Tu és o árbitro!

É permitido falar, o célebre “deixa” ou “é minha”?

Nop, não podes.

Ainda me lembro de um jogo do F.C.Porto (não sei contra que adversário) em que o Domingos gritou “deixa” (foi de tal forma que se ouviu perfeitamente) e pumba jogo parado.

Não se pode induzir os colegas/adversários em erro.

podes dizer deixa parao teu colega de equipa, não podes é enganar o adversário… se ele deixar a bola é marcado um livre indirecto contra a tua equipa e levas cartão amarelo!

Pois, era essa a minha dúvida, se apenas se podia falar aos companheiros ou nem a eles se podia. :great:

Se a punição beneficia (ou não penaliza) o infractor, vai contra o espírito da lei e deve ser substituída por outra que efectivamente seja sentida como tal (nada de piadas sobre os 6 pontos ao FCP).
Agora, tudo dependerá da qualidade do regulamento. Se este for bem feito, deverá prever penas mais pesadas (p.ex. perda de pontos adicionais, descida de divisão ou suspensão/irradiação de jogadores e técnicos) para quem perde deliberadamente um jogo, seja por corrupção, seja por outro motivo qualquer. Se for mal feito, deve-se escavar os arquivos até se encontrar uma alínea ou um precedente que permita punir a equipa batoteira.

Quanto ao árbitro, não tem muito mais a fazer se não dar por terminada a partida quando a equipa batoteira fica com 6 jogadores e descrever os incidentes no relatório.

Caros especialistas,

Ontem aconteceu um lance que me deixou na dúvida no encontro Alemanha x Inglaterra.

Momento 1:
A esquadra inglesa vencia por 1x0 na segunda parte. Há um pontapé à Polga desde a defensiva germânica, em busca da referência de ataque Patrick Helmes. Nesse momento o avançado está offside, atrás dos centrais Terry e Upson.

Momento 2:
O pontapé é inconsequente, a bola vai em direcção ao GR Scott Carson que sobe até perto da linha limite da grande área para agarrar o esférico. Helmes ainda tenta chegar (ele tinha recuado exactamente a seguir ao pontapé e voltou à carga), mas Terry faz bem a cobertura.

Momento 3:
Helmes antecipa-se dada a lentidão de Carson (Terry julgou que o GR iria segurar rapidamente), faz-lhe um túnel de pé esquerdo e encosta calmamente com o direito, fazendo o 1x1.

Questão:
Pode-se falar em offside? No momento do pontapé, o avançado está em posição irregular. Mas ele não toca na bola. A jogada prossegue, mas o estranho é que mais ninguém volta a tocar no esférico… Helmes é, realmente, o único a fazê-lo depois do tal pontapé, ao antecipar-se com o túnel ao GR inglês.

Ora vejam:

Fora de jogo.

No momento do passe, o jogador está deslocado. A jogada não alterou o seu rumo, a bola nunca esteve de posse dos ingleses, o jogador tira vantagem da sua situação.

Fora-de-jogo.

Para mim depende do movimento do atacante em toda a jogada, se ele assim que a bola passa corre para ela há fora de jogo. Se o jogador tiver parado e depois tivesse visto que Terry a faria correr para o guarda-redes e ganho a bola assim acho que é duvidoso, e que se aceita que seja golo, porque o assistente se assinalou o árbitro podera ter dado lei da vantagem, e depois de a bola estar controlada penso que deixa de existir a questão do fora de jogo.

Esta é capaz de ser fácil mas a mim faz-me confusão:

Existe uma bola dividida entre um defesa e um atacante, na qual a bola é sacudida pela defesa mas o defesa em questão fica gravemente lesionado sem que o árbitro se aperceba e os colegas também não, subindo toda a defesa.

Logo em seguida o a equipa que atacava volta a ganhar a bola e o atavante fica isolado, numa situação em que não contando com o jogador deitado no chão está em fora de jogo, mas contando com esse jogador não está.

Existe fora de jogo aqui? Ou o árbitro conta o jogador lesionado como um jogador normal?
Eu parece-me que não existe fora de jogo, mas é uma situação complicada para o árbitro.

Não interessa, mesmo que um jogador esteja fora do campo, excepto se estiver a ser assistido medicamente, está a por os atacantes em jogo. Se um defesa, na sua chico-espertice, sai pela linha de fundo para pôr os atacantes em fora de jogo, o árbitro assistente nunca o poderá marcar porque esse jogador passará a contar como o último defesa.
No caso que referes, se o árbitro não parar o jogo, o jogador estando em pé ou deitado, estará a pôr os atacantes em jogo. A regra diz que só o árbitro decide quando interromper o jogo, e se não faz, a jogada é legal, independentemente de o jogador estar em mau estado ou não.

E este jogador é advertido por comportamente antidesportivo (tentar ludibriar a equipa de arbitragem)…

Um caso que aconteceu no passado Sporting-Shaktar…
Um jogador realiza um movimento com a mao, dando a entender ao adversario que vai tocar a bola com a mao, mas a ultima da hora desvia a mao e nao toca a bola. Devera este jogador ser penalizado com livre indirecto e cartao amarelo por comportamento antidesportivo?

Não me lembro do lance, mas no futebol, e para ser mais preciso, neste tipo de casos, tanto conta a intenção como o acto…Isto é, se o jogador que deu a entender que ia tocar a bola com a mão, fez com que o adversário não chegasse à bola, é considerada falta. Advertência por comportamento antidesportivo e livre indirecto no local onde ocorreu a infracção… :great:

Foi num lance logo ao inicio, na marcacao de um livre, um defesa do shaktar faz que vai a bola com a mao, mas desvia a ultima hora e parece com isso enganar o postiga.

Pode um guarda-redes marcar golo directamente da reposicao da bola em jogo com a mao? (duvido que alguem seja forte suficiente para realizar tal feito, mas talvez nao seja impossivel com mt vento) Pode alguem marcar golo directamente do pontape de baliza?

Pode desde que nao seja golo na sua propria baliza.

Claro que não. Ou toca com a mão ou não toca.

Pode. De resto já aconteceu com muitos guarda-redes…Palatsi por exemplo, ao serviço do Vitória de Guimarães, lembro-me de ter feito um golo… :wink:

Estás enganado Legraph. No futebol conta tanto a intenção como o acto em si…Se impede o jogador adversário de jogar a bola, enganando-o, deve ser penalizado com livre indirecto e advertido por comportamento antidesportivo. :great:

Salvo erro esse golo que falas, não foi de pontapé de baliza. Foi num lance em que o GR adversário pontapeou a bola depois de a agarrar.

Mas penso que poderá ser marcado golo a partir de um pontapé de baliza.

Já agora deixo uma dúvida:

Deverá ser validado um golo marcado directamente a partir de um lançamento sem a bola tocar em mais ninguém?

Ou um de nós não está a entender a pergunta feita pelo mmigueis, ou então foi uma sorte não te ter calhado esta pergunta no teu exame de árbitro. ;D
Olha o que diz a FIFA nas regras do futebol:

A direct free kick is awarded to the opposing team if a player commits any of the following seven offences in a manner considered by the referee to be careless, reckless or using excessive force: • kicks [u]or attempts[/u] to kick an opponent • trips [u]or attempts[/u] to trip an opponent • jumps at an opponent • charges an opponent • strikes [u]or attempts[/u] to strike an opponent • pushes an opponent • tackles an opponent

A direct free kick is also awarded to the opposing team if a player commits any of the following three offences:
• holds an opponent
• spits at an opponent
handles the ball deliberately (except for the goalkeeper within his own penalty area)

Fica claro que só é marcada falta por tocar com a mão/braço na bola.
Naturalmente, se a tentativa de tocar com a mão/braço na bola fosse considerado falta, isso seria contemplado (tal como foi nos casos em que sublinhei).
Tocar com a mão na bola não é um caso de comportamento antidesportivo nem nada desse género, trata-se só e apenas de uma infracção mais básica do jogo em si (infracção essa que evita que o futebol seja uma versão de basquet mas num relvado enorme e com balizas em vez de cestos :lol:) .