Aurélio Pereira

Futre, Figo, Simão, Ronaldo, Quaresma, Nani, Moutinho, Miguel Veloso tornaram-se estrelas mundiais. Há um mesmo homem por detrás destes jogadores. Aurélio Pereira é a figura central da fábrica de talentos que é a formação do Sporting. Em 41 anos de dedicação, descobriu, ralhou, confortou e ensinou miúdos que hoje valem milhões.

Nem tudo o que parece , é…

SL

Será? Já li muita coisa sobre ele neste fórum, a história reza que ele é um fenómeno na prospecção de jogadores e outros dizem que não teve praticamente importância nenhuma.

Sinceramente não sei em quem acreditar…

Existe um ditado que diz , no meio está a virtude…

SL

Sendo o Aurélio Pereira apenas uma pessoa, e tendo o nosso país mais de 10 milhões de habitantes e centenas de cidades, vilas e aldeias com putos a darem uns toques na bola, é natural que o trabalho do Departamento de Prospecção do Sporting não tenha sido apenas feito por ele. Mas a ideia saiu da cabeça dele, numa altura em que o conceito de «olheiro» estava longe de existir (pelo menos em Portugal, no estrangeiro não sei). Ele é, por assim dizer, o pioneiro de todo este projecto e o rosto principal de um dos Departamentos de Prospecção com maior qualidade a nivel mundial.

Porque levou uma vida 100% dedicada ao Sporting, porque fez mais pelo clube ao descobrir estes talentos do que 90% dos jogadores e dirigentes (não é culpa dele que o Sporting não os consiga segurar e os dê de bandeja aos rivais…) e porque o panorama do futebol mundial seria hoje completamente diferente sem a sua acção, considero a sua presença nesta secção do «orgulho Leonino» completamente merecida.

Bem dito! :clap: :clap:

:clap: para este senhor

Ainda faz parte da captação, ou também já o mandaram embora?

Acho que é dos poucos que restou pelo que li por estes lados

[mod]Tópico bloqueado pois não corresponde minimamente às regras de criação de um tópico nesta secção, principalmente a primeira mensagem. O autor do tópico se quiser melhorar a qualidade da primeira mensagem está à vontade para enviar PM, isto se a Administração e a Moderação entender que este tópico merece existir no Orgulho Leonino.

As regras de abertura de tópicos no Orgulho Leonino encontram-se aqui: http://www.forumscp.com/index.php?topic=31831.0[/mod]

HOMENAGEM AO “SENHOR FORMAÇÃO”

Por Sporting CP
07 Fev, 2020

FUTEBOL FORMAÇÃO

Na ala de formação da Academia Sporting

No âmbito da remodelação que está a ser feita em toda a Academia Sporting e, neste momento, em particular, na ala do futebol de formação, uma das paredes foi dedicada a Aurélio Pereira, o “senhor formação”.

Uma homenagem justa ao descobridor de talentos como Cristiano Ronaldo, Nani, Ricardo Quaresma, João Mário e tantos outros.

Aurélio Pereira emocionou-se quando se deparou com a homenagem na companhia do director-geral da Academia, Paulo Gomes, e de outros responsáveis, assim como de vários jovens jogadores da formação do Sporting Clube de Portugal.

Uma justa homenagem

image

No âmbito da remodelação que está a ser feita em toda a Academia Sporting e, neste momento, em particular, na ala do futebol de formação, uma das paredes foi dedicada a Aurélio Pereira, o “senhor formação”.

Na companhia do director-geral da Academia, Paulo Gomes, e de outros responsáveis, assim como de vários jovens jogadores da formação do Sporting Clube de Portugal, Aurélio Pereira emocionou-se quando se deparou com aquela que será, sempre, uma justa homenagem.

A Tasca do Cherba

«DEUS DESCANSOU AO SÉTIMO DIA PORQUE HAVIA FUTEBOL E PROVAVELMENTE JOGAVA O SPORTING»

SPORTING 31-03-2020 16:33

Por
Redação

O jornal Sporting celebra, esta terça-feira, o seu 98.º aniversário. Para assinalar a data, o clube leonino lançou uma edição especial, com testemunhos de atuais e antigos atletas e uma entrevista a Aurélio Pereira, o ‘Senhor Formação’.

O responsável pelo recrutamento nos escalões jovens recorda como, aos 14 anos de idade, chegou pela primeira vez a Alvalade, «por iniciativa própria», para se treinar à experiência.

«Fui a pé da Venda Nova, onde morava, até ao Estádio José Alvalade. Quando cheguei havia uma longa fila que dava a volta ao Estádio», relata. «Acabei por ser um dos escolhidos e fiquei muito satisfeito», partilha.

«Na altura só se jogava futebol de rua, éramos miúdos e andávamos todos a jogar durante 24 horas por dia e mais três à noite [risos]. Acabava quando vinha a polícia. O futebol era uma coisa fantástica e nunca percebi que raio de cabeças eram aquelas que não percebiam isso. A polícia não nos deixava jogar futebol na rua e na escola também nos proibiam», explica Aurélio Pereira, proesseguindo:

«Era onde calhava. Havia uns terrenos baldios na Venda Nova, onde são agora as Pedralvas. Eram terrenos que estavam à nossa disposição. Depois era fácil: duas pedras, uma bola de pano e estava feito. O futebol tem uma força incrível. O futebol é tão forte que Deus quando construiu o mundo, ao sétimo dia descansou porque havia futebol e, provavelmente, jogava o Sporting.»

A Bola

1 Curtiu

1 Curtiu

maravilha, já não preciso de comprar este jornal

1 Curtiu

aureliopereiralivro
futreaurelio

VIDA DE AURÉLIO PEREIRA CONTADA EM LIVRO

SPORTING 14:30

Por
Rui Miguel Melo

Ao longo de três anos, e em co-autoria com o jornalista Rui Miguel Tovar, Aurélio Pereira, histórico treinador e responsável pela formação do Sporting, escreveu um livro de memórias, recheado com histórias inéditas. Revelações sobre como foram descobertos, entre outros, Cristiano Ronaldo, Luís Figo ou Paulo Futre, este num torneio em Alvalade com idade falsificada; ou histórias menos conhecidas, como a escapa romântica que revelou Jorge Cadete ou as férias em Troia, onde um jovem Dani impressionou o treinador.

A apresentação do livro Ver para Crer decorreu esta quinta-feira, na Cidade do Futebol, num livro editado pela Contraponto e com a chancela da Federação Portuguesa de Futebol e do Sporting. «Este é um livro especial sobre bondade, e essa bondade elevada é algo que destaco em Aurélio Pereira. Uma pessoa delicada, simpática, um pesquisador de talento, e que descobriu alguns dos maiores talentos do futebol europeu. Teremos sempre uma dívida de gratidão para com Aurélio Pereira», afirmou Fernando Gomes, presidente da FPF.

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, não esteve presente, mas enviou uma mensagem em vídeo. «Este é um momento marcante e justo. Foi um prazer partilhar tantas histórias na Academia, primeiro como Diretor Clínico, depois como presidente. Aurélio Pereira é uma lenda da história do Sporting, devemos muito a Aurélio Pereira», destacou Frederico Varandas. Ausente por motivos de saúde, Aurélio Pereira foi representado pela família, com a filha Mafalda Pereira a agradecer em nome do pai.

A apresentação contou com depoimentos em vídeo de José Mourinho e de Dolores Aveiro, mãe de Cristiano Ronaldo. Paulo Futre esteve presente e manifestou gratidão eterna pelo treinador que o descobriu. «Tenho o privilégio de ter sido o primeiro craque mundial a ser descoberto por este génio. Se não fosse ele, hoje era bate-chapas no Montijo. Ninguém via o talento tão rápido. Se Aurélio Pereira tivesse nascido na Catalunha, hoje tinha várias estátuas, não apenas uma, várias», frisou o antigo internacional português.

Este livro tem de vir cá para a casa.

1 Curtiu

O legado de Aurélio Pereira, o ‘senhor formação’, foi esta quinta-feira enaltecido por diversas figuras do futebol português, como o antigo futebolista Paulo Futre, o treinador José Mourinho e o presidente do Sporting, Frederico Varandas.

O mote foi dado com a apresentação do livro ‘Ver para Crer - Memórias de descoberta e formação de talentos’, de Aurélio Pereira, em coautoria com o jornalista e escritor Rui Miguel Tovar, editado pela Contraponto, na Cidade do Futebol, em Oeiras. Por entre diversas histórias sobre a descoberta de alguns dos maiores jogadores portugueses das últimas décadas, como Cristiano Ronaldo ou Luís Figo, sobressaiu a emoção de Paulo Futre no reconhecimento ao histórico responsável pelo departamento de prospeção do Sporting.

“Tenho o enorme privilégio de ser o primeiro grande craque que ele descobriu e que teve êxito internacional. Se não fosse ele, era hoje bate-chapas no Montijo. Não havia ninguém que visse o talento tão rápido”, afirmou o ex-jogador descoberto por Aurélio Pereira quando tinha apenas nove anos numa equipa do Montijo e que chegou a ser galardoado com a Bola de Prata, tornando-se uma referência ao serviço do Atlético de Madrid.

Perante a família do antigo responsável pela formação leonina - que não esteve presente por motivos de saúde -, Paulo Futre lembrou as noites dormidas no sofá da casa de Aurélio Pereira em estágio para os jogos, os “30 escudos” que o ‘senhor formação’ lhe dava para o lanche e quando este lhe pedia para “fazer o que quisesse” de “filhos e netos dos doutores” do clube, que esperavam tratamento preferencial no recrutamento para acabarem vergados pelos dribles de Futre.

“Há o Bola de Ouro, o Bota de Ouro, mas falta o ‘Olho de Ouro’. Se tivesse nascido na Catalunha tinha várias estátuas”, contou, recordando o momento mais triste da relação entre ambos: “Quando fui para o FC Porto, ele merecia que lhe tivesse ligado. Soube pelos jornais. Não falei com ele, porque ele dava-me a volta na altura… se eu falo com ele, não tinha arrancado para o Porto. Foi a primeira vez que o vi magoado comigo”.

O reconhecimento do trabalho de Aurélio Pereira pelo Sporting e pelo futebol português foi também feito através de uma mensagem de vídeo do presidente do clube de Alvalade, Frederico Varandas, que evocou o “prazer” de todos os minutos partilhados com o antigo responsável pela formação na Academia de Alcochete.

“É um momento marcante e muito justo da sua carreira. O Aurélio [Pereira], muito mais do que um amigo, é uma figura e uma lenda da história do Sporting. A história do Sporting deve muito ao Aurélio e, em meu nome pessoal e em nome do Sporting, muito obrigado, Aurélio”, declarou o líder leonino.

“Falar do Aurélio é muito fácil, no futebol é tão difícil haver unanimidade, mas ele tem. Uma lenda do futebol português, que lhe deve tanto e muitas estrelas. Um enorme abraço de respeito e admiração e o meu obrigado pelo que fez pelo nosso futebol”, afirmou José Mourinho, agora ao comando da Roma, igualmente numa mensagem enviada por vídeo.

Por sua vez, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol enalteceu a dimensão humana do ex-responsável pela formação leonina além dos frutos do seu trabalho ao longo de décadas, nos quais descobriu ou trabalhou com 62 internacionais pela principal seleção de Portugal, incluindo, entre outros, João Moutinho, Rui Patrício, Beto, João Mário, Peixe, Nani e William Carvalho.

“Este livro é uma peça fantástica de uma pessoa que nos ensina a bondade e que nos atira para uma dimensão em que o queremos seguir. Deu exemplos de atletas de dimensão europeia e mundial. Só podemos ter uma palavra de gratidão pelo que representou no Sporting, no desporto e na Federação. Muito obrigado, Aurélio”, frisou Fernando Gomes.

Para o coautor do livro, que revelou ter-se cruzado pela primeira vez com Aurélio Pereira quando tinha apenas sete anos, numas férias em Tróia nas quais viria a ser descoberto o ex-internacional português Dani, escrever a obra foi “intimidante” pela dimensão do impacto do ‘senhor formação’ em tantas pessoas.

“Ele é história. É uma pessoa que mexeu com a vida do Paulo Futre, do Ricardo Quaresma, do Ronaldo… E ao mexer com a vida de Ronaldo, mexeu com a vida da mãe e do pai do Ronaldo e com a vida da própria Madeira. O Aurélio era o pai espiritual de toda a formação do Sporting. Dá para perceber a imensidão deste homem e que não tem o reconhecimento devido lá fora, porque sempre foi muito recatado”, resumiu Rui Miguel Tovar.

Em representação do pai, a filha Mafalda Pereira leu um discurso de agradecimento em que vincou que as “palavras são sempre poucas para retribuir toda a amizade” que lhe dedicaram. “Não fiz nada sozinho. Tive sempre ao meu lado grandes profissionais que com muita abnegação e sportinguismo me acompanharam na descoberta de talentos”, apontou.

image

VIDA DE AURÉLIO PEREIRA CONTADA EM LIVRO

SPORTING 14:30

Ao longo de três anos, e em co-autoria com o jornalista Rui Miguel Tovar, Aurélio Pereira, histórico treinador e responsável pela formação do Sporting, escreveu um livro de memórias, recheado com histórias inéditas. Revelações sobre como foram descobertos, entre outros, Cristiano Ronaldo, Luís Figo ou Paulo Futre, este num torneio em Alvalade com idade falsificada; ou histórias menos conhecidas, como a escapa romântica que revelou Jorge Cadete ou as férias em Troia, onde um jovem Dani impressionou o treinador.

A apresentação do livro Ver para Crer decorreu esta quinta-feira, na Cidade do Futebol, num livro editado pela Contraponto e com a chancela da Federação Portuguesa de Futebol e do Sporting. «Este é um livro especial sobre bondade, e essa bondade elevada é algo que destaco em Aurélio Pereira. Uma pessoa delicada, simpática, um pesquisador de talento, e que descobriu alguns dos maiores talentos do futebol europeu. Teremos sempre uma dívida de gratidão para com Aurélio Pereira», afirmou Fernando Gomes, presidente da FPF.

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, não esteve presente, mas enviou uma mensagem em vídeo. «Este é um momento marcante e justo. Foi um prazer partilhar tantas histórias na Academia, primeiro como Diretor Clínico, depois como presidente. Aurélio Pereira é uma lenda da história do Sporting, devemos muito a Aurélio Pereira», destacou Frederico Varandas. Ausente por motivos de saúde, Aurélio Pereira foi representado pela família, com a filha Mafalda Pereira a agradecer em nome do pai.

A apresentação contou com depoimentos em vídeo de José Mourinho e de Dolores Aveiro, mãe de Cristiano Ronaldo. Paulo Futre esteve presente e manifestou gratidão eterna pelo treinador que o descobriu. «Tenho o privilégio de ter sido o primeiro craque mundial a ser descoberto por este génio. Se não fosse ele, hoje era bate-chapas no Montijo. Ninguém via o talento tão rápido. Se Aurélio Pereira tivesse nascido na Catalunha, hoje tinha várias estátuas, não apenas uma, várias», frisou o antigo internacional português.

Futre, Varandas e Mourinho elogiam legado de Aurélio Pereira: «Se não fosse ele, era hoje bate-chapas no Montijo»

Apresentação do seu livro ‘Ver para Crer - Memórias de descoberta e formação de talentos’

O legado de Aurélio Pereira, o ‘senhor formação’, foi esta quinta-feira enaltecido por diversas figuras do futebol português, como o antigo futebolista Paulo Futre, o treinador José Mourinho e o presidente do Sporting, Frederico Varandas.

O mote foi dado com a apresentação do livro ‘Ver para Crer - Memórias de descoberta e formação de talentos’, de Aurélio Pereira, em coautoria com o jornalista e escritor Rui Miguel Tovar, editado pela Contraponto, na Cidade do Futebol, em Oeiras. Por entre diversas histórias sobre a descoberta de alguns dos maiores jogadores portugueses das últimas décadas, como Cristiano Ronaldo ou Luís Figo, sobressaiu a emoção de Paulo Futre no reconhecimento ao histórico responsável pelo departamento de prospeção do Sporting.

“Tenho o enorme privilégio de ser o primeiro grande craque que ele descobriu e que teve êxito internacional. Se não fosse ele, era hoje bate-chapas no Montijo. Não havia ninguém que visse o talento tão rápido”, afirmou o ex-jogador descoberto por Aurélio Pereira quando tinha apenas nove anos numa equipa do Montijo e que chegou a ser galardoado com a Bola de Prata, tornando-se uma referência ao serviço do Atlético de Madrid.

Perante a família do antigo responsável pela formação leonina - que não esteve presente por motivos de saúde -, Paulo Futre lembrou as noites dormidas no sofá da casa de Aurélio Pereira em estágio para os jogos, os “30 escudos” que o ‘senhor formação’ lhe dava para o lanche e quando este lhe pedia para “fazer o que quisesse” de “filhos e netos dos doutores” do clube, que esperavam tratamento preferencial no recrutamento para acabarem vergados pelos dribles de Futre.

“Há o Bola de Ouro, o Bota de Ouro, mas falta o ‘Olho de Ouro’. Se tivesse nascido na Catalunha tinha várias estátuas”, contou, recordando o momento mais triste da relação entre ambos: “Quando fui para o FC Porto, ele merecia que lhe tivesse ligado. Soube pelos jornais. Não falei com ele, porque ele dava-me a volta na altura… se eu falo com ele, não tinha arrancado para o Porto. Foi a primeira vez que o vi magoado comigo”.

O reconhecimento do trabalho de Aurélio Pereira pelo Sporting e pelo futebol português foi também feito através de uma mensagem de vídeo do presidente do clube de Alvalade, Frederico Varandas, que evocou o “prazer” de todos os minutos partilhados com o antigo responsável pela formação na Academia de Alcochete.

“É um momento marcante e muito justo da sua carreira. O Aurélio [Pereira], muito mais do que um amigo, é uma figura e uma lenda da história do Sporting. A história do Sporting deve muito ao Aurélio e, em meu nome pessoal e em nome do Sporting, muito obrigado, Aurélio”, declarou o líder leonino.

“Falar do Aurélio é muito fácil, no futebol é tão difícil haver unanimidade, mas ele tem. Uma lenda do futebol português, que lhe deve tanto e muitas estrelas. Um enorme abraço de respeito e admiração e o meu obrigado pelo que fez pelo nosso futebol”, afirmou José Mourinho, agora ao comando da Roma, igualmente numa mensagem enviada por vídeo.

Por sua vez, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol enalteceu a dimensão humana do ex-responsável pela formação leonina além dos frutos do seu trabalho ao longo de décadas, nos quais descobriu ou trabalhou com 62 internacionais pela principal seleção de Portugal, incluindo, entre outros, João Moutinho, Rui Patrício, Beto, João Mário, Peixe, Nani e William Carvalho.

“Este livro é uma peça fantástica de uma pessoa que nos ensina a bondade e que nos atira para uma dimensão em que o queremos seguir. Deu exemplos de atletas de dimensão europeia e mundial. Só podemos ter uma palavra de gratidão pelo que representou no Sporting, no desporto e na Federação. Muito obrigado, Aurélio”, frisou Fernando Gomes.

Para o coautor do livro, que revelou ter-se cruzado pela primeira vez com Aurélio Pereira quando tinha apenas sete anos, numas férias em Tróia nas quais viria a ser descoberto o ex-internacional português Dani, escrever a obra foi “intimidante” pela dimensão do impacto do ‘senhor formação’ em tantas pessoas.

“Ele é história. É uma pessoa que mexeu com a vida do Paulo Futre, do Ricardo Quaresma, do Ronaldo… E ao mexer com a vida de Ronaldo, mexeu com a vida da mãe e do pai do Ronaldo e com a vida da própria Madeira. O Aurélio era o pai espiritual de toda a formação do Sporting. Dá para perceber a imensidão deste homem e que não tem o reconhecimento devido lá fora, porque sempre foi muito recatado”, resumiu Rui Miguel Tovar.

Em representação do pai, a filha Mafalda Pereira leu um discurso de agradecimento em que vincou que as “palavras são sempre poucas para retribuir toda a amizade” que lhe dedicaram. “Não fiz nada sozinho. Tive sempre ao meu lado grandes profissionais que com muita abnegação e sportinguismo me acompanharam na descoberta de talentos”, apontou.