Dias da cunha até quando?

Penso que mais de 90% dos sportinguistas não gostam do seu presidente e querem a sua substituição.

Já são várias as pessoas que se demitem por culpa dele.

Temos aguentar com ele até quando?

Sorte a dele que a massa associativa e adeptos são demasiado pacificos e apaticos com isto que se vem passando. Ele merecia era um “golpe de estado” em lavalade
:evil:

Andou a Juve atrás do outro que tinha nível e este, que já devia ter levado na tromba há meses ali continua a gozar connosco.

Certas coisas eu não percebo. Será que as claques tb devem dinheiro ao banco?!

Para o ano temos eleições.

Está tudo na mão dos sócios. Dos que se queiram candidatar e dos que votam.

Para o ano temos eleições.

Nesta altura, parece uma eternidade… :frowning:

Eleições JÁ

penso que são necessaris não sei quantas assinaturas para se convocar eleições antecipadas? ou assembleia geral?

In Blog 5 Violinos:

Se é para mudar, que se mude já

No meio de muitas incertezas – mais dos que as aceitáveis num clube de futebol – o SPORTING vai mostrando que as coisas não estão bem.

A nível directivo.
Ficou para mim claro, desde a demissão de J. Eduardo Bettencourt, que a passagem de Dias da Cunha a líder da SAD iria ser problemática. O desenrolar da época serviu para provar isso mesmo: passámos a ter um presidente da SAD muito desatento em relação à equipa de futebol e demasiado interventivo em assuntos de menor importância. Depois foi a demissão de Ribeiro Telles, na sequência do disparatado acordo com outro clube de Lisboa. Ainda hoje estamos para saber os termos em que esse acordo foi feito. Tenho para mim que, se os sócios do SPORTING soubessem de que é que ele consta, isso daria lugar a um motim em Alvalade: a ser verdade que no acordo está referida a não contestação às arbitragens dos jogos entre os dois clubes; a facilitação da saída de Nuno Assis do Guimarães e outras ainda piores que se vão ouvindo por cá e por lá, esse acordo não passou então de uma capitulação perante os mais sórdidos interesses do futebol português. Aliás, basta considerarmos que esse acordo foi estabelecido com o clube que mais foi beneficiado por arbitragens incorrectas e que acabou por vencer o campeonato de uma forma ILEGÍTIMA, para nos sentirmos enojados sempre que vemos Dias da Cunha dizer que acredita nos propósitos de Vieira para a reabilitação do futebol português. Saberá Dias da Cunha que Vieira trabalha «em dupla» com Veiga, apenas o responsável pela destruição da carreira de Jardel e consequentes perdas para o nosso clube naquela época? (Se duvidam do que digo, perguntem agora a Boloni o que foi gerir um plantel após o caso Jardel, acrescentando o facto de ter sido uma época em que praticamente não se fizeram nenhumas melhorias no plantel). Se Dias da Cunha sabe dessa «dupla» e tem cara para engolir isso, nós os sportinguistas, não temos, nem nunca iremos ter! Mas as demissões não se ficaram por aqui. Este fim de época, então, tem sido à razão de uma por semana. Carlos Freitas, provavelmente a pessoa que em Portugal melhor conhece o mercado de transferências de jogadores e que estava a desenvolver um trabalho muito positivo, acaba por se demitir, ou ser levado a isso, por, nas palavras de Dias da Cunha, não ter feito uma correcta ligação entre o plantel e o funcionamento da academia. Esta é mesmo de pasmar. Primeiro porque as atribuições de Freitas não eram bem essas, depois porque um argumento desses não é mais do que fugir à questão essencial, que para mim é: o que é que tem levado a que uma grande quantidade de pessoas que trabalham no SPORTING se tenham incompatibilizado com Dias da Cunha? A seguir demitiu-se Rita Figueira do departamento jurídico por razões que também não sabemos muito bem. Agora temos a demissão de Soares Franco. Em rigor, ainda não sabemos se se demite ou não, apesar de já ter dito que tenciona fazê-lo. Perante todas estas demissões, Dias da Cunha vai reagindo como se nada fosse, invocando chavões de circunstância como aquele do «só faz falta quem cá está» ou «vice-presidentes há muitos» (faltou acrescentar o «seu palerma» como o outro tinha dito acerca do chapéu no jardim zoológico). E os sócios vão assistindo de bancada: nenhuma explicação cabal e convincente lhes é dada acerca da matéria. Como se os sócios só servissem para pagar quotas, comprar bilhetes e bater palmas. Mais uma vez, Dias da Cunha está enganado: a história do SPORTING é mais do que suficiente para mostrar do que os sócios do SPORTING são mais do que «batedores de palmas» ao fim-de-semana e contribuintes ao fim do mês. E começo a achar que se avizinha o momento em que Dias da Cunha vai perceber essa força dos sportinguistas; estou certo que nessa altura não irá dizer que «vice-presidentes há muitos». Dias da Cunha, a meu ver, neste momento está a assumir a típica atitude da fuga para a frente. Demita-se quem se demitir; conteste quem contestar; ele continua, pelo menos enquanto tiver quórum, o que, com tanta demissão, parece que não irá durar muito. Neste momento, não vislumbramos a Dias da Cunha uma única ideia estratégica válida para a próxima época: a política de contratações parece mera casuística ao sabor das caprichosas vontades dos jogadores que estão e dizem que querem sair; a importância dos valores do SPORTING no plantel parece ser irrelevante, como se pode constatar com as situações de Rui Jorge e Pedro Barbosa; o reforço de poderes do treinador não passa de uma frase sem conteúdo cujo único propósito é atribuir-lhe as culpas se as coisas correrem mal. A nível directivo, já não sabemos quem manda nos vários pelouros, quem fala sobre determinados assuntos e quem coordena determinadas actividades. Sabemos apenas quem fala sobre o sistema: Dias da Cunha, pois claro. Paulo de Andrade só fala quando a equipa ganha e, como agora não há jogos para disputar e ganhar, ele lá se vai mantendo calado. As estratégias de fuga para a frente dão sempre mal. Temo que o que se está a passar agora não é mais do que remeter para Outubro uma situação que devia ser resolvida já. Que situação? Eu acho que esta direcção (clube e SAD) estão a colocar-se a jeito para que, assim que haja dois resultados negativos de seguida, os sócios imponham, de forma desagradável e pouco honrosa, a clarificação que devia ser feita agora: eleições para os corpos sociais do clube. Ando há quase um ano a defender eleições no SPORTING. Acho que os mandatos devem ser levados até ao fim, mas também acho que isso só vale se percebermos qual o rumo e o propósito de quem detém esses mandatos. A situação actual é tal, que as eleições serviriam para clarificar a situação do clube. Dias da Cunha, por exemplo, teria muito a ganhar com esse cenário. Se acha que tem condições para continuar, reúne uma lista, candidata-se e os sócios manifestam a sua posição. É que a lista vencedora das últimas eleições tinha Eduardo Bettencourt, Ribeiro Telles, bem como outras pessoas na equipa, pessoas essas que já lá não estão. Eu sei que o cenário de eleições no SPORTING acarreta sempre o perigo do surgimento de uma daquelas listas compostas por gente potencialmente perigosa a gerir os destinos do clube: estou-me a lembrar da inenarrável dupla Pinto Coelho / Oceano que faz uns ameaços sempre que se fala de eleições no SPORTING. Nenhum sportinguista ponderado gostaria de ver o seu clube nas mãos destes dois ou outros do género. Mas eu acredito – posso estar errado – que perante um cenário desses os verdadeiros sportinguistas se uniriam de modo a não termos que ir por uma situação dessas. Portanto, o cenário de eleições é o que melhor pode clarificar o estado do SPORTING. Digo isto na esperança de que pessoas como Ribeiro Telles; Eduardo Bettencourt e outros se assumam como protagonistas neste cenário. O SPORTING tem um projecto – projecto Roquette – mais-ou-menos definido. O que está a faltar são as pessoas para o levarem por diante: com tanta demissão cada vez mais aquilo é o clube do Dias da Cunha e de mais dois ou três teóricos do sistema. As eleições, a serem feitas, devem sê-lo num período de férias. Evitam-se, assim, situações desagradáveis no plantel e na equipa técnica. Tentar manter artificialmente uma situação insustentável é que não dá, de maneira nenhuma.

Equipa técnica
Muito sinceramente, acho que Peseiro é um dos elos mais fracos desta situação. Como treinador falhou. O 2º lugar (3º) é o 1º dos últimos e chegar à final da Taça UEFA para a perder daquela maneira é mesmo muito mau. Peseiro incompatibilizou-se com metade da equipa e não vislumbramos maneira de as coisas serem sanadas com os banhos de férias. Na gestão do plantel, não se percebe nada: a jogadores como o Polga; Liedson e Douala perdoam-se atrasos, faltas de disciplina, declarações disparatadas, falando só do que sabemos. Em simultâneo, a Rui Jorge e a Pedro Barbosa, para mim os dois jogadores que representam melhor o espírito sportinguista, faz-se aquilo que vamos acompanhando todos os dias pela imprensa: uma total falta de dignidade no tratamento dos atletas. Falta de dignidade de onde quem sai pior é quem a pratica e não quem a sofre, como de costume. Se calhar, se o Rui Jorge tivesse ido para o Brasil e chegasse atrasado, visse cartões amarelos disparatados, mudasse de opinião todos os dias acerca das suas intenções e fizesse outras do género, ter-lhe-ia sido renovado o contrato. Enfim… é evidente para todos que reina uma assustadora falta de disciplina no plantel do SPORTING: cada um diz o quer, cada um ameaça ir para onde lhe apetece, cada um opina à sua maneira sobre o clube e as pessoas que lá estão. Só um exemplo: um jogador com mais dois anos de contrato vir para os jornais dizer que quer «ver a sua situação resolvida», é do mais disparatado que podemos imaginar: uma pessoa com juízo ouve e não acredita: o que é que um jogador profissional com mais dois anos de contrato quer dizer com isto? Será que já lhe explicaram o que é um contrato? Um prazo? Uma assinatura? Ou em português do Brasil esses conceitos têm significação diferente? E tudo porque não há uma direcção que ponha termo a isto, a bem ou a mal. Bastava uma vez para dar o exemplo: todos os outros aprendiam logo. Assim, o que acontece é que qualquer jogador, com ou sem razão, vem para praça pública opinar, reclamar, forçar e, qualquer dia, decidir. Até Edgar Marcelino, depois de umas corridas e uns golos na selecção, se acha no direito de vir para a praça pública enviar recados à direcção, reclamando não sabemos muito bem o quê. Isto não acontece porque os jogadores tenham este ou aquele tipo de carácter. Acontece porque já perceberam que cada um pode fazer o que lhe apetece, que nenhuma consequência isso lhes trará. Como de costume, o treinador não diz nada. Talvez até seja melhor.

Podia continuar. Casos e peripécias é coisa que não falta. Como andam deliciados todos os jornalistas desportivos: motivos para especulação barata e opinião tendenciosa é o que algumas pessoas do SPORTING lhes vão oferecendo a toda a hora.
Aguardarei calmamente no meu lugar. Estou certo que a verdade sobrevive e o SPORTING vai voltar a entrar no bom caminho. E depressa. Porque queremos ganhar já o próximo campeonato.
Bom fim-de-semana prolongado, se for o caso.

Sempre quero ver daqui a 1 ano quem é que se vai candidatar e quem é quem é que vai lá colocar o voto na urna! :arrow:

Quem esperou este tempo todo espera mais 1 anito, até pode ser que a coisa corra bem! :roll:

"Dias da Cunha cometeu um erro estratégico brutal quando se aliou a Luís Filipe Vieira e a José Veiga para regenerar o futebol português, não percebendo que isso só ajudava o Benfica a controlar a Liga e o Conselho de Arbitragem, aproveitando o vazio criado pela operação 'Apito Dourado'. O Sporting caiu na ratoeira e os resultados estão à vista."
Este pequeno trecho do artigo do DN que deixaram aqui noutro tópico define duma forma exacta a incapacidade do nosso Presidente em aproveitar os louros que lhe atribuíram na ressaca do "Apito Dourado", embora me pareça que os os dois principais dirigentes do Sporting se encontram reféns dos avales bancários que assinaram e que os terão obrigado a engolir em seco tudo o que levou ao desfecho deste campeonato.

Perdida esta oportunidade nada mais resta a Dias da Cunha, notória que é a
sua incapacidade para lidar e perceber o fenómeno futebol no seu dia a dia,
e até dentro do Clube ele está cada vez mais só de tanto dizer que só faz
falta quem lá está ou no caso quem está com ele, num exercício autista que
já ninguém sabe como irá acabar.

O problema maior continua no entanto a ser a falta de alternativas ou pelo
menos a falta de quem esteja disposto a assumir-se como tal e a apresentar
novos caminhos e que principalmente tenha meios e coragem para cobrir os
avales, até lá Dias da Cunha vai continuar a puder acenar-nos com o “ou eu ou o caos”

até lá Dias da Cunha vai continuar a puder acenar-nos com o "ou eu ou o caos"

Mas essa tem sido a estrategia desde o 1º dia do “Projecto”.

Voces agora estejam caladinhos e deixem-nos fazer o que queremos, pq nos é que sabemos e nós é que conhecemos o pessoal da banca!!!

Nós lemos a estoria dos avais e coisa e tal… mas não paramos para fazer a pergunta:

Será que as entidades bancárias preferem um aval de um tipo (seja ele quem for) ou garantias de que o projecto que existe tem pernas para andar e que os investimentos feitos estão salvaguardados?

É que existindo a confiança de que o plano (se existe algum neste momento) e viavel, certamente a banca estará mais tranquila do que se depender exclusivamente de avais pessoais.

Essa deve ser, na minha opinião, a estrategia de quem se apresentar como alternativa… a defesa do Projecto Sporting (projecto sem conotaçoes ao anterior), das suas qualidades e potencialidades, tendo em atenção que o Sporting AINDA É um Clube de futebol.

Num ano perde-se tudo…
D. Cunha RUA

Mauras, a Juve já não tem a força de outrora.
E mesmo a nível de claques, elas estão mais controladas pela direcção do Sporting. Daí não poderem agir assim.
Mas há aqui pessoas melhor colocadas do que eu, para falar da realidade das claques.

Se as claques reagissem de uma forma violenta não faltariam críticas!(criticas que subscreveria)O Directivo interviu de uma forma pacífica em muitos jogos desta época,com frases bastante criativas e sempre tocando em pontos críticos! mas o feedback dos restantes associados é quase sempre o mesmo…total desprezo pelos “recados”. se muitos\todos que estao no estadio fizessem como eu, e aplaudissem as iniciativas, chamaria a atencao de todo o estadio,dos media e talvez dos srs que “mandam”.

SPORTING SEMPRE

Os Srs que mandam consideram o povo Sportinguista como uma cambada de gente estúpida como o xéxé do DC muitas vezes referiu.

Só há uma solução é convocar eleições já e correr com a oligarquia.

Em 2006 é muito tarde pois imaginem o que será o martírio de mais um ano a aturar o DC…

Sempre quero ver daqui a 1 ano quem é que se vai candidatar e quem é quem é que vai lá colocar o voto na urna! :arrow:

Quem esperou este tempo todo espera mais 1 anito, até pode ser que a coisa corra bem! :roll:

:shock: Mais um “anito”?

Sempre quero ver daqui a 1 ano quem é que se vai candidatar e quem é quem é que vai lá colocar o voto na urna! :arrow:

Quem esperou este tempo todo espera mais 1 anito, até pode ser que a coisa corra bem! :roll:

:shock: Mais um “anito”?

Este último passou “rapidinho”! :wink:

O próximo não vai ser diferente! :arrow:

Dias da cunha é como um cancro, quanto mais tempo passar sem ser “arrancado” mais ele alastra o seu mal

Dias da cunha é como um cancro, quanto mais tempo passar sem ser "arrancado" mais ele alastra o seu mal

Essa comparação é infeliz! :arrow: