As crianças da ex-URSS

Acontecer isso a uma criança é uma tragédia , mas quando é um jornal cubano a falar disso é pura propaganda :

Um jornal que não fala ou nunca falou certamente destes:

“During the 1920s children could be seen in every city as beggars, thieves and prostitutes in abandoned buildings, train stations and flophouses, sleeping in the frigid winters by bunching together on the sidewalk, pressed tightly together, like 'a nest of shivering mice.'”

Reports are that between 1920 and 1940 the number of children living on the street were in the range of seven and nine million. It is almost too much to comprehend!

In 1965 Svir, Olga wrote in his book Let Us Understand Russia, “In the decades following the seizure of power by the Communists, there were millions of abandoned, homeless orphans, whose parents had been imprisoned or shot…They were roaming all over the country, hungry and in rags, sleeping under bridges, or wherever they could find shelter, living by begging and stealing in the streets, traveling on tops or between the wheels of railway carriages in quest of food, gathering in packs like little wolves, robbing vegetable gardens, and being shot like wild animals. They were dying by thousands from hunger, sickness, early vice and accidents.”

[url]http://www.micaiah.org/templates/System/details.asp?id=41192&PID=518339[/url]

Alguns sites inclusive falam que os comissários do exercito vermelho chegavam a matá-los para acabar com o problema , o que se passou na Ucrania durante o Holodomor foi então de um terror e crueldade sem limites :

[b]Holocaust by hunger: The truth behind Stalin's Great Famine[/b]

By Simon Sebag Montefiore
Last updated at 1:50 AM on 26th July 2008

The demented Roman Emperor Caligula once mused that if all the people of Rome had one neck he would cut it just to be rid of his troublesome people.

The trouble was there were simply too many Romans to kill them all.
Many centuries later, the brutal Soviet dictator Josef Stalin reflected that he would have liked to deport the entire Ukrainian nation, but

So he found another solution: starvation.
Now, 75 years after one of the great forgotten crimes of modern times, Stalin’s man-made famine of 1932/3, the former Soviet republic of Ukraine is asking the world to classify it as a genocide.
The Ukrainians call it the Holodomor - the Hunger.
Millions starved as Soviet troops and secret policemen raided their villages, stole the harvest and all the food in villagers’ homes.
They dropped dead in the streets, lay dying and rotting in their houses, and some women became so desperate for food that they ate their own children.
If they managed to fend off starvation, they were deported and shot in their hundreds of thousands.
So terrible was the famine that Igor Yukhnovsky, director of the Institute of National Memory, the Ukrainian institution researching the Holodomor, believes as many as nine million may have died.
For decades the disaster remained a state secret, denied by Stalin and his Soviet government and concealed from the outside world with the help of the ‘useful idiots’ - as Lenin called Soviet sympathisers in the West.
Russia is furious that Ukraine has raised the issue of the famine: the swaggering 21st-century state of Prime Minister Putin and President Medvedev see this as nationalist chicanery designed to promote Ukraine, which may soon join Nato and the EU.
They see it as an anti-Russian manoeuvre more to do with modern politics than history. And they refuse to recognise this old crime as a genocide.
They argue that because the famine not only killed Ukrainians but huge numbers of Russians, Cossacks, Kazakhs and many others as well, it can’t be termed genocide - defined as the deliberate killing of large numbers of a particular ethnic group.
It may be a strange defence, but it is historically correct.
So what is the truth about the Holodomor? And why is Ukraine provoking Russia’s wrath by demanding public recognition now?
The Ukraine was the bread basket of Russia, but the Great Famine of 1932/3 was not just aimed at the Ukrainians as a nation - it was a deliberate policy aimed at the entire Soviet peasant population - Russian, Ukrainian and Kazakh - especially better-off, small-time farmers.
It was a class war designed to ‘break the back of the peasantry’, a war of the cities against the countryside and, unlike the Holocaust, it was not designed to eradicate an ethnic people, but to shatter their independent spirit.
So while it may not be a formal case of genocide, it does, indeed, rank as one of the most terrible crimes of the 20th century.
To understand the origins of the famine, we have to go back to the October 1917 Revolution when the Bolsheviks, led by a ruthless clique of Marxist revolutionaries including Lenin, Trotsky and Stalin, seized power in the name of the workers and peasants of the Russian Empire to create a Marxist paradise, using terror, murder and repression.
The Russian Empire was made of many peoples, including the Russians, Ukrainians, Kazakhs and Georgians, but the great majority of them, especially in the vast arable lands of Ukraine, southern Russia, the northern Caucasus, and Siberia, were peasants, who dreamed only of owning their own land and farming it.
Initially, they were thrilled with the Revolution, which meant the breakup of the large landed estates into small parcels which they could farm.
But the peasants had no interest in the Marxist utopian ideologies that obsessed Lenin and Stalin.
Once they had seized their plots of land, they were no longer interested in esoteric absurdities such as Marx’s stages in the creation of a classless society.
The fact is they were essentially conservative and wanted to pass what little wealth they had to their children.
This infuriated Lenin and the Bolsheviks, who believed that the peasantry, especially the ones who owned some land and a few cows, were a huge threat to a collectivist Soviet Russia.
Lenin’s hatred of the peasantry became clear when a famine occurred in Ukraine and southern Russia in 1921, the inevitable result of the chaos and upheaval of the Revolution.
With his bloodthirsty loathing for all enemies of the Revolution, he said ‘Let the peasants starve’, and wrote ranting notes ordering the better-off peasants to be hanged in their thousands and their bodies displayed by the roadsides.
Yet this was an emotional outburst and, ever the ruthless pragmatist, he realised the country was so poor and weak in the immediate aftermath of its revolutionary civil war that the peasants were vital to its survival.
So instead, he embraced what he called a New Economic Policy, in effect a temporary retreat from Marxism, that allowed the peasants to grow crops and sell them for profit.

It was always planned by Lenin and his fellow radicals that this New Economic Policy should be a stopgap measure which would soon be abandoned in the Marxist cause.

But before this could happen, Lenin died in 1924 and Stalin defeated all his rivals for the Soviet leadership.

Then, three years later, grain supplies dropped radically. It had been a poor crop, made worse by the fact that many peasant farmers had shifted from grain into more lucrative cotton production.

Stalin travelled across Russia to inspect supplies and ordered forcible seizures of grain from the peasantry.

Thousands of young urban Communists were drafted into the countryside to help seize grain as Stalin determined that the old policies had failed.

Backed by the young, tough Communists of his party, he devised what he called the Great Turn: he would seize the land, force the peasants into collective farms and sell the excess grain abroad to force through a Five Year Plan of furious industrialisation to make Soviet Russia a military super power.

He expected the peasants to resist and decreed anyone who did so was a kulak - a better-off peasant who could afford to withhold grain - and who was now to be treated as a class enemy.

By 1930, it was clear the collectivisation campaign was in difficulties.

There was less grain than before it had been introduced, the peasants were still resisting and the Soviet Union seemed to be tottering.

Stalin, along with his henchman Vyacheslav Molotov and others, wrote a ruthless memorandum ordering the ‘destruction of the kulaks as a class’.

They divided huge numbers of peasants into three categories.

The first was to be eliminated immediately; the second to be imprisoned in camps; the third, consisting of 150,000 households - almost a million innocent people - was to be deported to wildernesses in Siberia or Asia.

Stalin himself did not really understand how to identify a kulak or how to improve grain production, but this was beside the point.

What mattered was that sufficient numbers of peasants would be killed or deported for all resistance to his collectivisation programme to be smashed.

In letters written by many Soviet leaders, including Stalin and Molotov, which I have read in the archives, they repeatedly used the expression: ‘We must break the back of the peasantry.’ And they meant it.

In 1930/1, millions of peasants were deported, mainly to Siberia. But 800,000 people rebelled in small uprisings, often murdering local commissars who tried to take their grain.

So Stalin’s top henchmen led armed expeditions of secret policemen to crush ‘the wreckers’, shooting thousands.

The peasants replied by destroying their crops and slaughtering 26 million cattle and 15 million horses to stop the Bolsheviks (and the cities they came from) getting their food.

Their mistake was to think they were dealing with ordinary politicians.

But the Bolsheviks were far more sinister than that: if many millions of peasants wished to fight to the death, then the Bolsheviks were not afraid of killing them.

It was war - and the struggle was most vicious not only in the Ukraine but in the north Caucasus, the Volga, southern Russia and central Asia.

The strain of the slaughter affected even the bull-nerved Stalin, who sensed opposition to these brutal policies by the more moderate Bolsheviks, including his wife Nadya.

He knew Soviet power was suddenly precarious, yet Stalin kept selling the grain abroad while a shortage turned into a famine.

More than a million peasants were deported to Siberia: hundreds of thousands were arrested or shot.

Like a village shopkeeper doing his accounts, Stalin totted up the numbers of executed peasants and the tonnes of grains he had collected.

By December 1931, famine was sweeping the Ukraine and north Caucasus.

‘The peasants ate dogs, horses, rotten potatoes, the bark of trees, anything they could find,’ wrote one witness Fedor Bleov.

By summer 1932, Fred Beal, an American radical and rare outside witness, visited a village near Kharkov in Ukraine, where he found all the inhabitants dead in their houses or on the streets, except one insane woman. Rats feasted on the bodies.

Beal found messages next to the bodies such as: ‘My son, I couldn’t wait. God be with you.’

One young communist, Lev Kopolev, wrote at the time of 'women and children with distended bellies turning blue, with vacant lifeless eyes.

‘And corpses. Corpses in ragged sheepskin coats and cheap felt boots; corpses in peasant huts in the melting snow of Vologda [in Russia] and Kharkov [in Ukraine].’

Cannibalism was rife and some women offered sexual favours in return for food.

There are horrific eye-witness accounts of mothers eating their own children.

In the Ukrainian city of Poltava, Andriy Melezhyk recalled that neighbours found a pot containing a boiled liver, heart and lungs in the home of one mother who had died.

Under a barrel in the cellar they discovered a small hole in which a child’s head, feet and hands were buried. It was the remains of the woman’s little daughter, Vaska.

A boy named Miron Dolot described the countryside as 'like a battlefield after a war.

'Littering the fields were bodies of starving farmers who’d been combing the potato fields in the hope of finding a fragment of a potato.

‘Some frozen corpses had been lying out there for months.’

On June 6, 1932, Stalin and Molotov ordered ‘no deviation regarding amounts or deadlines of grain deliveries are to be permitted’.

A week later, even the Ukrainian Bolshevik leaders were begging for food, but Stalin turned on his own comrades, accusing them of being wreckers.

‘The Ukraine has been given more than it should,’ he stated.

When a comrade at a Politburo meeting told the truth about the horrors, Stalin, who knew what was happening perfectly well, retorted: ‘Wouldn’t it be better for you to leave your post and become a writer so you can concoct more fables!’

In the same week, a train pulled into Kiev from the Ukrainian villages ‘loaded with corpses of people who had starved to death’, according to one report.

Such tragic sights had no effect on the Soviet leadership.

When the American Beal complained to the Bolshevik Ukrainian boss, Petrovsky, he replied: ‘We know millions are dying. That is unfortunate, but the glorious future of the Soviet Union will justify it.’

Stalin was not alone in his crazed determination to push through his plan.

The archives reveal one young communist admitting: ‘I saw people dying from hunger, but I firmly believed the ends justified the means.’

Though Stalin was admittedly in a frenzy of nervous tension, it was at this point in 1932 when under another leader the Soviet Union might have simply fallen apart and history would have been different.

Embattled on all sides, criticised by his own comrades, faced with chaos and civil war and mass starvation in the countryside, he pushed on ruthlessly - even when, in 1932, his wife Nadya committed suicide, in part as a protest against the famine.

‘It seems in some regions of Ukraine, Soviet power has ceased to exist,’ he wrote.

‘Check the problem and take measures.’ That meant the destruction of any resistance.

Stalin created a draconian law that any hungry peasant who stole even a husk of grain was to be shot - the notorious Misappropriation of Socialist Property law.

‘If we don’t make an effort, we might lose Ukraine,’ Stalin said, almost in panic.

He dispatched ferocious punitive expeditions led by his henchmen, who engaged in mass murders and executions.

Not just Ukraine was targeted - Molotov, for example, headed to the Urals, the Lower Volga and Siberia.

Lazar Kaganovich, a close associate of Stalin, crushed the Kuban and Siberia regions where famine was also rife.
Train tickets were restricted and internal passports were introduced so that it became impossible for peasants to flee the famine areas.

Stalin called the peasants ‘saboteurs’ and declared it ‘a fight to the death! These people deliberately tried to sabotage the Soviet stage’.

Between four and five million died in Ukraine, a million died in Kazakhstan and another million in the north Caucasus and the Volga.

By 1933, 5.7 million households - somewhere between ten million and 15 million people - had vanished. They had been deported, shot or died of starvation.

As for Stalin, he emerged more ruthless, more paranoid, more isolated than before.

Stalin later told Winston Churchill that this was the most difficult time of his entire life, harder even than Hitler’s invasion.

‘It was a terrible struggle’ in which he had ‘to destroy ten million. It was fearful. Four years it lasted - but it was absolutely necessary’.

Only in the mind of a brutal dictator could the mass murder of his own people be considered ‘necessary’.

Whether it was genocide or not, perhaps now the true nature of one of the worst crimes in history will finally be acknowledged.

• Sashenka, a novel of love, family, death and betrayal in 20th century Russia, by Simon Sebag Montefiore, is out now.

[url]Holocaust by hunger: The truth behind Stalin's Great Famine | Daily Mail Online

Green Lion, acho que já andas cá há tempo suficiente para saberes quando estás a entrar em Off Topic.

Se a memória não me falha, o canal Odisseia produziu um documentário acerca dessas crianças. Triste, mais um ponto a favor da URSS e da economia planeada e centralizada.

Aliás, ainda hoje se estima o número de crianças de rua na Rússia em mais de 800.000. A Índia tem em mãos outro problema similar, embora os números sejam ainda piores, vários milhões. O Governo tem encetado vários programas de ataque à pobreza, mas é, infelizmente, muita criança, não esquecendo os restantes pobres, homens e mulheres, de várias idades.

Crescimento económico elevado serve para combater este tipo de situações. Um projecto igual “Bolsa Familiar”, projecto anti-pobreza lançado por Lula da Silva, seria fulcral.

Sobre a Fome Ucraniana (Holodomor), ainda hoje é negada a sua existência por vários círculos comunistas, sendo que Lenin, quando iniciou a colectivização e a obrigatoriedade de os agricultores “doarem” a sua colheita, é o “arquitecto” desta atrocidade, com Stalin a recolher a expandir os seus efeitos e consequências. Aliás, fome foi sempre algo presente na URSS, esse local tão apreciado e recordado com nostalgia por muitos… que acabou em Chapter 11, recordando a todos que o modelo verdadeiramente Socialista funciona (não!!).

?? Então mas ele abriu um tópico para isto e tá off-topic? Acho um bom tema para se discutir

Quanto a mim podemos discutir mortos que se estivessem vivos teriam mais de 90 anos, enquanto ignoramos aqueles que hoje em dia são torturados, violados e sabe se lá mais o que, somente porque:
Gostamos dos filmes oriundos do pais torturador.

Temos um crush por um celebridade oriunda do país torturador.
Gostamos muito das equipas de basquetebol do país torturador.

Estamos convencidos que o país torturador é um beacon da liberdade, quando não passam do maior produtor de armas mundial, responsaveis por milhares de mortos por ano…

Que eu saiba o Stalin já não mata ninguém. Acabou-se, bang bang tá morto e enterrado.

*** MENSAGEM EDITADA ***

[mod=Administrador]Agradeço que não tornem este tópico num local de destilar ódios. Em especial ao Yazalde70, Green Lion 1906 e McCandless, eu penso que andam a brincar com o fogo, porque um dia destes um de nós na administração farta-se em definitivo e aplica aos três o que costuma ser aplicado aos infiltrados.[/mod]

Como é que um post de abertura de tópico pode ser off topic?

O que mais me admira é desculpabilizar-se acções de uns e culpabilizar-se acções de outros.

Os uns são o demónio, os outros são esquecidos porque já morreram.

Andamos aqui à uns tempos a discutir quem mata quem e chega-se à conclusão que todos matam. Sabemos que os EUA matam, até está previsto na lei penal de muitos estados a execução de prisioneiros. Sabemos que a Rússia mata. Sabemos que Israel mata. Sabemos que a Palestina mata. Sabemos que o Brasil mata. Sabemos que Portugal mata. Sabemos que o Irão mata. Sabemos que a África do Sul mata. E podia aqui nomear todos os países do mundo.

Agora faz-me impressão uns aqui laminarem a verdade e só apontarem o dedo a quem lhes convém, varrendo para debaixo do tapete aqueles que preferem que continuem no esquecimento.

O país torturador que apregoam, foi o garante da liberdade nos últimos 50 anos. E esse país torturador por duas vezes foi atacado sem razão aparente, Pearl Harbor e Twin Towers. E depois queixam-se que apliquem a força para que tais situações não se voltem a repetir.

Já se sabe que os países muçulmanos não toruram ninguém. Os apedrejamentos e as forcas são só atrações turísticas. Cuba é um paraíso, onde todos vivem em liberdade, não se percebendo porque é que tantos “traidores” arriscam a sua vida e a dos seus para de lá sair.

A Venezuela é um paraíso, não há crime, não há drogas, pode-se passear na rua sem medo de se ser raptado ou baleado.

Israel é um paraíso, pode-se apanhar um autocarro na baixa e o condutor pergunta:

  • Quer o bilhete normal ou o expresso?
    -Qual é a diferença? Perguntamos nós.
    -O normal leva-nos de A a B em 2 horas, o expresso leva-nos de A a B,C,D,E,F,G,H,I,J,K,L,M,N,O,P,Q,R,S,T,U,V,X,Y,Z em 2 segundos. E com o bónus de permitir uma vista aérea da cidade.

Já falta a paciência.

Para já eu não abri este tópico , coloquei isto no tópico do Yazalde da criança de Guantanamo , porque o mesmo revelou como uma das fontes , um jornal cubano , que por motivos óbvios nunca referiria isto , ou seja trata tudo o que refere aos EUA como pura propaganda , nestas coisas há que ser rigorosos e sérios.

Eu ao contrário de outros não abro tópicos de propaganda , o Estado Novo , é um exemplo disso , se vocês estão fartos , porque não começam por fechar alguns tópicos de propaganda que andam para aí , é preciso dizer , quais ?

Não ofendi nem tratei mal ninguem , por isso não entendo essa tua referência a mim , ainda para mais comparando com infiltrados , eu já disse aqui antes se estiver ou algum dia estiver à mais avisem-me que eu saio ou até desvinculem-me , agora dispenso ameaças destas ao mais puro estilo autoritário , até porque aqui acho que já somos todos bem grandinhos.

E tambem não estou para pagar a fava pelo mau comportamento de outros.

E se pudesse encerrava já este tópico , já que me foi atribuída a abertura , mas infelizmente não posso.

E já agora aproveito para tirar umas férias de forum , volto em Setembro se ainda me quizerem cá.

Em todos o lado se discute quantos crianças morrem aos pés de governos considerados ideais e perfeitos, Já morreram crianças e continuam a morrer infelizmente por tudo o mundo. Tenho uma criança em mãos e sei o que é isso no sentido de sofrimento.
Agora estar a procura de factos na historia para desacreditar ditaduras e qual foi a melhor é que me parece despropositado, porque não vamos discutir qual foi o ditador que assassinou mais pessoas, acho que não vale a pena estar sempre a procura de conflitos para picar a outra parte da discussão. Apesar de ser de esquerda, tenho felizmente televisão e Radio, para perceber o que se passa no mundo.
Não julguemos nós, que existe um ideal de democracia, porque não minha opinião isso não existe…
:offtopic:

Não concordo com o encerramento do tópico, Apesar de não me rever em algumas posições do Green Lion, Yazalde e Atlantian não nego que a discussão muita vezes é interessante…

Estou como tu. Em Setembro há mais, para mim se calhar um pouco mais cedo. :beer:

Eu aproveito para pedir desculpa ao Paracelsus, mas não acho que tenha insultado ninguém, compreendo que possam não ter gostado dos exemplos dados ou das metáforas utilizadas, nem pretendo fugir a minha parte da responsabilidade, no entanto não quero estar alargar mais o caso.

Quanto ao ir de férias, não vejo porque razão deva eu fazer tal coisa e aproveito para desejar um pronto regresso a todos aqueles com destino marcado.

Just my two cents:

Parece que segundo o que já disseram neste tópico há uma tentativa de atribuir o titulo de politico/país mais assassino da história. Bem, nesse aspecto, é mais um “venha o diabo e escolha”. Enquanto que uns matam em nome da “liberdade”, o que pode ser um dos objectivos, é garantido que não se metiam em aventuras nos países do Médio Oriente sem pensarem, inicialmente, que iam ter outros benefícios da sua “passagem” por lá. Já os outros que matam em nome de Deus, é um tentativa de impedirem a ocupação/exploração daquele espaço pelos “infiéis”. Já que não tem os números suficientes para tentar vencer num confronto directo com as tropas europeias e americanas, tentam causar danos nos adversários da única forma que conseguem: terrorismo. Agora dizer que uns são os assassinos e os outros os defensores da liberdade, é tudo muito à base da perspectiva.

Na minha opinião, para esse tal “título”, é melhor mesmo ficar pelo “venha o diabo e escolha”

Pearl Harbor até concordo mas as Torres Gémeas é que nem de perto >:(

Achas que por ser um jornal cubano é propaganda? O caso do jovem de Guantánamo já foi notícia em toda a imprensa internacional e é bastante seguido no Canadá, e os factos são o que são.

Mas incrível é usares o sofrimento da população soviética dos anos 30 para “responder” ao caso do jovem em Guantánamo. É repugnante estar-se a atirar o sofrimento duns para cima do sofrimento dos outros, como se um legitimasse o outro.

Sinceramente, haja decência.

Não é propaganda, não. A notícia é verdade, isso é inegável. Porém, é também o noticiar de algo que defende a linha política do regime cubano, reconhecido por suprimir direitos e vidas humanas. Porque notícias ou artigos de opinião sobre o famigerado “paredón” de Fidel, nem pensar. Notícias sobre os ataques da China aos monges tibetanos, a mesma coisa. Notícias sobre os milhares de presos políticos, idem.
O que não deve faltar em Cuba, infelizmente, é casos como este. Regressando à notícia em si, é triste que tal aconteça e este é um caso que conhecemos, pois muitos outros haverão.

Em relação ao sofrimento do povo soviético, acrescenta aí anos 40, anos 50, anos 60, anos 70, anos 80 e anos 90 (antes também não estavam bem, durante o czarismo). Ainda hoje aquilo não se recomenda, a não ser que sejas um oligarca mafioso que compra empresas estatais virtualmente à borla, literalmente roubado o povo (culpam o capitalismo, veja-se), ou amigo de um político qualquer.

Penso que isto responde à questão do McCandless, e do Atlantian também, quando vier de férias. Podem continuar, dentro do tópico, por favor.

Concordo em principio com tudo aquilo que disseste em relação a União Soviética e em parte sobre Cuba também, mas esqueceste de considerar os motivos porque os Cubanos foram obrigados, e ainda hoje o são, a manter uma segurança muito mais apertada do que um estado de igual proporção e importância geopolítica. Sabes tão bem quanto eu que a C.I.A. dá dinheiro a qualquer psicopata que diga ser inimigo do Fidel, não podes ignorar esse facto, que aliás também é amplamente divulgado na imprensa internacional, mas apenas no que toca as tentativas de assassinato ao Fidel. Embora se esqueçam sempre de assuntos bastante mais relevantes, como este ,por exemplo. Aposto que nem 2% dos que aqui passam ouviram falar desse caso.

Quanto a “noticia Cubana”, se forem ao tópico da Criança de Guantanamo, verão que a única contribuição que lá está do site Cubano é a primeira foto.

Foto essa que escolhi devido ao tamanho e devido a ter uma imagem com duas fotos. Uma da criança quando tinha onze anos ao lado de uma outra foto mais actual, onde aparenta ter dezanove ou vinte anos, já com barba. Podia ter escolhido para iniciar o tópico uma foto do miúdo com apenas onze, mas não me pareceu correcto. É a tal coisa, nunca estão contentes com nada.
Aliás o texto do site Cubano era muito mais implacável para com os EUA do que o texto que usei, o texto da BBC Canadiana, não aparecendo referencia alguma no no post inicial ao artigo Cubano, mas sim a origem da foto.

Se ficar a espera de uma desculpa por fazerem tempestades num copo de água, devido ao lerem tudo na diagonal, bem posso esperar sentado.
No entanto não guardo rancores a ninguém, e fico contente desde que se possa ter uma discussão informada e educada.

Terrorista é tanto o suicide bomber como o piloto do F16, depende de que lado da barricada te encontras. Como aliás já observaste e muito bem no teu post, Raimundo.

Dizer que os EUA foram o garante de liberdade dos últimos 50 anos não é muito correcto, mesmo vivendo nos países clientes dos EUA, como nós vivemos, mas não vou discutir esse aspecto agora.
O que me parece impossivel é dizer que os EUA foram o garante de liberdade dos ultimos cinquenta anos, por exemplo na Nicarágua, onde chegaram a ser condenados pelo World Court, como podem ver aqui.

"The Court found in its verdict that the United States was “in breach of its obligations under customary international law not to use force against another State”, “not to intervene in its affairs”, “not to violate its sovereignty”, “not to interrupt peaceful maritime commerce”, and “in breach of its obligations under Article XIX of the Treaty of Friendship, Commerce and Navigation between the Parties signed at Managua on 21 January 1956.”

Logicamente que também não foram nenhum garante de liberdade no Vietname, Laos e Cambodja onde mataram entre cinco e três milhões de pessoas.

Em Timor Leste também não me parece que tenham sido um garante de liberdade, como aliás há aqui no forum quem saiba melhor que eu, e até já aqui tem falado do assunto com mais insight que muitos artigos de jornal.

Vir falar em 9-11, é no mínimo, inoportuno quando se tenta fazer este argumento pelos EUA, visto que como muitos sabem e outros deveriam saber, 9-11-73 foi quando os EUA bombardearam e mataram o Presidente democraticamente eleito do Chile, Salvador Allende, instalando no poder um criminoso da pior espécie chamado Pinochet, que dispensa apresentações, usando o Chile como cobaia de ensaio para as politicas económicas neo liberais que acabaram por se espalhar pelo mundo inteiro, tendo como resultado o espectacular colapso de 2008, como o Daniel pode explicar melhor, sabendo eu que até nutre alguma simpatia pelo Salvador Allende e as suas atribuladas tentativas de trazer um melhor nivel de vida aos Chilenos.

Este mesmo padrão de golpe de estado seguido por uma ditadura militar foi repetido por imensos paises, como a Guatemala, El Salvador, Argentina e Brasil, só para citar os casos mais gritantes onde os EUA foram tudo menos um garante da liberdade, muito pelo contrario já que é incontornável que sem EUA não teria havido ditaduras militares controladas por elites a subjugarem as massas por todo o Continente Americano.

E a liberdade que se goza no Iraque, Afeganistão, Paquistão, Faixa de Gaza e resto dos Territórios Ocupados, Líbano, Egipto, Síria, Arábia Saudita e Jordânia?? Tudo isto países que ou se encontram ocupados na totalidade/em parte pelos EUA e aliados
OU estão sob controle de ditaduras brutais, algumas fundamentalistas mas todas elas apoiadas pelos EUA…Nah, nao me parece que se goze muita liberdade por aí.
Como já sei que me vão perguntar pelos Iranianos, aconselho-vos a informarem-se sobre o Xá do Irão, outro ditador posto no poder pelos EUA e UK para beneficiar as multi nacionais do petróleo, tendo sido destituído do poder pela Revolução Islâmica. Queria só sublinhar que antes dos EUA e UK organizarem o golpe de estado que coloca o Xá no poder, os Iranianos viviam numa democracia, não eram a Suécia, mas não eram uma republica Islâmica, muito pelo contrario, eram uma sociedade secular.

Cada vez é mais evidente que estamos a falar da nossa “liberdade” em detrimento da “liberdade” dos outros.

Georgia e South Ossetia? Onde para elevar as chances do McCain contra o Obama nas eleicoes para Sheriff Global, a administração norte americana arriscou começar um conflito que podia e pode originar a IIIGM. Parece-me que já deixamos de considerar liberdade para considerar a sobrevivência da espécie humana, que a este ritmo e com a fantástica liderança dos EUA é capaz de não durar outros cinquenta anos, quando mais gozar-los em liberdade.

Nao se deixem enganar, usem o vosso raciocínio.


Quero pedir desculpa pelo assunto se ter arrastado até uma zona firmemente ancorada em aguas off topic, não foi com essa intenção, mas sim porque o assunto era genuinamente fluido, sendo difícil de conter nos termos apresentado pelo post inicial