Segunda Liga Inglesa versus Campeonato Português

“A segunda liga Inglesa gera 3 vezes mais proveitos que o Campeonato Português, 460 milhões versus 150 milhões de Euros.
Premier League… 2 000 milhões
Italia …1 400 milhões
Espanha …1 200 milhões
Alemanha …1 200 milhões
França … 900
Holanda…350
Portugal …150
Dados de 2006”
Publico

Acho que já tinham sido apresentados estes dados, mas como não consegui encontrar aqui vão novamente.
Já que estava em discussão noutros topicos a competividade da “nossa” Liga.

e com valores claramente inferiores, estamos 'a frente da França e da Holanda no ranking de clubes e com a Alemanha ali mm ao perto, ag imaginem um país pequeno como o nosso com o triplo de receitas :roll:

Mundos diferentes. :lol:

Se a Liga tivesse outras mentes à frente se calhar a coisa mudava para melhor (o que não é difícil).

Se a Liga tivesse outras mentes à frente se calhar a coisa mudava para melhor (o que não é difícil).

Vem no seguimento do comentário que fiz ontem acerca da Liga Portuguesa. Para a realidade do nosso futebol, este modelo da 1ª e 2ª divisão com 16 equipas não é rentável. E enquanto não houver coragem para mudar esta realidade, será sempre assim.

Para além disso, o clima de suspeição do Apito Dourado também contribui negativamente para a promoção do espectáculo. Aposto que uma sondagem com a pergunta “Acredita na competência e profissionalismo dos organizadores das competições nacionais de futebol” daria uma vitória esmagadora ao “não”. Enquanto não se acreditar no topo, as bases nunca serão sustentáveis.

Para tornar o futebol português competitivo, na minha opinião dever-se-ia reformular o formato da Liga para um destes cenários:

  1. Idealmente, uma liga europeia. Existem estudos que demonstram que as ligas “grandes” são sustentadas e, por isso, os espanhóis, ingleses ou italianos não estariam interessados numa liga deste género. Mas com os melhores da Escócia, Holanda, Bélgica, Grécia e países nórdicos, conseguiramos ter a melhor liga da Europa, economicamente poderosa.

  2. Redução da liga portugesa para 12 equipas, como no modelo escocês. Depois, um de dois cenários:

2.1) Modelo escocês: todos contra todos 3 vezes. Separação no grupo dos 6 primeiros e 6 últimos. Mais 5 jogos dentro desses 2 grupos para apurar o campeão e quem desce (acumulando com as pontuações já conseguidas)

2.2) Playoffs, como noutros desportos em Portugal e como na maioria dos desportos americanos.

... 2.1) Modelo escocês: todos contra todos 3 vezes. Separação no grupo dos 6 primeiros e 6 últimos. Mais 5 jogos dentro desses 2 grupos para apurar o campeão e quem desce (acumulando com as pontuações já conseguidas)....

Na Escocia nao ha grupos. Jogam os jogos e no fim ha um campeao e um (dois?) relegado.

Só prova que os portugueses apesar de terem menos rendimentos, são muito bons naquilo que fazem…

Se a Liga tivesse outras mentes à frente se calhar a coisa mudava para melhor (o que não é difícil).

Vem no seguimento do comentário que fiz ontem acerca da Liga Portuguesa. Para a realidade do nosso futebol, este modelo da 1ª e 2ª divisão com 16 equipas não é rentável. E enquanto não houver coragem para mudar esta realidade, será sempre assim.

Para além disso, o clima de suspeição do Apito Dourado também contribui negativamente para a promoção do espectáculo. Aposto que uma sondagem com a pergunta “Acredita na competência e profissionalismo dos organizadores das competições nacionais de futebol” daria uma vitória esmagadora ao “não”. Enquanto não se acreditar no topo, as bases nunca serão sustentáveis.

Para tornar o futebol português competitivo, na minha opinião dever-se-ia reformular o formato da Liga para um destes cenários:

  1. Idealmente, uma liga europeia. Existem estudos que demonstram que as ligas “grandes” são sustentadas e, por isso, os espanhóis, ingleses ou italianos não estariam interessados numa liga deste género. Mas com os melhores da Escócia, Holanda, Bélgica, Grécia e países nórdicos, conseguiramos ter a melhor liga da Europa, economicamente poderosa.

  2. Redução da liga portugesa para 12 equipas, como no modelo escocês. Depois, um de dois cenários:

2.1) Modelo escocês: todos contra todos 3 vezes. Separação no grupo dos 6 primeiros e 6 últimos. Mais 5 jogos dentro desses 2 grupos para apurar o campeão e quem desce (acumulando com as pontuações já conseguidas)

2.2) Playoffs, como noutros desportos em Portugal e como na maioria dos desportos americanos.

Não sei porque é que, nos exemplos de outros formatos possiveis de ligas, se vai sempre buscar o exemplo da Escócia, onde a competitividade e a emoção futebolística são por demais evidentes

:arrow:

...

Não sei porque é que, nos exemplos de outros formatos possiveis de ligas, se vai sempre buscar o exemplo da Escócia, onde a competitividade e a emoção futebolística são por demais evidentes

:arrow:

Na realidade ate esta razoavelmente proxima da Liga Portuguesa:

  • Vive na sombra do vizinho gigante, sendo que jogadores da primeira liga escocesa vao frequentemente jogar para a segunda divisao (Championship) inglesa
  • Tem claramente 2 tipos de clubes, grandes e o resto que e constituido por clubes de pequena media dimensao, e de competitividade reduzida
  • Os clubes grandes absorvem as disputas pelo titulo deixando os outros a uma grande distancia, tanto economica, como desportiva
  • Ate as tacas teem semelhantes ja que geralmente um clube dos pequenos/medios chega a final disputando com um dos grandes
  • Tem problemas estruturais gigantes nascidos do desaparecimento do desporto de jovens ha uma decada ou duas, so agora reactivado
  • Os clubes estao a acordar para a formacao, ate os pequenos com por exemplo o Hibs a construir agora uma academia de futebol ao nivel do que de melhor se faz por esse mundo fora

Ate agora, soa familiar?

Nao tem e corrupcao a rodos… :lol:

... 2.1) Modelo escocês: todos contra todos 3 vezes. Separação no grupo dos 6 primeiros e 6 últimos. Mais 5 jogos dentro desses 2 grupos para apurar o campeão e quem desce (acumulando com as pontuações já conseguidas)....

Na Escocia nao ha grupos. Jogam os jogos e no fim ha um campeao e um (dois?) relegado.

Ainda há jogos de “grupo”. São 38 jornadas: 3 x 11 + 5 jogos.

Vê no site da liga deles:
http://www.scotprem.premiumtv.co.uk/page/Home/0,10002,00.html

Não sei porque é que, nos exemplos de outros formatos possiveis de ligas, se vai sempre buscar o exemplo da Escócia, onde a competitividade e a emoção futebolística são por demais evidentes

:arrow:

Como foi dito, é um país de características semelhantes.
E o formato dele até faz sentido. E, pessoalmente, preferia que o Sporting jogasse 4 vezes ao ano com o Porto e com o Benfica do que andar a gramar jogos com o Setúbal e o Desportivo das Aves!

Somos muito pequeninos. Do ponto de vista da dimensão, não há nada a fazer.

O pior de tudo é que se o futebol fosse muito bem gerido e Portugal vivesse tempos de bonança, podíamos estar a falar, no máximo dos máximos, do dobro…

A.A.

Somos muito pequeninos. Do ponto de vista da dimensão, não há nada a fazer.

O pior de tudo é que se o futebol fosse muito bem gerido e Portugal vivesse tempos de bonança, podíamos estar a falar, no máximo dos máximos, do dobro…

A.A.

Aí é que está: há possibilidades de mudança! Aquelas que referi são exemplos disso. Uma liga com 12 clássicos por época, em vez de 6, é economicamente mais interessante.

E uma liga europeia (quando foi sugerido, este projecto chamava-se Liga Atlântica, e envolvia Portugal, Escócia, Bélgica e Holanda) seria sem dúvida economicamente uma das mais fortes da Europa!

E uma liga europeia (quando foi sugerido, este projecto chamava-se Liga Atlântica, e envolvia Portugal, Escócia, Bélgica e Holanda) seria sem dúvida economicamente uma das mais fortes da Europa!

Isso teria de ser estudado com muito cuidado porque tens o problema dos transportes das equipas e adeptos (mas no caso das equipas portuguesas teriamos muito apoio lá fora) :arrow:

...

Não sei porque é que, nos exemplos de outros formatos possiveis de ligas, se vai sempre buscar o exemplo da Escócia, onde a competitividade e a emoção futebolística são por demais evidentes

:arrow:

Na realidade ate esta razoavelmente proxima da Liga Portuguesa:

  • Vive na sombra do vizinho gigante, sendo que jogadores da primeira liga escocesa vao frequentemente jogar para a segunda divisao (Championship) inglesa
  • Tem claramente 2 tipos de clubes, grandes e o resto que e constituido por clubes de pequena media dimensao, e de competitividade reduzida
  • Os clubes grandes absorvem as disputas pelo titulo deixando os outros a uma grande distancia, tanto economica, como desportiva
  • Ate as tacas teem semelhantes ja que geralmente um clube dos pequenos/medios chega a final disputando com um dos grandes
  • Tem problemas estruturais gigantes nascidos do desaparecimento do desporto de jovens ha uma decada ou duas, so agora reactivado
  • Os clubes estao a acordar para a formacao, ate os pequenos com por exemplo o Hibs a construir agora uma academia de futebol ao nivel do que de melhor se faz por esse mundo fora

Ate agora, soa familiar?

Nao tem e corrupcao a rodos… :lol:

A questão não é se somos semelhantes ou não. A questão é, a Escócía é uma bosta a nível de selecções e a nível de clubes, mesmo tendo muito mais dinheiro que os portugueses, então sendo assim porque raios é que estamos sempre a olhar para eles e a dizer que o modelo deles é que é bom? Eu vejo nesse modelo um enorme bocejo, em que não há competitividade nenhuma, e em que o 1º classificado ganha com vantagem de mais de 10 pontos. Porque é que havemos de copiar um modelo falhado?

PS. não acho que sejamos semelhantes à Escócia. As características que apontas existem em muitos campeonatos.

...

Não sei porque é que, nos exemplos de outros formatos possiveis de ligas, se vai sempre buscar o exemplo da Escócia, onde a competitividade e a emoção futebolística são por demais evidentes

:arrow:

Na realidade ate esta razoavelmente proxima da Liga Portuguesa:

  • Vive na sombra do vizinho gigante, sendo que jogadores da primeira liga escocesa vao frequentemente jogar para a segunda divisao (Championship) inglesa
  • Tem claramente 2 tipos de clubes, grandes e o resto que e constituido por clubes de pequena media dimensao, e de competitividade reduzida
  • Os clubes grandes absorvem as disputas pelo titulo deixando os outros a uma grande distancia, tanto economica, como desportiva
  • Ate as tacas teem semelhantes ja que geralmente um clube dos pequenos/medios chega a final disputando com um dos grandes
  • Tem problemas estruturais gigantes nascidos do desaparecimento do desporto de jovens ha uma decada ou duas, so agora reactivado
  • Os clubes estao a acordar para a formacao, ate os pequenos com por exemplo o Hibs a construir agora uma academia de futebol ao nivel do que de melhor se faz por esse mundo fora

Ate agora, soa familiar?

Nao tem e corrupcao a rodos… :lol:

A questão não é se somos semelhantes ou não. A questão é, a Escócía é uma bosta a nível de selecções e a nível de clubes, mesmo tendo muito mais dinheiro que os portugueses, então sendo assim porque raios é que estamos sempre a olhar para eles e a dizer que o modelo deles é que é bom? Eu vejo nesse modelo um enorme bocejo, em que não há competitividade nenhuma, e em que o 1º classificado ganha com vantagem de mais de 10 pontos. Porque é que havemos de copiar um modelo falhado?

PS. não acho que sejamos semelhantes à Escócia. As características que apontas existem em muitos campeonatos.

Porque é o modelo de liga de um país de pequena dimensão mais atraente. A não ser que consideres melhores a liga da Áustria, da Suíça ou da Bélgica…

Quanto à competitivade, prende-se com os participantes: a Escócia tem o Celtic e o Rangers e o resto é paisagem. E ultimamente o Rangers tem estado por baixo, daí os 10 pontos de vantagem. Mas por cá, a competitividade não é muito superior.

Para não falar do facto de a nossa liga ser um campeonato de falidos. São 13 equipas onde há dificuldades para pagar os salários a tempo e horas e 3 grandes que são cilindrados pelo potencial económico de uma equipa mediana de Inglaterra, Espanha ou Alemanha…

Sinceramente…eu queria mais para o nosso país.

Porque é o modelo de liga de um país de pequena dimensão mais atraente. A não ser que consideres melhores a liga da Áustria, da Suíça ou da Bélgica...

Quanto à competitivade, prende-se com os participantes: a Escócia tem o Celtic e o Rangers e o resto é paisagem. E ultimamente o Rangers tem estado por baixo, daí os 10 pontos de vantagem. Mas por cá, a competitividade não é muito superior.

Para não falar do facto de a nossa liga ser um campeonato de falidos. São 13 equipas onde há dificuldades para pagar os salários a tempo e horas e 3 grandes que são cilindrados pelo potencial económico de uma equipa mediana de Inglaterra, Espanha ou Alemanha…

Sinceramente…eu queria mais para o nosso país.

Devo escrever mesmo mal, uma vez que não me consigo fazer entender :roll:

Não percebo a piada da Austria, Suiça e Bélgica, são paises com pior futebol que o nosso, logo obviamente não são exemplos a seguir! Como também não é o exemplo escocês!

Competitividade
Portugal:
2006/07 FCP, 2º a 1 ponto
2005/06 FCP, 2º a 7 pontos
2004/05 SLB, 2º a 3 pontos
2003/04 FCP, 2º a 8 pontos
2002/03 FCP, 2º a 11 pontos
2001/02 SCP, 2º a 5 pontos
2000/01 BFC, 2º a 1 ponto
1999/00 SCP, 2º a 4 pontos
1998/99 FCP, 2º a 8 pontos
1997/98 FCP, 2º a 11 pontos
(o FCP venceu 5 campeonatos seguidos)

Escócia:
2006/07 Celtic, 2º a 13 pontos (falta 1 jogo)
2005/06 Celtic, 2º a 10 pontos
2004/05 Rangers, 2º a 1 ponto
2003/04 Celtic, 2º a 19 pontos
2002/03 Rangers, 2º com os mesmos pontos
2001/02 Celtic, 2º a 18 pontos
2000/01 Celtic, 2º a 15 pontos
1999/00 Rangers, 2º a 21 pontos
1998/99 Rangers, 2º a 7 pontos
1997/98 Celtic, 2º a 6 pontos
(o Rangers venceu 9 campeonatos seguidos)

Ao menos vamos imitar campeonatos mais competitivos; agora, Escócia?

alemid, mas acho que então também podemos por a seguinte questão, imagina que o campeonato escocês tinha só 2 voltas e mais equipas. O desnível seria maior.

Penso que esse formato na Escócia não funciona porque há 2 equipas MUITO acima das outras, e entre elas há sempre uma invariavelmente melhor que a outra. Portanto de todos os formatos, para campeonatos com poucas equipas competitivas considero este o menos mau.

alemid, mas acho que então também podemos por a seguinte questão, imagina que o campeonato escocês tinha só 2 voltas e mais equipas. O desnível seria maior.

Penso que esse formato na Escócia não funciona porque há 2 equipas MUITO acima das outras, e entre elas há sempre uma invariavelmente melhor que a outra. Portanto de todos os formatos, para campeonatos com poucas equipas competitivas considero este o menos mau.

Precisamente.

E, alemid, qual seria então segundo a tua opinião um modelo de Liga que possa ser bem adaptado a um campeonato de um país com a nossa dimensão?

alemid, mas acho que então também podemos por a seguinte questão, imagina que o campeonato escocês tinha só 2 voltas e mais equipas. O desnível seria maior.

Penso que esse formato na Escócia não funciona porque há 2 equipas MUITO acima das outras, e entre elas há sempre uma invariavelmente melhor que a outra. Portanto de todos os formatos, para campeonatos com poucas equipas competitivas considero este o menos mau.

Precisamente.

E, alemid, qual seria então segundo a tua opinião um modelo de Liga que possa ser bem adaptado a um campeonato de um país com a nossa dimensão?

X equipas a jogar todos contra todos em 2 voltas. O modelo usado desde sempre, em 90% dos campeonatos europeus e em 100% dos campeonatos europeus que interessam.

A única questão que se coloca é qual o nº X correcto, já se tentou com 18 e com 16, para mim a diferença é pouca e se os 16 são sinónimo de férias alargadas para os jogadores no Natal e campeonatos a acabar 1 mês antes de todos os outros, voltem as 18 equipas por favor!