Cortar a Direito

Quando comecei a ter consciência do mundo que me rodeava, tomei uma decisão da qual vou-me orgulhar até ao fim dos meus dias: ser do Sporting Clube de Portugal.

Apreendi a gostar deste clube de forma incondicional, independentemente de resultados desportivos, presidentes, treinadores, jogadores. Revejo-me no seu lema, Esforço, Dedicação, Devoção e Glória e nos valores que representa na sociedade portuguesa.

Acontece que os tempos mudaram, a sociedade tem trilhado caminhos, que por vezes, pelo menos para mim são difíceis de entender, por outro lado as novas tecnologias ganharam força e é graças a elas que existem espaços como este e outros que dão voz ao mais anónimo dos adeptos. Tenho como principio respeitar todas as opiniões, o que não significa que as aceite todas.

Quero dizer, tenho dificuldade em descortinar em que momento da vida do Sporting os jogadores passaram a ser mais importantes que este clube, centenário, com um palmares vastíssimo em dezenas de modalidades. Pelo que oiço nas rádios, ou leio nas caixas de comentários de blogs e fóruns, chego à conclusão que existe um novo tipo de adepto no nosso clube, primeiro são do Liedson FC, Moutinho FC, Izmailov FC, Veloso FC, Vukcevic FC, Stojkovic FC, etc… e só depois, por vezes muito depois é que são do Sporting Clube de Portugal.

Para estes adeptos, os errados são sempre os treinadores ou dirigentes, os jogadores são uns tipos com uma vida difícil, tão difícil que até se sacrificam e jogam com dores, por vezes, vejam lá, até aceitam jogar em posições de que não são do seu agrado. Chega-se ao estádio e assobia-se quem joga com dedicação e aplaude-se que já nem está no clube. Somo de facto um clube diferente.
Confesso que não sei como chegamos a isto. Será que foi quando um jogador, ao ser substituído mandou o treinador ir tomar num sítio e este fingiu que não ouviu para na semana seguinte jogar como se nada fosse? Ou será que foi quando um outro jogador fez uma birra e prolongou as férias por mais um par de semanas, chegou, treinou dois dias e foi titular? Ou terá sido quando um jogador recusou participar numa final europeia quando soube que não ia ser titular e meses depois renovaram-lhe o contrato e deram-lhe a braçadeira de capitão? Não sei quando passámos a dar mais valor aos jogadores que às regras básicas e sãs que predominam em qualquer organização de sucesso, mas sei que houve momentos onde quem comandou também contribuiu para isto e enviou a mensagem errada para o exterior. À custa dos 3 pontos, tudo vale, tudo pode ser perdoado e esquecido.

Chegamos assim ao ponto em que o Sporting tudo deve aos jogadores. Os jogadores nada devem ao Sporting. Em que o Sporting não pode falhar nas suas obrigações para com os jogadores. Mas os jogadores só cumprem as suas obrigações para com o clube… quando entendem achar conveniente.

Os sinais que o clube transmite para o exterior são preocupantes, porque demonstram uma organização minada, onde a pirâmide está invertida. Quem devia mandar sujeita-se a caprichos e quem devia obedecer é que impõem as regras. Não vou cair na tentação de aderir ao clube do Izmailov ou do Costinha, mas tenho a minha opinião, sempre fui um defensor de organizações coesas e justas e na minha concepção a anarquia é um regime para fracos e de quem tem medo de tomar decisões. Sempre que liderei equipas foi por estas máximas que me regi. E julgo que não me saí mal.

Nos ultimosde 4 ou 5 meses, na ressaca de bons momentos desportivos, o responsável máximo pelo futebol vê-se confrontado com posturas, no mínimo estranhas para não dizer outra coisa, por parte de atletas com peso no seio da equipa. Não acredito em coincidências. Isto deve-se à falta de cultura de responsabilidade e coesão existentes no Sporting. Onde os comandados testam quem manda, porque as fronteiras há muito que deixaram de existir. E nós adeptos também somos responsáveis porque fechamos os olhos às atitudes e pomos à frente os nomes. Se for o Ricardo Batista, não há crise. Mas se for o Liedson temos um problema e o errado é sempre quem impõem regras, disciplina e valores. Enquanto assim for, pode o Sporting contratar o Cristiano Ronaldo que não existe espaço para vencer.

Hoje o meu clube, o nosso clube, passa mais de metade do seu tempo a desgastar-se e a apagar fogos originados internamente, quando devia estar já a trabalhar no futuro. Assim quem precisa de inimigos ou adversários se é dentro de casa que nos flagelamos?
Termino com a minha opinião sobre um tema que deverá voltar às primeiras páginas nas próximas semanas. Carlos Carvalhal deve ou não ser o treinador na próxima época? Não e explico sucintamente.

A ideia que tenho sobre o Carlos Carvalhal é muito simples, teríamos no Sporting um José Peseiro II, alguém que tem bons métodos de treino, interessado pelo jogo e com a capacidade de colocar as equipas a jogar um futebol agradável. Mas minha opinião, e admito que possa estar a ser injusto, falta-lhe algo muito importante, pulso forte, liderança.

Entendo que para treinar o Sporting, é necessário aliar as qualidades intrínsecas a qualquer treinador de topo (bons métodos de treino, leitura de jogo, conhecimentos tácticos e capacidade para ser um estratega no banco) com as de líder, capaz de criar um grupo fechado, focado, coeso e motivado. Alguém que não deixe duvidas dentro do balneário sobre quem manda e decide. Precisa de ser culto e capaz de expor o seu raciocínio perante a comunicação social. Tenho duvidas que Carvalhal seja este homem.

Sim Senhora :clap:

Finalmente alguém que também pensa como eu, que acima de qualquer jogador e vontade do mesmo está o Sporting Clube de Portugal!

Como quase sempre uma :arrow: para ti! :great:

Uma :arrow:?

Não chega! Sai uma vénia! :clap:

"Quando comecei a ter consciência do mundo que me rodeava, tomei uma decisão da qual vou-me orgulhar até ao fim dos meus dias: ser do Sporting Clube de Portugal.

Aprendi a gostar deste clube de forma incondicional, independentemente de resultados desportivos, presidentes, treinadores, jogadores. Revejo-me no seu lema, Esforço, Dedicação, Devoção e Glória e nos valores que representa na sociedade portuguesa."

fonte: Coração Leonino de Nuno Lapa

O MEU MUNDO É VERDE E BRANCO
SOU DO SPORTING DA PONTA DOS PÉS AO ALTO DA COROA QUE POUSA SOBRE A JUBA.

Também concordo muito do que o Nuno Lapa escreveu. Apenas vejo a coisa de outra forma. Porque quem diz jogadores, diz treinadores, dirigentes etc. Nenhum deles pode estar acima do nosso SPORTING. Foi por isso que detestei firmemente Paulo Bento, e foi também por que isso deixei de ter o mesmo respeito por Stojkovic, Vukcevic, JEB, Moutinho e até mesmo Liedson, que tinha antigamente. E veremos também como será o desfecho deste novo caso Izmailov.

Anyway, grande texto mesmo. :clap:

Esse critério de o Clube acima do Fc Moutinho e etc outros também se aplica ao presidente e ao director desportivo o Sporting é o conjunto de tudo. Não é por ser se dirigente que se tem razão sempre. Se fazem algo que prejudica o clube então temos o F.C. J.E.B, F.C. Costinha e por ai fora. Por mais dirigentes que sejam as decisões acabam por ter sempre critério pessoal. O Clube precisa de jogadores e de equilíbrio. Tinha-mos um tipo na minha óptica, porreiro para Director desportivo, com outro conhecimento, tacto e idade. Porque um ex-jogador com trinta e pouco acabado de deixar um clube? Referia-me ao João Querido!

Saudações

:clap: :clap: :clap:

Tambem concordo que isso é um grande problema que se passa actualmente em equipas como o Sporting , antigamente , o principal era o colectivo , uma equipa era como um relógio só em conjunto funcionava agora fruto do individualismo em excesso desta época e de tantas solicitações da sociedade como anúncios publicitários , qualquer jogador que aceda à equipa principal vindo da Academia vai logo parar tambem à televisão , em putos ainda não formados é normal que isto suba à cabeça e tambem os adeptos desta idade começam a idolatrar logo um jogador destes mais por aparecer na televisão do que o que fez em campo que ainda não têve tempo.

Com tantos egos , é difícil criar uma equipa , só com dirigentes e treinadores com uma mentalidade tipo Alex Fergunson é que a coisa vai lá.

PS: Esqueceste-te do Paulo Bento FC , foi esquecimento , ou omissão ? :twisted:

:clap:

O problema de fundo é a fragilidade financeira do Sporting. Por causa disso tem tido plantéis muito desiquilibrados, o que faz com que os melhores jogadores (que ainda por cima nem são foras de série, nem nada que se pareça) tenham demasiado peso no rendimento da equipa, e eles usam essa dependência que vêm o clube ter deles para fazerem o que querem. Os dirigentes têm menos “armas” para defender os interesses do Sporting, por causa da falta que eles fazem à equipa, porque não lhes pode pagar para os mandar embora, por causa de haver poucas referências sportinguistas no futebol leonino e estes jogadores ocuparem o imaginário dos adeptos, e porque precisa de realizar um encaixe financeiro com eles. Para não se desvalorizar activos, num plantel onde poucos têm mercado, engolem-se sapos. Se o Sporting tivesse uma linha avançada como a do Benfica, por exemplo, o Liedson nunca teria o “estatuto” que tem aqui, porque seria só mais um bom jogador. Mas quando as alternativas são um Helder Postiga, o brasileiro parece um “Peyroteo” por comparação. Mas em comparação com jogadores muito fracos. E depois há adeptos que têm muita culpa nesta palhaçada toda, porque são muito influenciáveis, para não dizer uma coisa pior. ::slight_smile:

:clap: Mas deixo uma questão: será que Peseiro com alguém como Costinha ao lado não teria resultado?

Ámen, Nuno! :clap:

Como parece ter sido isto, principalmente, a motivar o tópico, aproveito para dizer que acho uma generalização fácil e a roçar o ad hominem. Obviamente, haverá gente com pouco discernimento em todo o lado, seja nas rádios ou nos blogs. O fórum não é excepção, e no entanto não leio muitas posições que devidamente espremidas se resumam ao “porque ele é um granda craque e tenho o quarto forrado com posters dele”. Ainda existem argumentos com fartura para quem os queira ler, não se pode é esperar que todas as razões para defender X ou atacar Y se enquadrem no que é a nossa visão pessoal do que deve ser o Sporting.

:clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap:

:clap: :clap: :clap: :clap: :clap:

E eu fui um dos acusados de ser do Izma FC

Caro Nuno Lapa

Devo ser o primeiro a não bater palmas.

A sua análise está enviesada. O Sporting acima de todos tem de ser mesmo acima de TODOS. Não apenas de alguns, os jogadores.

Quando tiver tempo explanarei a minha opinião.

SL

muitas setas :arrow:

Excelente.
Só estou não subscrevo isto:

Precisa de ser culto e capaz de expor o seu raciocínio perante a comunicação social. Tenho duvidas que Carvalhal seja este homem.
Porque é que dizes que não é culto? Quanto à comunicação social, admito que tenha dificuldades, mas o problema nem está aí, mas em toda a conjuntura em que se viu envolvido quando chegou e na qual continua atolado.

Concordo com muitas coisas que são ditas no comentário do Nuno Lapa mas infelizmente sou levado a constatar que muito dos factos que ele cita são no sentido de querer mostrar uma realidade completamente enviesada.

O problema dos adeptos actualmente não está no facto dos adeptos maioritariamente serem adeptos do jogador A ou B em vez de o serem do clube. O problema está sim no facto de grande parte dos adeptos serem apoiantes cegos dos dirigentes. O que é comum vermos é os adeptos numa altura a apoiarem dirigentes por tomarem determinadas decisões, mas se depois a continuidade vier dizer mal dessas decisões os mesmos adeptos que antes eram a favor agora também passam a dizer mal. Resumindo, o problema actual da massa adepta é a falta de espírito crítico, é o facto de considerarem que os seus dirigentes são sempre os melhores do mundo mesmo que eles só façam trampa. Isso é válido tanto na forma como se avalia jogadores, treinadores, decisões de cariz financeiro, etc, etc…

O exemplo disso mais recente é a forma como muitos adeptos abordam a situação recente do Izmailov e a do Liedson. Se formos a olhar com olhos de ver constatamos que muitos dos que diziam que uma multa era o suficiente para castigar o Liedson são os mesmos que agora batem palmas ao Costinha por pretensamente ter encostado o Izmailov, dizendo agora que o mais importante é ganhar um balneário.

Portanto concordaria com o teu texto na íntegra era se em vez do FC Izmailov, FC Moutinho ou o FC Vukcevic falasses isso sim em FCJEB, FC Roquette ou no FC Soares Franco.