Racismo?

Achei isto na net e decide por aqui para que se pudesse ver as opinioes de cada um.
"Michael Richards conhecido como Kramer da série televisiva Seinfeld, levantou um bom problema. O que se segue é o seu discurso de defesa em tribunal depois de ter feito alguns comentários raciais na sua peça de comédia. Ele levanta alguns pontos muito interessantes.

Orgulho em ser Branco

Finalmente alguém diz isto.

Quantas pessoas estão actualmente a prestar atenção a isto? Existem Afro-Americanos, Americanos Hispânicos, Americanos Asiáticos, Americanos Árabes, etc.

E depois há os apenas Americanos.

Vocês passam por mim na rua e mostram arrogância. Chamam-me ‘White boy,’ ‘Cracker,’ ‘Honkey,’ ‘Whitey,’ ‘Caveman’ …e está tudo bem. Mas quando eu vos chamo Nigger, Kike, Towel head, Sand-nigger, Camel Jockey, Beaner, Gook, or Chink, vocês chamam-me racista. Quando vocês dizem que os Brancos cometem muita violência contra vocês, então por que razão os ghettos são os sítios mais perigosos para se viver?

Vocês têm o United Negro College Fund.

Vocês têm o Martin Luther King Day.

Vocês têm Black History Month.

Vocês têm o Cesar Chavez Day.

Vocês têm o Yom Hashoah.

Vocês têm o Ma’uled Al-Nabi.

Vocês têm o NAACP.

Vocês têm o BET [Black Entertainment Television] (tradução: Televisão de Entretenimento para pretos)

Se nós tivéssemos o WET [White Entertainment Television] seriamos racistas.

Se nós tivéssemos o Dia do Orgulho Branco, vocês chamar-nos-iam racistas. Se tivéssemos o mês da História Branca, éramos logo taxados de racistas.

Se tivéssemos alguma organização para ajudar apenas Brancos a andarem com a sua vida para frente, éramos logo racistas.

Existem actualmente a Hispanic Chamber of Commerce, a Black Chamber of Commerce e nós apenas temos a Chamber of Commerce.

Quem paga por isto?

Uma mulher Branca não pode ser a Miss Black American, mas qualquer mulher de outra cor pode ser a Miss America.

Se nós tivéssemos bolsas direccionadas apenas para estudantes Brancos, éramos logo chamados de racistas.

Existem por todos os EUA cerca de 60 colégios para Negros. Se nós tivéssemos colégios para Brancos seria considerado um colégio racista.

Os pretos têm marchas pela sua raça e pelos seus direitos civis, como a Million Man March. Se nós fizéssemos uma marcha pela nossa Raça e pelos nossos direitos seriamos logo apelidados de racistas.

Vocês têm orgulho em ser pretos, castanhos, amarelos ou laranja, e não têm medo de o demonstrar publicamente. Mas se nós dissermos que temos ‘Orgulho Branco’, vocês chamam-nos racistas.

Vocês roubam-nos, fazem-nos carjack, disparam sobre nós. Mas, quando um oficial da policia Branco dispara contra um preto de um gang ou pára um traficante de droga preto que era um fora-da-lei e um perigo para a sociedade, vocês chamam-no racista.

Eu tenho orgulho.

Mas vocês chamam-me racista.

Por que razão só os Brancos podem ser chamados de racistas?"

É óbvio que o texto é falso (na medida em que não foi escrito pelo “Kramer”). Tá muito na moda isso, admira-me não terem dito que o autor foi o Eduardo Prado Coelho.

Comments: Though this racist rant has been widely disseminated online and seems especially popular on Neo-Nazi and "white power" websites, it dates from well before Michael Richards' infamous onstage tirade against African-American audience members at the L.A. Laugh Factory on November 17, 2006. He did not write it, nor could it have constituted his "defense speech in court," given that there were no charges filed and no court trial ever took place.

It is also at odds with Richards’ stated apology after the videotaped incident, in which he said he was “deeply, deeply sorry” for shouting racial epithets at two black men who had heckled him during his performance at the comedy club.

The true author of the text is unknown.

Fonte: http://urbanlegends.about.com/od/dubiousquotes/a/michaelrichards.htm?rd=1

Quanto ao conteúdo, eu abstenho-me de comentar.

Tenho a sensação que isto já foi discutido aqui - ha meses - mas agora não tenho tempo de procurar. Se alguém localizar o tópico ponha aqui. Obrigado! :wink:

Essa é uma teoria que defendo ao tempo!

Infelizmente muita boa gente não sabe o que é o racismo. Na sua pura e mais nómada ignorância, racismo, é apenas e só quando “um branco” insulta “um preto”.

Felizmente não sou racista. Aliás tenho imensos amigos quer cabo-verdeanos, quer angolanos. Mas o mais engraçado, que no fundo não tem graça nenhuma, é que nenhum deles são amigos, bem pelo contrário.

Existe um racismo quase de morte, entre, por exemplo, angolanos e cabo-verdeanos. Obviamente existem excepções, mas todos os que conheço e não são poucos, têm essa tendência.

A história mais caricata que já vi (sim presenciei com os meus olhos), foi um angolano andar-se a fazer a uma cabo verdeana e dar-lhe uma tareia assim que descobriu a sua nacionalidade. Porque para ele, era completamente vergonhoso uma cabo verdeana estar a seduzi-lo!

Tem tudo a ver com as colonizações, escravizações e mais “ões” semelhantes com origem no velho mundo (i.e. Europa) e que de facto parecem focar racismo unidireccionalmente do branco para -inserir raça não branca aqui-.

O Chris Rock tem um show em que aborda um pouco isso, em que diz que os pretos conseguem ser muito mais racistas com eles próprios do que os brancos.

E o mais curioso é que o povo mais racista do mundo nem anda metido nesta confusão.
Para quem não sabe, os Japoneses são um povo extremamente racista, senão vejam que a palavra usada para “estrangeiro” é Gaijin.

Gaijin era o termo para um outsider, um inimigo. De tal modo mostrava a atitude deles que agora é “politicamente incorrecta”, e arranjaram uma mais soft…

para lerem: http://en.wikipedia.org/wiki/Gaijin

O texto, independentemente do autor, foca pontos muito pertinentes, e sinceramente não diz nada que todos no seu intímo não o soubessem como verdades.

Sem entrar no discurso do “não sou racista”, porque não preciso de me defender antes de falar bem ou mal de outras raças. Assim como não digo “não sou regionalista” quando quero falar de Lisboa (bem ou mal), como não digo “não sou nacionalista” quando quero falar de Espanha (bem ou mal), etc,etc.

E essa mentalidade existente nos Estates pode muito bem ser transposta para Portugal, onde ainda hoje se vê o Estado com medo de tomar atitudes e medidas duras em relação aos emigrantes ilegais com medo de ser apelidado de racista.
Vê-se um medo latente sempre que falamos das antigas colónias, do recorrente bajular dos seus dirigentes (na maioria corruptos).

Foram eles que quiseram ser independentes, pois então amanhem-se, não lhes devemos nada, porquê o contínuo apoio à custa de portugueses?

Eles vêm para cá e ocupam terrenos largos onde constroem os seus bairros de lata e o estado tem medo de expulsá-los, eles roubam, matam, vendem droga, etc. e o estado tem medo de enfrentá-los.

E depois ainda vêm com a história que somos racistas. Já não há paciência. Quem vier por bem é bem vindo, com todos os outros é pô-los na rua.
Se alguém entrar na minha casa, convidado ou não, e portar-se mal, ponho-o logo na rua.

Os americanos com todos os seus defeitos e os canadianos que supostamente são dos povos mais civilizados, nisso não fazem por menos, todo aquele que quebrar as regras e leis é expulso. E lá não há a história de terem nascido lá, até à 3ª geração são expulsos se cometerem crimes.

Mas enfim, já me estou a alongar.

Não me venham é com a história do racismo.

sexo acaba com qualquer racismo…

Bem, como hoje é domingo e apetece-me levantar polémicas, vou comentar o que aqui li, mas vou limitar-me ao texto inicial, um texto que considero extraordinariamente estúpido e ridículo. Não tenho tempo para comentar o resto, só esta frase do forista Atlantian que me deixou bastante perplexo : “Eles vêm para cá e ocupam terrenos largos onde constroem os seus bairros de lata.” E ? Onde é que podiam ir ? A culpa será deles ? Mas vamos ao texto.

Quantas pessoas estão actualmente a prestar atenção a isto? Existem Afro-Americanos, Americanos Hispânicos, Americanos Asiáticos, Americanos Árabes, etc. E depois há os apenas Americanos.
Desculpe lá, Sr. Richards, mas se sou Americano de origem africana ou hispânica, tenho o direito de me considerar como Afro-Americano ou Americano-Hispânico, e seria descabido chamar-lhe Americano Branco, que é que o adjectivo Branco traria como informação complementar ? Confunde a legítima expressão das origens e a legítima informação complementar com um racismo que consistiria em ocultar a cor branca da pele.
Vocês passam por mim na rua e mostram arrogância. Chamam-me 'White boy,' 'Cracker,' 'Honkey,' 'Whitey,' 'Caveman' ...e está tudo bem. Mas quando eu vos chamo Nigger, Kike, Towel head, Sand-nigger, Camel Jockey, Beaner, Gook, or Chink, vocês chamam-me racista.
Neste caso, simplesmente, qualquer atitude é estúpida e existe nos dois sentidos. Não defendo nem uns nem outros.
Quando vocês dizem que os Brancos cometem muita violência contra vocês, então por que razão os ghettos são os sítios mais perigosos para se viver?
Acha, Sr. Richards, que fica explicado grau de perigo dos ghettos pelo factor "cor da pele" ? Rica reflexão... Aliás não é preciso invocar os ghettos para falar da violência urbana, ela encontra-se em toda a extensão das cidades.
Vocês têm o Martin Luther King Day.

Vocês têm Black History Month.

Vocês têm o Cesar Chavez Day.

Vocês têm o Yom Hashoah.


São comemorações ligadas a feitos dramáticos ou lutas sociais que têm toda a legitimidade. Os Americanos comemoram outras lutas sociais, com a mesma legitimidade.
Vocês têm o Ma'uled Al-Nabi.
Os Americanos têm o Natal, ou não têm ?
Vocês têm o NAACP.
Organização que tem outra vez a ver com lutas sociais. Da mesma forma que existem outras tantas ligadas a outros direitos civis.
Vocês têm o BET [Black Entertainment Television] (tradução: Televisão de Entretenimento para pretos)
Canal de Televisão que não é de acesso proibido para os Brancos e que é vocacionado para um público específico. Tal como existem a CLP Tv para Portugueses em França e no Luxemburgo. Tal como existem programas, rádios e afins, que servem para criar um elo de ligação no seio das comunidades estrangeiras no mundo inteiro. Aliás o BET é um canal privado que pertence à Viacom, conglomerado de que fazem parte... Paramount Pictures... MTV Network... Quem o criou foi alguém que sentiu o sopro da rentabilidade, e não uma pessoa que procurou excluir os maus Brancos.
Se nós tivéssemos o WET [White Entertainment Television] seriamos racistas.
Seriam, sim, por uma razão simples : serviços (audiovisuais e quaisquer outros) para as comunidades (i.e. que pretendam criar ligações no seio das mesmas) têm de ser percebidos como tal se quiserem ter audiência. Vou criar um canal português para os Portugueses que residem em França, não vou chamá-lo "TV Não-sei-Quê", mas sim "Canal de Língua Portuguesa" (CLP TV) : sou racista ? Sou anti-Francês ? Não : dirijo-me aos Portugueses. Ao contrário desses serviços, os serviços de um país de acolhimento/imigração são supostos dirigir-se ao conjunto da Nação sem distinção, não por razões de humanismo mas sim porque não interessa : os canais de um determinado país focam a sua actividade num ramo específico ou generalista (entertainment, informação, desporto, séries, etc.) que pode interessar a qualquer tipo de etnia/origem, e não numa etnia/origem. (E ninguém impede na Africa ou na Asia, excepto em países profundamente xenófobos, que existam e se desenvolvam redes de ligações [associações por exemplo] entre Franceses, entre Americanos, ou seja, entre Brancos.)
Se nós tivéssemos o Dia do Orgulho Branco, vocês chamar-nos-iam racistas. Se tivéssemos o mês da História Branca, éramos logo taxados de racistas. Se tivéssemos alguma organização para ajudar apenas Brancos a andarem com a sua vida para frente, éramos logo racistas. Existem actualmente a Hispanic Chamber of Commerce, a Black Chamber of Commerce e nós apenas temos a Chamber of Commerce.
Que ideias tão disparatadas. Primeiro, o homem mistura dias de comemorações de lutas sociais e de acontecimentos históricos com o simples orgulho. Segundo, a) as Hispanic e Black Chambers of Commerce servem entre outras coisas os interesses comerciais dos EUA, não se podendo portanto simplificar as coisas e reduzí-las a uma espécie de racismo, b) o que queria o homem, uma White Chamber of Commerce ? Acha realmente que seria benéfico para o negócio ? Haja bom-senso...
Quem paga por isto?
Não faço ideia. Mas não me digam que os EUA no seu conjunto não beneficiam.
Uma mulher Branca não pode ser a Miss Black American, mas qualquer mulher de outra cor pode ser a Miss America. Se nós tivéssemos bolsas direccionadas apenas para estudantes Brancos, éramos logo chamados de racistas. Existem por todos os EUA cerca de 60 colégios para Negros. Se nós tivéssemos colégios para Brancos seria considerado um colégio racista.
Comunitarismos, nem sempre no sentido pejorativo. Mais uma vez, o homem confunde as ligações comunitárias (permitidas naquele país [b]e que seriam muito mal vistas na Europa continental[/b]) e a missão de integração da Nação que é suposta dirigir-se a todos. Obviamente, não fala das centenas de colégios para ricos. Porque a oposição negros/brancos é fácil, a oposição ricos/pobres é mais complicada de se medir : mas a lógica segregativa é maior neste último caso.
Os pretos têm marchas pela sua raça e pelos seus direitos civis, como a Million Man March. Se nós fizéssemos uma marcha pela nossa Raça e pelos nossos direitos seriamos logo apelidados de racistas.
Mas, ó Sr. Richards, acha que os Brancos precisam de uma marcha pelos seus direitos civis, uma marcha especificamente para eles ? Vá lá, tenhamos juízo...
Vocês têm orgulho em ser pretos, castanhos, amarelos ou laranja, e não têm medo de o demonstrar publicamente. Mas se nós dissermos que temos 'Orgulho Branco', vocês chamam-nos racistas.
Mais do mesmo : reduz as coisas à simples oposição negros/brancos, quando a verdadeira oposição é origem estrangeira/origem americana. Vejo exactamente a mesma coisa em França : os Portugueses são disso exemplos, exibindo a sua nacionalidade às vezes de uma forma quase disparatada. A expressão das origens muitas vezes negada - sei muito bem do que falo - contra a banalização ou banalidade de ser mesmo de cá, cuja expressão não tem muito sentido.
Vocês roubam-nos, fazem-nos carjack, disparam sobre nós. Mas, quando um oficial da policia Branco dispara contra um preto de um gang ou pára um traficante de droga preto que era um fora-da-lei e um perigo para a sociedade, vocês chamam-no racista.
Vamos lá ver, Sr. Richards, depois na Justiça, quantos são os Brancos condenados e quantos são os Pretos, e diga-me, sff, quem é mais prejudicado e quem é mais racista.
Eu tenho orgulho.
E tem razão, pelo menos tem legitimidade para isso. Diga-o, afirme-o, mas também pode fazê-lo sem criar oposições.

Se querem diga acho que o texto original está escrito com inteligencia, porque não é à primeira vista umtexto meramente racista, está ali entre a linha do ser racista e não ser.

Depois do ler o que acho sobretudo é que isto é mais uma questão de mentalidade da sociedade, que como um todo não será racista, mas que tem ainda pudor nas questões raciais mais até que em qualquer outras.
É óbvio que chocaria a qualquer “branco” a abertura de uma escola para brancos, ou um concurso de miss´s brancas (mesmo num país maioritariamente negro).
Eu acho que não faz sentido a existência de uns ou outros (talvez aqui o pudor meu e da sociedade a falar).

Acho bem, como existe, a existência de uma escola em Portugal Ucraniana, o colégio alemão, uma escola africana, desde que a presença não seja barrada por requisitos de cor de pele ou nacionaldade (e penso que não serão porque iria contra os costumes europeus, e até porque acho que seria inconstitucional). Eu se for interessado pela cultura ucraniana, pelo seu bom sistema de ensino devo poder inscrever o meu filho nessa escola sem que seja discriminado à entrada. A questão fulcral aqui é o conteúdo e não a cor da pele. Ai teriamos todos a ganhar beberiamos todos das diferentes culturas.

QUanto às revistas e canais de televisão não me choca, se bem que os acharia em muitos casos desnecessários e em outros seria pelo menos para mim desinteressante. É certo que por exemplo a moda para pessoas brancas e negras tenha nuances, a cor da pele é algo visual, e certas cores poderão ficar melhores em uns e noutros outras, ou o facto da pele em si ser diferente e ter que se ter um cuidado diferente, mas depois confundir isso com o venerar de pessoas da sua étnia em entrevistas, ou coisas equivalentes acho desnecessário.

Aqui é uma posição pessoal, eu acho que faz sentido eu dizer “tenho orgulho em ser Português” (ou seja sou patriótico e amo a minha pátria), não faz sentido eu dizer “por ser português eu sou mais que tu” (nacionalismo), mas também não acho que faça sentido eu dizer “tenho orgulho em ser branco/negro” (não sendo até algo racista mas acho que não faz sentido), e muito mesnos faz e repulssa-me ouvir “eu sou mais que tu por ser branco/negro”.

Eu sou um “branco” num “país maioritariamente branco” quando me lembro de ser gente já vivia num país desenvolvido e para além disso que será um bom exemplo de normas de conduta, e que devia ser olhado por muitos países que olham para o mundo de cima para baixo (e talvez por isso não entenda algumas das minorias, e possivelmente a luta das minorias dado o que vivem seja justificada). Mas lembro-me de principalmente quando era criança de ver e até ter comportamentos que seriam racistas, no alto da minha inconsciência porque tinha o problema que a maioria das pessoas tem que é a de não se colocar no lugar dos outros. Ainda hoje por exemplo com a étnia cigana, e tenho amigos ciganos, olho sempre mais desconfiado que se for uma outra pessoa, quando não devia ser assim ao longo da vida nós vamos aprendendo a ter defesas contra pessoas menos escropulosas, e uma má pessoa cigana não é mais nem menos que uma má pessoa branca ou negra, amarela…
Passará tudo por nós brancos, negros… vermos que não faz sentido ser-se racista no nosso dia a dia, e sobretudo se tivermos já filhos ou quando tivermos, prepará-los para que não cometam os mesmos erros e é bom que as populações tenham estes debates para que eles não tenham necessidade de tê-los.

Quando ao dia de Matin Luther King não é um feriado de negros, é um feriado da Humanidade e que deveria mais do que até muitos feriados religiosos ser um feriado celebrado por todo o mundo, e quando as essoas não se derem conta dessa verdade inquestionável dificilmente acabará de vez o racismo.

Não estou com muita paciência para elaborar sobre o assunto, mas acho que o texto tem tanto de idiota como de verdadeiro. Idiota porque se mostra insensível a todo o contexto histórico e sociológico que está na base da conjuntura descrita; verdadeiro porque o “pudor branco” que emergiu nas últimas décadas por vezes assume manifestações absolutamente histéricas e sem fundamento que têm implicações práticas no nosso dia-a-dia. Para exemplificar a 2ª parte, conto-vos uma que me aconteceu há uns anos: tentei inscrever-me num jogo de futebol online (o Hattrick) e o nome que dei à minha equipa foi Casa Branca Futebol Clube, porque é o nome da rua onde cresci em Portugal. Recebi um email da administração do jogo a pedir para mudar o nome, porque as regras não permitiam designações que pudessem ser conotadas com ideologias racistas/xenófobas. Obviamente mandei-o f*der e não me inscrevi.

:offtopic:

Em relação a não deixarem inscrever nesse jogo, há umas semanas não me deixaram inscrever com o nome Kamé-Amés ou algo do género. Não sei quais são os critérios deles

O texto de abertura do tópico, pode ser ridículo para uns, mas para mim tem todo o fundamento.
Há racismo em todas as raças, mas é inacreditável como neste país o branco tem a fama e o preto tem o proveito.

este texto é a mais pura das verdades. os ciganos andam aos tiros com os pretos em plena via publica…e nao ha racismo. no caso do skinhead mario machado , como sao diabolizados , sao logo condenados…se ha justiça para uns , tem q haver para outros. infelizmente é esta a realidade do nosso país. se formos nós a construir meio palmo a mais na nossa casa , somos logo multados e muitas vezes obrigados a destruir… e isto quando o fazemos pq nao nos deixam…quando os pretos ou ciganos constroem barracas ilegais , roubam luz e a agua…que lhe acontece ? têm casas novas . enquanto mtos casais fazem mil e uma contas a vida pa pagar despesas , cortam em tvcabos e etc…têm poucos 1/2 filhos pq sai caro pagar livros escolares , etc … q fazem eles ? têm barracas com parabolicas…carroes da droga q vendem…roupa de marca pq nao pagam a enorme renda q nós pagamos e os juros para eles nos emprestimos ? nao existem… crise ? mas qual crise…têm 10 filhos…recebem subsidios de mil e uma formas…os filhos nao pagam alimentaçao nem livros nas escolas… é a injustiça q ha neste país . bairros problematicos …sao de brancos ? esses cabroes do governo querem os reabilitar , entao q os reabilitem nos condominios deles em vez de os tar a meter ao pe da classe media/baixa … q ultimamente os sitios onde vivem se tornaram antros de criminalidade. com os filhos a correrem riscos nos transportes publicos , nas escolas… quem vive em loures , odivelas , amadora , margem, sul… sabe bem do q falo. nao quero generalizar , mas essas conversas de os defender ja enjoa. se for 1 sozinho e passar na tua rua , sente-se a vontade…se tu fores sozinho a um 6 de maio , cova da moura , pica pau, quinta do mocho…etc … é louco , pq és roubado no minimo. se for um grupo de brancos a bater num preto é racismo , se for um grupo de pretos a bater num branco é uma tentativa de assalto.

:arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: Nem Mais!

Isso seria tudo verdade se não acontecesse como por exemplo no Porto em que os bairros problemáticos, os bairros da droga, são de brancos, simplesmente porque não há negros suficientes para formar ghettos. Não percebes que isso não tem a ver com a cor da pele mas sim com a pobreza e marginalização, que levam a quem mora nestes bairros se considerem fora da sociedade?

Vao ter que me explicar é quem sao os brancos em Portugal … Só mesmo quem nunca tenha
saido de Portugal é que julga ser “branco” ou entao quem tiver uma pele muito branquinha mesmo.

O texto de inicio ao topico é ridiculo e o Miguel já deu a resposta apropriada.

que coitadinhos… estudem e trabalhem honestamente , que certamente nao viveram ali no futuro… mas achas q eles querem isso ? para q ? ali nao pagam nada , vendem droga e ficam com o triplo do nosso dinheiro ao final do mês…para que mudar ? e eu nao tou a falar do q se passa no porto…pq nao sei , tou a falar do que se passa nos suburbios de lisboa…quem disser que a realidade em lisboa nao é esta , mente. mas a culpa nem é deles , é de quem os deixa ca ficar. constroiem.se obras megalomanas e o q fazem os construtores ? vao buscar uns milhares ao brasil , africa , leste… a mao de obra
e mais barata…eles nao se queixam das condiçoes e da merda q ganham … os construtores lucram quantidades exorbitantes de dinheiro… depois acabam-se as obras e em vez de serem repatriados pelo fim do contrato de trabalho , nao…ficam ca sem nada pa fazer… aumenta a taxa de desemprego…formam-se os bairros problematicos , começam a roubar , a vender droga pa ter dinheiro…e é esta a vida deles. agora com o novo aeroporto , tgv , etc… veremos mais uma catrefada deles a virem…é uma vergonha. depois temos prisoes sobrelotadas…em que 20 e tal por cento nao sao portugueses…e cerca de 20 % sao portugueses , mas filhos de imigrantes…na maioria oriunda de africa…depois virem.me dizer que a criminalidade nao ta a aumentar por causa deles…enfim

Há muita gente que não entende isso!

De acordo.

Bla bla bla mas não respondeste à pergunta. Porque é que no Porto existe droga, miséria, assassinatos e etc?