Modelo de Gestão de Futebol para as próximas épocas

Esta época está feita … só se houver um milagre na próxima semana é que ainda podemos fazer mais alguma coisa.

Por isso, é tempo de pensar já na próxima época, e para tal, deve-se pensar num modelo bem estruturado, isto é, definir com cuidado o Modelo de Gestão de Futebol para as próximas épocas …

-> Modelo/Esquemas de jogo;
-> Formação vs. Contratação de jogadores;
-> Tipo de jogadores contratados - Novas promessas vs. Jogadores Experientes
-> Treinador tipo;
-> Posições chave;
-> Jogadores tipo (Altos e Fortes, Rápidos e móveis, Tecnicistas, Capacidade de Remate, Lutadores em campo)
-> Possíveis vendas e dispensas;
-> Budget para novas contratações;
-> Política de empréstimos de jogadores mais jovens e neste propósito, deve-se pensar também sobre que clubes é que interessa emprestar jogadores (de forma a fazer crescer os jogadores mais jovens e também a criar sinergias com clubes estratégicos)
-> Envolvendo todo este modelo estratégico, deve-se pensar também na forma como toda esta estratégia será integrada no envolvimento dos sócios e adeptos a equipa de futebol, criando mais valor e mais marketing para o negócio.

[i]
Adendas …

Ou se tal for possível, uma opção poderá passar pela reformulação total dos corpos dirigentes do clube, com a demissão de todo corpo directivo, incluindo o Presidente e dessa forma partir para um novo paradigma na gestão do clube.

(Este recomendação foi dada pelos forista a32772, Chirola, entre outros)
[/i]

Lancei esta ideia no tópico para a análise desta época, porém, e pensando bem, este tipo de discussão merece um tópico próprio.

Sendo assim e com base nos pontos mencionados acima, dêem as vossas ideias em jeito de brainstorming.
No decorrer das opiniões, podemos criar um modelo que seja um pouco de consenso entre todos e apresentá-lo no inicio do tópico.

Bom, isso é muita fruta… ;D

Dado que anda tudo de rastos e não parece ser possível uma lógica de continuidade, eu colocaria 2 assuntos como prioridades absolutas:

1. Treinador e eventual director-desportivo (ou o nome que queiram chamar ao superior do treinador) de qualidade reconhecida e experiência a treinar equipas de grande gabarito
2. Fortalecer o plantel indo ao mercado de transferências até ao ponto em que se considere que a equipa tem capacidade competitiva suficiente para lutar ombro a ombro com Benfica e Porto pela conquista do Campeonato.

Para o segundo ponto ter sucesso é fundamental que o primeiro esteja assegurado (nada de Carvalhais e Garções ???). A dívida de alguns milhões de euros que possa vir a ser gerada por este fortalecimento terá de ser gerida uns anos lá mais para a frente. Conseguidos estes dois pontos podemos então entrar na lógica de manutenção e de análise de outros pontos fracos.

Eu sei que é muita fruta e sei bem que o pessoal anda todo de rastos com a performance da equipa.

Mas é exactamente por isso é que acredito que nos momentos de crise devemos focar as nossas energias em pensar e decidir sobre os melhores moldes para sair da crise e acima de tudo ficarmos ainda mais fortes depois de cada tormenta.

Na minha opinião não vale mais a pena chorar sobre o que tem corrido mal, e não devemos também estar a individualizar os problemas sobre os jogadores do plantel, mas sim em olhar em frente e pensar de uma forma construtiva criar um Sporting forte.

Chorar sobre o que tem corrido mal não, agora agir sobre o que tem corrido mal sim.

Existem responsáveis para isto e incompetentes em lugares-chave que não têm feito o seu trabalho correctamente e esses impedem a criação de um Sporting forte. Portanto o “olhar em frente” também é feito de decisões difíceis e uma dessas decisões seria por exemplo dispensar os serviços de Nobre Guedes, Salema Garção e Carvalhal e construir uma estrutura na SAD com cabeça, tronco e membros, com pessoas minimamente competentes e experientes na área do futebol.

Num cenário ideal substituía-se também o presidente e toda a direcção por outra, numa perspectiva mais realista eu começaria pelos pontos que apontei que julgo serem prioritários.

Todo o tipo de ideias é bem vinda … por isso é que usei o termo “Brainstorming”.

Mas vá lá … são precisas mais ideias, só assim é que podemos fazer crescer o nosso Sporting.

Tudo isto são floreados.

Não há modelo de gestão que resista,enquanto estes dirigentes e a mentalidade por eles instalada,continuar dentro do Sporting.

Pensar nas próximas épocas,ou em construir seja o que for,enquanto esta gente estiver no Sporting,é pura perda de tempo,é adiar o problema,é prolongar a agonia,é estar a tapar o Sol com uma peneira,é atirar areia para os olhos dos Sportinguistas.

O problema são eles. Os dirigentes.
Não prestam. Não têm nada que se lhes recomende. São cobardes. São vendidos. São traidores.

O Sporting só poderá pensar em voltar a ser o Sporting,no dia em que forem todos escovados e varridos.

Para isso e para a pacificação do Sporting,será inevitável:

[b][size=20pt]-DEMISSÃO IMEDIATA DA DIRECÇÃO E DE TODOS OS CORPOS SOCIAS DO SPORTING.
-DEMISSÃO IMEDIATA DE TODA A ADMINISTRAÇÃO DA SAD.

DESINFECÇÃO GERAL.[/size][/b]

TUDO O RESTO SÃO HABILIDADES MANHOSAS.

Sendo assim, qual é o modo pratico de colocar esta demissão global em marcha.
Existe algum processo de moção de censura à direcção do clube?

Porque antes lançar uma ideia, temos de pensar no “modus operandi” de a pôr em acção.

Ter ideias e planos para as concretizar é algo que cabe aos dirigentes, a nós adeptos cabe-nos avaliar e escolher o que achamos serem as melhores opções (a nível de pessoas e ideias propostas). As ideias que queres desenvolver entram num domínio demasiado técnico para serem discutidas com razoabilidade por parte do adepto comum. Podemos claro especular e dar largas ao manager que temos dentro de nós, mas não passará de um exercício algo fantasioso.

Posto isto, eu acho que o melhor que o Sporting tem a fazer é escolher pessoas mais adequadas para os lugares-chave e depois disso essas pessoas tratarão de recorrer ao seu expertise para planear e executar algo em prol do Sporting. E se os dirigentes não estiverem dispostos a isto, então teremos de encontrar dirigentes que o estejam. Por exemplo (e isto é só um exemplo), sentir-me-ia satisfeito se soubesse que para a estrutura da SAD ia Luís Duque e que Adriaanse seria treinador. Não tem exactamente de ser assim, mas ao menos sentiria que as coisas iam funcionar de outra maneira, penso eu que para melhor.

Então voltamos aquilo que o JFK disse ao povo americano … “Antes de pensar no que América poderá fazer por ti, devemos pensar primeiro no que nós podemos fazer pela América”.

Porque ao fugir a esta questão, mas ao mesmo tempo ser lesto a decantar em tudo e todos mostra afinal que somos uns seres insignificantes e sem valor para o clube.

Ou seja, ou somos mesmo todos uns verdadeiros Leões ou caso contrário somos uns cobardes que mandamos umas pedras, mas assim que elas são atiradas, viramos as costas como nada fosse connosco.

A prova de que não somos assim está no facto de andarmos a alertar para esta situação de “morte lenta” há montes de tempo e mesmo assim não deitarmos a toalha ao chão. Porque, muito honestamente, se não fosse pelo amor ao clube já todos tínhamos virado as costas há muito tempo atrás.

As decisões técnicas devem ser tomadas pelos técnicos, não pelos adeptos. Os adeptos devem escolher os técnicos mais competentes que houverem para que as decisões sejam de bom calibre e no interesse do clube. Daí a importância do momento democrático que são as eleições, é a oportunidade suprema dos adeptos (neste caso sócios) escolherem a base de tudo o resto.

Arranjar um (não necessariamente o) Sá Pinto para dar uns bons berros aos meninos da Academia para ver se eles acordam para a vida.

Já estou farto do discurso do “Temos de levantar a cabeça e pensar no próximo jogo”. Têm é de levantar a cabeça nos 90 minutos e pensar até ao fim!

Alem de termos de arranjar uma equipa técnica que os meta a TREINAR, há que rejuvenescer as caras do balneário. Moutinho, Veloso, Liedson etc estão esgotados. Os dois primeiros serão vendidos e com o dinheiro podemos trazer outras caras, outros jogadores com quem o público se possa identificar. O terceiro já não vai para novo e deverá dar o lugar a outro avançado que terá de aparecer e tornar-se o novo ídolo.

Creio que além das evidentes lacunas técnicas na equipa do SCP o problema maior é também o nível de saturação que atingimos. Já ninguém tem paciência para ninguém. É preciso mesmo varrer jogadores dali para fora, a saber: Polga, Tonel, Abel, Caneira, Postiga. Com o espaço que a saída destes abre, há que reforçar o plantel com um misto entre jovens da formação e jogadores com alguma craveira internacional.

Se mantivermos a mesma espinha dorsal: Rui, Carriço, Moutinho, Veloso, Liedson não vamos mudar disto, porque os resultados serão sempre os mesmos. Isto porquê? Porque nenhum dos referidos é especialmente bom em algo. Rui ainda nem é bom nem é mau redes, é mais ou menos. Carriço nem é alto nem é baixo, nem é rápido nem é lento. Veloso nem é trinco nem é médio centro, nem é bom a recuperar bolas nem é bom a correr com ela. Moutinho não joga bem nem joga mal. Liedson ou marca golos ou joga pessimamente. É preciso equilibrarmos isto.

Desculpa lá, mas há qualquer coisa que me está aqui a escapar. Não eras tu que ainda agora há dias andavas a ilibar os dirigentes de todas as atrocidades que tem sido cometidas e a dizer que a culpa de tudo era dos adeptos do clube?

Este tipo de discussão deveria ter sido feita há um ano atrás (e foi por alguns), numa altura em que havia duas listas a concorrerem a eleições e em que havia interesse em debater ideias concretas, projectos, tudo… Não é agora passado um ano de ter votado em “nomes” e em “notáveis” que se deve fazer esse tipo de exercício até porque os dirigentes que lá estão não tem um pingo de vergonha na cara e não se demitem de livre e espontânea vontade.

Sobre tudo tento ser o mais racional possível, fui no passado, quando achei que não era tempo de criar um ambiente de tumulto quando estávamos no início da época, como estou a ser hoje, já que analisando racionalmente, verifico que esta época está praticamente perdida.

Sendo assim lancei a ideia de começarmos a discutir de forma construtiva as próximas épocas.

Se queres participar, és bem vindo, se não, para de lançar ataques pessoais a quem quer pensar no futuro do Sporting.

Acho que enquanto tiver lá o Salema e o JEB , nem vale apena pensar nisto , é uma pura perda de tempo.

Este não é o verdadeiro Sporting , isto não passa de um bando de intrujas , qual baratas se infiltraram e se espalharam.

O equipamento ou os aderereços do clube que usam deveria era morder-lhes , de tão perniciosos e corrosivos que são para o próprio clube que vestem.

Desinfestação Já ! , para correr com esta praga de vez. :arrow:

Concordo contigo, mas acho que o Carriço ainda pode ficar.

O Veloso acho que deve sair, embora esta época tenha ganho o meu respeito por ser dos que mais defende o SCP dentro do campo. No entanto penso que se não sair esta época vai abaixo, devido à vontade dele de experimentar outros campeonatos.

O Moutinho…acho que já estamos todos fartos do discurso “agora temos de levantar a cabeça e pensar no próximo jogo”. Já ouvi isso umas 10 x’s esta época. Espero que renda um bom dinheiro. Pena que não tivemos oportunidade de ir buscar o Micael, era óptimo para deixar sair o Moutinho.

[mod]Tópico unido[/mod]

Penso que seja consensual, que o Sporting precisa urgentemente de uma limpeza geral, a começar pelo presidente, a acabar nos jogadores e equipa técnica.

Com este tópico pretendo que cada um de Vós se torne Presidente do Sporting Clube Portugal, ainda que virtualmente.

  • Quais seriam as primeiras medidas que tomariam?

  • Que jogadores vendiam, e quem os iria substituir?

  • Caso delegassem a pasta do futebol a alguém, quem seria o Vosso escolhido?

  • Que medidas tomavam para vender melhor a imagem do clube?

  • Seriam remunerados? Sim? Que valor seria aceitável?

Ps: Gostaria de ver aqui opiniões sinceras, e dentro da realidade do clube, nada de contratações tipo Ronaldos e Kakas.

A minha memória anda fraca, ainda mais depois de 1 noite muito mal dormida a pensar que voltei a encaixar 5.
Mas creio que é possível destituir a direcção (conselho directivo ou lá como é que se chama) em Assembleia-Geral convocada para o efeito.
Acho que foi o que aconteceu com o bigodes. O PMAG era o Abrantes Mendes.
Não sei os estatutos entretanto blindaram essa possibilidade.
Se alguém tiver o telefone do Dias Ferreira, pode tentar dar-lhe 1 toque ou, mais prático ainda, pedir ao Sá Pinto, de quem o DF é muito amigo, para lhe soprar, com bons modos, claro, essa iniciativa.
Claro que convém ter uma alternativa na manga…

Vejo que existe uma voz corrente que acha que a reformulação tem de ser o mais profunda possível.

Nesse sentido, como é que os adeptos deste mudança global pretendem fazer esta mudança?
Existem métodos dentro do clube (via uma petição de sócios, posteriormente com uma assembleia extraordinária) que permita chegar a esse desiderato?

Porque se tal mudança não for legalmente possível, não vale a pena continuar a bater nessa tecla.

Não vale a pena vires com a teoria da vitimização porque eu não fiz nenhum ataque pessoal a ninguém. Limitei-me a constatar factos que tu mesmo não és capaz de desmentir e que perante esta tua nova atitude me causam confusão. Agora se tu não gostas das posições que tomaste tens que compreender que isso já não é um problema meu.

Se houve altura para discutir os temas que tu propões foi há um ano atrás. Nessa altura estavas em condições de poder escolher e analisar propostas para o clube, traçar rumos, etc… Na actualidade tal não acontece. Nesta altura está-se numa fase em que se acarretam as consequências das decisões que foram tomadas livremente há um ano pelos sócios. E é falso quando dizes que no momento das eleições estavas no início da temporada.

Este post, gostes ou não, não é inovador. Já existem diversos tópicos onde tais temáticas já tem sido discutidas. As únicas coisas que distinguem este tópico dos demais é o timming que está completamente atrasado e o facto de habilmente nem falares no perfil necessário dos dirigentes para determinar um novo rumo. E se para ti o rumo tem de ser feito à partida com estes dirigentes, então parece-me lógico que a discussão está desde logo inquinada.