Modelo de Gestão de Futebol para as próximas épocas

Já alterei o Post inicial de forma a incluir a proposta de mudança de dirigentes.

Sobre a minha opinião na altura das eleições foi sobre um ponto de vista pessoal que JEB seria o homem indicado para liderar o clube, porém tem mostrado falta de tacto para o papel, e pior de tudo, devia ter assumido os papel de homem chave na gestão do futebol e não deixar nas mãos de amadores, como tem sido feito até agora.

Eu acho que face á actuais circunstancias não é preciso nenhuma moção de censura ou raio que o valha.
Bastava JEB ter um pingo de vergonha e bater com a porta originando assim ELEIÇÕES ANTECIPADAS.

SL

:lol:

Quaze nem se vê , está remetido no fundo do texto , nem a bold está , parece mais aquelas instituições financeiras a vender crédito e que pôem a taxa a um canto que a quaze não se vê.

Isso tem que estar a Bold como os outros e ser o primeiro ponto antes dos outros.

Seja feita a vossa vontade!!!

Sinceramente acho que o Sporting atingiu um tal estado de enterro que não tem outra opção senão fazer um rebuild total.

Balneário:
Goste-se ou não terá de existir uma limpeza. A herança do tempo de Paulo Bento é demasiado pesada e a juntar à falta de qualidade de muitos elementos existe uma notória falta de noção do que é a exigência de jogar num clube como o Sporting e um conjunto de meninos que pensam ser mais que aquilo que na realidade valem. Em suma, há que mudar a mentalidade instalada e isso só é possível com uma limpeza.

Jogadores a despachar RÁPIDO :
-Pedro Silva;
-Abel;
-Polga;
-Caneira;
-Liedson;
-Postiga;
-Grimi;

Jogadores para vender:
-Moutinho ( é aproveitar enquanto exista alguém que o queira);
-Veloso (aproveitar a sua valorização desta temporada);
-Izmailov;

Para manter:
-Patrício, Carriço, Tonel, Adrien, Pedro Mendes, Pereirinha (lateral direito), Vukcevic (possível segundo avançado) , Yannick, Pereirinha, Saleiro, João Pereira, Matias, Stojkovic;

Investimentos:
-Dois laterais esquerdos com um deles de valor inquestionável;
-Defesa central daqueles feios e maus;
-trinco daqueles com cabedal e caceteiro;
-médio organizador, que saiba pautar a primeira fase de construção;
-pelo menos dois jogadores com capacidade a jogar pelas alas;
-avançado goleador;

Estrutura técnica:

-Director desportivo: terá de ser alguém com capacidade para entender os meandros da formação e ao mesmo tempo coordenar uma equipa de prospecção. Alguém com o perfil de um Lazslo Boloni, por exemplo…

-Treinador: alguém exigente e que não aceite meninos mimados. Alguém que incuta princípios de jogo. Alguém que seja verdadeiramente fod*do. Não quero cá gajos porreiros, daqueles que se deixam engraxar pelos jogadores que só lhe saibam dizer “Ámen”. Adriaanse é um nome que me agrada desde há longa data. Embora admita que AVB é alguém que vá acompanhando com curiosidade…

Direcção:

Não dá para ter um conjunto de dirigentes cujo passivo de quase 400 milhões de euros lhes está agarrado. Não dá para ter um conjunto de dirigentes onde todos se furtam às responsabilidade e onde à mínima coisa se distribuem prémios milionários. Não dá para ter dirigentes que não conseguem fazer com que o clube seja respeitado pela imprensa e que apenas se preocupam com esta quando é o nome individual deles que está em causa (usando o nome do clube para esse propósito de defesa pessoal). Não dá para ter dirigentes que cultivam uma relação com os outros clubes em que somos constantemente enxovalhados e em que nada acontece, não havendo qualquer retaliação. Não dá para ter um conjunto de dirigentes mimados, que são uns pulhas da pior espécie e que responsabilizam sempre os sócios pelos seus péssimos actos de gestão e os ofendem gratuitamente.

Precisamos de dirigentes que larguem a treta do “somos diferentes” e que comecem por tentar ser iguais aos rivais. É por causa do somos diferentes que o clube actualmente é uma memória viva (às vezes nem sei se viva, ou morta…) de uma instituição que já foi grande e que teve a ambição de ganhar, ganhar, ganhar e…ganhar. Com estes dirigentes actuais e com o somos diferentes não existe ambição. Apenas vaidade, irresponsabilidade e compadrios.

Tenho que discordar contigo. A discussão sobre o Sporting pode (e deve) ser feita a qualquer momento. Este fórum é um exemplo disso mesmo, desde o seu inicio.

O que existem efectivamente são timings mais acertados para se poder fazer a viragem, e está claro que Junho passado foi uma excelente oportunidade para o fazer, em qualquer direcção.

Ganhou com ampla margem o rumo que defendia a quase total manutenção da estratégia, assumindo que pouco havia que mudar para que o Sporting evoluísse. E tendo sido tão votado, é esse o rumo que deve ser seguido porque ele corresponde à vontade da enorme maioria dos associados que optaram por participar.

Agora cá estamos todos para avaliar o que é feito e em que condições, mas parece-me óbvio que esta direcção terá forçosamente que ser avaliada à luz do que foi afirmado pelo presidente eleito, e isso está escrito e registado, não há forma de o esconder.

Faltava muito pouco, e é com base nisso que, assistindo todos nós ao que se vai passando no clube e se quisermos ser responsáveis, devemos questionar no sitio próprio (AG) os dirigentes eleitos, responsabilizando-os pelo seu trabalho.

Eu avanço já que, mesmo um ano desportivo deste nível desastroso (e não apenas no futebol), não é razão suficiente para “pedir” a demissão" dos corpos gerentes eleitos há tão pouco tempo. Mas é mais que suficiente para se exigir uma resposta clara, objectiva e sustentada em relação ao que se pretende fazer, que pode ser por dificuldade minha, mas ainda não entendi o que será.

É nessa altura que, sejam os “mesmos contras de sempre”, sejam os que até acreditavam em JEB mas tinham duvidas, seja mesmo os que continuam a acreditar que “só falta um bocadinho”, se devem fazer ouvir e participar no futuro do clube, assumindo muito claramente e DE UMA VEZ POR TODAS a sua responsabilidade final.

Já vi por aí um texto do Malcato, tirado do A Norte de Alvalade, onde ele aborda o tema, afirmando claramente que a responsabilidade do que se passa é dos sportinguistas… e é mesmo. Dos que não concordando com o rumo não tiveram força de o mudar (mesmo que se tenham batido à exaustão), dos que estando com duvidas se calhar não aprofundaram a questão o suficiente e dos que apoiaram declaradamente e o continuam a fazer e não conseguem com a sua energia e capacidade fazer evoluir o clube para o patamar onde TODOS queremos que esteja, INDEPENDENTEMENTE DE NO PASSADO NEM TÃO RECENTE O NOSSO HISTORIAL JÁ NÃO SER PROPRIAMENTE FAMOSO.

Eu não disse que não se deva fazer um balanço das coisas. Apenas disse que não faz qualquer sentido estar-se aqui a propor novos rumos quando este já foi escolhido para quatro anos. Mal ou bem, este já foi escolhido. Mesmo que tenha sido às cegas.

Deve-se discutir o Sporting, propor ideias, mas de uma forma continuada. O que não faz sentido é que só agora passado um ano é que alguns se lembrem de o fazer. Não acho que seja correcto votar-se às cegas num nome e depois passado um ano propor-se a discutir-se ideias só porque a escolha do nome originou resultados muito negativos. Isso quase que até é brincar com quem andou a esfolar-se a propor e explicar novas ideias para o clube no período eleitoral.

O problema é que não vale a pena falar de modelos de gestão em abstracto. As características do presidente e dos potenciais dirigentes é que fazem o modelo.

Com um presidente tão fraco em tanta coisa como JEB, a única forma de se chegar a alguma lado é com um treinador de personalidade forte, experiente, com um currículo incontestável - e com carta branca para mudar de alto a baixo o futebol do clube. Como irá partir do zero e o trabalho de sapa que terá de fazer é de tal ordem e implica enfrentar tanta inércia, até será mais importante a sua determinação e o seu prestígio do que o seu génio táctico. Um Scolari que tivesse um Oceano ou um Venâncio como adjunto seria uma boa escolha se JEB continuar para a próxima época. Neste caso, os dirigentes intermédios são irrelevantes e o presidente não tem praticamente intervenção. É um modelo à inglesa.

Com outro tipo de dirigentes, outro tipo de modelos são possiveis. O mais vulgar é o modelo do presidente carismático, à Porto, que é um bocado o inverso deste. Aí o presidente decide tudo e teres um treinador de personalidade forte faz menos sentido e até pode dar origem a choques (vide Octávio ou Adriaanse). Faz mais sentido ires buscar treinadores muito competentes mas mais apagados e fracos dentro do clube (estilo Jesualdo ou Carlos Alberto Silva). Neste caso os dirigentes intermédios do futebol têm por missão serem braços do presidente e enquadrarem o treinador e os jogadores no espírito do clube. É o modelo mais vulgar no sul da Europa.

Outro modelo viável assenta o poder nos dirigentes intermédios, como o Director Desportivo. É o caso do Benfica, onde a coisa passou a correr muito melhor desde que Vieira passou a ser o pára-raios, que assume o folclore da representação e do ataque aos inimigos do clube. Com as costas protegidas de outras batalhas, o DD giza a estratégia e empresta o seu “capital” dentro do clube a um treinador promissor. Aqui o problema é que é muito raro ter-se à disposição um tipo que seja que seja ao mesmo tempo um símbolo do clube, tenha uma estratégia para o clube e uma rede de contactos nacionais e internacionais profunda como Rui Costa. Além do Benfica, só estou a ver o Bayern com Beckenbauer e Hoeness a seguir este caminho com sucesso. Mas posso estar enganado.

Pois eu até acho isso muito correcto, o erro, se não for continuado e consciente, é uma constante da vida de todos nós e não nos faz menos capazes.

Agora como tu também já escreveste (creio que foste tu), se é para mudar radicalmente mantendo quem lá está, o que é preciso saber é se quem lá está concorda com essa mudança e tem condições para desempenhar outro rumo.

E naturalmente tudo isto não exime as pessoas de assumirem a responsabilidade pelos seus actos passados, tornando-os ou não uma importante lição para o presente e o futuro! :wink:

Por acaso acreditas que isso seja possível? ::slight_smile:
É que pior do que ir num rumo negativo é não ter rumo nenhum. E é isso que acontece com o Sporting. É um clube no caos, onde as pessoas não demonstram ter capacidade para inverter uma situação negativa porque elas próprias estão à deriva, sem saber exactamente o que fazer. Exemplo: contratação de Pongolle. Com tanta lacuna no plantel virámo-nos para um jogador que não sendo um especialista em marcar golos ainda vem ocupar uma posição aonde até já temos jogadores de relativa qualidade quando comparados com colegas seus de outras posições.

As minhas opiniões… Houve algumas a que não respondi porque acho que são mais complexas…

Não tenho grande ideia sobre isso. Gosto de 4x3x3 como a selecção nacional mas depende dos jogadores que tenhamos. O melhor para o Sporting de hoje é o 4x4x2, possivelmente até o losango, mas acho que um plantel deve estar formado para jogar quer em 4x4x2 quer em 4x3x3 coisa que o nosso não está.

A mim importa-me a qualidade dos jogadores. Nós produzimos bons jogadores é natural que tenhamos muitos no plantel, agora quando se chega ao ponto de começarmos a época e o A. Marques ser o titular e de hoje em dia Saleiro também… Acho que já se está a abusar.

Jogadores muito acima da média claro que sim, apostas mais questionáveis temos que ter muito bons titulares.

Depende do custo e da qualidade dos jogadores. Mas acho que se deve evitar jogadores perto dos 30’s a não ser que sejam inquestionavelmente uma grande mais valia.
De resto de qualquer idade.

Já agora sou completamente contra contratações que deixem completamente tapadas novas esperanças do Sporting. Por exemplo PMendes acho que atirará Adrien para 3ª ou 4ª escolha, e a mim parece-me um erro grave.

Para mim há tipos que me deixariam satisfeito à priori:

  • Um grande treinador, muito bom líder (desculpem eu sei que muitos não gostam de Scolari mas seria este um bom exemplo, para mim)

  • Um treinador inovador (André Villas Boas)

  • Um treinador regular mas muito bom na formação (Boloni)

Carvalhais, PBentos, Cajudas, por favor não.

Imagino que seja para reforçar a equipa…

Um extremo e um lateral esquerdo, se possível um central. Não sei como será com Stojkovic, mas um GR também não era mal pensado porque só temos na realidade 1 e esse, pelo menos a mim, não dá garantias.
E 2 ou 3 jogadores jovens a fazerem pelo menos parte da pré época.

Polga porque não me parece que esteja em grandes condições emocionais, físicas e técnicas.
Espero que a venda de Veloso nos dê muito dinheiro.
Dispensa de um dos PL, escolheria Postiga porque ganha muito dinheiro e cá não dará em nada. Apesar de achar que não é o pior PL.
Pereirinha emprestado.
P. Silva.
Tiago.
EDIT:Esqueci-me do Caneira.

Não sei. Acho que em princípio o jogador mais caro seria o extremo, isto no caso de não haver ninguém na formação. De resto não acho que seja preciso muito dinheiro para o central e lateral.

Parece-me inevitável. São fracos em muitos aspectos e vão cair.

Queres despachar rápido o Liedson, vender Moutinho, Veloso e Izmailov ( no mesmo ano??) e manter Djaló, Adrien, Pereirinha ( este mantiveste duplamente!) ?

É esta a lógica de ambição, qualidade que me ofereces?
Logicamente que todos nós sabemos que para criar um bom plantel, é necessário pasta.
Mas vendermos pedras importantes, para termos possibilidades de comprar outras, não é criar um bom plantel.
É, apenas e só, tentar criar um 11 melhor

Evidentemente, que neste Sporting e nesta janela de transferências em particular…seria apologista disso…de se tentar criar um bom 11.
Agora, se nos estamos a cingir ao começo e preparação de uma época, não posso subscrever essa tua ideia.

No futuro do Sporting, eu quero jogadores com condições inequívocas de discutirem um lugar no 11.
Quero jogadores no banco e no campo com semelhante qualidade. Ou então, já que estou a ser excessivamente sonhador, não me conformo ( com todo o respeito pelos jogadores, que até são da cantera) com um banco composto , entre outros, pelo Saleiro ( independentemente de não ser mau jogador. Isso não está, nem nunca estará em causa), Adrien, Djaló e Pereirinha.
Na tua proposta, ( não querendo eu com isto dizer que sou a favor de os despacharmos/emprestarmos todos abruptamente) vislumbro 3/4 jogadores que não têm suficientes valências para se afirmarem categoricamente no 11 do Sporting, num futuro muito próximo do presente, ou no pior cenário, num futuro não muito distante.

É necessário combater esta sede ( compreensível, devido ao actual fracasso) em querer terminar alguns ciclos à força.
Sempre fui e tenho sido bastante ultimamente, excessivamente crítico em relação á forma do Moutinho.
Estaria a ser hipócrita se não admitisse que a sua “não-evolução"e conformismo me irritam por vezes.
Admito, sem rodeios.
Agora isto não implica necessariamente pensar que o Moutinho ( por aparentemente ter estagnado, ou pela névoa de conformismo que o consome, ou por não o achar um bom capitão ou marcador de livres), o Veloso ( por ter mercado) e o Izmailov ( pelo seu historial de lesões) não façam parte do futuro do Sporting.
É importante que façamos o esforço de criar um plantel competitivo.
Tenho a ambição de ver um treinador do Sporting, com dificuldade e angústia…em convocar os jogadores.
Quero um plantel com 18, 19, 20 , 21 jogadores…todos eles capazes.
Não quero jogadores que “cumpram”. Não quero jogadores " não enterrem”. Não quero jogadores que " não joguem mal".
É fundamental manter jogadores que façam parte da solução ( vitórias, ambição e qualidade…quer gostemos mais de uns ou de outros).
Temos sim, que despachar (gradualmente. A vontade de despachar todos é enorme, mas assim era quase toda a equipa) os jogadores que sintamos que já provaram que não são jogadores com dimensão europeia, ou que sintamos que não têm as faculdades necessárias para se afirmarem num espaço de 2/3 anos.
Tomem o caso do Bruno Pereirinha.
Não é um jogador que actua no Sporting…há 2 meses.
Atenção que não digo isto, por capricho. Até mesmo o Djaló. Eu bem sei que o Djaló pontualmente vai tendo um registo aqui ou acolá. Mas factualmente, não posso aceitar que um sportinguista o considere um jogador “à Sporting”.
Volto a frisar, sem dinheiro é impossível milagres.
Mas é fundamental sim, preservar os melhores jogadores do plantel e apetrechar a equipa com outros de superior/ou igual ( no pior caso) qualidade.

A título de exemplo, eu que tanto reclamo a titularidade do Matias, contra mim falo, mas devo confessar que me conformo de certo modo, quando estou a perder…e entra o Matias.
Até pode não resultar em nada, mas em função da sua qualidade, crio a ( chamem-lhe infantil se quiserem) expectativa de que algo pode mudar.
Porque sinto que entrou em campo um jogador com semelhante/ ou superior qualidade que o colega que rendeu.

Isto sim para mim, é um exemplo ( se houvessem mais 5, 6, 7) do que consideraria um bom plantel.

Matias a lutar por um lugar. Moutinho a lutar por um lugar. Izmailov a lutar por um lugar. Carriço a lutar por um lugar.
É isto que eu quero no Sporting. Não quero 7,8 titulares indiscutíveis.
Quero briga no 11, entre 17, 18, 19 jogadores.
Isto não é um Barcelona. Roça (quase) o impossível haver luta entre 24, 25 jogadores.
Mas 17, 18, 19 jogadores genuinamente capazes, é pedir muito?

Vender os bons, para comprar fantásticos? Sim, é melhor.
Mas não é só por ai, que resolveríamos.

E atenção…que apenas me estou a focar no domínio do plantel.

Porque há outras questões muito mais preocupantes: administração, direcção técnica.

Enfim.

A solução é uma revolução total no Sporting Clube de Portugal. Mexer em que peças? Primeiro vamos trocar quem mexe nas peças.

O que não está explícito no meu texto e que te leva a tirar essa conclusão é que eu daquele conjunto de jogadores nunca afirmei que todos seriam primeiras opções no imediato. Hoje o jogador X pode ter um potencial muito grande e ser inferior ao jogador Y (cujo potencial é menor e já está concretizado) mas amanhã as coisas podem estar invertidas. E é nessa perspectiva que eu encaro o Sporting. Não me interessa manter o jogador Y sabendo que a breve prazo ele será um jogador que não interessa.

Para o imediato olho para o Moutinho da mesma forma como olhava há 4 épocas atrás, como sendo um jogador que não passa daquilo mesmo. Não lhe observo potencial para mais, as suas virtudes actuais são as mesmas que antigamente e sinceramente não o vejo a tornar-se num jogador que me leve a considerá-lo decisivo. É útil para desenrascar, trabalhador mas nitidamente falta-lhe uma coisa: classe nos pés. Não me interessa que ele faça 90% dos passes bem feitos se estes são para trás e para o lado e apenas servem para o encona. É um jogador que basicamente funciona bem na sombra de outros jogadores porque quando é nele que se centram os focos ele obviamente não corresponde porque não tem capacidade para isso. É um jogador que é útil mas para ser útil não precisamos de pagar-lhe o balúrdio que ele aufere mensalmente. Há que aproveitar a grande imagem que alguns, erradamente na minha opinião, fazem dele para sacar um bom dinheiro.

O Veloso é um jogador que me agrada mas cujo potencial de uma transferência não pode de todo ser desaproveitado face às necessidades que o clube passa.

Quanto aos jogadores que falei e que te causam espanto (Adrien, Pereirinha, Yannick…) precisam de levar trabalho específico a sério e sobretudo ter à sua frente verdadeiros jogadores de futebol que sirvam de referência para que possam evoluir.

Quanto ao Liedson, é mesmo necessidade de limpar o ambiente no balneário. Não posso aceitar que um jogador falte ao respeito à massa adepta e ao director desportivo e sair no meio disto impunemente.

Logicamente que todos nós temos visões diferentes, mas mesmo com as tuas ressalvas, confesso que fico absolutamente preocupado ao ver um sportinguista como tu, em que reconheço lucidez e inteligência, pensar que ( mesmo num plano a médio/longo prazo) o Pereirinha pode fazer parte de uma solução para o Sporting.

Desculpa bater nesta tecla, mas sinto que é verdadeiramente importante.
Porque quando falamos do Pereirinha, não falamos de um jogador sénior…desde ontem.
As suas grandes lacunas são sobretudo inatas. Não se ganham com o tempo, ou necessariamente com jogos nas pernas ( e que francamente já tem alguns)
Ousadia, confiança, mentalidade vencedora, ambição, TOMATES…não se ganham necessariamente com o tempo.
Somado a isso, pese embora reconheça a sua capacidade de aceleração, que é inequivocamente interessante, julgo que já ficou mais do que provado…que não tem valências suficientes para jogar num grande de Portugal.
Aliás neste capítulo, mesmo que o futuro me traia, posso dizer com propriedade, que ao Pereirinha foram dadas várias oportunidades e ele não cumpriu.
Ou seja, mesmo admitindo…num futuro, que renderia num benfica ou num porto, o Pereirinha seria sempre aquele jogador que eu diria : " Este teve oportunidades. Não deu, ok. Mas teve. Não foi culpa do Sporting"
Nesse sentido, mesmo sendo eu um duro crítico em relação à habitual forma do Moutinho, não deixo de me sentir chocado…por verificar que privilegias mais uma evolução no Djaló e Pereirinha ( jogadores que já conhecemos ridiculamente bem) do que esta estagnação do Moutinho ( em que ao menos, por muito crítico que eu seja, já todos nós sabemos com o que podemos contar. O que não sendo extraordinariamente fantástico, não é de todo pouco)

Não quero que entendas este texto, como uma crítica, atenção!
Nada disso!.
Mas não posso aceitar que consideres mais importante/ou confies mais… para o crescimento do Sporting…a manutenção (na espectativa de uma evolução) do Pereirinha, Djaló e Adrien…do que (mesmo admitindo) a estagnação do Moutinho.
É completamente contra-natura, este teu sentido de evolução do Sporting.
Com todo o respeito, diga-se.

Compreenderás que custa a um sportinguista, perspectivar um futuro com a manutenção do Pereirinha e Djaló…e a saída de um Izmailov, Moutinho, Veloso ou Liedson.

É fundamental uma vez mais, teres presente que tudo isto que digo…é sem qualquer ponta de provocação, crispação, ou arrogância.

Mas a tua proposta, o que chamas de evolução ou de futuro…sou forçado a designar de regressão.

Sou favorável a qualquer modelo desde que não inclua o Salema, o Carvalhlol e o Betencas.

Pessoalmente acho que antes de discutir qualquer tipo de modelo de gestão, seja apenas para o futebol seja para a globalidade do clube, devemos perceber exactamente qual deve ser a nossa mentalidade e postura. Quando digo nossa refiro-me à do sócio e adepto.

Depois disso feito, marcar claramente quais os objectivos de curto, médio e mesmo longo prazo, dentro das possibilidades do clube, pelo que transparência e conhecimentos absolutos da real situação patrimonial são necessários.

E só então avançar para as restantes questões, sendo que obviamente poderei discutir uma ou outra questão técnica, mas não me parece que seja muito produtivo, começando logo pela minha incapacidade enquanto “amador” do assunto. Agora os grandes pontos de partida creio que quase todos estamos habilitados a discutir com maior propriedade.

Do Pereirinha estou à-vontade para falar pois de início não vi previ um décimo daquilo que muito dos seus defensores diziam. A questão é que o jogador tem potencial para se transformar num bom lateral, posição essa que no imediato já está ocupada. Portanto acredito piamente que com um treinador em condições e que com um bom trabalho específico teria todas as condições para se tornar uma excelente alternativa ao lugar até porque tem alguém de valor e raçudo a proporcionar-lhe competição pelo lugar.

A diferença entre um jogador como o Moutinho e o Pereirinha é que o primeiro desde logo apresentou grande maturidade enquanto o segundo sempre foi e ainda continua a ser uma espécie de bebé em campo. E quem fala do Pereirinha, diz o Adrien ou o próprio Djaló. Nao vejo o Pererinha ou o Djaló a tornarem-se craques mas acredito que podem muito bem ser segundas ou terceiras escolhas de boa qualidade para o plantel. E estes jogadores também tem de ser aproveitados e para isso tem de ser suportados por jogadores que sejam reais mais-valias. É nessas mais valias que o Sporting precisa de investir. E infelizmente o Moutinho não é aquilo que se possa considerar uma mais valia. Só mesmo neste sporting actual que está completamente decadente…

Não sei muito bem o que dizer, ontem pensei em não ligar a nada que estivesse relacionado com o Sporting até esta época acabar, mas não consigo ficar indiferente! Muito provavelmnete não voltarei a ver um jogo da equipa de futebol até ao fim da época, porque está mais que visto que apesar da falta de qualidade evidente em muitos jogadores, que o problema é muito mais amplo e complexo, em grande parte está relacionado com uma questão de atitude e isso não é admissivel a jogadores do SCP!
Li com atenção algumas das ideias que aqui alguns deixaram e só tenho a dizer uma coisa, não esperem que isto lá vá com revoluções! Desculpem-me a analogia, se calhar até despropositada, mas a primeira república prometia mundos e fundos, prometia novas políticas, novas ideologias, mas o país não ficou melhor! E porquê? Por dois grandes motivos, falta de estabilidade para governar e incompetencia para os que dirigiam o país! O Sporting também só pode ser maior e melhor se tiver pessoas à frente que sejam muito competentes, se existerem ideias mas não existir ninguém com a capacidade para as pôr em prática a mudança é inóqua e sem tradução prática! Sinceramente não estou a ver ninguém com essas características, mas não custa sonhar!
O Sporting entrou num ciclo e sendo racional, mesmo que me custe a admitir, para inverter esse ciclo é preciso a tal competencia e uma coisa que não há, tempo, pois todas as mudanças, quer dentro das sociedades ou de organizações, exigem tempo para serem consolidadas e enraizadas, isto aplica-se nomeadamente ao plantel, não vai ser de um dia para o outro que se vai conseguir criar um plantel à altura do Sporting e mudar a mentalidade instalada no balneário!
Pegando nisto concordo com aqueles que dizem que o primeiro a mudar teria de ser o treinador, teria de ser alguém de qualidade inquestionavel e alguns jogadores acomodados e com má influencia no grupo teriam de sair( concordo com o M.Veloso, j.moutinho e liedson), retirar os que não têm qualidade(Grimmi,P.Silva, A.Polga,Postiga,etc…) e emprestar alguns jovens que têm potencial mas que precisam de evoluir(Adrien,Saleiro,B.Pereirinha,djalo).
Quanto à mudança na direcção concordo se for uma mudança no sentido evolutivo e não apenas no sentido de ruptura!

Andre Villas Boas ou Co Adriaanse eram as minhas escolhas.