Tiroteio em Paris

Estado Islâmico reivindica atentado no centro de Paris

Agência de propaganda do grupo terrorista confirmou autoria do ataque em Paris.

O auto-proclamado Estado Islâmico reivindicou a autorida do atentado ocorrido esta quinta-feira na Avenida Campos Elísios, no centro de Paris. A confirmação foi feita através da agência de propaganda do grupo terrorista, Amaq.

“O autor dos ataques dos Campos Elísios, no centro de Paris, é Abu Yussef, o Belga, e é um combatente do Estado Islâmico”, escreve o órgão.

Os dois homens envolvidos no ataque são de origem belga e pertencem à organização central do Daesh, não sendo convertidos, como aconteceu em casos anteriores.

A polícia francesa já tinha o nome do suspeito abatido pela polícia mas estava sob embargo, sendo o nome agora revelado pelo Daesh.

AFP news agency :heavy_check_mark: @AFP
#UPDATE Champs Elysees shooter was known terror suspect: police source

AFP news agency :heavy_check_mark: @AFP
#UPDATE Islamic State group claims Paris shooting: Amaq
10:33 PM - 20 Apr 2017

Recorde-se que um homem saiu, ao final da tarde, a disparar contra um carro de polícia estacionado na Avenida Campos Elísios, matando um agente policial e ferindo outros dois. Na troca de tiros acabou abatido, mas suspeita-se que outro estará em fuga.

O ataque ocorreu pelas 21:00 locais, menos uma hora em Lisboa.

O Presidente francês, François Hollande, confirmou que as pistas apontam para um caso de terrorismo.

https://www.noticiasaominuto.com/mundo/779925/estado-islamico-reivindica-atentado-no-centro-de-paris

[b]Um polícia morto em tiroteio em Paris. Daesh reivindica ataque

Outros dois agentes ficaram gravemente feridos num tiroteio no centro da capital francesa. Atacante foi abatido. Polícia aconselha a evitar Campos Elísios.[/b]

MANUEL LOURO 20 de Abril de 2017, 20:27 actualizada às 22:50

Um tiroteio no coração da capital francesa, nos Campos Elísios, provocou a morte de pelo menos um polícia e deixou outros dois agentes em estado grave. Segundo a porta-voz da polícia gaulesa pelo menos um atacante saiu de um carro e dirigiu-se aos agentes que guardavam a área próxima da estação de metro Franklin Roosevelt, pelas 21h locais (20h em Lisboa), disparando uma arma automática. O jornal Le Monde diz que um transeunte foi também atingindo não sabendo com que gravidade.

O Daesh reivindicou o ataque, informou a agência de propaganda jihadista Amaq, poucos minutos depois de o Presidente francês, François Hollande, se ter mostrado convencido de que este ataque estava relacionado com terrorismo. “Estamos convencidos de que as pistas são de carácter terrorista”.

O atacante, identificado pelo grupo terrorista como Abu Yousif, “o belga”, foi abatido pelas autoridades e a Reuters noticiou que a sua identidade era já conhecida pelos serviços de segurança. Ainda não é claro se o incidente foi provocado por um ou mais atiradores.

Num primeiro momento foi noticiado que um dos polícias feridos tinha morrido mas a informação foi desmentida pelo porta-voz do ministro do Interior, que acrescentou que não está excluída a possibilidade de o ataque ter sido provocado por mais do que uma pessoa.

A unidade de antiterrorismo da procuradoria francesa abriu uma investigação ao caso e a casa do suspeito abatido foi revistada pelas autoridades. Um porta-voz do Ministério do Interior gaulês explicou, em declarações à BFM-TV, que os agentes da autoridade foram deliberadamente atacados mas que é demasiado cedo para concluir os motivos que estiveram na origem do tiroteio. Estas declarações contrariaram a polícia francesa que chegou a afirmar que o incidente foi, “provavelmente”, um “acto terrorista”. A zona dos Campos Elísios foi encerrada, bem como as estações de metro nas proximidades, e as autoridades pediram às pessoas para que não se aproximassem.

Chelloug, assistente de cozinha, contou à Reuters o que viu: “Eu saí da loja da Sephora e estava a andar pelo passeio onde parou um Audi 80. Um homem saiu e abriu fogo com uma kalashnikov contra um polícia”. “O polícia caiu. Ouvi seis tiros, estava com medo. Tenho uma filha de dois anos e pensei que ia morrer. Ele disparou directamente contra o agente da polícia”, afirmou ainda a testemunha.

O primeiro-ministro, Bernard Cazeneuve, já expressou no Twitter as suas condolências ao polícia morto. Dois dos candidatos presidenciais às eleições francesas, Marine Le Pen e François Fillon, cancelaram todas as acções de campanha marcadas para esta sexta-feira.

Bernard Cazeneuve :heavy_check_mark: @BCazeneuve
Hommage au policier tué sur les Champs-Elysées ce soir, pensées à sa famille. Solidarité avec ses collègues blessés et leurs proches.
9:26 PM - 20 Apr 2017

Este incidente acontece a três dias da primeira volta das eleições francesas, agendada para domingo, e enquanto decorria o último debate entre os candidatos presidenciais.

Na passada terça-feira dois homens, de 23 e 29 anos, foram detidos em Marselha. Os dois tinham intenção de agir “nos próximos dias”, disse o ministro do Interior, Matthias Fekl.

Foram detidos por associação criminosa terrorista no âmbito de uma investigação aberta em Paris — e outra em Marselha, que depois se verificou dizer respeito aos mesmos suspeitos. Eram activamente procurados desde o final da semana passada.

Sabe-se ainda que os dois suspeitos foram radicalizados na prisão, segundo indicou fonte policial ao Le Monde.

O ministro do Interior disse antes em entrevista ao semanário Journal du Dimanche que as presidenciais vão contar com uma segurança reforçada com 50 mil polícias e gendarmes, apoiados por militares. A sua preocupação não era apenas o terrorismo de inspiração islamista, mas também “actos de extremistas de qualquer tendência", garantia.

https://www.publico.pt/2017/04/20/mundo/noticia/policia-morto-em-tiroteio-em-paris-1769505

E novidades? Mais uma vez a partilharem a paz e felicidade por onde passam ::slight_smile:

Um ataque a 3 dias das eleições… Até que ponto isto não poderá ser aproveitado pela le pen? :think:

Não sejam assim, isto é mais um caso isolado e tal, a religião muçulmana é pacífica…

List of Islamic Terror Attacks

Culpa do populismo. Eles são pessoas de bem que estão a ser vítimas de um discurso de ódio com matriz islamofóbica. Agora já nem deixam um gajo partilhar um pouco da sua sabedoria…só visto.

apenas mais uma vítima incompreendida da sociedade que não o procurou entender.

Infelizmente, isto já nem choca, pois tornou-se no habitual na Europa, atentados terroristas quase todas as semanas.

Esse é que é o problema… é as pessoas começarem a habituar-se e acharem que é normal viver nesta situação…

E a treta da religião novamente. Estamos a falar de uma organização terrorista que faz uso da religião (de modo distorcido) para engrossar as suas fileiras com pessoas que se disponham a matar inocentes para assim concretizarem os seus objectivos estratégicos. Não passam de uma rede criminosa como tantas outras, só que o modus-operandi é mais destrutivo e tendo por alvo pessoas inocentes.

Lava mais branco


images.jpg