Não ter nada para fazer no trabalho

Ou seja… es realista :smiley: Pena que depois quando chega as preferencias politicas nao sigas a mesma linha de pensamento.

Se bem que esse tipo de atitude e um dos motivos pelos quais a economia portuguesa e o que. Praticas de gestao datadas, sem relacao com a produtividade mas sim com as aparencias. Porque sair 5 minutos mais cedo quer necessariamente dizer que trabalhaste menos que os que saem 10min mais tarde. Enfim… o pior e que este tipo de pensamento nem vem das chefias mas muitas vezes dos proprios colegas.

Não. Sou extremamente qualificado e, modéstia à parte, um excelente comprador/negociador. E faço-me pagar muito bem - não quantifico os meus honorários pelas 200/400 horas que me pode ocupar um processo ou um projecto, mas por 25+ anos de experiência.

Nunca pares de fazer a tua tarefa nem abrandar demais, as pessoas topam isso a léguas, se saíres as 17h ou 18h como é comum começares a arrumar as coisas às 16h55 ou 17h55 é um red flag para os teus superiores, de preferência sai sempre uns minutos depois da hora establecida, tenta sempre establecer relações com os teus colegas evita estares calado a toda a hora ou só falar quando falam para ti.

Não podia estar mais em desacordo com este parágrafo.

Não me leves a mal caro forista. Mas o mundo do trabalho está diferente e cada vez muda mais.

Embora as competências sociais sejam importantes, creio que nos estarmos a pautar por condutas que nos colocam ao crivo da opinião dos nossos colegas é errado, e uma das características pelas quais as empresas em Portugal são antiquadas e funcionam pior que la fora.

Na minha opinião o melhor conselho que se pode dar é, faz o teu trabalho o melhor que conseguires, não tenhas medo de perguntar coisas e tenta melhorar constantemente.

Essas histórias de esperar uns minutos depois da hora e etc… é para mim reflexo do que está errado no mundo do trabalho em Portugal, se tiveres o teu trabalho organizado o que te impede de arrumar ou sair 10-15 mins antes da hora? Se for necessário não és capaz de fazer mais 30 ou 40 mins depois da hora? O inverso também deve ser possível. Esquece a história do “parece mal” aos olhos dos colegas, se tiveres o teu trabalho em ordem e fores um bom trabalhador ninguém te pode apontar o dedo.

Vamos lá mudar as mentalidades arcaicas no mundo do trabalho em Portugal!

6 Curtiram

Eu passo por isso, mas como consultor, é um trabalho em que se não consigo fazer nada, não produzo, não ganho.

Estou a pensar mudar novamente, mas nem sei bem para quê.

Como tu, nunca fui de trabalhar as 40 horas semanais num trabalho. Comecei como professor, com 9 horas semanais de aulas, com outras tantas (ou se calhar mais) nas ditas horas “não lectivas” que levam muito mais tempo do que o trabalho em si. Trabalhei assim de 2007 a 2020. Com um ano com um máximo de 21 horas lectivas. Com um ano com um mínimo de 7. Mas depois disso, dava aulas particulares, tinha bandas de música, projectos covers onde ensaiava e fazia concertos aos fins de semana, casamentos, bares, hotéis, etc…

Em 2020 mudei para a consultoria e 2021 correu muito bem. A verdade é que desde dezembro do ano passado, sinto o mesmo. Distribuir flyers, cada vez mais cansado de andar com o telefone a ser insultado e a ouvir “não”, porque não sou de enganar ninguém. Trabalhei sempre pelo profissionalismo, qualidade e entrega a quem confia em mim.

Suponho que o teu caso, pelo que referes, seja diferente. ou seja, estarás a trabalhar 8 horas diárias, mas não aproveitas essas 8 horas. Acho que depende sempre do tipo de trabalho que fazes e como o fazes. Dou por mim muitas vezes a despachar coisas em que colegas demorar 4 ou 5 horas e eu faço em menos de 1. E pode ser por aí.

A verdade é uma: normalmente, se fazes mal o teu trabalho, despedem-te. Se o fazes demasiado bem, não és recompensado por isso.
A partir daí, vai de uma gestão de expectativas. Estás bem a produzir rápido e teres tempo “livre”? Certo. Pelo que referes, não estás bem. Ou procuras uma nova solução, ou fazes notar aos teus superiores que estás a fazer o teu trabalho em tempo diminuto e até te podem atribuir mais algumas responsabilidades.

É normal. Eu trabalho em consultoria, são horas absurdas às vezes e há tempo morto. Sobretudo quando acabas de entrar num trabalho e os teus superiores não sabem no que tu és bom/ não és. Há medida que vais ficando mais tempo num sítio vais ficando owner de mais coisas e isso acaba por desaparecer um bocado. Não te preocupes muito. Quando estou eu a “mandar” tento que os recursos mais novos percebam isso e dou-lhes acompanhamento (até porque sei que este tipo de coisas às vezes faz as pessoas nervosas, sobretudo as pessoas que ainda não sabem o que é trabalhar onde eu trabalho). Mas nem toda a gente tem esse cuidado. Diria que se perguntaste o que é que devias estar a fazer e não há nada para aproveitares este tempo ou para fazeres alguma formação útil (como já foi dito acima) ou para teres uns dias mais relaxados (eventualmente tentar ler sobre o que estás a fazer etc). Agora não me parece que seja culpa tua, está tranquilo.

1 Curtiu

Outra coisa que senti a diferença, por acaso, foi essa proatividade em nos mandar para casa mais cedo, se já fiz tudo o que era suposto.

No outro, mesmo que não houvesse trabalho programado para fazer (raro), eram capazes de pedir horas para ficarmos a fazer o trabalho de outros que já faziam pouco.

Ou a estranheza deles quando disse que tinha marcado vacinas, consultas ou outro tipo de coisas para fora do horário de trabalho, porque aqui basta pedir e ir.

Pah, eu ainda não consegui chegar aí. Até ao dentista só vou depois de sair. Mesmo que me estejam sempre a dizer (quem tem poder para isso) que posso ir na boa durante o horário de trabalho…

2 Curtiram

Qual é a área de trabalho, se não te importares de dizer ?

O meu trabalho anterior era em consultoria na área do marketing. Pá, confesso que tinha tempos mortos mas nada como os que acho que vou ter aqui.

Boa sorte nessa empreitada companheiro. Mudanças de áreas são sempre difíceis - eu que o diga.

Isto deve ser em Portugal, imagino eu. Na cultura escandinava não há nada disto, aliás, por exemplo, sair à hora (ou mais cedo) e não depois da hora é muito bem visto (sair depois é interpretado como ou tendo tarefas a mais, algo que o empregador tem que se esforçar de imediato para corrigir) ou como não tendo vida familiar ou vida familiar de merda).

5 Curtiram

Mas empresas onde trabalhei - mesmo nesta - isso é super tranquilo. E trabalhei numa empresa com 15 pessoas - a anterior - e agora tou numa com 400.

Eu na outra também… Ou me sacavam um dia de férias, ou as horas, ou não me pagavam…

Depende do trabalho. Se eu trabalhasse num sítio em que mexer no telefone era uma red flag não me sujeitava a isso nem dez minutos lol. E eu estabeleço com as minhas equipas que só é para ficar se tivermos a trabalhar. Não ando a ver se as pessoas ficam até hora x, vou ver o produto final que fizeram. Acho essa mentalidade um tanto quanto cavernícula

Por acaso, há dias estive reunido com um colega meu que é um “maluco”, tem 3 ou 4 empresas registadas em nome dele e está sempre à procura de mais. Teve, durante cerca de 1 ano e meio, uma empresa a fazer marketing e gestão de redes sociais. Na altura, falou com a minha colega de banda nos casamentos, se ela estava interessada em fazer isso… como ele falou directamente para ela, não me meti na coisa… porque, da forma como ele falou, era muito dar apoio ao que ele já fazia. O problema actual é a necessidade de “formações”, experiência na área (como é óbvio). No meu caso, penso que me adapto bem e sou de fácil aprendizagem, mas dificilmente consegues concorrer a uma qualquer vaga de trabalho com a hipótese de ires aprendendo e desenvolvendo as tuas competências na área sem uma formação ou experiência anterior na área.

Como consultor, tive um ano cheio de trabalho (só que, apesar do que disseram aí em cima, ou andas sempre com rendimento, negócio, etc… ou o facto de trabalhares como independente leva-te os ganhos em pouco tempo, caso não produzas nos meses seguintes, e é isso que estou a sentir agora).
Na agência, disseram que não me queriam perder, que eu era uma pessoa com competências excelentes e que há até vários consultores com muito menos formação e habilitação. Certo. A verdade é que muitos desses vão fazendo negócio e a mim falta-me a “arrogância” de, por vezes, fazer as coisas em proveito próprio. Não funciono assim. Lixo-me, sou eu que ando a desesperar porque não tenho rendimento, mas é um princípio do qual não abdico.

A mudança é sempre difícil, mas é mais ingrato quando caímos no marasmo e estamos em algo em que não estamos satisfeitos. O meu maior mal, é que sempre tive projectos paralelos que são excelentes extras financeiros, mas que não chegam para subsistência.

No teu caso, volto a deixar o conselho. Percebe se o defeito é da empresa, ou é teu. Se produzes demasiadamente rápido para aquilo que a empresa te pede e se há empresas no teu sector que têm um nível de exigência adequado ao que pretendes.

No entanto, lembra-te também que há momentos em que estamos ultra-produtivos e outros em que a vida nos atira mais para trás, seja por problemas familiares, saúde, cansaço ou outro e até é bom ter essa “folga”. Porque o ritmo frenético de produzir constantemente também cria um problema.

Mas que trabalho é esse onde não se pode mexer 10 minutos num telemóvel durante um passe de 8h? Nem que seja pra falar com mulher, marido, filhos, etc. Que empregador é esse que exige algo aos seus empregados que nem o próprio conseguiria cumprir…

É diverso. Essencialmente comércio internacional - que é o que mais fácil para fazer uns cobres - e consultoria ao nível de projectos de investimento/desenvolvimento (se o tema me agradar).

Actualmente tenho em carteira vários projectos para o fornecimento de equipamento de telecomunicações (rádio, fibra óptica e satélite).

Em duas facturas já tenho o ano feito (está em kwanzas - a minha margem aí é 30%):

Se gostasse de dinheiro continuava a carregar. Como não gosto, a partir de agora faço apenas o que quiser ( normalmente merda :)) )

Acho que ele disse precisamente o inverso. Posso estar equivocado, no entanto.

A minha empresa também trabalha muito com o mercado angolano. Então assim de cabeça estão aí que ? 50k para ti? Excelente ! Parabéns !

É um mercado muito interessante - muito agressivo, mas giro de se trabalhar.

Disse mas acho que o Paracelsus estava a responder no enquadramento da conversa a “dar-me razão”

1 Curtiu

Arriscas entrar numa qualquer lista da Säpo… :joy: