Receitas por ex-jogadores

Tal como podem confirmar no Regulamento Relativo ao Estatuto e Tranferências de Jogadores disponivel que retirei do site da FPF:
[url]http://www.4shared.com/file/52941562/5a290914/CO393_regestatuto_e_transfjogadores.html[/url]

essa medida compensatória da Fifa foi criada em 19 de Dezembro de 2004, e entrou em vigor a 1 de Julho de 2005. Só as transferências realizadas após essa data é que estão abrangidas por estas regras.
Daí não termos recebido nada pelas transferências dos jogadores supra-citados.

Dirigentes do Sporting, cuidado que o pintinho já anda a dizer que pode baixar o valor do Quaresma sendo compensado com a vinda de jogadores lá do Inter. Como funciona a lei nesses casos em que jogadores são utilizados para pagar um outro jogador?

Apesar de ainda não a ter lido extensamente, julgo que não funciona. O calculo da percentagem a receber é feito baseado no valor monetário da transacção, porque valorar o passe de atletas cedidos, seria sempre um processo altamente especulativo.

Nesse caso altera-se a lei para não prejudicar terceiros. Ou seja a venda do passe, com ou sem jogadores envolvidos como moeda de troca, fica avaliada em X milhões independentemente do valor desse X que seja pago em dinheiro. Ou será que continuaria a ser especulativo? ???

Melhor era o Porto mandar o Pele para cá para pagar a nossa parte :rotfl:

mesmo quando existe troca de jogadores, é necessário informar o “custo” desse jogador que foi abatido ao preço total… acham que o fisco anda a dormir??? :twisted: :twisted: :twisted:

ten que pagar inpostos sobre o valor total €€+jogador, logo existe esse valor que será utilizado igualmente para o cálculo dos direitos de formação!

Se não me engano na transferência do Simulão para Madrid já recebemos a dita percentagem relativa à formação.

[b]Publicação: 27-06-2008 16:27 | Última actualização: 27-06-2008 16:56
Jogador do FC Porto

Quaresma assina pelo Inter de Milão

Depois de Figo ter assinado por mais um ano com o Inter de Milão, o clube campeão italiano agora dirigido por José Mourinho vai ter outro português no plantel: o avançado do FC Porto, Quaresma.

SIC[/b]

Espero sinceramente que o Mourinho o ajude a tornar-se no grande jogador que eu sempre achei que ele viria a ser…"no heart feelings

Bem vinda “guita” ;D

Mas fico contente por ele :beer:

Se for pelos anunciados 30 Milhões de €, temos direito a receber cerca de 825 Mil €.
Não é nada mau …

Ele não será vendido pelos anunciados 30 milhões, porque virá sempre mais um jogador no negócio. O valor total será maior, entre 35 e 40 milhões.

O que dará cerca de 1 milhão de euros para o Sporting.

realmente e um bom ponto:

alguem sabe se a percentagem a que temos direito e sobre o valor total da transferencia ou so sobre o valor monetario?

neste caso valor total da transferencia seriam 38-40M (30M + 1 jogador) mas o valor monetario sao so 30M…

quem sabe a resposta??

Tens razão, regio! Quando houve essa transferência do Simão do Benfica para o Atlético, o Sporting recebeu essa percentagem. Lembro-me de na altura termos discutido aqui todos esses pontos que agora voltam a ser discutidos. E já na altura, também alguém colocou aqui um link para a lei tal como agora fez o Giribi. Já também nessa altura perguntou-se pq é que então não tínhamos recebido nada da transferência do Quaresma e do Simão, do Barça para o Porto e para o Benfica. E também foi explicado que a lei ainda não estava activa quando esses negócios ocorreram.
Mas é um facto, que sendo a maioria daqueles que formamos, jogadores de inegável qualidade, daqui por uns anos, estaremos a receber dinheiro (às vezes muito) durante as épocas de transferência.

Ou seja, os clubes formadores (como nós), vão começar a aproximar-se paulatinamente da capacidade económica dos grandes clubes. Se estamos em via de receber 5 milhões de euros esta época (Ronaldo, Quaresma, Carlos Martins - apesar de estarem incluídos os tais 40%, etc), daqui por umas épocas, valores parecidos com este poderão acontecer em praticamente todas as épocas de transferência. Ora isto vale praticamente metade da participação na fase de grupos da Champions.

E assim também se explica a explosão na criação de escolas de jogadores por esse mundo fora. Mesmo que o objectivo seja apenas a formação e não a competição imediata, essas escolas de jogadores tornar-se-ão num negócio altamente lucrativo a médio e longo prazo.

Caro dmalmeida, vou escrever aqui algo parecido com o que escrevi noutro tópico.

1- As transferências do CR e do Quaresma estão longe de estarem confirmadas, sobretudo a do CR, logo essa teoria vai por água abaixo.

2 - A transferência do Carlos Martins também ainda não está confirmada oficialmente, mas, mesmo que se venha a confirmar, trata-se de um negócio em moldes diferentes. O Sporting lucra porque detém 40% do passe do jogador. Os direitos de formação renderão no máximo 150 mil euros neste negócio.

3 - Transferências por valores de 80-100 milhões são raríssimos. Aliás, incorrecto. São inexistentes! Falas(m) como se o Sporting pudesse lucrar regularmente 3 milhões em direitos de formação com um só jogador. Não iremos assistir a negócios de 80-100 milhões por ex-atletas do Sporting todos os anos, certamente…

4 - Se atletas formados no Sporting são vendidos por valores dessa magnitude é porque se revelaram grandes jogadores. Grandes jogadores esses que contribuiram desportivamente para um clube que não o Sporting, pelo que é maior a frustação de não ter visto esses jogadores mais anos no Sporting que propriamente a satisfação por ganhar uns míseros trocos com as suas vendas.

5 - Quando digo míseros trocos, refiro-me aos 800-1000 mil euros que o Sporting poderá ganhar com o negócio do Quaresma, mais os 150 mil euros do Carlos Martins. Não considero o negócio do CR como provável, longe disso.

Portanto, quando dizes que o Sporting se poderá aproximar paulatinamente da capacidade económica dos grandes clubes com base nestes negócios, acho que estás a revelar um optimismo do tamanho do Universo.

Não é por aí, com toda a certeza do Mundo.

(se ficassemos com percentagens dos nossos maiores talentos, tipo 30-40% do passe do CR ou do Quaresma, aí sim poderia fazer algum sentido; mas os passes dos melhores são vendidos na sua totalidade)

Balakov, a tua perspectiva tem a haver com a actualidade, e não com o possível futuro.
Se reparares, estão neste momento no activo 7 jogadores de inegável qualidade que foram formados pelo Sporting (Figo, Simão, Quaresma, Ronaldo, Nani, Moutinho e Veloso) - dei-me ao luxo de não colocar nestes 7 o Carlos Martins, Hugo Viana ou Luís Boa Morte.
Se reparares, entre Figo e Quaresma, existe um gap temporal enorme, pois ainda não havia Academia. Mesmo sendo bons na formação de jogadores, a Academia tornou-nos melhores e seremos ainda melhores com o passar dos anos. Acredito que estaremos próximos de todos os anos saírem da Academia 1 ou 2 jogadores de inegável qualidade.
O que muitas vezes acontece, é que por falta de oportunidades nos seniores, ou por falta de acompanhamento ou por diversos factores, esses jogadores acabam por passar ao lado de grandes carreiras. Se houver uma aposta séria de potenciar todos os anos 2 jogadores que venham do 2º ano de juniores (quer na equipa principal, quer emprestando a clubes de divisões superiores), daqui por 12 anos estarão no activo no mercado internacional 20-25 jogadores de qualidade que foram formados em Alvalade/Alcochete (neste momento estão 7 devido ao tal gap na formação que existia pré-Alcochete).
Se olharmos para a carreira de Figo (é o melhor exemplo visto que está na fase terminal da carreira), depois do Sporting, ele apenas se transferiu 2 vezes. Só com os valores dessas duas tranferências, a nossa percentagem (se a lei já estivesse em vigor nessa altura) daria um valor maior que aquilo que o Barça pagou ao Sporting pelo passe dele (foi quase de graça). Mais ainda: se reparares, essa percentagem daria praticamente 4 milhões de euros (não me lembro bem do valor da tranferência do Real para o Inter).
Ou seja, um jogador que apenas fez duas transferências depois de sair do Sporting, poderia ter rendido ao clube quase 4 milhões de euros no caso dessa percentagem de solidariedade estar já activa. Está certo que o Figo chegou a ser o melhor do mundo e que nem todos os anos surgem jogadores dessa valia. Mas também é verdade que são poucos os jogadores que fazem uma carreira até aos 36 anos e que só se tranferem 2 vezes depois de sairem do clube de formação. Para além de que apesar de os valores da tranferência do Figo do Barça para o Real terem sido muito elevados na altura, hoje os valores médios de transferências são bem mais altos que antigamente. Existe muito mais dinheiro no futebol do que existia nessa altura.

Portanto como conclusão, se acontecer que ao longo de uma carreira um jogador formado no Sporting consiga valer em tranferências ao clube, qualquer coisa como 2,5 milhões de euros, e partindo da tal hipótese de conseguires ter 2 jogadores por ano nessas condições, significa que esquecendo a transferência original que levou o jogador a sair do clube, com alguma facilidade conseguirás anualmente os tais 5 milhões que falei no post anterior.

Poderás dizer-me que dificilmente consigo dois jogadores por ano de top. Não sei, talvez sim, talvez não. Mas mesmo que não consigas 2 jogadores que valham 2,5M em “comissões” ao longo da carreira, em 10 ou 12 jogadores que todos os anos saem do 2º ano de juniores, talvez haja só 1 que vale esses 2,5M e outro que vale 1M e mais 2 que valem 0,5M (para atingirem este 0,5M basta que ao longo da carreira o total das suas transferências seja de 10M€, o que julgo que não seja assim tão dificil com tantas bostas de jogadores a valerem isso num só transferência).

Claro que preferia que jogadores desse calibre ficassem para sempre no Sporting, mas também sei que isso neste momento não é possível, mas que a pouco e pouco estaremos a caminhar para que isso aconteça.

Eu mantenha a minha opinião, sou a favor de não descurar este “nicho de receitas”. É certo, como já aqui foi dito, que em 90% das vezes, se tratam de valores irrisórios, na ordem de poucas centenas de milhares de euros.

Mas para um clube com a saúde financeira do Sporting, esses valores podem dar jeito, se forem bem canalizados. Por exemplo, pode-se ajudar a pagar o leasing da Academia com os valores que recebemos com os direitos de formação.

E o caso do Carlos Martins é a excepção mas como já disse, acho que não devia. O Sporting com os jogadores séniores com que não conta, em vez de os deixar sair quando acabam o contrato, deveria preferencialmente deixá-los partir a um ano do fim para outros clubes a custo 0, mantendo uma percentagem futura de uma possível venda. É claro que isto não se poderá fazer sempre mas quando for possível, é uma situação que deve ser explorada pelo Sporting.

Assim de repente lembro-me do caso do Paulo Sérgio e do David Caiado, que acabaram contratos este Verão e saem, quando o poderiam ter feito o ano passado mantendo o Sporting uma percentagem do passe deles.’

O problema está que para haver lucro nessas futuras transferências os jogadores terão de ter um mínimo de qualidade e devem por cá ficar pelos menos até aos 21 anos, caso contrário nem vale a pena.

Acho que deveríamos separar as águas. Há dois casos distintos:

  • Existem os jogadores de elevada qualidade que serão aposta na equipa principal e aí sim ganharemos de futuras transferências (ex: Moutinho ou Veloso). Esses jogadores são os únicos que renderão alguma coisa dado o valor das transferências.

  • Existem depois os outros jogadores que foram apostas no passado mas por algum motivo não singraram. Esse tipo de jogadores vale a pena rentabilizar ficando com uma percentagem do passe para lucrar numa futura transferência (ex: Martins, Semedo ou Varela).

O bons serão sempre bons e basta apostar neles que o sistema acaba por nos dar os devidos lucros automaticamente.
A meu ver onde poderia haver uma melhoria é no mercado de excedentes que tem alguma qualidade e dos quais retiramos muito poucos dividendos.

Resumiste tudo o que eu pensei e que já tentei explicar aqui. É naquela segunda vaga de jogadores que o Sporting pode melhorar bastante o seu desempenho actual. Nisto os rosinhas conseguem trabalhar muito melhor, venderam Amoreirinha e mais uns quantos por verbas que não podem ser desprezadas num Clube com a nossa situação financeira.

regio, dá-me ideia que estás a descurar uma boa parte do mercado.

Falas dos de elevada qualidade como o Moutinho e o Veloso e depois os outros como Martins, Semedo ou Varela.

Admitindo que Moutinho e Veloso possam valer 25M numa primeira transferência e que Martins, Semedo e Varela possam valer 3 ou 4M na mesma 1ª transferência, será que só formamos jogadores dessas duas gamas de valores?
Será que os jogadores que saem da Academia só poderão valer 20M, 3M e 0M? Será que não exisitrão jogadores que possam valer 7M ou 5M ou 15M ou 11M ou mesmo 2M ou 1M?
Não te esqueças que vender 10 jogadores por 2M dá-nos tanto dinheiro (agora e futuramente) como 1 jogador por 20M. Será que nos podemos dar ao luxo de negligenciar o valor que nos poderá eventualmente render jogadores que até podem não servir para a nossa equipa, mas que nos deu algum trabalho a formar?
Cada campeonato tem, aproximadamente, 500 jogadores inscritos, o que em 6 campeonatos de topo, equivale a 3000 jogadores. Será, que sendo nós uma das escolas de jogadores mais reconhecidas da Europa, não poderemos ambicionar a que 2 ou 3% desses jogadores tenham como proveniência Alcochete? Será que os bons negócios serão apenas jogadores como CR ou Nani para clubes como Manchester ou Barcelona? Será que é fantasia pensar que podemos vender jogadores (não tão bons como CR ou Nani) ao Birmingham ou ao Wolfsburgo ou ao Parma?
Com a qualidade que temos em formação, julgo que podemos ter a ambição de formar jogadores em número e qualidade suficiente para fornecer esses 2 ou 3% e ainda ter 80% do nosso plantel principal preenchido com jogadores formados em Alcochete (não todos com 20 anos obviamente)?
De todos os 13 ou 14 jogadores que este ano saem dos juniores, quantos deles é que (se jogarem com regularidade) daqui por 1 ou 2 anos valem 1M€ (valor inferior ao passe de Purovic, Farnerud, etc)? Mesmo que fossem apenas metade eram mais de 5M€ que nos rendia esta fornada, mesmo contando que tivéssemos de suportar os ordenados deles (para já baixos) durante esses 2 anos. Será que Bruno Matias, Marco Matias, André Santos, Vivaldo Arrais, etc não valem no mínimo 1M€? Não digo 10M, mas apenas 1M. Será que clubes ingleses ou alemães do meio da tabela (que têm mais dinheiro que nós) têm lá extremos melhores que o Marco Matias? Será que não valia a pena colocá-los num clube português ou estrangeiro a rodar, com a certeza que jogariam?
Tal como disse um outro forista noutro tópico, os ordenados dos jogadores emprestados seriam pagos por nós em valor proporcional aos minutos jogados pelo jogador em questão. Ou seja, se num determinado mês houvesse 5 jogos dessa equipa e o nosso emprestado jogasse 3 jogos e meio, então pagaríamos 70% do ordenado, sendo os restantes 30% pagos pelo clube em questão. Se o jogador não passasse do banco de suplentes, então não contribuíriamos para o seu ordenado. Julgo que era um incentivo suficiente para que esses clubes colocassem os nossos jogadores a jogar e não acontecer como aconteceu ao Paím que este ano poucas vezes foi opção - provavelmente éramos nós que pagávamos o ordenado todo.
Se num grupo de 10 jogadores que todos os anos sai de Alcochete, todos eles jogassem sempre e nós pagássemos o ordenado por inteiro, mesmo que cada 1 recebesse 10m€ mensais, o total anual por esses 10 jogadores em ordenados seria de 1,2M€. Mesmo que desses 10 jogadores só vendessemos 2 deles por 1M€ cada um, já teríamos um saldo de 800m€. Mas isso era a hipótese mais pessimista, onde só conseguiríamos vender 20% dos jogadores por um valor ridículo como o é 1M€ e onde os outros 80% não conseguiríamos vender nem por 1 cêntimo, o que é totalmente irreal. E até esquecendo que este cenário era com jogadores que tinham jogado sempre nos seus clubes de empréstimo e que possivelmente até teriam valorizado os seus passes. E também não estou a contar que os jogadores portugueses são jogadores que estão em alta no mercado internacional. Não nos podemos esquecer que os negócios que sobretudo o Sporting e o Porto têm feito estão no topo de transferências pagas.

Nenhum de nós tem dons de adivinho, por isso não sabemos se dali sairão ou não jogadores que possam render algo desportiva ou financeiramente, mas julgo que sim. Espero bem que não nos interesse negociar apenas aqueles que poderão valer mais de 20M - os que valem apenas 1M também geram dinheiro para o clube.

Pelo que percebi da mensagem inicial, o Sporting terá direito a cerca de 2/3 milhões por Quaresma e Carlos M. e 6/7 Milhões se o negócio galáctico (acho que será a transferência de sempre): já dava para o Grimi e pró Guarda Redes!

Estás errado no caso de Ronaldo. O Ronaldo durante o seu tempo de formação (12-23 anos) esteve pouco mais de metade do tempo no Sporting e pouco menos de metade no MU. Ou seja, dos tais 5% da transferência, à volta de 60% são para o Sporting e 40% para o MU. Se a transferência for de 100M€, 5% disso são 5M€. 60% de 5M€ são 3M€.
Portanto aquilo que temos direito a receber da transferência o Ronaldo são 3M€.

O problema é esse. Tu acreditas mesmo que vais conseguir ter 2 negócios anuais de 80-100 milhões de euros por jogadores formados no Sporting?

Eu não digo que isso é improvável, eu digo que isso é impossível. Pura e simplesmente impossível.

Não te esqueças que o valor dos direitos de formação equivale a 5% do total da transferência. Porém, regra geral, esse valor tem que ser dividido por mais que um clube, porque é raro o caso em que o Sporting formou o jogador desde que ele começou a jogar futebol. Tomando o caso do Quaresma, vê só que perante um negócio de um valor total de uns incríveis 40 milhões de euros, o Sporting só lucra cerca de 1 milhão.

É preciso que os negócios sejam por números ALTÍSSIMOS para que o Sporting ganhe alguma coisa “de jeito”. E só para teres uma ideia, vê quantos negócios foram feitos por mais de 50 milhões na história do futebol Mundial… Muito poucos! Mesmo muito poucos.

Não estejas à espera que o Sporting agora desate a formar jogadores de 50-100 milhões de euros todos os anos. Isso não vai acontecer, seguramente.

A simples mudança do nome do estádio dará 4-5 milhões de euros limpos por ano. O caminho a seguir é esse.