Miguel Braga - Responsável de Comunicação Sporting Clube de Portugal

MIGUEL BRAGA SOBRE PLATA: “FOI HOMEM AO PEDIR DESCULPAS”

Diretor de comunicação do Sporting confirmou que o atleta será reintegrado no plantel

Maria Pinto Jorge

Texto

7 de Abril 2021, 11:48

Na passada noite de terça-feira, dia 6 de abril, Miguel Braga, diretor de comunicação do Sporting, revelou, no programa ‘Raio-X’ da Sporting TV, que Gonzalo Plata irá ser reintegrado no plantel principal dos leões.

Como já haveria sido avançado, o jogador equatoriano já tinha pedido desculpa aos dirigentes leoninos (LER AQUI), depois de algumas declarações polémicas na partida para a sua seleção (LER MAIS AQUI, AQUI e AQUI).

Assim, no programa da noite passada, Miguel Braga revelou a sua integração, entre comentários a outros assuntos.

  • Reintegração de Plata

“Compreendo o que diz o selecionador do Equador. Não disse o que disse para atingir o Sporting. Quis mexer com o jogador. Foi reintegrado. É um miúdo de 20 anos e não tem estrutura familiar forte em Portugal. Às vezes com 20 anos são tomadas decisões das quais nos arrependemos. Foi homem ao pedir desculpas ao treinador e ao clube. Foi humilde. Há certas regras que são para cumprir, pediu desculpas publicamente. Vai ter a sua segunda oportunidade, cabe a ele aproveitar a oportunidade”.

  • Entrada sobre Nuno Mendes

“Estamos cada vez mais próximos de garantir o acesso direto à Liga dos Campeões. Faz-me confusão a entrada sobre o Nuno Mendes, não houve qualquer cartão. Disseram-me do departamento médico do Sporting que foi um milagre o Nuno Mendes não ter tido uma lesão gravíssima no tornozelo e no joelho. Será reavaliado novamente na quinta-feira”.

  • António Costa e público nos estádios

“O Sporting está preocupado com a pandemia, mas futebol sem público não é a mesma coisa. Por tudo. Acreditamos que brevemente estarão reunidas as condições para que esteja público no Estádio. Se o estádio levar 1/3 ou ¼ da capacidade… O mundo vai continuar, mas não creio que a solução passe pela proibição sem dar nada em troca. Importante é que o Sporting terá as condições para que o seu estádio gradualmente e de forma faseada possa receber adeptos”.

MOMENTOS A VERDE E BRANCO

Por Miguel Braga*
08 Abr, 2021

OPINIÃO

(…) agora é a vez de voltarmos a pedir que se olhe para a ferramenta do VAR com atenção: a ideia não é criticar, mas sim construir um futuro e um VAR melhor, mais justo e mais transparente

Há momentos que merecem ser recordados. Há histórias que devem ser partilhadas, experiências geracionais que se cruzam. O basquetebol do Sporting CP viveu nos últimos dias uma dessas ocasiões. Com a Páscoa como motivo da visita, antigos jogadores da modalidade surpreenderam o actual plantel em pleno Pavilhão João Rocha (páginas 18 e 19).

Ernesto Ferreira da Silva, Hermínio Barreto, Carlos Sousa e Edgar Vital são Leões que têm o seu nome inscrito na memorável História deste Clube. Antigos jogadores e campeões nacionais, são também fiéis apoiantes da equipa de Luís Magalhães e co-responsáveis pelo regresso da modalidade. A simbologia do gesto assentou que nem uma luva na equipa e todos esperamos que sirva de incentivo já para a final four da Taça de Portugal.

Hoje, assinalam-se 59 anos desde que João Morais marcou o golo número 2.000 dos Leões no campeonato (páginas 3 e 4). Morais e o seu canto também fazem parte do património do Clube. É com certeza uma das nossas Lendas mais queridas, responsável pelo golo que deu ao Sporting CP e a Portugal a conquista única da competição europeia da Taça dos Vencedores das Taças. Foi em 1964, na finalíssima (já que na final tínhamos empatado a três golos com o MTK Budapest), que aos 19 minutos o jogador surpreendeu o mundo do futebol ao executar na perfeição com o seu pé direito um canto directo que acabou por ser decisivo para o Clube e para a conquista em questão. O ‘Cantinho do Morais’ seria depois imortalizado pelo lançamento de um disco, com direito a relato de rádio de Artur Agostinho, primeiro interpretado por Margarida Amaral, depois popularizado por Maria José Valério.

Nas páginas centrais desta edição, outro momento para mais tarde recordar: a vitória e conquista da Supertaça de râguebi feminino, versão de 15, frente ao eterno rival, com uns claros 18-5 (páginas 14 e 17). Uma equipa que tem dominado o panorama nacional, sendo este o 15.º título em apenas quatro anos. É obra. Os mais sinceros parabéns ao treinador Pedro Leal, à capitã Isabel Ozório e à jogadora Inês Marques, responsável pela marcação de três ensaios: “sim, marquei os três, mas é fruto do oito da frente e dos três-quartos, como é óbvio”, relatou ao nosso Jornal com a humildade que caracteriza os campeões.

O Luso vai ser palco da primeira fase da Liga Europeia de Hóquei em Patins e o Sporting CP tem a ambição de revalidar o troféu do qual ainda é o detentor – a última edição foi cancelada devido à COVID-19. “Olho para este troféu com alguma saudade, mas também com grande responsabilidade”, confessou ao Jornal Sporting o treinador Paulo Freitas. Nas páginas 22 a 24 encontramos a entrevista conjunta ao treinador e ao capitão Pedro Gil.

No futebol, continuamos a luta, jogo a jogo, sempre com o foco na conquista dos próximos três pontos. A última partida ficou marcada pela entrada sem sanção que Nuno Mendes sofreu (acabou por sair lesionado do jogo e, segundo o departamento médico do Sporting CP, foi um verdadeiro milagre o jogador ter escapado a uma lesão grave) e por dois golos anulados ao Sporting CP, um dos quais invalidado por um fora-de-jogo por dois centímetros. Depois de em Dezembro passado o Sporting CP ter iniciado e liderado a discussão pública sobre a possibilidade de serem públicas as comunicações entre árbitro e videoárbitro (VAR), agora é a vez de voltarmos a pedir que se olhe para a ferramenta do VAR com atenção: a ideia não é criticar, mas sim construir um futuro e um VAR melhor, mais justo e mais transparente.

Faltam nove jornadas para o fim da Liga NOS. E a receita é a mesma: trabalho, compromisso, humildade e garra de Leão. Sempre juntos, até porque “Onde Vai Um, Vão Todos”.

Editorial da edição n.º 3814 do Jornal Sporting

  • Responsável de Comunicação Sporting Clube de Portugal

12 abril 2021 - 23:14

Miguel Braga: «Nuno Manso está a ser julgado por ofensas à integridade física de uma vogal do Sporting em Braga»

Árbitro auxiliar que expulsou Rúben Amorim tem um processo em tribunal, refere o responsável pela comunicação leonina

O responsável pela comunicação do Sporting, Miguel Braga, fez vários reparos ao trabalho da equipa de arbitragem no jogo com o Famalicão e não poupou o auxiliar Nuno Manso - pediu a expulsão de Rúben Amorim a Rui Costa -, considerando que o mesmo não tem condições para ser nomeado para os jogos dos leões, pois tem um processo em tribunal com uma vogal do núcleo de Braga.

“Se virmos as imagens percebemos que quem expulsa o Rúben Amorim é o árbitro auxiliar, Nuno Manso, que tem um episódio lamentável, em 2016, com uma vogal com o núcleo do Sporting em Braga. Nuno Manso está a ser julgado por ofensa à integridade física e ofensas a uma mulher . É normal alguém que está a ser julgado por litígios seja nomeado pela terceira vez para um jogo do Sporting?”, questionou Miguel Braga no programa ‘Raio-x’, transmitido na Sporting TV, onde ainda acusou este elemento de ter originado a expulsão do diretor desportivo leonino: “Ele disse palavras pouco simpáticas ao Hugo Viana que levou à sua expulsão. Aconteceram coisas neste jogo que prejudicaram o Sporting”.

Na mira do responsável do Sporting esteve também o árbitro da Associação de Futebol do Porto, Rui Costa, e o VAR, António Nobre. “A imprensa desportiva passou ao lado da jogada capital pois no golo do Famalicão há uma simulação de um jogador do Famalicão e a regra geral passa por marcar falta e dar o cartão amarelo. O Rui Costa pode ser ludibriado, já o VAR que costuma estar tão atento ao Sporting, vendo até golos de 2 cms do Pote ou se a bola do Porro saiu… não me pareceu que tenha revisto o lance dada a velocidade com que o jogo foi retomado”, acrescentou Miguel Braga, que ainda se queixa de dualidade de critérios em relações aos rivais: “O lance do Jovane acho pouco compreensível. Se fosse outro clube e outro jogador, o penálti seria marcado, é esta a minha opinião vendo os penáltis que marcam aos nossos rivais onde basta um toque. O futebol é um jogo de contactos”.

Amorim e Conceição

Miguel Braga também comentou a expulsão de Rúben Amorim e respondeu ao diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, que apontou baterias ao técnico leonino após a sua quarta expulsão ontem. “Começando pelas expulsões dos treinadores do Sporting só lembro que o Jorge Jesus foi mais vezes expulso em 8 meses no Sporting que em 6 anos no Benfica. O Rúben Amorim, enquanto jogador do Benfica, nunca foi expulso tal como nunca foi enquanto treinador do Braga. Há aqui uma atenção especial sobre os treinadores do Sporting. Em relação ao Sérgio Conceição, proponho que se faça um apanhado das imagens do Sérgio Conceição antes de ser expulso e as do Rúben. Só temos de colocar as imagens lado a lado para as pessoas analisarem sem qualquer comentário”, acrescentou.

O responsável leonino ainda analisou o empate com o Famalicão e garante que a pressão está no lado dos rivais. “A pressão vai estar das equipas que gastaram 100 milhões de euros e daquelas que se intitulam das melhores da Europa por estarem nos quartos-de-final da Champions”, concluiu.