A saia da Carolina tem um lagarto pintado

Fazendo jus ao sentido de oportunidade que caracteriza os pasquins desportivos e a comunicação social em geral, escreve-se hoje, um dia depois da qualificação do FCP para os quartos da Champions, a seguinte pérola, para gáudio de lagartos, lampiões e anti-Andrades em geral:

[b]"Carolina Salgado afirmou hoje na TVI que Pinto da Costa recebia em casa, entre outros, os árbitros Martins dos Santos e Augusto Duarte para “preparar os jogos”, e que se estes “se portassem bem”, recebiam dinheiro e favores de “meninas” como recompensa.

A mulher que viveu com o líder portista durante 6 anos lançou hoje um livro autobiográfico em que trata a relação terminada com um dos homens mais influentes do futebol português, e fez afirmações graves às câmaras da privada.

“Eram reuniões normais para preparar os jogos, como toda a gente sabe, incluindo os portistas: eles que me perdoem, mas enquanto clube continuar a ganhar… Os árbitros eram pagos para isso; se se portassem bem, depois ainda tinham umas meninas para os acompanhar, beber uns copos… Era a recompensa”, avançou, sobre as afirmações contidas no livro a antiga companheira de Pinto da Costa.

No seu livro, Carolina Salgado esclarece que o presidente do FC Porto, “por ser muito cuidadoso, nunca falou com um árbitro ao telefone, nem precisava de o fazer, visto que eles iam lá a casa confraternizar.”[/b]

in Recorde

Data: Quinta-feira, 7 Dezembro de 2006 - 21:11

A inveja é terrível. E uma fêmea com sede de vingança pelo meio, então, ui ui… :lol:

E se for verdade?

Pelo menos a voz dos telefonemas é dele.

Se for verdade? Mais exagero, menos exagero não tenho duvida que é verdade. :roll:

Aliás não há nada de novo, ela revela apenas por vingança pura e ainda podendo ganhar uns trocos com isso.

O único factor positivo que vejo é que volta a colocar o assunto em cima da mesa.

De resto é para o Pinto da Costa anunciar que vai processar a Carolina, ela não vai ter provas… o costume.

E se for verdade?

Pelo menos a voz dos telefonemas é dele.

:lol: mas alguém está a colocar isso em questão? mas quê ainda tens dúvidas que o Zuca-Zuca Cinderela recebia o seu compadre Martins dos Santos e o Augusto Duarte em casa?

o que brilha mais nesta notícia é o seu timing.

Claro que de novo nada traz. Quando muito poderá ser mais uma testemunha contra o Papa, mas daí até provar no tribunal de Gondomar que o facto de eles lá irem jantar implica corrupção desportiva… :lol:

Hum, ok :arrow:

Quando li achei que era eu…já me estava a perguntar o que tinha feito eu xD

Qunado li achei que era eu...já me estav a perguntar o que tinha feito eu xD

Nunca se sabe… :?
:lol:

Qunado li achei que era eu...já me estav a perguntar o que tinha feito eu xD

Nunca se sabe… :?
:lol:

Deves! =P

Carolina Salgado: «Pinto da Costa recebia árbitros em casa» DINHEIRO E MENINAS ERAM A RECOMPENSA

O prometido livro de Carolina Salgado já está nos escaparates. Ao longo de cerca de 150 páginas, a ex-companheira de Pinto da Costa relata a experiência da sua vida de 29 anos, dando particular destaque aos 6 em que viveu lado a lado com o homem que conheceu quando trabalhava no Calor da Noite, bar de alterne da cidade do Porto, e que considerava como “pai” dos seus dois filhos.

Num relato onde não esconde a revolta com muitas coisas que agora considera erradas e injustas, Carolina traça um panorama bastante cinzento dos bastidores do futebol português, denunciando um sem-número de situações obscuras.

“Comparado com o que vivi e passei, o Calor da Noite, o mundo da noite e do alterne é quase como um jardim infantil povoado de inocentinhas criaturas”, revela.

Fuga para Espanha

Entre muitos episódios curiosos, a autora dá grande destaque às incidências do célebre “Apito Dourado”, garantindo que todo o processo provocou enorme agitação em Pinto da Costa. Ainda sobre o mesmo assunto, é revelado que foi o advogado Lourenço Pinto quem, na véspera da ida da Polícia Judiciária à sua casa na Madalena, avisou o amigo do que estava prestes a suceder, ajudando-o a preparar a fuga para Espanha, bem como o regresso para prestar declarações (devidamente ensaiadas) às autoridades.

Carolina adianta ainda que, caso Pinto da Costa tivesse ficado detido após o interrogatório, os membros dos Super Dragões iriam invadir o tribunal para libertar o presidente. Depois, a ideia era voltar para Espanha e esperar, serenamente, que toda a agitação acalmasse…

Martins Dos Santos eram um artista de 1ª apanha…muito nos lixou esse palhaço.

A lata e tanta que ate ja recebeu um dragao de ouro !!!

A questao do PC e do conhecimento geral de todo o Portugal…mas como isto e um pais de brandos costumes…nada se fez e nada se fara.

Lembro-me de a uns anos um jornalista ter feito um livro de seu nome GOLPE DE ESTADIO…em que contava toda a historia do PC e das vitorias do fcporco…

Como recompensa teve o mesmo tratamento que teve o vereador da camara de gondomar…que 2º Carolina o PC o mandou limpar…essse jornalista nao morreu por acaso.

Alias 2º dizem Carolina anda a ter uma vida de terror desde que PC soube que ela iria lançar um livro.

Mas a meu ver o livro e uma maneira de ela se proteger…porque agora se lhe acontecer algo…todos saberam sem duvidas quem tera sido o mandan-te.

Curioso tambem o facto de so agora PC ter admitido que a conheçeu numa casa de alterne…que tambem era do conhecimento publico…pelo menos de quem vive no mundo do futebol.

O pinto da costa tem gente influente em toda a parte, é PJ… e porque nao os tribunais?

Martins dos Santos, que grande supresa… ainda me lrembro do celebre porcos Vs sporting em que acabamos com 8 jogadores :evil:

Mais porcaria, mas o resultado vai ser o mesmo:
Fica tudo na mesma.

Mais porcaria, mas o resultado vai ser o mesmo: Fica tudo na mesma.

E sendo assim, como é que adeptos e sócios dos diferentes clubes (excepto os do Porto) podemos acreditar no futebol?

Pagar quotas e viver numa mentira? é melhor pagar SportTV e apoiar outro clube de outro país ou de outro desporto.

Mais porcaria, mas o resultado vai ser o mesmo: Fica tudo na mesma.

E sendo assim, como é que adeptos e sócios dos diferentes clubes (excepto os do Porto) podemos acreditar no futebol?

Pagar quotas e viver numa mentira? é melhor pagar SportTV e apoiar outro clube de outro país ou de outro desporto.

O pior e que toda a gente sabe a verdade mas não há consequencias.

E desde que ví num país um político que rouba dinheiro da câmera, foge para o Brasil, e quando volta e reeleito. Acredito em qualquer coisa.

[b][size=18px]Sim, Carolina...[/size][/b]

Quando José Mourinho regressou ao Porto, já como treinador do Chelsea, levou seguranças, dizendo: “quando vou a Palermo, tem de ser assim”.

Domingos Amaral

Desde Miguel Sousa Tavares aos Gatos Fedorentos, desde Dias Ferreira às revistas popularuchas de televisão como a TV 7 Dias, o ataque a Carolina Salgado foi avassalador. Mal se soube que a senhora tinha escrito um livro onde contava pormenores sobre a vida com Pinto da Costa e revelava alguns dos métodos do presidente do FC Porto para atingir os seus objectivos, o coro de protestos foi imenso. O tom de superioridade moral da maioria foi espantoso: para quase todos, tratava-se de uma senhora reles, sem carácter, duvidosa. Numa palavra, tratava-se de um alvo a abater, e depressa. A tentativa de assassinato de carácter que toda esta gente fez a Carolina Salgado é reveladora, não só dos instintos machistas grosseiros e boçais que ainda prevalecem por cá, como dos instintos de classe. Carolina Salgado não é uma menina bem, não vem de boas famílias, cometeu muitos erros na vida, comeu o pão que o diabo amassou, deixou-se usar numa guerra suja, meteu a mão na anca quando foi preciso e sujou as mãos quando lhe pediram. Sim, é tudo verdade, e também trabalhou como alternadeira, no Calor da Noite. Porém, isso não a diminui aos olhos do mundo, não lhe retira força. Bem pelo contrário. A vontade expressa de a enxovalharem, de a vilependiarem, é apenas uma estratégia, reveladora de um preconceito fortíssimo, um preconceito vil e ignóbil, daqueles que se julgam virtuosos. É tão fácil atirar-lhe pedras, cuspir-lhe na reputação. Tal como muitos chamaram às vítimas do processo Casa Pia prostitutos e mentirosos, agora também chamam a Carolina tudo e mais alguma coisa. É preciso diminuí-la, desgastá-la, descredibilizá-la. A defesa de Pinto da Costa já começou, e os seus lacaios fazem-lhe o servicinho, tendo por isso como aliados os idiotas úteis do costume. É preciso baralhar o povo, confundir as pessoas, para os imorais triunfarem.

Mas, convém ter bem a noção do que se está a passar. Pela primeira vez em vinte e tal anos, houve um terramoto no Porto. Sim, um terramoto de grau muito elevado. As coisas que Carolina revela, e a coragem com que o faz, são terríveis, e mostram que tudo o que se suspeitava pode bem ser verdade.

Aqui há uns anos, quando José Mourinho regressou ao Porto, já como treinador do Chelsea, levou seguranças, e perguntaram-lhe porque o fazia. Ele respondeu: “quando vou a Palermo, tem de ser assim”. Palermo…Palermo é a capital da Sicília, terra da Mafia, da Cosa Nostra. José Mourinho tinha sido treinador do FC Porto, onde tinha vencido uma taça UEFA e uma Liga dos Campeões. Sabia do que falava. Ele vira, por dentro, como funcionava a casa de Pinto da Costa, quais os métodos e as artes. E falava em Palermo…Pena que não tenha sido mais corajoso, contando o que viu. Coragem essa que não falta a Carolina Salgado, fazendo com isso saltar dos eixos o futebol português. Agora, parece ter chegado o tempo de começarmos a saber o que se passa. Agora, esse poder oculto do futebol português vai submergir, vai ser posto a nu, e vai queimar muita gente.

Agressões a vereadores de Gondomar, conversas com árbitros em casa, gavetas cheias de dinheiro, colaborações secretas com a PJ do Porto, controle das classificações do árbitros, suspeitas de associação criminosa. Ao pé das acusações que caiem sobre Pinto da Costa, Vale e Azevedo parece um aprendiz e no entanto foi parar à cadeia. Veremos se a justiça portuguesa considera mais grave uma burla do que uma associação criminosa.

Mas, nos salões bem pensantes de Portugal, nas redacções dos jornais, nos cafés, o que está a dar é achincalhar Carolina Salgado. Chamar-lhe nomes, gozar com ela, é que é giro. Os portugueses são um povo muito curioso, nunca levam a sério o que é sério, preferem a reputação à substância. Por causa dessa característica antropológica, transformam tudo num espectáculo de circo, sem perceber que assim contribuem para perpétuar uma sujeira e não para a limpar. Mas, enquanto há vida, há esperança. Em Palermo, as coisas também mudaram um dia…

http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/opinion/columnistas/pt/desarrollo/718404.html

Eu sou da opiniao que ela fez isto para se proteger.

E eu vou continuar a ler o livro… até amanhã. :arrow: :wink:

«Apito Dourado» – [b]Maria José Morgado vai coordenar todos os processos[/b]

A procurador-geral da República, Pinto Monteiro, nomeou hoje Maria José Morgado, procuradora-geral adjunta, para «dirigir e coordenar» todos os processos relacionados com o denominado «Apito Dourado».

A Procuradoria-Geral da República fundamenta esta nomeação, segundo uma nota lida em conferência de imprensa, com a necessidade de concentrar a investigação numa única equipa, imprimindo ao processo «uma coordenação eficaz e uma dinâmica e rigor necessários à descoberta da verdade material».

Ainda de acordo com a Procuradoria-Geral da República, o caso «Apito Dourado» «engloba situações, factos e eventuais ilícitos muito diversificados e de grande complexidade processual, que terão ocorrido em várias comarcas». E acrescenta: «Essa dispersão territorial torna difícil a análise, enquadramento e obtenção de resultados no que toca à investigação.»

O livro de Carolina Salgado (ex-companheira de Pinto da Costa), recentemente publicado, acelerou esta decisão, mas não foi determinante, ainda segundo a Procuradoria-Geral da República.

Maria José Morgado, actualmente procuradora-geral adjunta no Tribunal da Relação de Lisboa, dirigiu a Direcção Central de Investigação da Corrupção e Criminalidade Económica e Financeira da Polícia Judiciária, entre 2000 e 2002.

[b]"Sempre que, durante um jogo, o Jorge Nuno achava que o árbitro tinha prejudicado o FC Porto, ligava ao senhor José António Pinto de Sousa, presidente do Conselho de Arbitragem[/b], que lhe atendia o telefone, começando por manifestar a sua indignação perante a incompetência do árbitro, mas acabando sempre por marcar um jantar para fazer as pazes

"O Jorge Nuno alterou-se com o senhor Scolari quando percebeu que este nãocederia às suas vontades. O que incomodava Jorge Nuno era o facto de toda agente ter percebido que o presidente do FC Porto perdera o poder que gostava de ostentar sobre todos os aspectos do futebol português, incluindo a equipa de todos nós. Conheço casas onde o desaire [refere-se à derrota de Portugal na final do Euro 2004 com a Grécia] foi festejado com a abertura de uma garrafa de champanhe. A minha, por exemplo.

Na véspera da sua detenção, que nunca chegou a acontecer, Pinto da Costa contou com uma preciosa ajuda, nada mais nada menos que Lourenço Pinto, advogado do major Valentim Loureiro.

"À mesa fomos informados com pormenor da situação. Na manhã do dia seguinte, uma brigada da PJ iria entrar na nossa casa e na casa de Reinaldo Teles com mandados de busca e de detenção. Foi muito acentuado que os agentes eram de Lisboa, como se por isso o perigo triplicasse, o que não me pareceu uma análise correcta. Quer o Jorge Nuno, quer o Reinaldo Teles ficaram petrificados com as informações. O Reinaldo ficou branco, quanto ao Jorge Nuno, o que ouviu, da boca do dr. Lourenço Pinto, deu-lhe positivamente a volta à barriga. Não havia tempo a perder. O Jorge Nuno tinha de sair do país", diz. Carolina Salgado lembra que ela e Pinto da Costa resolveram deixar o cofre da casa aberto, “numa atitude de descaramento e provocação”.

No dia do encontro, em casa, com o Beira-Mar, a contar para a Liga, Pinto da Costa combinou ir depor. Mas se ficasse detido havia uma estratégia bem montada: “Se, por acaso, Jorge Nuno ficasse detido por ordem da juíza, tal como aconteceu com o major, os Super Dragões invadiriam o Tribunal, destruindo tudo à sua passagem, e libertariam o presidente. Cá fora, eu estaria à sua espera num local previamente combinado e fugiríamos para Espanha, de onde só regressaríamos sabe-se lá quando.”

Entretanto, Carolina recorda que teve o “desprazer de ouvir Joaquim Pinheiro [irmão de Reinaldo Teles] dizer em voz bem alta que se não fosse ele o presidente estava engavetado, devido a uma informação de um amigo seu da PJ do Porto”.

"Explicou-me como deveria actuar, pagando metade do preço à entrada e outra metade à saída, ou seja, antes e depois da agressão. O serviço custava 10 mil euros, dinheiro que me entregou sempre em notas e que retirou de uma grande gaveta da cómoda do nosso quarto, na Madalena, gaveta que, para meu espanto, estava sempre a abarrotar de dinheiro vivo",

“José Mourinho rasgou a camisola do jogador do Sporting, Rui Jorge”
“Este acto do Mourinho provocou a fúria dos adeptos do Sporting, que me insultaram, quando me dirigia para o parque de estacionamento (a que não deveriam ter acesso…), e foi o próprio Rui Jorge que, saindo do seu carro, acorreu em minha defesa, dizendo que eu não tinha nada a ver com o acontecido”

Penso que os sportinguistas não deviam sorrir tanto com estas histórias. Pelo menos aqueles que, por ingenuidade ou falta de vergonha, apoiaram de alguma forma a aliança I e aliança II que tivemos com estes cabecilhas de toda a podridão do futebol nacional, curiosamente feitas já no período em que supostamente fomos geridos por “pessoas de bem”, “diferentes”.