Ciclismo - Parte 2

E hoje papou o sprint. Ganhou uma etapa de montanha, contra-relógio e sprint. Que grande atleta

Tendo dois dedos de testa, claro que é fácil “aceitar” o argumento um estava, mas os outros também. Se gostamos do desporto e se queremos usar as pessoas como exemplo, devemos primar pela sua limpeza não achas? Aceitar os vícios é manifestamente errado.

Também aceito que se fale demasiado em doping no ciclismo e que esse existe noutros desportos (não tenho grandes dúvidas, mesmo sem possuir provas).

Mas prefiro a continuar lutar contra o doping para que prevaleça essencialmente o talento e não os principais avanços científicos/tecnológicos.

Idealmente sim mas isso no desporto em geral, e em particular no ciclismo, é quase impossível. A história do ciclismo é uma história de doping e suspeitas, se olharmos para trás nunca este desporto foi limpo. Agora, com avanços tecnológicos e médicos, com uma maior audiência, é que vamos conseguir? Não acredito. Além do mais se deres a escolher aos espectadores entre ver ciclistas dopados a terem enormes demostrações de força e a atacarem-se constantemente nas montanhas ou ciclistas limpos que até, por sua vez, poderiam levar a etapas menos duras, eu acho que a grande maioria escolheria a 1ª opção sem grandes dúvidas.

Sobre o teu 2º ponto totalmente de acordo. Doping há no futebol, no basquetebol, atletismo… No entanto raras são as vezes em que há notícias de atletas apanhados. Há uns tempos o guarda-redes do Ajax foi suspenso por usar uma substância proibida pela FIFA. Estamos a falar do guarda-redes, o elemento que menos esforço físico tem dentro de campo, agora imagina todos os Onanas (o guarda-redes em questão) de todos os Ajax por esse mundo fora.

Mas o talento prevalece sempre. Nos tempos do Lance, e até dando de barato que a equipa dele tinha melhor doping que a T-Mobile do Ulrich, é impossível que a diferença fosse muito significativa. Estamos a falar de duas equipas de topo com enorme investimento. O Lance terminava à frente porque era melhor ciclista. É impossível tu ganhares 5/6 Tours só devido ao doping, tu ganhas porque és essencialmente o melhor. Lá 1, tipo Landis, ainda dou de barato agora 6 é impossível

O ciclismo na altura do Lance era tudo menos espectacular.

A malta confunde ver uma arrancada montanha acima com espetáculo. Para mim espetáculo é ver os gajos a tentar esticar a corda, uns ficarem para trás e voltarem a colocar ao grupo, etc.

Concordando que isso seria a reação e aceitação geral do público, continuo a não sentir-me confortável com a possível “destruição” do corpo de um atleta - mesmo que com os avanços atuais, se saiba o que está a tomar e os riscos clínicos possam ser menos penosos.

Penso que já chega de estarmos com as cenas do quem tem os melhores corredores, os melhores gregários, as melhores bicicletas e os melhores mecânicos. Prefiro não ter o “quem tem a melhor jarda” nessa equação.

Permitir o doping, passa a ser uma disputa química. Depois, qual seria o limite? Além das consequências nefastas para a saúde. A luta pelo doping é constante, faz já parte do desporto e assim continuará.

Mas hoje em dia continuam a existir essas consequências a não ser que acreditemos que ninguém no pelotão está dopado. Com a legalização do doping passaria a haver um maior controlo científico e médico, estariam estabelecidos limites pela UCI onde não houvesse grande comprometimento a nível da saúde, os ciclistas nem se sentiriam confortáveis a passar desses limites diria eu. Hoje em dia tu não sabes quem é que anda a injectar o quê nem onde. Além do mais todos os atletas de alta competição, ainda por mais um desporto extremo como o ciclismo, sofrem consequências físicas ao longo da vida. Não podemos estar a atribuir tudo ao uso de PED’s.

Mas lá está esta é a minha opinião actual, eu deixei de ver ciclismo por causa da questão doping, não vejo um propósito em acompanhar este desporto seriamente quando eu estou a ver/torcer por alguém que daqui a 2 anos pode ser suspenso e todas as suas vitórias revocadas. Então eu estive a ver o quê afinal? Uma mentira onde uns estão acima dos outros? Assim ao menos todos estariam a partir da mesma linha de partida. Acho que doping no ciclismo é um guerra que já não pode ser ganha, o mal já está feito, vai haver sempre clima de suspeição, só uma mudança de atitude completa em relação ao assunto pode alterar algo

Eu acho que há que cortar o mal pela raiz e não é por tornares algo como “tolerável” que vais garantir que a coisa passe a ser mais transparente.

Se disseres “o uso de substâncias que permitam potenciar o rendimento passam a ser admitas até ao ponto X” a partir desse momento, vais ter um novo ponto à margem da lei. Aquele que sabe que pode tomar até 1, sabe que os outros tb podem ir até esse ponto e se calhar tenta arranjar uma forma de poder chegar a 1,5 para ter vantagem sobre os restantes.

Falámos do caso Lance versus Ulrich. São sou anjinho ao ponto de achar que o Jan era um santinho. Se o Bjarne Riis tomava e admitiu, é um bocado difícil não achar que o Jan passou pelo mesmo. No entanto, tenho para mim que o envolvimento dele na Operação Puerto, foi já uma medida chamemos desesperada para conseguir chegar a um patamar em que o Armstrong estava. Portanto, isto não é só dizer, estavam todos dopados. Uns tinham outros tipos de doping e outros tinham outras ferramentas para conseguirem disfarçar e/ou despistar.

Eu não deixei de seguir o ciclismo por causa do Doping. Deixei de seguir em Portugal ao ver um aguadeiro transformar-se num all-rounder de eleição de um ano para o outro.

Antes prefiro que reduzam as provas, a duração das etapas etc, para ter a “espetacularidade” do que andarmos a pensar em tolerar estas más práticas.

É complicado porque não há forma de ganhar. No meu entender enquanto vivermos nesta situação vai existir sempre, no mínimo, um clima de suspeição. Se tornarem o doping legal podem sempre existir abusos e ciclistas a irem acima do permitido.

Não acredito. Estamos a falar de um atleta de grande nível numa grande equipa, o Ulrich não me parece menino de se ficar por coisas mínimas mas lá está, isto são apenas suposições. Se fosse legal com certeza saberíamos o que eles tinham tomado e em quantas doses

Isso já eles fazem. Como disse noutro post tenho visto uns vídeos de highlights dos anos 90 e muitas vezes eles tinham etapas de 7/8 horas de duração o que hoje em dia é impossível de acontecer. E nós só estamos a falar do Lance e do Ulrich mas com certeza que era um fenómeno que afectava o pelotão todo. O José Azevedo fez 5º no Tour e depois foi director desportivo do Hincapie que ganhou a Vuelta com 40 e poucos anos salvo erro. Estava dopado? Acredito seriamente que sim mas mesmo que não estivesse da fama já não se livra.

Num desses vídeos que tenho visto o Indurain ganha um CR com um tempo brutal e o Greg Lemond tem estas declarações num tom, e uma expressão, no mínimo curiosas

(1) Tour de France Greatest Moments - Part 1/5 - YouTube

Aos 5 minutos e 12 segundos

Infelizmente ciclismo = suspeição. Sempre foi assim e se nada mudar sempre será. Um atleta realmente limpo, se é que ainda existem, que porventura venha a ganhar não merece ter essas vitórias manchadas por este clima

Os porcos do norte sempre recorreram do castigo ao espanhol por parte da UCI?

Tendo em conta os ciclistas que se falam que podem ir para a Bora, Hindley, Vlasov e Higuita, não parece que o destino do João Almeida seja nesta equipa.