Juniores: Sporting 1 - Estrela da Amadora 1 (Crónica)

O Sporting recebeu o Estrela da Amadora e empatou a uma bola. Numa tarde bonita mas ventosa, o público que se deslocou à Academia assistiu a uma partida quase sempre mal jogada. Entre o público presente, para além das figuras habituais, estiveram os ex-juniores David Caiado e Zezinando que aproveitaram para matar saudades e apoiar os seus ex-colegas. Estavam acompanhados por Rui Correia, ex-guarda-redes leonino e actual companheiro de equipa no Estoril Praia. A maioria dos juniores não convocados também marcou presença. Aqui há que destacar o defesa central Jorge Abreu que estava de muletas, o que significa que não será opção para as próximas semanas. O lateral esquerdo Ronny também assistiu à primeira parte do jogo.

O Sporting jogou em 4-3-3, com Rui Patrício na baliza, João Gonçalves a defesa direito, Daniel Carriço e Marco Lança como dupla de centrais e Vasco Campos a defesa esquerdo; João Martins jogou a trinco, André Pires descaído sobre o lado esquerdo e Adrien Silva sobre a direita; Alison jogou na ala esquerda, Fábio Paim na direita e Ricardo Nogueira no meio. No banco de suplentes estiveram o guarda-redes André Martins, os defesas Rui Figueiredo e Tiago Pedrosa, o médio André Santos e os avançados Vivaldo Arrais, Bruno Matias e André Cacito. Na presente temporada o capitão de equipa será Daniel Carriço. O trio de arbitragem veio de Santarém.

O onze titular do Sporting apresentou alguns equívocos, em nossa opinião. João Gonçalves jogou a defesa direito, ele que é um médio de inegáveis recursos técnicos. Essa situação obrigou Vasco Campos a jogar a defesa esquerdo, ele que é defesa direito. Rui Figueiredo estava disponível para lateral direito e assim, só se jogaria com um lateral adaptado. Deste modo, jogámos com dois. João Martins jogou a trinco e Adrien Silva, um pouco mais à sua frente, sobre o lado direito. Devia ser o inverso mas Luís Martins emendou esse erro na 2ª parte.

Daniel Carriço no cumprimento das suas funções.

Da esquerda para a direita, o primeiro onze oficial da época: Daniel Carriço, Rui Patrício, Adrien Silva, João Gonçalves, Alison, Vasco Campos, Marco Lança, Fábio Paim, Ricardo Nogueira, André Pires e João Martins.

Resumo da 1ª parte:
O Sporting teve um início de partida agradável, procurando tomar rapidamente conta do jogo. Fábio Paim foi o primeiro a abrir as hostilidades, rematando ao lado nos minutos iniciais. Ao longo do primeiro quarto de hora, tivemos mais posse de bola e maior domínio territorial mas sem provocar muito perigo. O Estrela da Amadora equilibrou então as operações levando o jogo mais para a zona do meio campo. Os estrelistas beneficiaram de um livre directo frontal mas Rui Patrício correspondeu com uma boa defesa para canto. O ataque leonino foi quase sempre inofensivo, as excepções foram um cruzamento da esquerda de João Martins com João Gonçalves a cabecear ao lado em salto de peixe; um cruzamento da esquerda de Fábio Paim ao qual ninguém correspondeu, com a bola a atravessar a pequena área sem ninguém lhe tocar. De resto, a maior parte dos cruzamentos para a área não levaram qualquer perigo para as redes estrelistas. Fábio Paim era o jogador leonino que mais perigo provocava, sobretudo no flanco esquerdo. A melhor oportunidade de golo pertenceu-lhe, aos 32 minutos, isolado por Alison no lado esquerdo da grande área. Paim optou por rematar em arco, com a bola a sair ligeiramente ao lado do poste. O Sporting pressionou um pouco mais até ao intervalo, destacando-se um cabeceamento de Ricardo Nogueira, após livre batido por João Martins, mas sem sucesso.

Resumo da 2ª parte:
Ao intervalo, Luís Martins procedeu a uma alteração táctica. Adrien Silva passou para trinco e João Martins passou para o lado direito do meio campo. Em consequência da troca, o meio campo tornou-se mais dinâmico. O Estrela da Amadora chegou ao golo aos 51 minutos. O central Thiago, isolado no coração da área, cabeceou uma bola batida de um livre do lado esquerdo, apanhando toda a defesa desprevenida. Rui Patrício não teve hipótese de defesa. O SCP tentou reagir de pronto ao golo sofrido, com João Martins a bater um livre directo mas a bola saiu por cima. O ataque do Sporting continuava a revelar-se muito inconsequente. Luís Martins mexeu então na equipa. Quanto a substituições, saíram André Pires, Alison e Vasco Campos e entraram, respectivamente, Bruno Matias, Vivaldo Arrais e André Cacito. O Estrela da Amadora defendia-se bem, na tentativa de segurar a vantagem preciosa, recorrendo ao anti-jogo, como é habitual nestas situações. O SCP insistia mas só a dez minutos do fim é que criou uma oportunidade de golo digna desse nome. Fábio Paim cruzou da direita e Bruno Matias, dentro da pequena área, rematou à malha lateral. A pressão acentuava-se cada vez mais com o Sporting a tentar chegar ao empate, mas ainda assim, de forma muito precipitada e inoperante. André Cacito falhou um remate à boca da baliza, após cruzamento de Paim da direita; João Martins marcou um outro livre directo mas o guardião estrelista Marcelo defendeu. No período de cinco minutos de desconto, o Sporting acabou por empatar. Fábio Paim cruzou novamente do lado direito e Marcelo, ao sair para encaixar a bola, colocou mal os braços e meteu a bola dentro da própria baliza. De forma caricata, estava feito o empate. Até ao apito final, o Sporting tentou ainda chegar à vitória mas o discernimento já não era muito. Destaque somente para mais um remate de André Cacito ao lado.

Resultado justo e adequado ao que se passou dentro das quatro linhas.

Trio de arbitragem – Fez muito má figura. Apitou por tudo e por nada e foi muito permissivo com o anti-jogo do Estrela da Amadora.

Estrela da Amadora – Equipa muito homogénea e consistente. Na ausência de estrelas, vale pelo seu colectivo. Depois de se colocar em vantagem, limitou-se a defender e a recorrer ao anti-jogo.

Sporting – Exibição muito pálida. Acabou por merecer o empate mas esteve muito aquém do que pode fazer, sobretudo em termos ofensivos. A equipa apresentou um onze muito desequilibrado, com algumas adaptações, factor que pode ter contribuído para um dia menos bom.

Rui Patrício – Um jogo ingrato. Teve muito pouco trabalho e acabou por sofrer um golo em que não teve hipóteses de defesa. Fez uma boa defesa na primeira parte, tendo sido pouco mais que um espectador na segunda.

João Gonçalves – Teve um dia para esquecer. Jogando adaptado a lateral direito, sentiu muitas dificuldades para cumprir num lugar que não é nem nunca foi o seu. Apesar do empenho foi-lhe complicado suster o ataque adversário (enquanto o Estrela atacou) nem nunca se conseguiu integrar convenientemente na manobra ofensiva.

Daniel Carriço – Fez um jogo ao seu estilo, sem deslumbrar. Eficaz como de costume, acabou por não ter grande trabalho no segundo tempo.

Marco Lança – Fez um bom jogo, embora não esteja rotinado para jogar a defesa central. Notam-se algumas lacunas para o desempenho eficaz da posição. Contudo, não cometeu erros graves.

Vasco Campos – Outra exibição positiva, apesar de jogar adaptado a lateral esquerdo. Embora não tenha revelado muita audácia a atacar, esteve bem no plano defensivo. No 2º tempo, teve menos trabalho dada a ausência de ataque adversário.

João Martins – Foi um dos melhores em campo. Jogou a trinco no 1º tempo e a médio direito no segundo. Infelizmente, foi também um dos jogadores mais massacrado pelos adversários. Um autêntico dínamo, recuperando bolas e lançando ataques. Incansável! :smiley:

Adrien Silva – O MVP!! =D> =D> Médio direito no 1º tempo, estava a revelar-se como uma das melhores unidades. Quando passou a trinco na 2ª parte, subiu ainda mais de produção, demonstrando todas as suas potencialidades a nível da recuperação de bola e visão de jogo. Parece que está em todo o lado. Simplesmente brilhante!!

André Pires – Talvez o elemento menos em foco do meio campo leonino. Embora esforçado como é seu timbre, esteve menos em jogo do que os seus companheiros de sector. Exibição positiva ainda assim.

Alison – Foi a unidade menos produtiva do trio atacante. Demasiado inconsequente, chegando até a atrapalhar-se com a bola nos pés. Tem muita vontade mas isso só não chega. Luís Martins demorou uma eternidade até proceder à sua substituição.

Fábio Paim – O inverso do extremo brasileiro. Ora jogando na direita ora na esquerda, foi sempre dos elementos mais desequilibradores e rematadores, especialmente no 1º tempo. Na segunda parte, caiu um pouco de produção, tendo ainda feito um bom quarto de hora final. É ele que faz o cruzamento que provocou o autogolo. :slight_smile:

Ricardo Nogueira – Passou um pouco ao lado do jogo. As bolas raramente lhe chegaram em condições e esteve sempre muito marcado pela defesa contrária.

Bruno Matias – Entrou para dinamizar o lado direito do ataque. Teve um par de oportunidades para visar a baliza e acabou por ser importante para empurrar o adversário para a sua linha defensiva.

Vivaldo Arrais – Não entrou bem no jogo. Colocou-se na linha intermédia, fechando o flanco esquerdo, aquando da saída de Vasco Campos, ocupando uma posição muito recuada. Por conseguinte, pouco acrescentou ao jogo.

André Cacito – Entrou cheio de garra para a frente do ataque. Num quarto de hora teve quatro remates à baliza. Importante para o último assalto às redes adversárias, revelou enorme sentido de baliza. :smiley:

Já no torneio de Alcobaça no jogo da final o João Gonçalves teve que fechar o lado direito da defesa depois de o Luís Martins ter tirado o lateral. Essa situação foi provisória e tinha como objectivo um ataque à baliza contrária. Agora começar o jogo com o João a lateral fixo é que não faz muito sentido. É um autêntico desperdício. É como se o Mourinho colocasse o Lampard a lateral-direito… Era bonito era…

Já no torneio de Alcobaça no jogo da final o João Gonçalves teve que fechar o lado direito da defesa depois de o Luís Martins ter tirado o lateral. Essa situação foi provisória e tinha como objectivo um ataque à baliza contrária. Agora começar o jogo com o João a lateral fixo é que não faz muito sentido. É um autêntico desperdício. É como se o Mourinho colocasse o Lampard a lateral-direito... Era bonito era...

Não sei se terá sido provisória ou ele se calhar estaria já a testas o JG para remendar essa situação para este jogo sem o TP.

O plantel só tem 3 laterais, tem Rui Figueiredo e Vasco Campos que são ambos LD e tem o TP que é LE. depois existe sempre a possibilidade converter um central ou médioa de caracteristicas mais defensivas (como presumo que é o JG) em lateral provisório.

Tendo em conta só haver um lateral canhoto tenho andado a pensar se algum dos outros centrais (o Tiago Pedrosa ou Jorge Abreu) seriam canhotos e poderiam ser opções a TP durante a época.

Sinceramente até pensei que o Rui Figueiredo pudesse ser adaptado a lateral esquerdo hoj e com VC na direita. Mas LM tendo em conta que perdeu o Simão Coutinho, não tinha o TP, já não tem o Zezi a fazer cobertura deve ter pensado que não podia arriscar mexer mais na defesa ao colocar um puto de 16 anos como o Figueiredo (a julgar pelo nome tem boa pinta) a lateral.

Quase nem sai de casa este fim de semana pois tenho andado chateado mas hoje de manhã sai para comprar o Jornal e estava um calor fantástico (deve ter sido o dia mais quente do ano) e a julgar pelas fotos do Ricardo ontem estava um tempo maravilhoso na academia.

www.lusofootball.blogspot.com/2006/08/sporting-1-1-e-amadora-juniors-round-1.html

André

O Sporting jogou em 4-3-3, com Rui Patrício na baliza, João Gonçalves a defesa direito, Daniel Carriço e Marco Lança como dupla de centrais e Vasco Campos a defesa esquerdo; João Martins jogou a trinco, André Pires descaído sobre o lado esquerdo e Adrien Silva sobre a direita; Alison jogou na ala esquerda, Fábio Paim na direita e Ricardo Nogueira no meio.

Dirias que esta é uma boa representação do XI inicial?

www.lusofootball.blogspot.com/2006/08/sporting-1-1-e-amadora-juniors-round-1.html

André

Yannick e Demit Omphroy, não jogaram por opção técnica? Ou não podem ser inscritos por serem estrangeiros, uma vez que já temos o Alison…

Eles não podem competir porque só é permitido inscrever um jogador estrangeiro no plantel.

O regresso do prazer voltou.

Nov época, as mesmas ambições e a qualidade do costume da reportagem.

Obrigado, eterno obrigado maninhos.

Mas tanto quanto sei o Alison vai ou já se naturalizou e o Yanncik vai ser inscrito ocupando a vaga de estangeiro. Ficando assim o Demit Omphroy de fora. Esta situação também se poderia resolver de outra maneira segundo oe que fiquei a saber. Se estes jogadores estrangeiros forem inscritos enquanto profissionais, já não existem restrições e assim podem jogar todos. Contaram-me que é assim que o Benfica faz podendo ter a sua legião estrangeira toda ao dispor dos juniores.

Só mais uma coisa, já me tinha parecido e muito que o Ricardo Nogueira não é jogador ideal para o centro do ataque e ainda se confirmou mais neste jogo. Tem alguma falta de presença física, é facilmente marcado pelos defesas adversários e não parece ter muito aquele “faro de golo”. Portanto é bom que se arranje uma boa alternativa. Pela crónica o possante André Cacito entrou muito bem no jogo, tendo um elevado índice de produção. Poderia ser ele a solução…

Deixo aqui uma questão.
Segundo as crónicas (já agora obrigado por elas) o Adrien Silva desempenha bem a função de “trinco” o que me leva a pensar que aqui estará o substituto natural do Custódio ou não?

O Adrien Silva é um médio muito completo mas não é propriamente um “trinco”. Ele joga preferencialmente na posição de médio-centro, aquele tipo de médios muito completos “box-to-box”. Pode ocupar a posição mais recuada do meio-campo como também a mais ofensiva. Mas ele é um jogador preferencialmente intermédio, ou seja, ataca e defende em igual medida, portanto a posição mais adequada para ele é MC, ou o chamado nº 8. Quanto a ser Jogador: disso não há dúvidas, vê-se à distância e tem potencial para ingressar um dia na equipa principal.

É certo que o Custódio não era originalmente um trinco, mas especializou-se nessa posição. E para essa posição de trinco os sucessores serão o Zezinando (que está emprestado ao Estoril) e o Diogo Amado (juvenil) que são de raiz dessa posição e que têm evidenciado muitas qualidades sendo unanimemente elogiados.

Obrigado RMP pelos esclarecimentos, não digas é muito alto que o Custódio “especializou-se” na posição de trinco :lol:

Na mouche Ricardo, análise perfeita ao Adrien Silva, esse fantástico jogador! :wink:

Obrigado pela crónica. Quando fui ler o jornal e vi o empate do clube um dia depois do jogo, fiquei triste mas também sei que quando tudo engrenar, não há hipoteses. Também é sabido que os clubes nos arredores de lisboa, ao nivel de formação são sempre muito fortes.

Pelo que li existe uma aparente falta ofensiva. Não só ao nivel de movimento, mas talvez também ao nivel de altura e de “matador”. Parece-me que não estou errado e do que vi o ano passado os jogadores da linha ofensiva que transitaram para os juniores não são propriamente muito altos.

A categoria mantem-se, falta olear a máquina :wink:

Obrigado mais uma vez.

Obrigado pela crónica. Quando fui ler o jornal e vi o empate do clube um dia depois do jogo, fiquei triste mas também sei que quando tudo engrenar, não há hipoteses. Também é sabido que os clubes nos arredores de lisboa, ao nivel de formação são sempre muito fortes.

Pelo que li existe uma aparente falta ofensiva. Não só ao nivel de movimento, mas talvez também ao nivel de altura e de “matador”. Parece-me que não estou errado e do que vi o ano passado os jogadores da linha ofensiva que transitaram para os juniores não são propriamente muito altos.

A categoria mantem-se, falta olear a máquina :wink:

Obrigado mais uma vez.

Não sei não. Só têm 3 laterais, o Ricardo Nogueira ainda não convenceu, além do Adrien não parece haver uma opção credivel para trinco e ainda não sabemos o real valor do Marco Lança.

Creio que o Ricardo chamou o Lança uma adaptação, que eu saiba ele já o ano passado era central.

Muitas duvidas neste plantel que me parece mais fraco e desiquilibrado que o do ano passado.

Acho que seria interessante contra uma equipa mais fraca testar um tridente ofensivo com Vivaldo-Matias-Paim e meter o Adrien a trinco, Martins e médio-centro defensivo e Pires a médio-centro criativo.

Assim que o Carriço e Pinto estiverem no Back-4 espero que aquilo estabilize e permita ao Lança e Vasco Campos entrar com serenidade na equipa.

Ricardo/Susana, vocês acham o Rui Figueiredo capaz de roubar o lugar ao Vasco Campos? Ele só tem 16 aninhos.

André

Não sei não. Só têm 3 laterais, o Ricardo Nogueira ainda não convenceu, além do Adrien não parece haver uma opção credivel para trinco e ainda não sabemos o real valor do Marco Lança.

Creio que o Ricardo chamou o Lança uma adaptação, que eu saiba ele já o ano passado era central.

Muitas duvidas neste plantel que me parece mais fraco e desiquilibrado que o do ano passado.

Acho que seria interessante contra uma equipa mais fraca testar um tridente ofensivo com Vivaldo-Matias-Paim e meter o Adrien a trinco, Martins e médio-centro defensivo e Pires a médio-centro criativo.

Assim que o Carriço e Pinto estiverem no Back-4 espero que aquilo estabilize e permita ao Lança e Vasco Campos entrar com serenidade na equipa.

Ricardo/Susana, vocês acham o Rui Figueiredo capaz de roubar o lugar ao Vasco Campos? Ele só tem 16 aninhos.

André

  1. o Sporting tem 4 laterais: Vasco Campos, Tiago Pinto, Rui Figueiredo e David Santos (este embora seja central de origem tem jogado nos últimos anos a lateral-esquerdo). Isto não contando com o Marco Lança que é lateral-esquerdo de origem, mas que este ano vai jogar a central, posição que ele ocupa bem.[André, o Lança é mesmo lateral-esquerdo, só que também joga bem a central quando é preciso]

  2. este ano não existem trincos no plantel ms eistem dois jogadores que no habitual sistema de 4-3-3 com o meio-campo em 1(defensivo)-2 (médios-centro), jogam muito bem na posição mais recuada desse meio-campo: Adrien Silva e João Martins, sendo que este último é que se tem dado melhor aí. Portanto o meio-campo deverá ser na minha opinião com João Martins no vértice defensivo, Adrien Silva e o fantástico João Gonçalves (em vez do André Pires) como médios-centro.

  3. sem dúvida que este plantel é menos equilibrado que o do ano passado. Mas continua a estar recheado de enormes talentos.

  4. para mim o grande problema deste plantel está claramente no centro do ataque. Se houvesse um jogador dinâmico e forte para estar entre os centrais, tudo seria diferente. Ricardo Nogueira não me parece ser suficientemente bom para a titularidade. Talvez André Cacito seja o jogador que se exige para a posição…

Grande reportagem. :smiley:
Espero que O Paím se afirme nos juniores para em Janeiro ser opção! Como dizes aí no texto que escreveste é um jogador que não pensa, remata logo e isso é bom. E claro que é um dos mais tecnicistas e desequilibrador nos juniores. Espero ver o Carriço para o ano também! :slight_smile:

Não sei não. Só têm 3 laterais, o Ricardo Nogueira ainda não convenceu, além do Adrien não parece haver uma opção credivel para trinco e ainda não sabemos o real valor do Marco Lança.

Creio que o Ricardo chamou o Lança uma adaptação, que eu saiba ele já o ano passado era central.

Muitas duvidas neste plantel que me parece mais fraco e desiquilibrado que o do ano passado.

Acho que seria interessante contra uma equipa mais fraca testar um tridente ofensivo com Vivaldo-Matias-Paim e meter o Adrien a trinco, Martins e médio-centro defensivo e Pires a médio-centro criativo.

Assim que o Carriço e Pinto estiverem no Back-4 espero que aquilo estabilize e permita ao Lança e Vasco Campos entrar com serenidade na equipa.

Ricardo/Susana, vocês acham o Rui Figueiredo capaz de roubar o lugar ao Vasco Campos? Ele só tem 16 aninhos.

André

  1. o Sporting tem 4 laterais: Vasco Campos, Tiago Pinto, Rui Figueiredo e David Santos (este embora seja central de origem tem jogado nos últimos anos a lateral-esquerdo). Isto não contando com o Marco Lança que é lateral-esquerdo de origem, mas que este ano vai jogar a central, posição que ele ocupa bem.[André, o Lança é mesmo lateral-esquerdo, só que também joga bem a central quando é preciso]

  2. este ano não existem trincos no plantel ms eistem dois jogadores que no habitual sistema de 4-3-3 com o meio-campo em 1(defensivo)-2 (médios-centro), jogam muito bem na posição mais recuada desse meio-campo: Adrien Silva e João Martins, sendo que este último é que se tem dado melhor aí. Portanto o meio-campo deverá ser na minha opinião com João Martins no vértice defensivo, Adrien Silva e o fantástico João Gonçalves (em vez do André Pires) como médios-centro.

  3. sem dúvida que este plantel é menos equilibrado que o do ano passado. Mas continua a estar recheado de enormes talentos.

  4. para mim o grande problema deste plantel está claramente no centro do ataque. Se houvesse um jogador dinâmico e forte para estar entre os centrais, tudo seria diferente. Ricardo Nogueira não me parece ser suficientemente bom para a titularidade. Talvez André Cacito seja o jogador que se exige para a posição…

  • Realmente não tinha reparado que estavam ali 5 centrais, so tinha reparado no Carriço, Lança, Abreu e Pedrosa. Tens toda a razão.

  • Gostas assim tanto do João Gonçalves?

  • Cacito nasceu em 23/04/1989 portanto já temos o Silva com 17 anos, possivelmente iremos ver o Matias ou Arrais ganhar o lugar ao Alison e tú ainda queres um puto de 17 anos no eixo do ataque? Não seria demasiada juventude ou acreditas que estão prontos?

  • www.lusofootball.blogspot.com/2006/08/boloni-interview.html

    André

    Grande reportagem. :D Espero que O Paím se afirme nos juniores para em Janeiro ser opção! Como dizes aí no texto que escreveste é um jogador que não pensa, remata logo e isso é bom. E claro que é um dos mais tecnicistas e desequilibrador nos juniores. Espero ver o Carriço para o ano também! :)

    O Pereirinha, Paim e Carriço são todos forte hipótese para a pré-época 2007/08.

    www.lusofootball.blogspot.com/2006/08/boloni-interview.html

    André