[Série] As 5 derrotas mais humilhantes

Há várias definições de derrota humilhante. Há quem diga que é perder com o Benfica ou com o Porto por números gordos. Eu não acho. Por muito mau que seja um jogo com um rival, pelo menos perdeu-se com um igual ou, como infelizmente hoje sucede, com alguém com um orçamento bem superior ao nosso. Não. A verdadeira humilhação é quando se leva uma tareia de uma equipa fraca ou desconhecida, daquelas que já ficaria contente por não perder por muitos ou até - num arroubo de ousadia - levar um pontito do jogo. Quando se houve “Uma vergonha, vocês são uma vergonha!” ao som da “Guantanamera”. Quando temos vontade de doar os nossos jogadores para experiências científicas envolvendo lâminas rombas, choques electricos e implantes biónicos. Quando não temos coragem de sair da cama na 2ª Feira seguinte. Sim, sei que há material para 4 ou 5 listas destas - pelo menos! Mas as que escolhi constituem exemplos de fiasco ao cubo, a créme de la créme da humilhação. Aqui estão:

0-3 vs. Viking, Stavanger, 1999

O pai do campeão do mundo Marco Materazzi é creditado por alguns como tendo quota parte do crédito do título pela preparação física da equipa na pré-época. No meu livro, é apenas responsável por frases tão infelizes como “o Sporting é uma das quatro ou cinco boas equipas portuguesas” (OK, nada de piadas sobre profecias para a época de 2007-8…) e pela derrota mais humilhante de sempre do nosso clube – e, acreditem-me, não é obra fácil. Perante uma equipa semi-profissional, ao tempo 9ª classificada da poderosa Liga Norueguesa, o Sporting ainda aguentou bravamente na primeira parte, mas acabou batido. E – o pior insulto que se pode dizer nestas alturas - com toda a justiça do mundo. Já com Inácio ao leme, a segunda mão serviu apenas para reabilitar Beto Acosta, para um encolher de ombros à saída do estádio e para uma frase lapidar de um vizinho de bancada “Porquê é que ainda nos damos ao trabalho de participar?”

0-3 vs. Gil Vicente, Alvalade, 2003

Ao longo dos anos, tornei-me cínico sobre o juízo das bancadas de Alvalade. Afinal, demonstrámos todo o nosso conhecimento de bola adorando Maurício Pinilla e José Dominguez, insultando Figo e Pedro Barbosa e escorraçando José Mourinho. Boloni devia saber quando finalmente acedeu aos pedidos insistentes das bancadas e colocou Ricardo Quaresma e Cristiano Ronaldo de início na equipa: receita para o desastre. Os dois são jogadores geniais, mas defender não era com eles. Aos 20 minutos já perdíamos por 0-2 e podem adivinhar o resto…

0-4 vs. Penafiel, 25 de Abril, 1988

Havia uma anedota que se contava na Rússia de Yeltsin em que dois amigos se debruçam sobre um poço e um deles cai. Ao fim de um longo minuto, grita lá para baixo a perguntar-lhe se o outro se tinha magoado – e outro responde: “Não. Ainda estou a cair!”. O Sporting do final dos anos 80 deu pancadas sem conta nas paredes do poço até atingir o fundo e esta, contra uma equipa que nunca ficou acima do 10º lugar, foi das mais dolorosas. Chorei a ouvir isto no rádio e tentei fingir-me doente para não ir à escola no dia a seguir. A minha mãe não foi a na conversa e tive direito à maior sessão de gozo que me lembro – e naqueles anos não eram poucas.
O resultado, esse, é ainda hoje a maior vitória do Penafiel na I Divisão.

2-3 vs. Halmstads, Alvalade, 2005

Quando uma equipa está a fazer a cama ao treinador, não há nada a fazer. Após uma honrosa presença na final na época anterior, regressámos ao nosso padrão ridículo na Europa. Um estatuto de cabeça-de-série que só serviu para nos pôr a jogar com a Udinese na pré-eliminatória da Liga dos Campeões esteve na base desta eliminação tragicómica. Assistência fraca, atitude inqualificável dos jogadores, mas objectivo cumprido: treinador na rua! Contentes?

1-3 vs. Paços de Ferreira, Alvalade, 2001

Os adeptos do Sporting estão habituados a doses cavalares de crueldade divina e de incompetência própria – caramba, se jogássemos num campeonato só connosco, arranjávamos maneira de ficar em segundo! Mas mesmo pelos nossos padrões, o que se passou neste jogo justificava a queda do maxilar inferior do mais indefectível da Superior Sul. Ainda mais, quando a equipa dessa época era capaz do 8 ou do 80. 10 minutos, 0-1: acontece, pouca sorte. 12 minutos, 0-2, mau, mau… 22 minutos, o ponta-de-lança do Paços bisa: esfrego os meus olhos - mas que merda é esta?! A Quinta Dimensão?! Em pleno Alvalade, o Paços fechava um jogo com toda a limpeza antes da meia-hora. O Sporting ainda reduziu por Spehar, mas o resto do jogo sem grandes sobressaltos. Será que não sabemos acabar campeonatos perdidos com um mínimo de dignidade?

Assim de repente:

os 3-0 do Viking lá na Noruega na altura do Materazzi

os 3-0 do Gil Vicente em Alvalade na 2ª época do Boloni

os 4-0 em Paços de Ferreira na 2ª época do Boloni

os 3-0 em Alvalade frente ao clube turco de nome indizível, na época do Fernando Santos

e os, salvo erro, 4-0 (ou foram 3? já não me lembro bem… :think:) também em Paços de Ferreira na 2ª época do Peseiro.

Para mim a pior de todas e que ainda hoje custa só de pensar nela foram os 3-6. Estive lá e não esquecerei a desilusão e a tristeza que senti, depois deste jogo fiquei vacinado.

A partir daí todas as outras são suportaveis e ao fim de umas horas já nem me chateio. Assim de cabeça, a que mais me irritou foram os 3-0 em casa com os turcos do gençabirligi ( será assim que se escreve ? ) no tempo do Engº do Tenta e a da final da Taça Uefa.

Não sei se será humilhante mas a derrota que mais me custou foi os 1-3 na final da UEFA.A partir desse jogo passei a olhar o futebol com outros “olhos”,foi uma grande desilusão logo acho que por mais derrotas que tenhamos se “sobrevivi” àquele jogo acho que já mais nenhuma derrota me deixará tão profundamente triste como naquele jogo.
Depois desse os 3-6,aí penso com mais contornos de humilhação,vá lá que JVP viria a compensar-nos com uma grande época 2001/2002. ;D
Depois haverão muitos jogos que já foram aqui referidos como humilhantes como derrota,mas para mim estes dois jogos estão na primeira linha,no caso dos 1-3 mais desilusão que humilhação.

Na linha do teu comentário, para mim tb a final da UEFA mudou a minha maneira de ver a bola. Nunca mais dei o suficiente de mim ao clube para poder ter uma desilusão tão grande…

Todas as derrotas já referidas foram terríveis. O pior do jogo com o Genç - Genclerbr - Genclerbrilg - Gonclerbrugllygi - fdx - Gençlerbirligi foram aqueles golos antes do intervalo. Tínhamos empatado 1-1 na Turquia e creio que todos ficámos com a sensação que o Genc - bem, que os turcos estavam perfeitamente ao nosso alcance. Depois, quando demos por isso estava 0-2. Se bem me lembro, fiquei o intervalo todo sem me mexer e sem falar.

Os 0-3 contra o Viking também foram uma desgraça, sobretudo pelo “famoso” penalty contra o Sporting, marcado devido ao facto de um dos nossos centrais (Marco?) ter agarrado a bola com ambas as mãos, como quem diz se é para ser penalty, então que seja descarado.

O 3-6 foi um pesadelo completo e o 0-3 contra o Gil Vicente também foi marcante.

Também me lembro dum jogo contra os amigos do Alverca em que um jogador deles (Nandinho? Carlitos?) marcava golo cada vez que rematava quase do meio campo. Aposto que nunca mais fez nada assim. Perdemos, segundo creio, 2-3.

Mas a derrota que mais me custou foi a da final da Taça UEFA. Ainda hoje quero que o CSKA perca sempre (que se lixe o fair play) e vejo a bola a bater nos dois postes sem entrar vezes sem conta…

Também achei humilhantes as derrotas da era Peseiro na Mata Real e nos Barreiros, penso que ambas por 0-3.

Depois lembro-me da eliminação Taça, em casa, frente à Naval de Costé.

Houve também umas humilhações nas épocas de Waseige e Octávio Machado.

Mas as derrotas mais humilhantes já foram referidas. A com o Gençlerbiligi (0-3), Gil Vicente (0-3) e Halmstads (2-3) figuram na minha short list. ^-^

Nandinho, julgo. E acho que Mantorras também marcou a Schmeichel nesse jogo. O Alverca dava-nos sempre na pá. Na época do título 2001/02, no último jogo da era A.J. (antes de Jardel) também ganharam em Alvalade 1-0, com um golo perto do fim. ^-^

Era treinador do Alverca o nosso actual adjunto Carlos Pereira.

Ao passar por outro tópico lembrei-me agora: 3-4 em Alvalade com o V.Setúbal, na despedida do velhinho José Alvalade. Ouch! ^-^

Estava a ler os posts acima deste último e preparava-me para referir essa derrota com o Setúbal.

Concordo com quase todas as já enumeradas (embora ache que a derrota na final da UEFA teve muito mais drama que humilhação), mas acho que nada bate esse jogo de despedida do estádio antigo.

Aquilo foi um vexame do princípio ao fim: a época que estava a terminar, a exibição, o resultado, o facto de nesse dia dizermos adeus ao velho Alvalade e a deprimente homenagem às grandes figuras do Clube que se seguiu, presenciada por meia dúzia de gatos pingados. :wall:

Alverca x SPORTING (3-1)
Penso que foi neste jogo que o Mantorras foi considerado “Deus lampiónico”

SPORTING x Gençlerbirligi (0-3)
Humilhados pelos turcos em casa.

SPORTING x Leverkusen (0-2)
Lembro-me do banho de bola que levámos em casa. Os alemães acabaram aplaudidos tal foi o espetáculo proporcionado.

SPORTING x Lamparinas (3-6)
Sem mais comentários.

Tem havido várias derrotas humilhantes nas competições europeias, mas as seguintes são piores, quanto a mim.

5-0 contra o Benfica na Luz numa eliminatória da Taça de Portugal em 1986. Nunca mais me esqueço desse dia. A eliminatória foi disputada numa quarta-feira à tarde, estava na escola e toda a gente ía ouvindo o jogo pela rádio. Imagine-se o que tive de aturar dos lampiões… ^-^

3-6 contra o Benfica. Sem comentários… :sick:

0-1 contra o Benfica em 2000. Num jogo em que pela primeira vez em muitos anos podíamos fazer dos lampiões cabeçudos, jogámos uma miséria, e o Benfica, com uma das piores equipas que vi jogar em Alvalade, ainda conseguiu ganhar o jogo. É sempre assim. Para o Sporting ganhar ao Benfica tem de fazer uma grande exibição. Já os lampiões têm ganho jogos em Alvalade sem saber ler nem escrever.

0-1 contra o Porto em 2003, não pelo resultado em si, que é vulgar, mas porque o Porto vulgarizou o Sporting em Alvalade como eu nunca vi em nenhum jogo contra os andrades, cá ou no Porto. Tivemos “sorte” em não levar 4 ou 5…

3-4 no último jogo disputado no velho estádio de alvalade contra o Vitória de Setúbal e o 0-3 contra o Gil Vicente nessa época também. Uma das piores épocas de sempre em jogos em casa.

3-6 Humilhante e dramática.

5-0 no galinheiro em 1986 para a Taça, estive lá a meio do jogo começou a chover saí de lá humilhado e encharcado.

5-0 em Glasgow com o Celtic

0-3 com o birigigi

4-0 em Penafiel

Não sei porquÊ mas as mais dramáticas eu tive o horror de assistir:

o 4-0 e os 3-0 em paços (os 4-0 no tempo de não sei quem, só me lembra do mauro marcar 3 golos) (os 3-0 no tempo do peseiro em que ele espeta o polga a lateral esquerdo)

A derrota de 1-0 no galinheiro que deu o campeonato aos lampeões…

A da taça uefa, quando nós a meter uma bola a andar ao lado da linha de golo para fazer o 2-2, eles espetam o 3-1… :frowning:

como sou novo, não me lembra de mais… mas essas para mim marcaram-me… e essa no galinheiro é que foi.

Uma que me custou bastante foi uma derrota nas Antas por 4-1, marcou Rochemback para nós.

Mourinho era treinador adversário e até me vieram as lágrimas aos olhos. Que humilhação. :-[

Foi quando pagámos a factura por o AC Milan ter limpado a Supertaça ao Fóculporto. Que dia! ^-^ “Valeu” pela estreia do Liedson com o S ao contrário.

4-0 com o Rio Ave
0-3 com os turcos
3-6 com os orcs
3-0 com o viking !!
1-3 com o CSKA

Dupla humilhação,como sportinguista e varzinista… >:(
Muito mau esse jogo,também entra como um dos mais humilhantes.

Dessa salvei-me. Fui para uma festa de aniversário com a minha namorada e foi o único jogo do Sporting que passou na TV e que não vi nos últimos 10 anos. Nem os resumos quis ver… >:(