Taça de Portugal | Quartos de Final | Leça FC - Sporting CP [11/01 | 20h45]

Take My Pain Away

Em momento de lamber a feridas resultantes da primeira derrota no campeonato, o Sporting não deu margem para que o Leça ousasse discutir a passagem às meias finais da Taça. Tabata foi o homem do jogo, numa noite onde Ugarte voltou a marcar pontos

Depois da inesperada derrota na sexta-feira, com o Santa Clara, a primeira em competições nacionais para o Sporting 21/22, o jogo contra o Leça exigia que não fossem deixadas margens para dúvidas. Em causa estava não só a passagem às meias finais da Taça de Portugal, como a necessidade de dar uma resposta a uma prestação que, como Ruben Amorim assumiria na conferência de imprensa pós jogo, pecou pela ausência de intensidade, quase como se o Sporting tivesse ido aos Açores com a sobranceria de achar que, a meio gás, traria os três pontos.

O Leça acabou por pagar as favas, colocando um ponto final no conto de fadas que já tinha deixado pelo caminho Gil Vicente e Arouca, pois desde o primeiro minuto o que se viu foi um Sporting apostado em resolver a partida. Amorim apostou numa verdadeira revolução no onze, deixando apenas Matheus Nunes e Gonçalo Inácio dos habituais titulares (Porro seria o terceiro, mas acabou por saltar para a bancada em cima do apito inicial), e aproveitando para fazer regressar à competição Feddal e Vinagre, ambos com ausência prolongada fruto de lesão. Virgínia ficou na baliza, Esgaio substituiu Porro, Ugarte completou o miolo, ficando o ataque entregue a Nuno Santos, Tiago Tomás e Tabata.

Seria precisamente o brasileiro a aproveitar a Taça para promover festa. Jogando como falso 9, Tabata foi claramente o homem do jogo, ou não tivesse marcado dois golos (o primeiro, num grande movimento individual, e o terceiro), oferecido o 0-2 a Matheus Nunes e ainda proporcionado ao redes adversário a possibilidade de fazer a defesa da noite. O 0-4 final seria marcado por Nuno Santos, já com os leceiros sem pernas para sair do seu meio campo, depois de um jogo onde tentaram imitar o que o Portimonense fez em Alvalade, chegando a ter uma linha de seis na defesa. O golo cedo ajudou a desmontá-la, a intensidade e a pressão alta dos Leões (belo jogo de Ugarte, a engolir o meio campo de caixa a caixa) acentuaram as diferenças de andamento e colocaram de lado qualquer oportunidade de haver Taça.

Sem ter que forçar muito, mas fazendo o que tinha a fazer com extrema competência e seriedade, o Sporting teve uma noite descansada, óptima receita para curar as feridas de uma derrota, dando até para a equipa se unir em torno de Esgaio, depois deste fazer a assistência para o 0-3. Os sorrisos voltaram aos verde e brancos (a quase todos, que Tiago Tomás é, hoje, um jogador claramente a precisar de confiança), que agora ficam à espera de saber se encontram Vizela ou fcPorto nas meias finais da Taça de Portugal.

O “Puré de Tabata” já tem um mês. Acho que apareceu a primeira vez que entrou e deu um golaço a marcar, já não recordo agora contra quem, e também usaram quando foi expulso.

Já o “Jamorim” tem meses, desde o início dos jogos do Sporting para a Taça de Portugal.

Vitória fácil e natural.

Seguimos para as meias-finais, onde vamos ter o primeiro teste a sério nesta competição. É, aliás, a primeira vez que vamos encontrar uma equipa da 1ª Liga. E, diga-se, se o Vizela (numa catástrofe para o adversário) elimina o Porto, fazemos uma campanha inteira sem apanhar equipas de maior nível.

(E não, não me estou a queixar)

Alguma vez o Vizela elimina o Porto? Os gajos estão cheios de covid. 12 casos confirmados + 2 que já tinham testado anteriormente e 11 inconclusivos que hoje repetiram o teste. E o jogo vai realizar-se porque os porcos não vão aceitar adiar.

Vamos lá ver o que acontece no domingo, pois jogamos contra eles

1 Curtiu

Duvido seriamente que o Sporting adie algum jogo, caso o Vizela cumpra os requisitos que ainda agora foram aprovados na ressaca daquela vergonha no Jamor.

Se se aprovaram requisitos mínimos, é para se ir a jogo caso os mesmos sejam cumpridos. Não estou a dizer que concordo. Estou a dizer que se não for esse o caso, para que é que se fazem regras?

Jogo de baixo nível de dificuldade, tornado fácil pela seriedade com que encaramos o jogo.

A perseguição habitual da arbitragem, com, se calhar, 1 amarelo bem mostrado e todos os outros praticamente à primeira falta.

Individualmente:

Virgínia: Não transmite segurança. Saídas fora de tempo e precipitado com bola no pé. A sorte, é que vem sendo pouco posto à prova nos jogos que tem feito.

Esgaio: Mais próximo do seu rendimento normal, bem nas assistências. Defensivamente, continua com alguns mais posicionamentos e parece mesmo que jogar com Neto ao lado, não ajuda.

Vinagre: tudo com intensidade exagerada, fintas a mais, centros para ninguém. Não me convenceu ainda. Tirando os vislumbres dos primeiros jogos em que, provavelmente por essa intensidade até daria ideia de que teríamos encontrado uma boa solução, tem sido pouco mais do que fraco.

Neto: Lances em que faz cortes excelentes, outros em que faz disparates. É assim Neto. Capaz de uma grande exibição e capaz de se ver à rasca contra uma equipa de escalões amadores.

Inácio: Pouco dei por ele. Seguro, calmo, tranquilo.

Feddal: Um regresso a bom nível, com boa intensidade para quem veio de lesão. Importante a limpar algumas asneiras.

Ugarte: Bicho competitivo. Entrega, raça, suor, choque, trata bem a bola e sai a jogar com facilidade. Está a tornar-se um caso sério.

Matheus Nunes: Nas suas sete quintas. Com espaço, solta toda a qualidade que tem. Passada larga a comer metros como se estivesse a beber um copo de água.

Nuno Santos: entrega habitual, alguns centros mal tirados, mas competente na maioria das suas acções.

Tiago Tomás: o jogador “menos” de todo o jogo. Deu praticamente zero à equipa.

Tabata: Melhor em campo. Golão, boas movimentações, importante no equilíbrio táctico.

Sim exato. A questão é se aparecem mais casos e o delegado de saúde mete a equipa toda em isolamento.

É assim, infelizmente é injusto, mas se acontecer a nós, também não vão querer adiar, porque são as regras…

Sim, daqui a 1 mês e tal estaremos reduzidos ao campeonato e taça de portugal…não te esqueças que tendo em conta o nível de jogos que vamos apanhar nesse mês e meio não vão existir Leças, Casa Pias, Penafiel , entre outros que permite que exista rodagem.

Vamos entrar numa fase que não vai dar para rodar em nada , daí achar que reforços são precisos para nos ajudarem para esta segunda metade da época. O TT não conta para nada…contra o Santa Clara tiveste o Coates uns 20 minutos a ponta de lança, acho que isto diz tudo. Que o treinador acredita no plantel , etc também acredito, mas não me impede de achar e ele deve achar o mesmo que certos reforços eram bem vindos.

Epá quanto ao Vinagre…se são melhores ou não, devemos ver pela performance deles, mas também ver pelo preço que vem atrás…Zadiu custou 4M, Gilberto 3M…o Vinagre foi avaliado em muito mais que o dobro dos dois juntos e o custo superior aos 2 juntos. Já teve mais que tempo para mostrar alguma coisa. Acho que ai o Amorim já o anda a encostar para não pagarmos o que vem estipulado.

1 Curtiu