Skip to main content
 
Linha 62: Linha 62:
 
Bruno de Carvalho não baixou os braços e encetou uma serie de providências cautelares no sentido de em primeiro lugar anular as decisões da Comissão Disciplinar e do Presidente da MAG e depois garantir a sua presença n[[as eleições de 2018]] ou impedir a sua realização, intentos que não foram conseguidos pelo Bruno de Carvalho declarou que iria impugnar o acto eleitoral de 8 de Setembro.
 
Bruno de Carvalho não baixou os braços e encetou uma serie de providências cautelares no sentido de em primeiro lugar anular as decisões da Comissão Disciplinar e do Presidente da MAG e depois garantir a sua presença n[[as eleições de 2018]] ou impedir a sua realização, intentos que não foram conseguidos pelo Bruno de Carvalho declarou que iria impugnar o acto eleitoral de 8 de Setembro.
  
Já na fase final do seu mandato a [[Comissão de Fiscalização 2018|Comissão de Fiscalização]] deixou uma recomendação para que Bruno de Carvalho fosse expulso de sócio, que foi seguida pelo [[Conselho Fiscal 2018-22|Conselho Fiscal e Disciplinar]] que se considerou terem sido praticadas múltiplas e gravíssimas infrações disciplinares entre as quais a tentativa de bloqueio de contas e de usurpação de funções.  
+
Já na fase final do seu mandato a [[Comissão de Fiscalização 2018|Comissão de Fiscalização]] deixou uma recomendação para que Bruno de Carvalho fosse expulso de sócio, que foi seguida pelo [[Conselho Fiscal 2018-22|Conselho Fiscal e Disciplinar]] que considerou terem sido praticadas múltiplas e gravíssimas infrações disciplinares entre as quais a tentativa de bloqueio de contas e de usurpação de funções.  
  
 
Bruno de Carvalho recorreu dessa decisão para uma Assembleia Geral que se realizou no dia 6 de Julho de 2019, onde marcaram presença 5190 sócios que confirmaram a decisão do [[Conselho Fiscal 2018-22|Conselho Fiscal e Disciplinar]] com 69,30% dos votos favoráveis à expulsão.
 
Bruno de Carvalho recorreu dessa decisão para uma Assembleia Geral que se realizou no dia 6 de Julho de 2019, onde marcaram presença 5190 sócios que confirmaram a decisão do [[Conselho Fiscal 2018-22|Conselho Fiscal e Disciplinar]] com 69,30% dos votos favoráveis à expulsão.

Edição atual desde as 15h43min de 12 de novembro de 2019

Dados de Bruno de Carvalho Presidente Bruno de Carvalho.jpg
Nome Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho
Nascimento terça-feira, 08 de Fevereiro de 1972
Naturalidade Lourenço Marques - Moçambique - Portugal
Posição Presidente

Neto de Eduardo de Azevedo, autor da "História e Vida do Sporting Clube de Portugal", o jovem Bruno tornou-se sócio do Sporting em 1986, e fez parte da Juventude Leonina e da Torcida Verde, mas antes quando ainda era criança e foi ao Estádio José Alvalade, surpreendeu a família ao manifestar o seu desejo de um dia vir a ser Presidente do Sporting, ao contrário da generalidade dos miúdos da sua idade que normalmente sonhavam ser futebolistas.

Formado em Gestão pelo Instituto Superior de Gestão, Bruno de Carvalho tornou-se empresário no ramo da construção civil, e fez também o Mestrado de Gestão do Desporto de Organizações Desportivas, da Faculdade de Motricidade Humana e Instituto Superior de Economia e Gestão.

Enquanto desportista praticou Futebol, Râguebi e Luta Livre, e tirou os Cursos de Treinador de Futebol da Associação de Futebol de Lisboa Nível I e da UEFA – Nível II.

Foi o fundador e responsável pelo site Centenário Sporting, para além de ser membro activo dos Leões de Portugal, e fundador e Presidente da Fundação de Solidariedade Social Aragão Pinto, IPSS cuja missão é o apoio, desenvolvimento e integração social através do desporto, de crianças e jovens carenciados e deficientes.

Em 2009 foi um dos responsáveis pela reactivação da Secção de Hóquei em Patins do Sporting, da qual passou a ser vice-presidente, função que exerceu durante cerca de dois anos.

Em Fevereiro de 2011 apresentou a sua candidatura à Presidência do Sporting Clube de Portugal, sob o lema “Por um Sporting sem complexos”, aparecendo como o candidato da rotura com o período da história do Clube que ficou conhecido como o “Projecto Roquete”.

Partindo como um desconhecido para a generalidade dos sócios do Sporting, Bruno de Carvalho fez uma campanha forte, e em 26 de Março de 2011 chegou a ser anunciado como o grande vencedor das eleições mais discutidas de sempre na história do Clube, no entanto os resultados finais oficiais acabariam por atribuir a vitória a Godinho Lopes com uma vantagem de apenas 360 votos.

Dois anos depois quando a Direcção do Sporting caiu na sequência de uma grave crise, Bruno de Carvalho voltou a candidatar-se à Presidência do Clube, desta vez sob o lema “Sporting no coração, confiança no futuro” e partindo como o grande favorito à vitória, um cenário que se viria a confirmar quando ganhou as eleições de 23 de Março de 2013, com 53,6% dos votos, tornando-se assim no 42º Presidente do Sporting Clube de Portugal.

Após completar apenas 7 meses e 9 dias como Presidente do clube, Bruno de Carvalho recebeu no dia 1 de Novembro de 2013, o Prémio Personalidade do Ano Desporto, na XII Gala dos Prémios Mais Alentejo.

No final de 2013 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria "Dirigente".

Durante a sua primeira gerência marcadamente presidencialista, levou a cabo com êxito a reestruturação financeira do Clube e da SAD, apresentado resultados positivos nessa área, que levaram uma significativa diminuição do passivo. Começou por reduzir drasticamente os custos com o pessoal e os fornecedores, para depois potenciar as receitas, sendo de destacar nesta matéria as vendas dos futebolistas Islam Slimani, João Mário por valores recorde, o contrato de direitos televisivos e publicidade com a NOS e as receitas de bilheteira, resultantes do facto do estádio ter passado a ter uma taxa de ocupação geralmente superior a 40 mil espetadores.

O número de sócios cresceu substancialmente atingindo os 170 mil, sendo estes números resultantes da aproximação aos adeptos promovida pela sua Direção com iniciativas como regressonumminuto.pt e socionumminuto.pt ou o cartão pré-pago, bem como a criação de vários escalões de quotas adaptados às diferentes possibilidades e anseios dos sócios.

Nesse período foram dados os primeiros passos para a concretização do sonho da construção do Pavilhão João Rocha que viria ser inaugurado em 2017 e em Julho de 2014 a Sporting TV foi para o ar, ao mesmo tempo que se procedia à remodelação e dinamização do site oficial do Clube, do Jornal Sporting e do Museu Mundo Sporting e era criada uma Gala anual onde passaram a ser atribuídos os prémios Leões Honoris Sporting.

Foi também concretizada a promessa de fazer uma auditoria de gestão ao período que ficou conhecido como Projecto Roquete.

Bruno de Carvalho ficou conhecido como "o Presidente sem medo", ao afrontar de uma forma destemida os interesses instalados no futebol português, desencadeando "guerras" com o FC Porto e o Benfica, com o presidente do Conselho de Arbitragem Vítor Pereira, com alguns empresários e fundos que representavam ou detinham percentagens de passes de futebolistas do Sporting e até com sportinguistas, sempre que considerou necessário defender intransigentemente os interesses do Clube, ao mesmo tempo que apresentou propostas que visavam a melhoria do Futebol no seu geral, e que passavam pela regulamentação de todas as áreas da atividade e pela introdução dos meios audiovisuais na arbitragem, desdobrando-se em contactos com diversas entidades e em entrevistas por todo o mundo. Nesse âmbito o Sporting organizou em Dezembro de 2014 e em Abril de 2016 as primeiras edições do Congresso Internacional “The Future of Football”, trazendo para a ordem dia temas como as novas tecnologias na arbitragem ou, a extinção da ingerência dos fundos no futebol.

Bruno de Carvalho foi muitas vezes acusado de ser um homem de temperamento difícil e excessivamente conflituoso, mas simultaneamente granjeou uma enorme popularidade junto dos sócios e adeptos leoninos, graças à sua simplicidade e disponibilidade para o contacto com as massas, conseguindo a proeza de juntar as claques do Sporting na curva sul do Estádio José Alvalade e decidindo atribuir a camisola 12 como exclusiva dos adeptos, que sempre considerou como o principal património do Clube.

Desportivamente no seu primeiro mandato Bruno de Carvalho conseguiu tornar as equipas do Sporting mais competitivas em modalidades como o Atletismo masculino que regressou ao títulos no Corta Mato, o Hóquei em Patins onde o Sporting ganhou a Taça CERS, o Andebol com a conquista de duas Taças de Portugal e uma Supertaça e manteve a hegemonia no Futsal e no sector feminino do Atletismo, onde há a destacar a grande vitória na Taça dos Campeões Europeu de Atletismo em 2016.

Com Bruno de Carvalho o ecletismo voltou a ser um desígnio para o Sporting, sendo de destacar o regresso do Ciclismo profissional ao Clube, depois de 30 anos de interregno e do Futebol Feminino que entrou logo a ganhar tudo, e assim no final da sua primeira gerência o Presidente do Sporting gabava-se de ter 50 modalidades em atividade, 12 das quais no desporto adaptado, uma vertente para a qual foi criado um Gabinete próprio que entrou em funcionamento em Dezembro de 2014.

No Futebol profissional o Sporting encurtou as distâncias para os seus rivais, apesar de ter falhado o objetivo de ser Campeão, vencendo apenas uma Taça de Portugal, uma Supertaça e uma Taça da Liga. Bruno de Carvalho foi sempre um Presidente muito próximo da equipa, ao ponto de ir para o banco como delegado aos jogos, uma opção que nem sempre foi entendida, mas da qual ele nunca abdicou. A sua gestão nesta área foi por vezes contestada, principalmente na política de contratações e teve um momento atribulado devido ao seu mau relacionamento com o treinador Marco Silva, num caso que nunca foi bem explicado. De resto a área da comunicação foi outra área que nem sempre foi consensual durante a Presidência de Bruno de Carvalho.

A contratação de Jorge Jesus foi a sua grande aposta, mas depois de uma boa temporada, a época de 2016/17 correu francamente mal, o que deu aso aos primeiros focos de contestação à sua gerência, numa altura em que se aproximavam as eleições, potenciando o aparecimento de uma candidatura de oposição.

Ainda no Futebol Bruno de Carvalho conseguiu recuperar percentagens de passes de inúmeros jogadores que estavam na posse de diversos fundos e empresários, ao mesmo tempo que foi renovando os contratos com os jovens mais prometedores da Academia Sporting que continuou a ser olhada como a joia da coroa.

No final do ano de 2016, Bruno de Carvalho anunciou a sua recandidatura ao cargo de Presidente do Clube, sob o lema "Sporting no rumo certo", tendo sido reeleito no dia 4 de Março de 2017 com uma vitória esmagadora, traduzida em 86,13% dos votos dos 18755 sócios que cumpriram o seu dever, um número recorde na história das eleições do Sporting Clube de Portugal.

A 27 de Maio de 2017 a equipa de Andebol conquistou a Taça Challenge e Bruno de Carvalho tornou-se no primeiro Presidente do Sporting a conquistar três competições europeias em três modalidades distintas, o que foi realizado em apenas quatro épocas.

Concluído o primeiro ano de vida do Pavilhão João Rocha o Sporting fez o pleno nas modalidades de alta competição vencendo simultaneamente os Campeonatos Nacionais de Andebol, Voleibol, Hóquei em Patins e Futsal. Para além disso em 2018 o Sporting foi Campeão Europeu de Corta Mato em masculinos e femininos e voltou a ganhar a Taça dos Campeões Europeus de Atletismo feminino.

No entanto a entrada para o segundo ano do seu segundo mandato ficou marcada por uma grande agitação com o Clube a ver-se envolvido numa crise que teve como epicentros uma guerra entre o plantel do Futebol profissional e o Presidente, o processo cashball, a invasão à Academia Sporting e os pedidos de rescisão unilateral dos contratos de 9 futebolistas, o que acabou por resultar numa Assembleia Geral extraordinária que levou à destituição da sua Direção.

Assim Bruno de Carvalho tornou-se no primeiro Presidente do Sporting Clube de Portugal a ser destituído em resultado da decisão tomada na Assembleia Geral, que teve lugar no dia 23 de Junho de 2018, na Altice Arena, no Parque das Nações, em Lisboa, na qual participaram 14.735 sócios, dos quais 76,13 % votaram sim à "revogação coletiva, com justa causa, do mandato dos membros do Conselho Diretivo", conforme estava formulada a pergunta no boletim de voto. Por sua vez, 28,64% de votos foram desfavoráveis à destituição.

Bruno de Carvalho não baixou os braços e encetou uma serie de providências cautelares no sentido de em primeiro lugar anular as decisões da Comissão Disciplinar e do Presidente da MAG e depois garantir a sua presença nas eleições de 2018 ou impedir a sua realização, intentos que não foram conseguidos pelo Bruno de Carvalho declarou que iria impugnar o acto eleitoral de 8 de Setembro.

Já na fase final do seu mandato a Comissão de Fiscalização deixou uma recomendação para que Bruno de Carvalho fosse expulso de sócio, que foi seguida pelo Conselho Fiscal e Disciplinar que considerou terem sido praticadas múltiplas e gravíssimas infrações disciplinares entre as quais a tentativa de bloqueio de contas e de usurpação de funções.

Bruno de Carvalho recorreu dessa decisão para uma Assembleia Geral que se realizou no dia 6 de Julho de 2019, onde marcaram presença 5190 sócios que confirmaram a decisão do Conselho Fiscal e Disciplinar com 69,30% dos votos favoráveis à expulsão.

To-mane 03h00min de 24 de Março de 2013 (WET)