Tour 2007 - o Caos

Anquetil- campeão 5 vezes, tomava anfetaminas à maluca e à conta disso morreu com cancro;

O Tour pode ser uma autêntica farmácia mas isso que dizes sobre as anfetaminas e a ligação ao cancro é uma barbaridade :rotfl:

Ok. Posso estar errado em relação aos nomes concretos do que ele tomava, agora a base da história é verdadeira…

Já vi que o Ash levantou a mesma informação sobre a qual ia responder.
O problema é da organização. Eles já sabiam que o Rasmussen tinha somado faltas aos seus controlos. E o que fizeram para impedir a sua participação em provas? Nada.
Só quando a “bomba” rebentou, principalmente após a federação dinamarquesa ter informado que tinha suspenso o Rasmussen, os elementos da organização começaram a pressionar fortemente para que Rasmussen saísse de prova, sem que tenham conseguido arranjar provas de que ele correu dopado, até ao momento. Honestamente, acho isso pouco credível para a imagem do Tour e da organização (onde incluo o Preudhomme).
E quanto à Cofidis, desses não tenho pena. Já se soube demasiado dos esquemas utilizados pela equipa ao longo dos anos, sendo que este ano, quando o director deles abriu a boca em revolta pelo acto do Vinokourov, logo aparece mais um da sua equipa. Coincidência? Eu acho que não…

E este despedimento por parte da Rabobank tambem me parece que existe muita jogada de bastidores , entao alguem acredita que o atleta andava a treinar á socapa da Rabobank e eles nao faziam a minima ideia…mas estamos a falar de ciclismo profissional ou quê? É só a fase de preparacao mais importante para um ciclista que participe no Tour. Nao defendo a inocencia de Rasmussen mas que ele fez uma grande corrida este ano lá isso fez (volto a frisar que durante a corrida nunca foi encontrado controlos positivos sejam de doping , mascarantes ou qualquer outra substancia / processo ilegal).

Ahhh… grandes tempos, com a Festina, a Mapei, a TVM & Co… :think:

Nao tinha, o proprio director do Tour quando confrontado com a situacao do Rasmunssen (ja depois da prova ter comecado) disse textualmente que se soubessem tinham declinado a participacao dele.

A verdade nao e assim tao simples. Voltando a Festina em 1995, uma das muitas coisas dessenterradas foi que o sistema de doping que eles possuiam era financiado pelos corredores. Eram esses mesmos corredores que exigiam o doping. Eram eles que procuravam. A equipa actuava como intermediario, uma das coisas que veio a lume foi que quando nao era possivel encontrar os produtos no mercado negro, eram as outras equipas (nomeadamente a Lotto) que apareciam como fornecedores, a Lotto ainda por ai anda…

Os ciclistas sao confrontados com exigencias sobre-humanas, nunca tiveram de fazer tantas provas , tao duras como hoje em dia, e para conseguir isso , parafraseando o Joaquim Agostinho, ‘as montanhas nao se vencem so com bifes…’.

Os organizadores gostam muito de acusar os ciclistas , mas nem por um momento abdicam das etapas constantes com mais de 200km e algumas com mais de 5 contagens de montanha de 1ª e 2ª categoria. Isso e um dos factores que fomenta o recurso ao doping.

Outro dos factores e que o doping e um negocio, e um negocio a serio. E enquanto der rios de dinheiro, sempre existira.

Quando se acusa unicamente os ciclistas, lembrem-se de alguns factos dos ultimos anos:

  • A ONCE abandona o ciclismo, meses depois descobe-se com a Op Puerto a trama que envolvia a equipa (uma das), a equipa sucessora desaparece por sua vez e transforma-se em Astana, como se sabe…
  • Noticia nos jornais Italianos questiona porque e que a Mapei (uma empresa de cimentos e produtos de construcao) tem um laboratorio farmaceutico, a equipa Mapei fecha dias depois…
  • A Festina todos sabem como funcionava, a TVM idem, e a Lotto era fornecedora e nunca desapareceu do pelotao
  • Os homens que durante os anos 90 se dopavam, sao hoje directores de equipa, ou, pior, alguns dos directores e medicos de equipa dos anos 90 continuam nas mesmas funcoes hoje em dia…

Ha muito mais no doping no ciclismo do que meramente o desejo de vencer…

E para os interessados, acrescentem o Iban Mayo a lista dos dopados, e o vencedor (Contador) a lista dos suspeitos. ::slight_smile:

O mais infeliz disto tudo é que toda a gente sabia ou suspeitava disto…

O dopping não é de hoje…o que aconteceu foi que com as novas técnicas de detecção do dopping, o anti-doping ganhou muito terreno; agora é a vez do doping contra-atacar e arranjar novas formas de enganar os controlos. Com as análises de sangue é possivel controlar quase todas as batotas com quimicos e com transfusões de sangue…mas sobram aquelas que o Rasmusen utilizou (sim, obviamente o gajo dopou-se, não há provas, mas o comportamento é altamente suspeito, ainda para mais se o ciclista sabia que não podia faltar aos controlos e mentiu descaradamente…ele sabia o que estava a fazer…) e que é o fortalecimento muscular com base em drogas como anabolizantes, que depois de limpas do organismo não deixam vestígios, apenas músculos muito mais fortes e corações maiores…

Mesmo olhando para o passado, quantos desses campeões usaram a batota para conseguirem ser campeões? Ninguém fica imune. Mesmo o nosso Marco Chagas, tetra (?) vencedor da Volta a Portugal, foi apanhado 2 vezes, depois é surreal ser entrevistado para falar sobre o doping do Rasmusen :o

Se o rigor do ciclismo fosse aplicado em outras modalidades… era um massacre.

Para mim, que sou um apreciador do tour de France, esta prova foi uma catástrofe i desilusão completa… Primeiro, fiquei muitíssimo desiludido com o Vinokourov, ciclista que eu admirava bastante. Depois, fiquei muito chateado com a expulsão do Rasmussem, que para mim deveria ter terminado a prova, ou então, nunca deveria ter sido aceite, agora assim… >:( Não gosto nada do vencedor, e pelo que se fala hoje, parece que a sua vitoria foi muito “errada”, pelo facto de ele ter ingerido enumeras substancias proibidas, mas aceites pelo seu passado difícil, com muitas doenças.

Espero que para o ano tenhamos um Tour a serio, é que a brincar a brincar, este já é o segundo ano em que ganha um ciclista sem valor para tal, embora este Contador, um dia mais tarde, possa vir a ser realmente bom, mas agora ainda não…

E dura, e dura… A Astana revela-se uma autentica Phonak, aquilo nao para e sempre a bombar… ;D

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1301721&idCanal=56