Sporting assinou 2 contratos com João Pinto???

http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1280220&idCanal=95

Sporting assinou dois contratos com João Pinto 20.12.2006 - 08h13 Tânia Laranjo (PÚBLICO)

Clube de Alvalade já fez chegar às autoridades um documento assinado em 2000 por João Pinto a suportar pagamento suplementar de quatro milhões de euros

João Pinto, o jogador que actualmente defende as cores do Sporting de Braga e que entre 2000 e 2004 vestiu a camisola do Sporting, assinou dois contratos com o clube de Alvalade. O primeiro era devido ao pagamento das quatro épocas e o segundo, um aditamento, pretendia justificar o recebimento de quatro milhões de euros a título de prémio de assinatura.

O Sporting já entregou cópia do mesmo às autoridades judiciárias e também João Pinto se prepara para o fazer. Tal poderá representar um volte-face do processo que poderá ilibar José Veiga, ex-director-geral do Benfica. Estes novos documentos demonstram então que João Pinto sempre soube da existência dos quatro milhões.

O dito contrato data então de 2 de Julho de 2000. Naquele está justificada a saída da verba adicional, a título de “prémio de assinatura”, uma justificação diferente da que consta da factura passada pelo Sporting. O clube de Alvalade fez constar na mesma que se tratava do pagamento de direitos desportivos, feitos por intermédio de José Veiga, o que agora João Pinto se prepara para desmentir, quando for ouvido pelas autoridades.

Segundo o PÚBLICO apurou, a versão do ex-jogador verde e branco é substancialmente diferente da defendida por Filipe Soares Franco, na conferência de imprensa dada após a investigação policial ter sido conhecida. João Pinto assume então ter recebido o dinheiro, mas argumenta que foi o Sporting a propor-lhe o pagamento em forma de direitos desportivos. Mesmo assim, e para que nunca perdesse o direito a aceder a tal verba, o jogador terá assinado o dito aditamento ao contrato, onde ficava claro que não havia qualquer quantia a pagar pela transferência, já que se tratava de um jogador livre.

João Pinto deverá ainda defender que a utilização da Goodstone foi apenas feita para que o clube de Alvalade não pagasse os devidos impostos no negócio. Tratava-se então de uma sociedade de direito inglês onde José Veiga possuía procurações e que já havia sido utilizada por outros clubes para serem feitos pagamentos de verbas adicionais aos contratos.

Sporting tem versão diferente

O Sporting tem uma versão diferente. Fontes oficiais contactadas pelo PÚBLICO confirmam que o aditamento ao contrato foi efectivamente feito, mas que aquele foi revogado por João Pinto. Que pediu que o pagamento se fizesse pela Goodstone, já que teria cedido os seus direitos de imagem àquela sociedade. Diz então o clube de Alvalade que nesse momento o aditamento ao contrato deixou de vigorar, embora todas as partes tivessem ficado com cópias autenticadas.

O PÚBLICO sabe ainda que no passado dia 5 de Dezembro, o Sporting fez chegar às autoridades uma das muitas cópias. E num requerimento já enviado na qualidade de assistente, a SAD do Sporting apresentou tal versão (que o aditamento foi revogado), voltando a assegurar que João Pinto sempre soube da existência do dinheiro.

Para baralhar ainda mais este caso, há a posição actual de João Pinto. O jogador, que o ano passado negou à PJ ter recebido os quatro milhões, quer agora ser ouvido pelas autoridades. Castanheira Neves, o seu advogado, já o requereu formalmente, tendo pedido para que o seu cliente fosse inquirido por magistrados. Não se percebe, porém, em que qualidade o fez, já que João Pinto não é arguido no processo e não pode constituir advogado.

João Pinto, que em 2000 se transferiu do Benfica para o Sporting, terá assinado um aditamento contratual para justificar um pagamento suplementar de quatro milhões de euros a título de prémio de assinatura, revela o Público na sua edição de hoje.
De acordo com a edição desta quarta-feira do Público, João Pinto, que actualmente joga no Sporting de Braga, terá assinado dois contratos com o clube de Alvalade. O primeiro era devido ao pagamento das quatro épocas e o segundo, um aditamento, pretendia justificar o recebimento de quatro milhões de euros a título de prémio de assinatura.
Refere o Público que o Sporting já entregou uma cópia do contrato à Judiciária e João Pinto prepara-se para o fazer.
Ainda segundo o jornal, João Pinto assume ter recebido o dinheiro, mas diz que foi o Sporting a propor-lhe o pagamento em forma de direitos desportivos.
Para que nunca perdesse o direito a aceder à verba, João Pinto terá assinado o aditamento ao contrato, onde ficava claro que não havia qualquer quantia a pagar pela transferência, já que se tratava de um jogador livre.

http://www.abola.pt/nnh/index.asp?op=ver&noticia=113517&d=1&tema=4

:shock: :shock: :shock: :shock: :shock: :shock: :shock: :shock: :shock:

A notícia do Público:

Sporting assinou dois contratos com João Pinto

Clube de Alvalade já fez chegar às autoridades um documento assinado em 2000 por João Pinto a suportar pagamento suplementar de quatro milhões de euros

João Pinto, o jogador que actualmente defende as cores do Sporting de Braga e que entre 2000 e 2004 vestiu a camisola do Sporting, assinou dois contratos com o clube de Alvalade. O primeiro era devido ao pagamento das quatro épocas e o segundo, um aditamento, pretendia justificar o recebimento de quatro milhões de euros a título de prémio de assinatura.

O Sporting já entregou cópia do mesmo às autoridades judiciárias e também João Pinto se prepara para o fazer. Tal poderá representar um volte-face do processo que poderá ilibar José Veiga, ex-director-geral do Benfica. Estes novos documentos demonstram então que João Pinto sempre soube da existência dos quatro milhões.

O dito contrato data então de 2 de Julho de 2000. Naquele está justificada a saída da verba adicional, a título de “prémio de assinatura”, uma justificação diferente da que consta da factura passada pelo Sporting. O clube de Alvalade fez constar na mesma que se tratava do pagamento de direitos desportivos, feitos por intermédio de José Veiga, o que agora João Pinto se prepara para desmentir, quando for ouvido pelas autoridades.

Segundo o PÚBLICO apurou, a versão do ex-jogador verde e branco é substancialmente diferente da defendida por Filipe Soares Franco, na conferência de imprensa dada após a investigação policial ter sido conhecida. João Pinto assume então ter recebido o dinheiro, mas argumenta que foi o Sporting a propor-lhe o pagamento em forma de direitos desportivos. Mesmo assim, e para que nunca perdesse o direito a aceder a tal verba, o jogador terá assinado o dito aditamento ao contrato, onde ficava claro que não havia qualquer quantia a pagar pela transferência, já que se tratava de um jogador livre.

João Pinto deverá ainda defender que a utilização da Goodstone foi apenas feita para que o clube de Alvalade não pagasse os devidos impostos no negócio. Tratava-se então de uma sociedade de direito inglês onde José Veiga possuía procurações e que já havia sido utilizada por outros clubes para serem feitos pagamentos de verbas adicionais aos contratos.

Sporting tem versão diferente

O Sporting tem uma versão diferente. Fontes oficiais contactadas pelo PÚBLICO confirmam que o aditamento ao contrato foi efectivamente feito, mas que aquele foi revogado por João Pinto. Que pediu que o pagamento se fizesse pela Goodstone, já que teria cedido os seus direitos de imagem àquela sociedade. Diz então o clube de Alvalade que nesse momento o aditamento ao contrato deixou de vigorar, embora todas as partes tivessem ficado com cópias autenticadas.

O PÚBLICO sabe ainda que no passado dia 5 de Dezembro, o Sporting fez chegar às autoridades uma das muitas cópias. E num requerimento já enviado na qualidade de assistente, a SAD do Sporting apresentou tal versão (que o aditamento foi revogado), voltando a assegurar que João Pinto sempre soube da existência do dinheiro.

Para baralhar ainda mais este caso, há a posição actual de João Pinto. O jogador, que o ano passado negou à PJ ter recebido os quatro milhões, quer agora ser ouvido pelas autoridades. Castanheira Neves, o seu advogado, já o requereu formalmente, tendo pedido para que o seu cliente fosse inquirido por magistrados. Não se percebe, porém, em que qualidade o fez, já que João Pinto não é arguido no processo e não pode constituir advogado.

Não existem dois tópicos iguais!!! :shock:

Organizem-se caramba!!!

Comunicado da SPORTING, SAD

"20-12-2006
COMUNICADO DA SPORTING, SAD

O Conselho de Administração da Sporting, SAD, perante a divulgação na comunicação social da existência de um documento que consubstancia um Prémio de Assinatura a pagar aquando da contratação do Jogador João Vieira Pinto vem esclarecer o seguinte:

  1. O documento em causa foi de facto proposto ao jogador e ao seu empresário como forma de liquidação dos direitos desportivos, a título de prémio de assinatura.

  2. Uma vez assinada a minuta do Contrato por dois administradores, o jogador e o seu empresário informaram a Sporting, SAD de que a titular dos direitos desportivos do jogador João Pinto era a sociedade de direito inglês Goodstone Limited, representada pelo Senhor José Veiga e que seria esta a emitir a factura respectiva conforme é já público.

  3. Esta alteração do acordo que a Sporting, SAD propôs ao Jogador, justificou que o documento então assinado pela administração não viesse sequer a ser registado nos arquivos da Sporting, SAD, dado que o Prémio de Assinatura se tornou imediatamente ineficaz “ab initio” e destituído de qualquer efeito.

  4. A Sporting, SAD reitera que se torna crucial para o apuramento da verdade que todas as partes deste processo se disponham a colaborar com as autoridades, consentindo expressamente e por escrito na abertura das contas bancárias nas quais foram depositadas as verbas em causa, concretamente no Dexia – Banque International do Luxemburgo e no Barclays Bank de Londres a exemplo e nos mesmos moldes que o fizeram os antigos e actuais dirigentes desta Sociedade.

Lisboa, 20 de Dezembro de 2006

O Conselho de Administração"

@sporting.pt

O que quer dizer que o prémio se tornou ineficaz? Que já não foi pago? Ou estou a ser enganado pela redacção deste comunicado?

E o documento em causa era apenas uma proposta para estudo ou já era final?

E se era uma proposta, como se justifica que vá assinado por administradores?

E se era final, dá para entender que numa negociação desta importância, momentos antes da assinatura do jogador, este venha a dizer que afinal o pagamento agora era para a empresa X?

E se de todo o modo o processo teve a conclusão conhecida, i.e. a contratação do jogador, porque é que primeiro existiam dois documentos de suporte e no fim acabou por existir apenas um?

Que lindo ver o jameson com convicção a afirmar " O SCP assinou um único, e só um, contrato com o jogador JVP".

E diz o povo, «Mais depressa se apanha um mentiroso, que um coxo».

Mas Franco não mente. A mentira é que anda sempre ao lado dele. :wink:

Para baralhar ainda mais este caso, há a posição actual de João Pinto. O jogador, que o ano passado negou à PJ ter recebido os quatro milhões, quer agora ser ouvido pelas autoridades. Castanheira Neves, o seu advogado, já o requereu formalmente, tendo pedido para que o seu cliente fosse inquirido por magistrados. Não se percebe, porém, em que qualidade o fez, já que João Pinto não é arguido no processo e não pode constituir advogado.

:!: :?: este mudar de atitude de JVP é que me esta a deixar confuso, queres ver que ele so no mes passado é que descobriu onda parava o dinheiro? :lol: + a serio, qd os contratos são assinados n tem de ser reconhecidos em notarios?! é pq se há varios contratos assinados q penso q o unico q é valido é o assinado no notario, ate pq penso q se ambos os contratos fossem validos o scp era obrigado a pagar 3 milhoes de € por cada contrato e ao q parece so pagou a tal empresa inglesa… tudo isto é mto estranho e espero q a policia investigue ate ao fim este caso, mas continuo a acreditar + nos dirigentes do scp do q no manhoso do veiga.

http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1280375

Isto, a provar-se, é muito mau.

Como escrevi, nada está provado, mas a fonte é a mesma que há umas semanas trouxe à discussão (muito participada por sinal) as ligações do presidente do Benfica com os arbitros.

Isso é a já conhecida e debatida conspiração do Público contra o Sporting. Só pode… :roll: