Juniores: Oeiras 1 - Sporting 1 (Crónica)

Nota prévia
Devido a um problema informático, não nos foi possível colocar esta crónica mais cedo. Pelo facto, apresentamos desde já as nossas desculpas.

Anteontem, no feriado, fomos até Oeiras assistir ao embate com a equipa local. A partida disputou-se num campo de relva sintética, com um gradeamento a toda a volta. Não havia bancadas, daí que os espectadores tivessem que assistir ao encontro de pé, ou, em alternativa, dentro dos seus automóveis. As condições de trabalho não eram as melhores mas cá está a crónica deste jogo.

Esteve um dia muito bonito, com céu limpo e algum calor, aqui e ali atenuado pelo pouco vento. Esteve presente bastante público (sobretudo dentro dos automóveis), a maioria afecta à equipa da casa.

Entre a assistência presente, registámos a presença de José Manuel Torcato (assistiu ao nosso lado a um pouco da segunda parte), do campeão olímpico Carlos Lopes e dos juniores não convocados Pedro Celestino, André Nogueira e Bruno Pereirinha.

O Sporting apresentou-se em 4-3-3, com o ainda juvenil André Martins na baliza, Vasco Campos a defesa direito, Simão Coutinho e Paulo Renato como dupla de centrais e Tiago Pinto a defesa esquerdo. A linha de meio campo apresentou Zezinando (capitão de equipa) a trinco, o regressado João Gonçalves sobre a direita e André Pires sobre o lado esquerdo. Na frente estiveram Fábio Paim sobre a ala direita, Sebastião Nogueira sobre a esquerda e Ricardo Nogueira a ponta de lança. O banco do Sporting apresentou o guarda-redes Rui Patrício, os defesas Daniel Carriço e Marco Lança, o médio João Martins e os avançados David Caiado, Tomané e Alison. O trio de arbitragem veio de Setúbal.

Eis os nossos jogadores durante o aquecimento.

Sebastião Nogueira, Fábio Paim e Simão Coutinho antes do fim do aquecimento.

Logo a abrir a partida, aos 2 minutos, Tiago Pinto marcou um canto do lado direito que quase entrava directamente na baliza. Os primeiros minutos mostraram um Sporting com mais posse de bola, fruto da boa circulação imposta. Com o passar do tempo, o Oeiras foi tentando equilibrar mas a verdade é que o jogo, à passagem dos 15 minutos, estava algo desinteressante dado o pouco perigo que as equipas criavam. Aos 19 minutos, o n.º 7 do Oeiras viu o cartão amarelo por protestos. Aos 24 minutos, a equipa da casa viu-lhe um golo ser anulado por fora de jogo, numa decisão correcta da equipa de arbitragem.

Pouco depois, o ataque do Oeiras levou muito perigo à área leonina, com um cruzamento tenso do lado esquerdo a que ninguém correspondeu. À passagem do minuto 39, foi novamente o Oeiras que ameaçou, com um cruzamento-remate do lado direito que passou ao lado da baliza à guarda de André Martins. Aí, o Sporting respondeu com um remate de meia distância de Sebastião Nogueira, que passou ao lado. Aos 44 minutos, João Gonçalves, com um gesto técnico assinalável, rematou de longe, tentando um chapéu. A bola acabou por passar um pouco acima da trave. Até ao intervalo destaque apenas para o cartão amarelo mostrado a Zezinando por uma entrada mais dura.

No 2º tempo, o Oeiras entrou mais forte e acercou-se da baliza leonina várias vezes, embora criando apenas a impressão de perigo. Aos 65 minutos, Luís Martins fez uma dupla substituição, tirando Ricardo Nogueira e Sebastião Nogueira, fazendo entrar para os seus lugares Tomané e Alison. Fábio Paim tentou dar um safanão no ritmo do jogo, rematando de fora da área mas à figura do guardião adversário. A verdade é que o SCP começou a aproximar-se mais vezes da área e aos 71 minutos, fizemos o 0-1. Tiago Pinto cobrou exemplarmente um livre directo frontal, não dando qualquer hipótese.

Tiago Pinto já bateu o livre, a barreira olha para trás acompanhando a bola, o guarda-redes já está quase no chão, enquanto olha para bola, já dentro da baliza.

O mesmo Tiago Pinto viria a estar em destaque dois minutos depois. O Oeiras reagiu muito bem ao golo sofrido e passou a mandar no jogo a partir daí. Num rápido contra-ataque, depois de André Martins ser ultrapassado pelo avançado contrário, foi o jovem lateral-esquerdo que salvou o lance, quando a bola já se encaminhava para a baliza. Ao minuto 74, Simão Coutinho viu o cartão amarelo por jogar a bola com a mão. Dois minutos depois, o Oeiras rematou à trave, com a bola a embater com estrondo e a voltar para trás. O Oeiras continuou a atacar e conquistou um pontapé de canto, de onde sairia o 1-1. O avançado do Oeiras marcou de cabeça, chegando mais alto que André Martins e os centrais.

Imediatamente após o golo do empate, João Martins entrou para o lugar de João Gonçalves. Aos 79 minutos, Simão Coutinho derrubou um adversário perto da grande área e viu o 2º cartão amarelo no espaço de 5 minutos, sendo expulso. Zezinando passou para central e João Martins teve que desempenhar tarefas mais defensivas. O Oeiras voltou a mandar uma bola à trave aos 81 minutos. Na recarga, André Martins fez uma grande defesa, evitando o quase certo segundo tento da equipa da casa. Até ao final do jogo, o Oeiras carregou em busca do 2º golo com o Sporting a tentar chegar à vitória através de lances de bola parada.

O jogo acabou empatado a uma bola, resultado que consideramos justo, tendo em conta aquilo que foi produzido pelas duas equipas.

Apreciações sobre os intervenientes:

Trio de Arbitragem – Teve uma actuação regular, quer técnica quer disciplinarmente, num jogo relativamente fácil de dirigir.

Oeiras – Depois de uma primeira parte intermitente, subiram de rendimento no 2º tempo, sobretudo depois do golo sofrido. Tem um meio campo muito aguerrido mas algo duro.

Sporting – A utilização de um onze não muito rotinado entre si, originou uma exibição um pouco descolorida. Estivemos melhor no 2º tempo embora não o suficiente para suster a reacção do adversário e aguentar a vantagem. Depois da expulsão, tornou-se ainda mais difícil fazer melhor.

André Martins – Foi a primeira vez que o vimos jogar. Esteve globalmente bem, tendo uma excelente intervenção que evitou o 2º golo do Oeiras. Revelou-se pouco eficaz nas reposições de bola com os pés.

Vasco Campos – Depois de uma primeira parte em que cumpriu, sem problemas de maior, desceu muito de rendimento no 2º tempo. Revelou dificuldades de posicionamento e marcação aos adversários, o que obrigou Simão Coutinho a compensá-lo em algumas ocasiões.

Simão Coutinho – Fez uma exibição positiva, nunca permitindo grandes veleidades ao ataque adversário. Contudo, a sua actuação fica manchada por ter visto dois cartões amarelos, em apenas cinco minutos, motivando a sua expulsão.

Paulo Renato – Esteve bem ao longo de toda a partida. Embora não se destaque pelo recorte técnico, acaba por ser muito eficaz na hora de afastar o perigo.

Tiago Pinto – O MVP!! =D> =D> Marcou um belo golo de livre directo. Esteve sempre muito activo pelo seu corredor, defendendo sempre com muita segurança e colaborando com os colegas do meio campo nas tarefas ofensivas.

Zezinando – O habitual pulmão da equipa esteve mais uma vez em bom plano, destacando-se também pela sua voz de comando junto dos companheiros. Deu resposta adequada ao aguerrido meio campo do Oeiras. Com a expulsão de Simão Coutinho, teve que sacrificar-se como central improvisado.

João Gonçalves – Finalmente o regresso aos relvados! :smiley: Felizmente, não perdeu qualidades, tendo sido até um dos melhores em campo na 1ª parte. Recuperou muitas bolas, lançou inúmeros ataques e mostrou pormenores técnicos muito bons. No segundo tempo, caiu de rendimento porque obviamente não tem ainda ritmo para 90 minutos.

André Pires – Foi um dos elementos mais combativos do nosso meio campo, respondendo sempre com muita tenacidade às ofensivas adversárias. Nota positiva! :wink:

Fábio Paim – Começou bem o jogo, tendo algumas iniciativas interessantes no flanco direito. Depois acabou por ir desaparecendo do jogo.

Sebastião Nogueira – Um pouco à semelhança de Fábio Paim, esteve muito activo nos primeiros 25 minutos da partida, pelo flanco esquerdo. Tentou a sua sorte com remates de meia distância. Acabou por sair na 2ª parte.

Ricardo Nogueira – Não teve um regresso feliz à equipa. Quase sempre mal servido pelos colegas, não dispôs de grandes oportunidades para fazer o gosto ao pé.

Alison – Entrou para dinamizar os flancos mas a verdade é que as suas jogadas pouco ou nenhum perigo provocaram.

Tomané – Entrou para o lugar de Ricardo Nogueira mas aconteceu-lhe o mesmo. Não sendo servido em condições, quase não se deu por ele.

João Martins – Entrou para refrescar o meio campo e acabou por ser muito importante para segurar o empate, na altura em que jogámos em inferioridade numérica.

grande produção escrita,

obrigado

Pena o empate mas a nós ninguém nos bate! Obrigado Ricardo e irmã :wink: Como eu digo: O mesmo prazer de sempre.