela competição continuar a ser afetada desta maneira», afirmou o presidente do ATP, Andrea Gaudenzi.

A Bola

Cinco portugueses recebem perto de 8 mil euros

Do fundo de apoio aos jogadores menos bem classificados

Estão praticamente fechados os critérios de distribuição dos cerca de seis milhões de euros disponíveis no fundo de apoio aos jogadores menos bem classificados, que neste tempo de pandemia estão a sofrer bastante com a paragem, uma vez que sem competição… não recebem um único cêntimo.
Ao que Record apurou, vão ser contemplados todos os jogadores entre o 101º e o 500º posto de singulares e entre o 51º e 175º posto de pares. Ninguém abaixo disso recebe qualquer verba do circuito, ao contrário do que chegou inicialmente a ser pensado.

Restringir os apoios a jogadores do top 500 prendeu-se essencialmente com o facto de grande parte do dinheiro ter sido ‘injetado’ pelos torneios do Grand Slam, pelo que a lógica é que os tenistas que habitualmente jogam Majors sejam compensados.

Em Portugal, Pedro Sousa, João Domingues, Frederico Silva, Gonçalo Oliveira e Fred Gil são os cinco jogadores apoiados a confirmar-se que avançam estes critérios. Cada um recebe perto de oito mil euros.
A Federação Internacional de Ténis (ITF) anunciou entretanto que vai criar um fundo diferente, para tenistas entre o 501º e o 700º posto dos rankings.

Record