Frederico Varandas - Presidente do Sporting Clube de Portugal - Parte 5

Frederico Varandas apoiado para novo mandato: leia a carta aberta ao presidente do Sporting

Mais de 200 nomes do universo leonino apelam à recandidatura do líder “pelo bem do Sporting”

“É tempo de razão e de balanço. É hora de convocar a memória e de assegurar o futuro”. É desta forma que mais de 200 nomes do universo do Sporting – em concreto 242 – dão o pontapé de saída numa carta aberta dirigida a Frederico Varandas, a que Record teve acesso, com um intuito claro: apelar à recandidatura do presidente nas eleições de 5 de março. “Pela estabilidade, pelo bem e pela glória do Sporting Clube de Portugal”, vinca o grupo de sócios, num importante empurrão ao líder, que apesar de ainda não ter oficializado a sua intenção, há muito que decidiu ir a votos – noticiámo-lo a 25 de outubro, após a assembleia geral extraordinária que aprovou relatórios e contas.

Além de cinco ex-presidentes do clube (José Roquette, Santana Lopes, Dias da Cunha, Filipe Soares Franco e Sousa Cintra), também José Moniz Pereira, Miguel Ribeiro Telles, Carlos Barbosa da Cruz, Tomás Froes, Eduardo Marçal Grilo, Margarida Dias Ferreira, Menezes Rodrigues, Gilberto Borges, Carmona Rodrigues, Isabel Trigo Mira, Mário Figueiredo, Miguel Relvas ou Eduarda Proença de Carvalho, entre outros, frisam que “o Sporting está bem entregue” e apontam razões que justificam que “este é o caminho”.

“É justo que continuem o excelente trabalho em curso. Foram conquistados muitos títulos, nacionais e internacionais, com uma cadência e regularidade como há muito o País não via”, sublinham na missiva, apontando a “revolução de mentalidade em termos competitivos” como “uma das maiores conquistas do mandato”. “Temos a lucidez necessária para valorizar o que tiveram de enfrentar”, referem, ao Conselho Diretivo, reforçando que a “recandidatura é a melhor solução para o Sporting”: “Não é tempo para devaneios, experimentalismos ou para nos desviarmos do sucesso que tanto custou e demorou a atingir”.

Anúncio ao virar da esquina

Varandas está, sabe o nosso jornal, em processo de recolha de assinaturas (são precisos mil votos úteis), pelo que pode oficializar a recandidatura na próxima semana. O prazo limite, de forma a respeitar os estatutos, é o dia 3 de fevereiro. Nuno Sousa e Ricardo Oliveira também se perfilam para a corrida.

Leia a carta aberta na íntegra:

É tempo de razão e de balanço. É hora de convocar a memória e de assegurar o futuro.

Pela dimensão das dificuldades que encontraram e dos desafios colossais que tinham pela frente, mas, acima de tudo, pela firmeza em cada momento, pela resiliência, pela dignidade recuperada e pela competência indiscutível que demonstraram, serve a presente para solicitar aos membros do Conselho Diretivo do Sporting Clube de Portugal, na pessoa do Presidente, o Dr. Frederico Varandas, que, pela estabilidade, pelo bem e pela glória do Sporting Clube de Portugal, se recandidatem nas próximas eleições aos órgãos sociais do nosso Clube.

Em virtude da obra feita, das reformas estruturais implementadas, é justo que continuem o excelente trabalho que está em curso.

Foram conquistados muitos títulos, nacionais e internacionais, com uma cadência e regularidade como há muito o País não via. Em menos de três anos, merecem especial destaque os cinco títulos no Futebol Profissional, nomeadamente a conquista do campeonato nacional 20/21, mas também os quatro títulos de campeão europeu no Futsal e no Hóquei em Patins. O feito notável de recuperar o basket, várias décadas depois, e conseguir conquistar vários títulos nacionais, inclusivamente o de campeão nacional, é também digno de registo.

Defenderam princípios e valores. Criaram condições para formar e vencer. Conseguiram, transversalmente, em todas as modalidades, fazer uma revolução de mentalidade em termos competitivos. Essa terá sido, porventura, uma das maiores conquistas deste mandato.

Hoje, da base até ao topo da hierarquia, todos lutam, todos sentem que fazem parte de algo maior. Inspirados por uma liderança realmente forte, que nunca se rende e que coloca o Clube acima de tudo e de todos, foram criados grupos física e mentalmente fortes.

Foram formadas equipas que acreditam sempre até ao fim. Fomentando um espírito de coesão, entreajuda, capacidade de sacrifício e de superação ímpares, vencemos, com alma, com muito querer, títulos em contextos absolutamente dramáticos.

Com equilíbrio, com uma exigência sã, com cultura desportiva, com sustentabilidade, com um profundo conhecimento dos atletas e das equipas, fomos até ao limite. Atingimos marcos épicos e batemos records.

Assistimos a uma valorização da marca. Temos o Clube associado a marcas de prestígio. Demos passos decisivos. Houve um reforço do nosso bom nome, da nossa identidade e do ADN Sporting. Temos credibilidade institucional junto de parceiros e de terceiros. Somos respeitados.

E tivemos, de facto, muitas vitórias e motivos para celebrar. Uniram os sócios e adeptos em avenidas e praças de Portugal e pela diáspora em várias comemorações. Trouxeram felicidade e sorrisos a muitas crianças, jovens e adultos que festejaram como nunca.

Estamos cientes de que os frutos colhidos se deveram, em grande medida, à coragem, à determinação, à qualidade, do Conselho Diretivo e, em particular, do Presidente que, nas suas decisões estratégicas e nas suas grandes opções, com rumo, rasgo e inteligência, foi sempre intransigente na defesa dos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal, fosse perante quem fosse.

Temos a lucidez necessária para valorizar o que tiveram de enfrentar e ultrapassar.

Temos também a noção dos sacrifícios pessoais e profissionais que vos estamos a pedir, caso decidam no sentido de uma recandidatura em prol do Clube que tanto amamos. Mas sabemos, como a grande massa associativa do nosso Clube sabe, que esta é a melhor solução para o Sporting.

A instituição está acima de cada um de nós. Não é tempo para devaneios, experimentalismos ou para nos desviarmos do sucesso que tanto custou e demorou a atingir.

O Sporting Clube de Portugal está bem entregue. Sabemos todos que este é o caminho. Todos.

Viva o SPORTING!

Os signatários:

Tito Arantes Fontes

José Moniz Pereira

Júlio Rendeiro

António Dias da Cunha

Miguel Ribeiro Telles

Manuel Fernandes

Rogério Beatriz

Jorge de Mello

Margarida Dias Ferreira

José Corrêa de Sampaio

Bernardes Dinis

Mário Casquilho

Carlos Araújo Sequeira

Nuno Fernandes Thomaz

Alexandre Patrício Gouveia

João Ribeiro da Fonseca

César Oliveira

Filipe Soares Franco

Daniel Ayash

Carlos Barbosa da Cruz

Pedro Santana Lopes

Isabel Trigo de Mira

João Pessoa e Costa

Gonçalo Teixeira

Henrique Ferreira

Isabel Dinis

José Roquette

Idalina Lisboa

César Reis

Bernardo Alberto Amado

Nuno Veiga Raposo

António Belmar da Costa

Nelson Nogueira

Luis Fernando Magalhães

Jorge Manuel Rodrigues Galrão

Sandra Barbado

Patrick Dias da Cunha

José Pedro de Fezas Vital

Carlos Bruno Ribeiro

José de Sousa Cintra

Margarida Caldeira da Silva

Francisco Robalo Mendes

Gonçalo Falcão Ramos

David Gorjão

Jaime Ayash

Tomás Froes

Nuno Galvão Teles

António Bettencourt

Juvenal Carvalho

Frederico Espírito Santo da Cunha

Eduardo Marçal Grilo

Mário David

João Pedro Teixeira

Maria Ferreira

Paulo Padrão

Gonçalo Ramos e Costa

Nuno Ferreira

Maria Madalena Elvas Pontes

Rui Miguel Ribeiro de Oliveira

Nuno Gomes

Luis Miguel Sobral Venâncio Silva

Teresa Maria Ramalho Abreu

António Menezes Rodrigues

Frederico Valsassina Heitor Pena do Amaral

João Carlos Chavinha Roque Gameiro

André Matos

Maria Teresa Formigal de Arriaga

Francisco Freitas

Cândida Gonçalves Pereira

João Casanova de Almeida

Paulino Coelho

Gilberto Borges

Nuno Lousa

Mário António Teixeira Sampaio Alves

Miguel Menezes da Silva

César Mourão

Luísa Borba de Castro Bettencourt

Afonso Costa

Carlos Reis

Manuel Reinhardt

Maria Borba de Castro

José João Elvas Fontes

Margarida Caldeira da Silva

Telmo Marques dos Santos

Francisco Febrero

Rogério de Brito

Aureliano Neves

Joaquim Shearman de Macedo

Rita Carneiro Pimentel da Costa

Carlos Alberto Sevilha

Renato Arié

Luis Branco Amaral

Manuel Paula

Luis Ferreira de Almeida

José Manuel Silva e Costa

Eduardo Borba de Castro

Maria Luísa Águas do Rosário Lopes

Alberto Laplaine Guimarães

Paulo Alberto

Miguel Gentil Quina Martins Ferreira

Domingos Lobo de Vasconcellos

Raúl João Pinto da Costa

Carlos Paiva Raposo

José Tomé Carvalho

Marco Pinto Moreira

Hugo Miguel Gaspar

Duarte Garin

Luis Filipe Mira de Oliveira

João Pedro Figueiredo Pimentel da Costa

Carlos Manuel Mota de Sá Alcântara

Diogo Maria Sarzedas Belmar da Costa

Carlos Castello Branco Lobo de Vasconcellos

Gabriel Filipe Mateus Andrade

Pedro Pereira da Graça Mira de Oliveira

Bernardo Manuel Guia Pires Rosa

Vera Fraga de Andrade

Carolina Carneiro Pimentel da Costa

Rui Alexandre de Jesus

Luis Miguel de Andrade Coelho Pinhel

João Miguel Pina Pacheco Campos de Matos

Paulo José Subtil Barreiro

Bárbara Nogueira

Luís Covas Lima

Rui Manuel David Gaspar

Francisco Morais Nobre

Afonso Maria Pita Negrão Cardoso de Menezes

Luís Álvaro Campos Ferreira

Tomáz Aires

António Carmona Rodrigues

Frederico Salema

João Dias

João Cabral

Inês Reis Martins Vieira

Paulo Abreu

João Lino de Castro

António Vasco Fernandes Cardoso de Menezes

Carlos Barbosa

Augusto Mateus

Paulo Carmona

Bernardo Gentil Quina Martins Ferreira

João Pedro Silva

Fernando Ferreira Pinto

Gonçalo Maleitas Correia

Duarte Brito Goes

José Maria Bettencourt

João Vieira Barreto

Pedro David

Ricardo Henriques Tomás

Rui Manuel Alves Quintino

Nuno Salazar Casanova

Filipe Mendes

José Miguel Bensliman Schorcht da Silva Pessanha

Maria Celeste Nogueira

Gonçalo Empis

José Manuel Barroso

Frederico Pinto Basto

Luis d´Orey

Luis Pereira Nunes

Vasco Bettencourt

Bernardo Alberto Amado Martins Ferreira

João Alfaro

Duarte Galhardas

Nuno Fernandes

Sofia Flores Pinto Martins

Manuel Gonçalo Cordeiro Ferreira

Nelson da Cruz Vergas

Carlindo Ribeiro

Rui Gonçalves de Ascenção

Vitor Manuel Martins Cândido

Miguel Roquette

Rui da Silveira

Pedro Sousa

Luis de Gouveia Gomes Fernandes

Vanda Martins

Ricardo Agostinho

David Gorjão

Manuel Fernando da Palma Rosa

Carlos Feliciano Marques

Pedro Canastra de Azevedo Maia

Mário Luís Silva Pereira de Figueiredo

Tiago Teixeira da Cruz

Artur José da Silva Neves

José Manuel Leitão Henriques

Francisco Guedes Landeira

Manuel Louro

José Pedro Amaral

João Serra Baptista

Lucas Vilela

Bernardo Maria Caldeira-Pires

Lourenço Noronha de Andrade

João da Silveira

Francisco Cazal Ribeiro

Salomão Hernandez Lemos Figueiredo

Joaquim Manuel Rodrigues Santos

António Pereira

Luis Pinto

Pedro Cunha Ferreira

José Almeida

Miguel Mendes Coelho

Vasco Félix da Costa

Fernando Alegre

Francisco Ferraz Carvalho

Pedro de Lancastre

Miguel Castro Fernandes

João Mota Lopes

Tiago Drummond Borges

Duarte Morais Cabral

Rui Farinha

Vasco Mendes de Almeida

Bernardo Sampaio Nunes

Gonçalo Rangel de Lima

João de Deus Pinheiro

António Piano

Miguel Almeida

Joaquim Santos

Manuel da Costa Salema

Pedro Manuel Gouveia Pais de Barros

Jorge Miguel Paisley Dias Antunes

Daniel Pereira

Octávio José Caseiro Augusto

Carlos Alberto Moitas Camboias

Miguel Relvas

João Gomes

Rita Vieira Martinho

Hugo Campos Coelho

Diamantino Costa Lopes

Davide Tomás

Luis Sousa Martins

Artur Cascais

José Félix

Rui Pedro de Sousa Barreiro

José Barros

António José Soares Ferreira dos Santos

Eduarda Proença de Carvalho

José Assis Fernandes

Cristóvão Guerreiro Norte

José Joaquim Bernardino Ribeiro

Paulo Farinha Alves

João Marciano Azinhais Muacho

Nuno Filipe Miranda dos Reis Rodrigues

Cândida Isabel do Carmo Godinho

António Jorge Peixoto Lopes

Cresci a ouvir bocas que o Sporting era o clube dos betos e dos viscondes, lutei sempre contra essa ideia. Nao é que porto e carnide tambem nao os tenham, mas a influencia que essa gente tem no nosso clube é uma coisa doentia. Tornam a coabitacao quase inpossivel, uma especie de apartheid associativo.

Cheguei a triste conclusao que, se calhar, eu é que nao encaixo no perfil de sócio sportinguista. Se calhar o Sporting é mesmo deles e ninguem me avisou. Desisti. Fui socio em 2 periodos diferentes da minha vida, mas acabou. Croquettes nunca mais. Façam bom proveito.

7 Curtiram

Estima-se que 7 em cada 10 betos a viver em Portugal sejam socios do Sporting. E desses 7, pelo menos 8 votaram a favor da destituiçao de BdC.

Sondagem da universidade catolica.

5 Curtiram

Quantos se aproveitam daqui?

Digam um! Digam um!

3 Curtiram

Ainda hoje levamos com elas, é uma conotação com raízes históricas na sociedade.

Culpa dos lampiões e do Estado Novo, uma separação e divisão de estratos sociais, onde a rabolhagem, inflamada pela vinhaça e " Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses", porque o panelas, já na altura, era um dos alicerces de controle do povo, juntando Fátima para completar o trio.

Como sempre se vendeu o spin (correcto neste caso), de que o Sporting era ligado à alta burguesia, profissões liberais e aristocracia, pois sempre tiveram lá as patorras na gamela,
o povo come o que lhe dão, e a fritura sempre agradeceu, pois consideravam o Clube como propriedade deles, algo intocável e imutável.

O meu velho, que está no eterno com todos os Leões, sempre me ensinou que o Sporting é transversal a todas as classes, e era um grande apoiante do João Rocha.

E em 100 e poucos anos, nada mudou, porque não interessa mudar.

Por isso é que o Bruno foi, e é a némesis do pão ralado.

Porque mostrou a toda a gente a força popular longamente adormecida, onde até o mais pobre ou remediado podia perfeitamente identificar-se com o seu Amor.

E quebrou o regime de exclusividade e pedigree desta corja.

7 Curtiram

estão ai os piores presidentes da historia do clube xD Dias da Cunha, Soares Franco, Santa Lopes, José Roquette Sousa Cintra + Varandas … so falta ai o gordinho flopes so nao esta porque foi expulso e bem … se nao fosse isso tambem ai estava na carta … esses so deixam o clube em paz quando morrerem…

3 Curtiram

Não está na lista, mas é convidado à mesma por esta Direcção para ir à bola, como se viu há uns tempos.
É como estivesse e nunca tivesse sido expulso.

2 Curtiram
2 Curtiram

Uma autentica lista da vergonha.

Mas no Sporting, com nojaveis e bolos se enganam os tolos!

4 Curtiram

Só merda.

2 Curtiram

The Hutt Tribe.

Tudo Merda.

2ª feira

Devo de dizer que cheguei agora a casa vindo de uma viagem de 5 horas e aproveitei para ouvir um podcast, FalaDura e ouvi coisas que nao me agradaram nada ouvir , fiquei a saber que ha 3 formas do Sporting perder a maioria da sad , e so uma delas os socios podem ter o controlo ,que e atravez de assembleia, as outras duas e quando eles quizerem , esta na eminencia disso acontecer pode estar para breve e so uma questao de tempo .

Ha esqueceu me de dizer isto os orgaos sociais todos juntos somente tem 200 accoes no Sporting , porque razao ?
Cada um faca a sua avaliacao .

2 Curtiram

Gilberto Borges

Menos esse…
Não se aproveita nenhum!

1 Curtiu

Coloco algumas reservas no Carmona Rodrigues

1 Curtiu

Sendo assim… não me lembrava dessas “manobras”.

O Carmona Rodrigues apoiou o papa primas em 2017. Para mim, ficou riscado a partir daí.

2 Curtiram