NBA | 2020 - 2021

milcookie bucks… estava a pensar no lanchinho.

Milkuki? Milk and cookies?
Fónix Suns?
:joy:

Ei, faz melhor trabalho que uma pivot americana a dizer nomes portugueses.

PS: Vi alguns clipes sobre o acompanhamento jornalístico desta vitória nos EUA, e o nível é assustadoramente mau, puro infotainment.

Honestamente, desde o Michael Jordan que nunca gostei tanto de um jogador. Tanto como jogador e como pessoa. Giannis ganhou-me. Ele o os Bucks tem aqui um adepto para muitos anos (pelo menos até os Bulls voltarem a ser alguma coisa). Gostei muito dos Warriors mas nunca fui mega fã de nenhum jogador deles (o meu favorito será até o Draymond). Gostava bastante do Durant mas os anos tem vindo a demonstrar que é uma merda de pessoa. LeBron nunca gostei, pela pessoa e pelo facto de ser concorrente do meu GOAT Jordan.

Finalmente volto a “adorar” alguém na NBA. GIANNIS!!!
“Dont ever let them tell you that you cant do something. THEY SAID I COULDNT HIT FREE THROWS, TONIGHT I HIT THEM!!”

1 Like

Findada mais uma época de NBA, tenho de começar por dar os parabéns aos Milwaukee Bucks, à cidade de Milwaukee e aos seus fãs.

Um Giannis monstruoso (que estória incrível tem este rapaz), foi o mais marcante nesta vitória não só da cidade de Wisconsin, como das small market teams.

Uma palavra de apreço também para o CP3 e o Monty Williams, duas personagens que simpatizo e que gostaria também de ver vencer.


Agora passamos a uma das minhas fases favoritas da NBA, o draft que se irá realizar no dia 29 de Julho. Draft esse que este ano parece ter uma fornada de jogadores com qualidade superlativa em relação a anos passados.

Como tal decidi criar uma mini-série de posts onde irei fazer um pequeno Mock draft NBA 2021, com base na minha análise e horas de vídeos e jogos dos jogadores presentes neste ano de escolhas que promete aquecer com uma opinião generalizada dos especialistas de que irá prometer muito em termos de trades, surpresas e buzz.

Um par de notas antes de passar para o calendário de posts que irei seguir.

  1. Isto é uma mera opinião leiga sobre os jogadores, para gerar discussão. debate e também abrir a porta a alguns jogadores que poderão não conhecer.
  2. Como disse em cima, acho que vão haver muitas trades este ano, visto que as picks estão concentradas num punhado de equipas e há outras tantas sem picks que gostariam de ter escolhas neste draft que é considerado deep em talento.
  3. Alguns dos designs que colocarei aqui são inspirados no The Ringer, que aconselho que visitem aqui: The Ringer's 2021 NBA Draft Guide

Então, o calendário será.

Dia 25: Picks 1-3
Dia 26: Picks 4-9
Dia 27: Picks 10-15
Dia 28: Picks 15-30 (fim de first round) (aqui não darei tanto destaque aos jogadores individualmente)
Dia 29: Picks 31-60 (second round)

Saudações Leoninas e Basquetebolistas!!!

2 Likes

Pick 1 - Cade
Pick 2 - Mobley
Pick 3 - Green

Estas são óbvias

Assumindo que fica Pistons Rockets e Cavs por esta ordem, penso que fatia mais sentido o Green em segundo e o Mobley em 3.
Cade indiscutível.

Nah Mobley tem tudo para ser um AD em potencia.
Os Rockets assim ficam com o Front court resolvido com ele e o Christian Wood e no lugar do Green já têm o KPJ que tem bom potencial.

Faz sentido.
Apenas acho que o Green tem uma maior “ceiling”, com potencial para ser um excelente scorer nos 3 níveis, para além de outro mediatismo que o francise de Houston bem precisa!
Para juntar a isto, o trio Sexton-Garland-Mobley, deixa água na boca.

1 Like

Os Cavs não vão ficar com o Sexton, já esta mais q certo que vao aceitar ofertas por ele pq não estão dispostos a dar um contrato max. Vao passar o Garland para PG, Green SG e segurar o Allen para C.

O prometido é devido… Isto é sempre uma altura que me entusiasma, não só porque são muitas as decisões feitas no draft que já mudaram o rumo de equipas, como porque sou um aficionado do basquetebol universitário e gosto de seguir e monitorizar o talento antes deste chegar à principal liga de basquetebol do mundo.

Os drafts estão sempre repletos de surpresas, de flops, de erros históricos, de steals e de movimentações que dinamizam os entusiastas do desporto.

Este ano, como já fiz questão de mencionar, poderá ser que estas surpresas sejam ainda maiores, com bastante talento nesta nova fornada aliada ao facto de a distribuição de picks estarem concentradas num pequeno grupo de equipas - veja-se o exemplo de OKC, que tendo 6 picks, 5 delas estão no top 36, e 3 delas no top 18 - a puderem ser o cocktail perfeito para uma noite movimentada e cheia de emoção.

Mas vamos lá às escolhas…

Hoje começo com as 3 primeiras picks do draft.

Tal como o @IlCapitano mencionou, as 3 primeiras escolhas, em princípio, serão Cade Cunningham, Jalen Green e Evan Mobley, mas eu acho que serão por uma ordem um pouco diferente do que aquela que o forista sugeriu.

A primeira escolha é bastante consensual - apesar de algumas notícias de que o Jalen Green e o Mobley, especialmente o primeiro, poderiam eventualmente intrometer-se no debate pela primeira escolha - e ela será feita pelos Detroit Pistons, que quando o Adam Silver anunciar o primeiro nome deverá selar a ida do Cade Cunningham para a Motor City. Um jovem talento que possui um skillset muito completo e que alia a isso um poderio físico assinalável, um dos muitos jovens que a Montverde Academy tem promovido na última década. Ele tornar-se-á automaticamente no melhor jogador em Detroit e puderá ter um impacto na rookie season ao nível de um Doncic, sendo tal como o Esloveno o primary ball-handler desde o primeiro jogo que fizer na NBA. Olho para ele e vejo muitas parencenças com o Ben Simmons quando este saiu da universidade de Louisiana, mas neste caso o jovem sabe lançar, com 40% de sucesso nas cerca de 6 tentativas de triplo por jogo enquanto freshman em Oklahoma State. Futuro risonho para um talento que creio será geracional.

Os Rockets, que foram a pior equipa na regular season, e fruto terem caído na lotaria, terão de se “contentar” com uma segunda escolha. Digo “contentar” porque terão de tomar das decisões mais difíceis neste draft. Esta escolha, daqui a uns anos será vista como um bullseye ou um tremendo falhanço.
Eu acredito que a escolha certa será ir com o jovem base Jalen Green, que este ano se mostrou numa inovativa experiência de G-League Ignite, uma equipa de jovens talentos e veteranos da NBA que competiram na NBA G-League, fazendo com que este highlight reel com pernas se pudesse mostrar num ambiente mais similar ao encontrado nos pavilhões da NBA.
O atleticismo deste miúdo é surreal, e não se deixem enganar pelo seu frame mais ligeiro, ele vai meter muitos big boys em posters.
Tem um claro talento em meter a bola no cesto e a forma como consegue aproveitar o seu atleticismo em atacar o cesto, em fazer step-backs que tiram qualquer defesa do lance, fazem do Jalen um dos talentos mais entusiasmantes de que me recordo.
Ele nasceu pra ribalta, e acredito que os holofotes iram brilhar nele durante muitos anos e acredito que tem potencial para anos mais tarde ser unanimemente considerado o melhor da sua class.

Finalmente, em terceiro lugar temos os Cavaliers que provavelmente irão escolher o que sobrar da escolha que Houston fará antes dele. Neste caso o poste de USC, Evan Mobley. Apesar de ser uma visão cada vez mais comum, é sempre único ver um homem tão grande mexer-se tão bem como o Mobley. Apesar da sua alta estatura, a mobilidade que o Mobley mostrou ao longo da sua curta carreira fazem as delícias a qualquer treinador, pois ele consegue tanto abafar o poste no low-post, como defender o base na linha de triplo com uma facilidade tremenda. Se conseguir desenvolver o seu já equilibrado jogo ofensivo, tornar-se-á num dos melhores e mais fluídos big mans em muitos anos… Faz-me lembrar um jovem que jogou em Wake Forrest e que encantou os olhos de um tal de Gregg Popovich.

Por hoje é tudo, amanhã volto com as escolhas 4-9, onde os meus Magic têm 2 escolhas.

5 Likes

Ui não concordo…

Os cavs já deram a entender que vão deixar o Sexton ir para segurar o Allen.
E os Rockets se forem minimamente inteligentes escolhem o Mobley e têm o front court resolvido com o Wood e Mobley sendo que têm na posição do Green, o KPJ que é só o jogador mais actualmente naquela equipa.

Alias maioria dos draft express tem o ranking:

  1. Cade
  2. Mobley
  3. Green

Btw minha aposta para as seguintes 7 escolhas.
4. Suggs
5. Kumminga
6. Scottie Barnes
7. Davion Mitchell
8. Moses Moody
9. Bouknight
10. Keon Johnson

O Mobley não é bom complemento ao Wood.
Os Rockets estão no chamado tough spot. O Mobley iria criar muita confusão na zona pintada e não ia dar espaço para o Wood trabalhar. O excelente do Wood é que tanto pode finalizar dentro quanto fora mas se a equipa o limitar a apenas uma das funções, ele fica mais previsível e fácil de travar. Defensivamente tb não gostaria muito da dupla de front court.
O KPJ não é de confiar. Eu mandava-o embora se alguém der alguma coisa de jeito por ele. Confiança zero nesse jogador.
Teoricamente nem para o Green nem para o Mobley eu iria no caso deles mas como são os melhores talentos puros é sempre uma decisão difícil. Entre Green e Mobley, ia para o Green.

O comp mais usado no Mobley é do AD, um C desse estilo consegues encaixar em qq lado. E com o Wood que é bom em várias facetas ofensivas a PF tem tudo para dar certo, o Green se for escolhido é para passarem mais um ano de vergonhas pois o fronto court vai ser um buraco defensivo e tanto o KPJ como o Green se vão anular automaticamente…
O ideal será sacar o Mobley para resolver o front court e rezar para no ano a seguir no draft ficarem com o Emoni Bates.

O Wood é tb igual ao AD. Esse é o ponto. O AD joga melhor quando tb n tem a zona pintada preenchida, apesar de ele n gostar de jogar a 5 pq depois tem que defender 5. O Wood é mais semelhante ao AD do que o Mobley. Falta lançamento exterior ao Rookie (que vai desenvolver como o AD tb fez)

por acaso, também gosto imenso do draft. este ano, vai-me passar um pouco ao lado.
não será pelo draft que os “meus” Bulls se irão mexer muito. digo eu…

de qualquer forma, parece-me um draft interessante. então se o compararmos com o do ano passado… que diferença.

Na forma actual da NBA estas equipas que estão em rebuild não podem escolher o jogador pelo que têm mas sim o melhor jogador disponível, aquele que pode vir a ser uma super estrela, porque não vão passar de uma equipa péssima para uma equipa boa num ano. Os Rockets a meu ver vão escolher o Mobley porque tem um ceilling superior e muita coisa para potenciar, pode estar ali um franshise player.

Depois em relação ao resto, podem sempre trocar por picks ou por outros jogadores porque por exemplo o Woods neste momento é um asset valioso para ser usado numa troca futura a curto ou médio prazo.

Também gosto do Green mas deixa-me mais reticências.

1 Like

Hoje, e tal como já anunciado, irei focar-me nas escolhas 4 a 9, onde acredito que é das zonas mais cinzentas para se escolher, pois os talentos geracionais em teoria já foram escolhidos e existem várias possíveis opções que como toda a gente sabe, se poderão tornar em arrependimentos históricos ou noites que marcam turning-points para os franchises.

Picks 4-6:

Apesar do cenário caótico que possam ter ficado a imaginar sobre os marasmos de decisões de um draft, os dirigentes de Toronto neste momento estão nas Bahamas a beber daiquiris e a brindar à sua sorte, pois dificilmente poderiam ter um casamento mais perfeito e predestinado do que aquele que poderão ter com o Jalen Suggs . Tendo terminado uma das piores épocas dos últimos anos, a escalada que tiveram no dia da lotaria, subindo até à 4ª pick, fez com que o substituto natural do Kyle Lowry lhes caísse no colo.
O Suggs é um born-athlete, ele saiu da mãe dele e já sabia praticar qualquer desporto, e a somar a isso tem aquele instinto de vencer! Ele que no seu único ano universitário, em Gonzaga, esteve a apenas 1 jogo, 1 vitória de conquistar o Campeonato da NCAA e fazer a época perfeita, pois até esse jogo não tinham perdido um único.
Terá uma carreira longa, e estou em crer que vai ser um fan favourite de qualquer equipa que passe, e estará sempre na discussão de top-10 PGs da NBA para os anos que aí vêm.

Depois, com a 5ª pick, os meus Orlando Magic, que se encontram no meio do 18731º rebuild desde que o Dwight H(C)oward saiu, e como tal têm de escolher na base que muitos especialistas chamam… best player/prospect available. Estou em crer que o GM, que na altura selecionou o the Greek Freak com a 15ª escolha do draft, estará seguro que o jogador certo a escolher é o Scottie Barnes. Com algumas comparações já feitas com o grande Magic Johnson (creio que algo precipitadas), o jovem que no ano passado jogou em Florida State (mais um produto da Montverde Academy, à imagem do Cade Cunningham) é a personificação de um unicórnio. Os Magic precisam de shooting/scoring e o Barnes dá-lhes isso? Não, pelo menos agora. Mas não posso julgar quem coloca essas necessidades de lado para sacar alguém com tanto potencial.

Com a 6ª pick, os OKC, irão fazer a primeira de 6 escolhas neste draft. O debate passa por vários jogadores, e não há ninguém que esteja na liderança da corrida, podendo a equipa de Okhlahoma ir nas mais variadas direções. Acho que emparelhar o SGA com o James Bouknight será o caminho mais adequado. Este pure scorer é o único capaz de rivalizar com o Jalen Green (escolhido com a 2ª pick) como o jogador com mais facilidade de por a bola no cesto. Tem de desenvolver um pouco a sua awareness, é que muitas vezes parece que se esquece que tem 4 colegas em campo. Mas é inegável que jogadores com a capacidade de completamente mudar um jogo com a sua capacidade de marcar pontos é muito rara e uma comodity que é difícil de deixar passar.

Picks 7-9:

Com a 7ª escolha, acho que podemos ter a primeira grande surpresa da noite. Golden State parece que quer ganhar agora, faz sentido, a luta contra um final de ciclo histórico é dura, e qualquer ajuda no imediato, e não daqui a um par de anos, é bem-vinda e a paciência é pouca. Como tal, acredito que os Warriors são dos principais candidatos a trocarem esta escolha.
Se não o fizerem, acredito que o jovem turco, que se tornou MVP de uma das principais ligas europeias, com apenas 18 anos, que vai pelo nome de Alperen Şengün é a escolha mais interessante.
Sim ele ainda tem muito que crescer, principalmente no aspeto físico para poder enfrentar os calmeirões que não encontrou na liga Turca, mas é impossível negar a facilidade com que o Alperen conseguiria encaixar num dos sistemas mais característicos da NBA. Ele é o típico big-man europeu, com soft touch, capaz de baralhar qualquer defsa com os seus low-post moves e que nos Warriors poderia ser uma peça dinamizadora, com a atração da defesa que teria no low-block, mas também com a capacidade de fazer bloqueios para os Splash brothers, assim como de vez em quando ser ele o ball handler… Que visão!

Com a 8ª pick começo a ficar enjoado com a palavra… Upside, upside, UPSIDE! Sim, escolher o Jonathan Kuminga não nos vai ajudar em nada, nem hoje, nem amanhã, nem talvez daqui a duas épocas. Mas é impossível não salivar a pensar naquilo que o jovem do Congo se poderá tornar. Aquele frame é digno de um LeBron James, no sentido de em transição ser uma autentica locomotiva e engane-se quem acha que ele não sabe ter a bola nas mãos. Mas como um dos mais novos neste draft, isto tudo poderá não passar de uma miragem.

Por último, com a 9ª pick, os Sacramento Kings arranjam um novo parceiro para o De’Aaron Fox, numa pick completamente antagónica da anterior, pois apesar de o potencial do Moses Moody não ser o mais elevado, ele é daquelas escolhas de que dificilmente alguém se arrependerá porque se há safe bet é esta. O típico protótipo de 3&D, já com tão tenra idade, faz todos os especialistas crer que nenhum treinador se poderá queixar de sair de um draft com o jovem SG saído da univesidade de Arkansas. Caso se confirme esta escolha, os Kings terão de ao menos sentirem-se confiantes de que não é nenhum Jimmer Fredette.

E assim fecho as top 9 picks, amanhã encerrarei a lottery!

3 Likes

Como que por pura sorte, ou puro talento, e acreditando mais na última, antes de eu fechar a lottery, os Memphis Grizzlies e os New Orleans Pelicans presentearam-nos com a primeira trade a envolver as picks deste draft, fazendo com que este mock draft esteja mais atual que nunca.

WOJ BOMB deixou-nos com a info de que NOP enviava para Memphis, Steven Adams, Bledsoe, a 10ª e a 40ª picks e mais uma first round de 2022 (top-10 protected) pelo Valenciunas e a 17ª e a 51ª pick. Alguém chame a polícia, que isto é um assalto.

Mas vamos deixar de lado as tentativas loucas de agradar o jovem Zion, e vamos lá ao que interessa.
Picks 10-12:

Os rumores que correm, e que na minha cabeça fazem sentido, é que Memphis irá tentar despachar o contrato do Bledsoe e sacar com a 10ª escolha a jovem sensação australiana que, com apenas 18 anos, se destacou, à imagem do ROY deste ano (LaMelo), na principal liga da Land Down Under, somando vários triplos duplos e sendo a batuta da sua equipa logo cedo durante a época. Josh Giddey já foi comparado por muita gente ao Luka, e apesar de manifestamente exagerado, há aquela ideia de que com ele o jogo também vai devagar, devagarinho, mas que vai sempre ao sítio. Ao lado do Ja Morant e do Jaren Jackson Jr. pode criar um trio que apesar de precisar mais peças e tempo para eventualmente lutar por um anel, vai dar show desde cedo.

Com a 11ª pick, e apesar de precisarem de um big-man, os Charlotte Hornets irão escolher o Keon Johnson, pois não só a qualidade dos bigs desce muito depois do Mobley, como o Keon Johnson parece que a cada treino e a cada jogo melhora e as suas características físicas (bateu o recorde de maior salto alguma vez registado no Combine com 1.2m!!!) fazem crer que ao lado do LaMelo Ball, o backcourt de Charlotte está assegurada por anos vindouros. Ele utiliza muito bem o seu físico para se impor na defesa e no mid-range, apostando muito no post-game o que é sempre algo refrescante nos dias que correm, dito isto, precisa de desenvolver um tiro exterior porque só assim se poderá tornar numa verdadeira ameaça no ataque.

São poucas as escolhas que fazem mais sentido do que a do Franz Wagner para os Spurs. O jovem alemão que fez duas épocas na universidade de Michigan, tem o skillset ideal para integrar o sistema de roldanas que o Gregg Popovich oleou durante vários anos. O Wagner nunca será uma estrela, mas com a sua altura, shooting stroke e a por demais evidente disponibilidade que tem para defender, ajudar e crescer, leva-me a crer que dará muitos bons anos para qualquer equipa que o escolha.

Picks 12-14:

Alguém vai se apaixonar pelo Zairie Williams e pelo skillset único que ele evidenciou. Ele que jogando pouco na college (devido a um problema familiar) é um dos jovens mais intrigantes deste draft. A small sample de jogos que fez gritam Rawness (eu até tive dificuldades em escolher as suas principais características porque é tudo ainda tão verde), mas há muita gente que acredita que alguém pode olhar para os mais de 2 metros, agilidade, energia e >70% FT shooting e pensar que aqui poderá estar um raro achado. Acredito que Indiana estará disposta a correr esse risco.

WHO LET THE DAWGS OUT?! OOF OOF devia de ser esta a música que tocava nos pavilhões com o anúncio da entrada do Davion Mitchell. Ele que tem o típico corpo de um Running back, foi ele o principal responsável por tirar o zero da coluna de derrotas de Gonzaga e levar o título nacional para Baylor, juntamente com um ou outro adversário no bolso. Uma versão mais calma (não confundir com menos energética) do Pat Beverley no corpo do Eric Bledsoe, que apesar de questões levantadas sobre a sua idade e altura, poderá ser um ativo que ajudará Golden State a atingir os seus objetivos. Ele que poderá ganhar o papel de defender o melhor base adversário, dando descanso aos Splash Bros, e não ficando a dever a muitos na liga no departamento do lançamento, que na sua última época universitária lhe permitiu alcançar cerca de 44% de acerto da linha de triplo, um tremendo progresso versus anos medíocres anteriores, um claro sinal que ainda é jovem suficiente para aprender truques novos.

A última escolha da lottery cabe aos Wizards fazer, eles que se encontram numa encruzilhada que infelizmente bem conheço, pois parece que a sua maior estrela, Bradley Beal, está cansada de anos de poucos ou nenhuns sucessos. Acredito que ingenuamente irão tentar manter o base feliz e perder a oportunidade trocar por valiosos ativos, assim que irão buscar alguém que contribua desde o 1º jogo e esse alguém pode muito bem ser o Corey Kispert. Com um excelente frame para a posição, e um shooting strooke super mecanizado (no sentido de ser consistente) ele é dos melhores catch and shooters a sair da universidade nos últimos anos e habituado a ganhar nos 4 anos que passou em Gonzaga. Alguém que irá seguramente aproveitar a força gravitacional de Westbrook e Beal (se este continuar claro) no cilindro adversário, para fazer as defesas pagar.

2 Likes