A ciência do futebol - metodologia e organização

Tópico para discutirmos todas as componentes técnicas por trás de um jogo de futebol. O treino táctico e técnico, o desenvolvimento da capacidade física dos atletas, sistema tácticos, metodologias de treino, a organização das equipas e alguns métodos utilizados por treinadores.

Não tornem isto uma discussão de quem é melhor ou pior.

É aqui que se reúnem os clichés futebolísticos andantes?

É aqui que o André Martins é um grande jogador.

A questão do treino muscular levanta sempre discussões porque as pessoas têm a ideia errada do mesmo. Treinar num ginásio não significa ganhar enorme massa muscular e participar em concursos de bobybuilding. Significa que precisa de trabalho específico que visa a torna-lo melhor atleta.

O trabalho muscular serve para o atleta ganhar densidade muscular essencial para a prática desportiva. Serve para evitar lesões musculares, recuperar de lesões e corrigir desequilíbrios musculares, que ocorrem devido à prática desportiva. Por exemplo, um atleta para ganhar velocidade no arranque e velocidade de ponta, não basta correr com pesos amarrados nos tornozelos ou coletes, nem tão pouco chega fazer sprints. Não. No ginásio vai treinar os quadríceps, os hamstrings, os gémeos, imaginem… até os bíceps. A questão da capacidade de choque, um atleta não necessita de estar cheio de músculos para aguentar o choque, precisa sim de ter os músculos utilizados na estabilização fortes e prontos a responder a estímulos.

Há atletas que recorrem aos serviços de treinadores fora do clube, sobretudo por uma questão de confiança e por credibilidade. O trabalho físico é muitas vezes feito fora do clube, uns trabalham em casa, outros em ginásios, mas sempre com o conhecimento do clube e, muitas vezes, seguindo o plano delineado pelos treinadores. O futebol é muito mais que 90 minutos e vai para além das 3h horas de treino diários, é uma profissão que obriga a que haja uma grande dedicação, onde todos os pormenores contam e quanto mais específico for o atleta na preparação dos pormenores, melhor será.

Cada caso é um caso… :mrgreen:

Martins, tantas vezes discutido, não é propriamente de cristal e não me parece que tenha problemas de resistência, também.

Jogador perfeito é que o conjuga técnica, capacidade fisica e atlética, força e resistência e inteligência e criatividade. Mais outros factores mentais e emocionais ( carácter, ambição, profissionalismo, confiança, etc… ). E estes aparecem raramente e quando aparecem dominam o futebol.

Izmailov era um pequeno animal de competição até os joelhos cederem. Antes disso, não teria tudo, mas teria muito daquilo que é essencial.

Não discordo, desta vez, do último post do Honoris no tópico do Geraldes. Cada jogador precisa de ter a força que precisa para potenciar o seu próprio futebol. Uns precisam mais, outros menos. Depende do que fazem, depende das suas caracteristicas, das suas qualidades e defeitos.

O treino muscular é um mero complemento que visa tornar o atleta muito melhor. Todos evoluíram para melhor com este trabalho, que está devidamente adaptado ao contexto e à morfologia do atleta. O físico tem o seu papel, como o mental tem o seu papel, são complementos e um não se sobrepõe ao outro.

O Cristiano Ronaldo evoluiu fisicamente porque isso tornou-o um melhor jogador. O Messi perdeu gordura, ganhou mais músculo, ficou mais consistente e deixou de ter tantas lesões musculares como tinha. O Neymar tem vindo a ganhar peso gradual porque era demasiado franzino, não creio que esteja a tornar-se um jogador pior. O nosso William perdeu peso, está mais solto, está muito mais intenso e constante. Depende sempre do contexto e de como pode o treino muscular melhorar o atleta. Uns ganham peso, outros perdem e há quem mantenha.

No futebol inglês, que é um campeonato mais físico, mais intenso, o treino físico é muito específico e vemos atletas como o Mahrez, o David Silva, a sobressaírem-se, porque ganharam consistência física, apesar de serem algo leves, tem uma boa capacidade muscular, que não lhes fez perder a capacidade técnica, mas que os ajudou adaptar-se a um tipo de futebol distinto ao que estavam acostumados. Daí que Arsenal, o City, o United, têm tantas lesões por época, já o Chelsea, o Tottenham, não têm tantas, é o trabalho físico e muscular que os diferencia. Há a questão da intensidade dos treinos, mas deixo isso para outro post.

Mas eu também não disse que quero só um tanque? Um inapto técnico? Então porque raio é esta conversa? É óbvio que os jogadores têm sempre que ter o mínimo de qualidade técnica.

Depois temos os gajos que curtem preencher os tempos livres a ler livros do Luís Campos e do Freitas Lobo, e que acham que o futebol é só “velocidade de pensamento” e outros que tais.

Sim, mas lá está, não é por um jogador não ser dotado fisicamente ( :mrgreen: ) , que passa a ser de cristal. E acho que sim, os clichés relativamente à tal velocidade de pensamento têm alguma razão de ser. Acho é que há quem exagere na coisa e a fundamentalize… :mrgreen:

Massa muscular e força se forem ganhas da forma correcta (treino explosivo) não afectam em nada a performance, só melhoram (isto obviamente até certo ponto; a lei dos rendimentos marginais decrescentes aplica-se). Ganha-se capacidade de choque e equilíbrio, coisas bastante importantes no futebol.
E bastante importante também é o facto de ajudar a prevenir lesões, tanto por anular os desequilíbrios provocados pelo treino de futebol, como pelo facto de ajudar a proteger e estabilizar as articulações.
Sobre o André Martins, só não é um jogador aceitável devido ao seu psicológico. É um jogador que quando começou a ter destaque (Sá Pinto) verticalizava com frequência, qualidade e critério, depois passou a lateralizador crónico. Tem ficado no Sporting não sei bem porquê, talvez por causa dos golos nas pré-épocas.

Cada caso é um caso. Acho que se o jogador tiver qualidade, a capacidade física é um extra. No entanto, a capacidade física pode ser útil para disfarçar debilidade técnicas ou mesmo amplificar as já de si boas características técnicas.

Cannavaro era baixo para central e era um centralão. Para nao falar só de estrelas, Carriço era baixo para central e deu um bom central, titular do vencedor da liga europa. No entanto, convenhamos que um central alto é normalmente mais desejado do que um anão.

Renato Sanchez é um bicho fisicamente e tecnicamente nao acho nada de especial. Entre Sanches e Joao Mário, menos dotado fisicamente usando a expressão do [member=11692]Lion73 ( :mrgreen: ), prefiro João Mario todos os dias da semana e duas vezes ao domingo.

A capacidade física no entanto pode ser uma característica que dependendo da posição, e da forma como é usada, tendo em conta características psicológicas como agressividade, crença, determinação, entre outras, pode melhorar substancialmente um jogador com capacidades técnicas não tão boas.

Slimani por exemplo. Nunca será um Neymar. No entanto, a sua capacidade física, agressividade e determinação leva-o a ganhar muitos duelos individuais que se traduzem depois em golos pela sua boa qualidade de finalização. Poderá não der um fintao mas compensa com outras qualidades que lhe permitem marcar 20/25 golos época. Esta época, fruto do trabalho desenvolvido até recebe de costas e passa para quem sabe.

Andre Martins não é jogador para o Sporting pois falta-lhe ser excelente em alguma coisa e nao é. Não é excelente fisicamente, longe disso, nao é excelente a rematar, é “bonzinho” mas nao é excelente a passar, é “bonzinho” mas nao é excelente a defender, joga no centro do terreno e é baixo e incapaz de ganhar um duelo nas alturas.

Poderá e provavelmente fará carreira num clube europeu “bonzinho”. Mas num clube que quer ser campeão nacional, e que quer ser excelente, tem que apostar noutras soluções.

Geraldes acho que tinha a ganhar com um incremento de massa muscular. Nao estou a dizer para fazer 100kg de supino e ficar sem pescoço. Isso seria ridículo. Mas apenas o suficiente para aguentar encostos e cargas físicas no meio campo, onde se joga muito com o corpo, sem perder agilidade. 65kg é levezinho.

Por falar em levezinho, tivemos um grande ponta de lança bem levezinho. imagino Liedson ao lado de Slimani com esta equipa. Ui os golos que ia marcar! A qualidade técnica e ratice era tal que compensava a falta de poder físico.

Acho que não é um tema que permita fundamentalismos. Cada jogador é um caso diferente e é preciso analisar caso a caso.

O físico será sempre uma componente importante, é preciso lembrar que quando falamos fisicamente de um jogador, temos de englobar vários aspectos, desde da agilidade, da força, da capacidade de impulsão, de explosão, de resistência, etc.

No entanto isso é importante em todos os desportistas, sendo que há componentes físicos mais importantes que outros, dependendo do desporto e até da posição de cada desporto.

Mas acima disso tudo, está o saber praticar o desporto, sem isso, dificilmente algum atleta consegue chegar longe.

No caso especifico do futebol, um jogador se não sabe dominar uma bola, se não sabe correr com a bola dominada, se não posicionar-se, se não sabe passar, dificilmente pode chegar longe. Há excepções (alguns devem ter grandes agentes), mas não passam disso e excepções (como o nosso Slim e a sua evolução absolutamente inacreditável em tão pouco tempo e com a idade que tem).

Como é que um jogador de futebol quer ser profissional se não souber dominar uma boa por exemplo? Se não souber fazer um simples passe rasteiro? Se não souber correr com a bola dominada? Devia ser impossível a meu ver.

Por isso, eu dou importância a tudo, tudo se trabalha, mas sem talento e inteligência, sem saber realmente como o desporto se joga, o físico não faz milagres.

Faço mais que isso e tenho pescoço. :mrgreen:

A subida de peso faz-se de forma gradual, ninguém vai aumentar de massa num espaço de três meses. De forma natural, ninguém ganha 5kg de músculo em tão curto tempo, sobretudo se for ganho limpos, que no futebol é importante. Veja-se a evolução que teve o Carrillo, desde que chegou até ao início desta época. Ganhos de massa muscular gradual, onde foi possível aumentar a capacidade de explosão, de remate, de choque e aumento da intensidade com que jogava. Tudo feito com o seu devido planeamento, respeitando os planos de treino e, sobretudo, a parte da nutrição, que é ainda mais importante.

A questão aqui não é ter marcas elevadas nos exercícios de musculação, não é esse o objectivo. Obviamente que há progressão linear, mas o mais importante é que esses treinos, sejam quais forem as marcas, tenham consequências positivas no seu jogo, na forma de interpretar aquilo que lhe é pedido em campo. Haja a transferência do que se faz no ginásio, no campo, seja onde for, para o jogo, para os 90 minutos onde a bola roda. Por exemplo, exercícios pliométricos são muito mais importantes, eficazes, que auxiliam imenso o atleta a ganhar explosão, a ganhar equilíbrio e a ter resistência muscular. Há também os planos com barras e halteres, exercícios que os atletas gostam, que ajuda imenso a ganhar massa e assim prevenir lesões musculares, a ganhar velocidade e a corrigir desequilíbrios, resultantes da prática do futebol.

Não tenham dúvidas, qualquer atleta faz trabalho específico no ginásio e só assim conseguem subir de patamar e manter-se por muitos anos, saudáveis, competitivos e evitando ao máximo lesões e acumulação de desgaste. Uns fazem mais, outros menos. Uns trabalham várias horas, outros trabalham menos. Mas todos o fazem e todos seguem um plano que é definido pelo departamento técnico do clube. É tudo delineado, tudo é contextualizado e tudo é individualizado. Tanto no treino físico, como na nutrição, onde cada atleta segue um plano específico, dado que respondemos todos de forma distintas ao estímulo e há quem precisa de mais calorias, há quem precisa de menos. Há quem coma antes de entrar em campo, há quem não o faça.

Estás forte Heheheh

2 artigos bastante interessantes:

http://expresso.sapo.pt/desporto/2016-03-27-Mataram-o-futebol

http://www.maisfutebol.iol.pt/historia/internacional/o-ajax-esta-a-mandar-os-miudos-para-a-rua-literalmente

E esta?!

72% do nosso plantel nasceu no 1º semestre do ano.
93% do nosso plantel nasceu entre Janeiro e Agosto.

O primeiro é fabuloso. Da Mariana Cabral, claro.

E esta?!

83% dos jogadores do porto nasceram no 1º semestre do ano.
Todos os jogadores do plantel do porto nasceram entre Janeiro e Setembro.

E esta?
Todos os jogadores da liga profissional nasceram entre Janeiro e Dezembro…

Enviado do meu LG-H502 através de Tapatalk

Sou só eu que prefiro mesmo é jogadores completos? Física, técnica e mentalmente fortes? Assim mesmo tipo… Bons?

Toda a gente os quer, mas há que ter a noção que muitos não são tão completos como queríamos, quanto mais completo, mais caro, depois há atletas que levam mais tempo que outros, atingir um patamar de excelência. Isto não é uma ciência exacta, entra em jogo muitas variáveis, que nem sempre conseguimos elevar ao mesmo tempo.

Há atletas fortes a nível físico, com menor qualidade técnica, mas eficientes em campo. Há atletas que possuem qualidade técnica mas são mais frágeis a nível físico. Há atletas com forte mentalidade, mas não tão bons na qualidade técnica. Os jogadores completos são caros, muitas vezes raros e se não os apanhamos em início de carreira, adeus.

Nós investimos numa equipa técnica capaz de fazer evoluir os atletas a todos os níveis e isso, muitas vezes, é o melhor caminho ou pelo menos o caminho que temos capacidade de sustentar. Outros clubes investem em ambos, equipa técnica e jogadores de enorme qualidade, completos. Temos também a formação que fornece jogadores que podem atingir esse patamar, saibamos os potenciar em todos os escalões até chegar à equipa A, para depois aqui conseguirmos usufruir da sua qualidade por algumas épocas.