Racismo em Portugal e no mundo

Caramba, mas para um crime ter motivações raciais (não só, mas também ter motivações raciais), o autor não tem de estar tatuado com suásticas. Não tem de sair de casa decidido a matar pretos só porque sim.

A questão é o desprezo pela vida de algumas pessoas. Achar que a vida de alguns é uma ofensa à sua própria existência. Se nunca tivesse tropeçado na cadela do homem, certamente que não o mataria. Mas um gajo que grita o que ele gritou e que o procurou durante 3 ou 4 dias, não premeditou o acto e não tem problemas com africanos? Eh pá…

Sim, o mundo em que um homicídio e uma estátua derrubada parecem ter um peso diferente. Que chatice.

Como não adorar, que merdas que não conhecem sequer a história do seu próprio país, têm tanto ódio aos feitos dos seus povos, que tentam derrubar estátuas de pessoas que fizeram mais pela humanidade do que eles alguma vez vão fazer, só porque essas pessoas não eram santos, segundo a moralidade dos dias de hoje.

2 Likes

Sabem o que eu vos digo?

Vivemos num mundo louco, em que ninguém controla as suas emoções e em que há um flagrante e despudorado desrespeito pela vida humana, tenha ela a cor que tiver ou as diferenças de ideologia, religião, cor política ou clubística.

Quando os próprios idosos, que deveriam dar o exemplo às gerações mais novas, fazem-no pela negativa, como este trágico caso prova, temo muito pelo futuro da nossa sociedade.

Tirar uma vida, seja de que cor for, nunca é uma solução ou resposta para nada, muito menos neste caso, em que o homem assassinado ainda por cima encontrava-se diminuído fisicamente. Tenha sido um idoso ou não, foi um acto de pura cobardia e raiva, algo que o assassino tornou pessoal ao ponto de dar 4 tiros (!!!) na vítima, que tinha nome e 3 filhos menores. Quem dá 4 tiros numa pessoa, quer matar e fá-lo de raiva.

E se as TV’s continuarem a incendiar mais a opinião pública como o têm feito, receio que venham aí mais problemas. O terreno está fértil para lhe deitar fogo.

1 Like

Já agora, é de elogiar a conduta da comunidade.

Imobilizaram o velho até à PSP chegar, mas não lhe deram o tratamento que se calhar noutros locais teria.

2 Likes

Mas Portugal é racista, pá.

Então porque um velho matou alguém que por acaso era preto, Portugal passou a ser um país racista, vamos contudo esquecer o facto que tu indicas-te, que toda a gente na rua foi tentar socorrer o homem e outros imobilizaram o velho.

Já agora.

Quem é que define crime de ódio? A família da vitima, a cmerda tv e companhia ou a PSP?

1 Like

Bem, não é só segundo a moralidade dos dias de hoje. Colombo até para a sua altura não era um santo (bom eufemismo, já agora).

Espera lá, a PSP diz que não houve racismo? Mas para a PSP quando é que alguma vez houve racismo?

Seria uma chatice reconhecer que existe. Lá está: é uma ofensa pessoal, pelos vistos.

Não deixa de ir contra o facto que o homem fez mais pela humanidade, do que qualquer um dos ascos que lhe anda a derrubar as estátuas. Sendo essa a principal razão pela qual o homem é celebrado.
Imagina tu o Neil Armstrong que foi o primeiro humano a pisar na lua, ser escorraçado de todos os livros e ter todas as suas estátuas derrubadas, porque se vinha a saber que era um pedófilo ou algo do género. Lá porque a pessoa em si é uma merda não quer dizer que os seus feitos devam ser esquecidos ou apagados da história, um gajo celebra o que o Colombo fez, não a pessoa que ele era.

2 Likes

Nunca esquecer que Portugal é um país racista, onde não se cataloga racismo de criminalidade trivial apenas para fomentar o ódio e um cartilha de vitimizacso, na expectativa de uma diferenciação de tratamento positivo para outras raças ou simplesmente mais votos.

imagem

2 Likes

Estás-me a dizer que o velho matou o homem por outra razão senão a sua cor da pele? E que no meio das várias discussões que aparentemente teve com ele, usou insultos racistas porque sabia que iam doer? Não acredito, isso deve ser tudo mentira!!!

Que o idoso é racista, para mim, não restam dúvidas.

Já este crime ter motivações racistas, tenho sérias dúvidas.

3 Likes

Não percebo a comparação, porque, que eu saiba, a chegada de Colombo à América (quando pensava estar a chegar à Índia, já agora) foi acompanhada de um autêntico genocídio das populações indígenas. Ao ponto de até a corte espanhola (para quem o Colombo trabalhava) o ter prendido a dada altura.

Ou seja, os feitos de Colombo vieram acompanhados daquela chacina (que não era só agora que é vista como chacina, atenção, já na altura se sabia o que se estava a fazer, mesmo que muitos valores fossem diferentes). A ida do Armstrong à lua não teve nada a ver com pedofilia, mesmo que se viesse a descobrir que o Armstrong era pedófilo.

Então tu achas que comparar um homem que, mesmo inadvertidamente, descobriu o caminho marítimo para 2 continentes, não é uma boa comparação com o primeiro humano a pisar a lua?
Tens duvidas que se hoje sai-se que o Neil Armstrong era um pedófilo, que iriam tentar remover toda e qualquer menção dele dos livros?

O Colombo, muito provavelmente começou essa chacina por auto defesa, já que os povos nativos da América do Norte, também não eram propriamente santos. Mas os crimes que o homem, possa ou não ter feito durante a sua vida, em nada impactam os feitos que fez.
Agora se quiseres argumentar que se deveria colocar uma placa a explicar toda a história do Colombo, junto das suas estátuas, um gajo ainda concorda com essa medida.

O morto ensinou a cadela a fazer as necessidades ao pé de idosos para os idosos reagirem e ele em seguida insultá-los? Para depois ser abatido a tiro e os tolinhos do “racismo em todo o lado” poderem dizer que houve racismo neste caso?

Uau, parabéns.

Já faltou mais para ouvir dizer que o morto tinha um gravador com ofensas racistas que metia a tocar quando os idosos iam falar com ele. Para parecer que lhe estavam a chamar nomes racistas. Bate certo. É preciso muito cuidado com esta gentalha do anti-racismo. Estão contra uma coisa que não existe e mais não querem do que roubar-nos o que é nosso. Cautela!

De que livros é que o Colombo foi removido? Não reparei. A história ser contada como aconteceu não é remover nada.

Mas, bem, eu desisto. Se preferem odiar quem é anti-isto e anti-aquilo, em vez de perceber se o isto e o aquilo existem mesmo, estão no vosso direito.
Ah, ok.

1 Like

Quanto a livros não sei, mas o feriado que celebrava a sua descoberta das Américas, deixou de ser feriado em uns quantos estados nos EUA, e agora as suas estátuas estão a ser vandalizadas ou destruídas.

Quanto ao segundo ponto eu não percebi o que tu queres dizer com isso.

Posso colocar outra questão, então. Para quem já lá estava (nas Américas), a chegada de Colombo não teve assim tanto de positivo. Portugal por acaso celebra as invasões árabes? Segundo consta, trouxeram muitas coisas boas, como tomar banho e assim.

Portugal celebra a ocupação espanhola? A ocupação viking? Qualquer ocupação? Viseu tem estátuas do Viriato ou tem de generais romanos que até deixaram cá pontes, nomes originais das nossas cidades e assim?

Porque é que Portugal não celebra nada disso? Mas as Américas têm de celebrar o Colombo?

O povo que está agora nas Américas não é o mesmo (em grande parte) que estava lá quando o homem lá chegou, e tu sabes bem disso.
As pessoas que lá estão agora são as que beneficiaram directamente da descoberta dos continentes, pelo homem, dai terem criado um feriado em nome do homem.
O povo ibérico, na sua grande parte continua a ser o mesmo que cá estava quando os romanos cá vieram (penso eu, teria que ir procurar artigos sobre genética para confirmar e não tenho vontade), como é óbvio ninguém aqui vai celebrar as invasões de outros povos.

Ah, é uma questão de ver quem tem mais gente agora, ok.

Mas, ou seja, dizimou (ou deu o pontapé de saída) um povo inteiro, só por acaso, o povo que já lá estava (não o que invadiu) e… Haver quem ache que celebrar Colombo não faz sentido é que te faz confusão?

Nesse caso, por que não celebrar também Hitler, se a maioria de um país for ariana? É que os nazis também fizeram coisas boas, como se sabe. A nível de evolução científica, por exemplo. Ao custo que bem sabemos, mas fizeram. Como ficamos?