Sporting reduz custos com pessoal

[b]Sporting conclui despedimento de 25 funcionários até sexta-feira[/b] por: Isaura Almeida

O Sporting vai levar a cabo mais uma etapa na redução de custos com pessoal, depois de concluir o emagrecimento empresarial. O processo de despedimentos de 25 funcionários - e não 35 como chegou a ser vinculado por um elemento do Conselho Leonino - vai ficar concluído até sexta-feira, segundo o DN apurou.

“Um processo que foi gerido com serenidade, de forma tranquila e justa”, segundo disse ao DN fonte da direcção leonina, não escondendo que houve alguma tristeza de vários funcionários com muitos anos de Sporting na hora da despedida. Um desses casos foi o da ex-atleta do clube Madalena, campeã de ténis de mesa e com muitos anos de ligação aos leões, que trabalhava na secretaria do clube e não esperava ser dispensada. Como este há mais 24 casos, embora nem todos se revistam do mesmo saudosismo.

A maior parte dos funcionários despedidos trabalhavam no Sporting Património e Marketing, um empresa do Grupo Sporting entretanto extinta. O ex-director Pedro Afra é agora director-geral do clube e alguns dos seus funcionários foram distribuídos por outras funções, já que a base de funcionamento da “empresa” deixou de existir.

O marketing do clube está entregue à empresa TBZ (que recentemente adquiriu a gestão da imagem do Real Madrid) e a gestão do estádio (único património do emblema de Alvalade) vai ser feita por outsoursing (contratação temporária de uma empresa extraclube). Aliás na lista de dispensáveis constam alguns engenheiros que tinham responsabilidades na gestão do estádio e do relvado, que tantos problemas deu ao clube nos últimos anos. Há ainda trabalhadores dos serviços administrativos (secretaria, tesouraria e contabilidade). Segundo o DN soube, o clube ofereceu um mês e meio de salário por cada ano de casa a cada trabalhador como base de negociação. Depois cada um chegou a acordo individualmente com mais ou menos tristeza pela saída.

Apesar da redução de custos com pessoal não ser uma imposição dos bancos no âmbito do project finance, é certo que o clube continua a renegociar a dívida do clube.

Ora digam lá se não dá gosto ler uma notícia destas e depois só ler e ouvir maravilhas sobre cash-flows positivos e lucros de 14 M€ que justificam prémios de 86 mil euros a um indivíduo.

Ficamos também a saber que a gestão do estádio vai ser feita por Outsourcing e que o Sporting Património e Marketing deixa de existir (pudera, Património nem vê-lo, certo?), passando o Marketing (aquela “coisa” em que conseguimos a proeza de ter um rendimento miserável e inferior aos rivais) a ser controlado exclusivamente pela TBZ, a mesma dos lampiónicos.

E um facto que se as empresas deixaram de existir os funcionarios tinham um destino obvio.

Nao fica bem e ouvir que os porcos continuam a trinfuar e quam paga pelos erros deles (paredes, farneruds e outros que tais) sao os do costume… mas o george orwell era um visionario e um dia os porcos cairao tambem, e os adpetos que fizeram este clube grande tornarao a levanta-lo dos escombros.

Para além do mau Português (como querem que continuemos a comprar jornais quando a qualidade é tão assustadoramente baixa) o artigo contém uma incorrecção que qualquer pessoa que saiba um mínimo sobre o desporto Português conhece: para além do Estádio, a Academia é também património do Sporting (embora me pareça que a gestão seja conjunta).

Não me chocaria muito haver redução de funcionários, alguns com muitos anos de casa e salários relativamente baixos, se não permancessem lá ainda tantos chulos a mamar charutos e Jameson nos intervalos daquela chatice que são os jogos em Alvalade.

Quanto ao Marketing de um clube que “quer ser tão grande quanto os maiores da Europa” (será que ainda quer mesmo?), fico totalmente sem palavras. Para já não sei se fica mais barato. Mesmo que ficasse, entregar Departamento tão fundamental nas mãos de uma empresa externa - e daqui a uns tempos pode ser uma concorrente - dá bem idéia da incapacidade dos dirigentes do Sporting para organizar o Clube de forma minimamente competente e da leviandade com que tratam assuntos fundamentais.

É uma maneira de ver as coisas, mas neste aspecto concordo com a visão da sad. Na minha opinião, no Sporting, ou em qq empresa, só se tem a ganhar em entregar tudo o que não faz parte do core business a empresas de outsourcing. E core business no sporting tem que ser o futebol e mais nada. Para tudo o resto existem pessoas mais competentes e com mais experiencia. Focar no core business, ser os melhores nisso, e tudo o resto virá como acrescimo.

O “core business” da SAD é o futebol. O clube é muito mais do que isso.

Mesmo que o Sporting fosse um clube só de futebol, seguindo o teu raciocínio: se há gente que percebe muito mais que o Cácá de contratação de reforços, faz-se também um outsorcing de gestores de activos, é?

Eu não discordo de colaborações ou consultoria pontual em departamentos como o Marketing. Agora faria muito mais sentido fazer o Outsourcing da Contabilidade que do Marketing, pois esta última área devia ser absolutamente estratégica (directrizes delineadas pela Administração), e uma fonte potencialmente tão importante de receitas não devia ser objecto de uma captura tão evidente por parte de fornecedores (o ponto sobre a captura é se calhar mais explícito no exemplo de gestão de activos de futebol que dei acima).

O core business do Sporting, para mim é o futebol. Sad, clube, modalidades, só existem à roda do futebol.

A contratação de reforços para o clube de futebol faz parte do core, só temos é que ter os melhores profissionais possiveis nessa area. Se o CF é mediocre, só temos é que arranjar melhor. A ideia não é facil outsourcing daquilo que não fazemos bem, mas daquilo que não é o core.

Core business = área de actividade a que a empresa se dedica, não departamento interno ou divisão interna da empresa.

Assumindo que o core business é o futebol, os vários departamentos da empresa - Pessoal, Marketing, Financeiro, etc - coordenam-se para que o negócio do futebol seja (idealmente) um sucesso.

Estás a cair no erro de dizer que o que interessa é apenas aquilo que está relacionado de forma quase directa com o pontapé na bola. Obviamente que se um clube for ganhador torna-se mais fácil fazer marketing e merchandising, mas mesmo aí profissionais desta área têm influência no alcançar efectivo de receitas. Um bom Marketing não vai salvar um clube perdedor, mas pode fazer muito pelas receitas que alimentam o futebol. É nesse sentido que deveria ser considerado estratégico e o Clube não deveria colocar-se nas mãos de entidades externas, mas preocupar-se em contratar bons profissionais e criar uma cultura de excelência nesse Departamento. Mas como os nossos dirigentes preferem aplicar o carcanhol em uísque e charutos, vão simplesmente por uma solução fácil, que não lhes exige esforço e ainda podem encher a boca com a redução de custos (não comprovada) e o “não temos competências internas”. Se não as desenvolvem, querem milagres?

[quote author=Paracelsus link=topic=8553.msg246072#msg246072 date=1195118656]

[b]Sporting conclui despedimento de 25 funcionários até sexta-feira[/b]

Ficamos também a saber que a gestão do estádio vai ser feita por Outsourcing e que o Sporting Património e Marketing deixa de existir (pudera, Património nem vê-lo, certo?), passando o Marketing (aquela “coisa” em que conseguimos a proeza de ter um rendimento miserável e inferior aos rivais) a ser controlado exclusivamente pela TBZ, a mesma dos lampiónicos.


Excelente medida. :great: O Clube tem que manter a coerência nos seus diversos níveis de decisão. :clap:
Se já temos dirigentes ‘Outsourcing’, porque não atribuir a gestão do estádio também a recursos da mesma natureza.
Só espero que desta vez, seja escolhida uma empresa um pouco mais empenhada do que a que colocou o nosso Presidente (que como sabem só dá 1 hora por dia…)
Convenhamos que 1 hora é pouco, apesar de ser cada vez menos o dito patimónio !
Talvez duas horitas seja melhor. Va lá, só um bocadinho mais de esforço…
Estamos no bom caminho. :smiley:

:rotfl:

Será que também podiamos implementar o outsourcing na equipa de futebol? :slight_smile:

Assim quando os yannicks e os farneruds que têm passado pelo Sporting nos últimos anos deixassem de interessar eram dispensados, não tinhamos que pagar qualquer indemnização, e entravam outros.

Agora mais a sério, o Soares Franco foi muito claro nas últimas eleições, a prioridade é o saneamento financeiro do clube. Os sócios votaram, como tal tem toda a legitimidade. Se querem culpar alguém culpem os sócios.

Contudo, enquanto o Sporting não tiver um presidente que queira de facto ganhar campeonatos e que se dedique 24 horas por dia ao clube muito provavelmente o melhor que vamos conseguir é ficar de vez em quando em 2º lugar. É muito giro dizermos que somos um clube “diferente”, que procuramos ser credíveis, que não se pode ganhar a qualquer custo, etc… eu enquanto sportinguista o que gostava mesmo era de ser campeão. No futebol existe uma lógica bem definida, se o clube ganha não existe crise financeira, se o clube perde logo começam a surgir os problemas. Reparem numa coisa, o Porto tem algum plano financeiro? Não. O Porto farta-se de ganhar títulos? Sim. Alguém diz que o Porto está em risco de bancarrota ou algo do género? Não.

Os dirigentes do Sporting nunca se podem esquecer que estão à frente dum clube desportivo, não estão à frente duma empresa imobiliária. E só faz sentido estar no desporto de competição com o objectivo de ganhar, e um clube como o Sporting, com toda a sua história, com os milhões de adeptos que têm espalhados por todo o país e por todo o mundo, só pode mesmo pensar em ganhar. Tudo o resto é secundário.

Koke, Mota, Alecsandro, Izmailov, Gladstone, Had, Carlos Bueno, Contreras, Kutuzov, Nalitzis, e até Caneira e Rochemback fazem parte de um outsourcing forçado…

Resultado? Não fica nenhum, nem os poucos bons nem os muitos maus.

A.A.

Tiveram foi um custo superior ao rendimento.

Estou com Angel

Assumindo que o core business é o futebol, os vários departamentos da empresa - Pessoal, Marketing, Financeiro, etc - coordenam-se para que o negócio do futebol seja (idealmente) um sucesso.

Estás a cair no erro de dizer que o que interessa é apenas aquilo que está relacionado de forma quase directa com o pontapé na bola. Obviamente que se um clube for ganhador torna-se mais fácil fazer marketing e merchandising, mas mesmo aí profissionais desta área têm influência no alcançar efectivo de receitas. Um bom Marketing não vai salvar um clube perdedor, mas pode fazer muito pelas receitas que alimentam o futebol. É nesse sentido que deveria ser considerado estratégico e o Clube não deveria colocar-se nas mãos de entidades externas, mas preocupar-se em contratar bons profissionais e criar uma cultura de excelência nesse Departamento. Mas como os nossos dirigentes preferem aplicar o carcanhol em uísque e charutos, vão simplesmente por uma solução fácil, que não lhes exige esforço e ainda podem encher a boca com a redução de custos (não comprovada) e o “não temos competências internas”. Se não as desenvolvem, querem milagres?

A todos os níveis, acrescento e gostava muito de por os olhos nesses contratos de outsourcing.

Enquanto os clubes pela europa fora dao cada vez mais importancia aos lucros que poderao resultar da exploracao da sua “marca” (mts deles contratando ex-directores de marketing de multinacionais), o Sporting parece relegar para segundo plano tal possibilidade.

O produto nc e o mesmo e cabe a cada clube ter alguem responsavel pela criacao de novas estrategias e ideias que o diferencie e que dai possam resultar algumas vantagens. Duvido que tal seja conseguido ao entregar a exploracao a uma empresa que ja o faz para um clube rival ( e que deve ter um “sistema” igual para todos).

Talvez o problema estivesse nas capacidades daqueles que faziam parte do departamento de marketing do Sporting (o que n admira…), mas se esse fosse o caso a solucao deveria sempre passar pela restruturacao da equipa e n pela extincao do departamento. >:(

Perfeitamente de acordo com ambos os parágrafos, vemos os tubarões de Espanha e de Inglaterra que são um exemplo para todos os clubes do mundo, em como fazer dinheiro com a imagem do clube, cada vez facturarem mais e mais com esse factor o Sporting pelo contrário deixa de acreditar em si próprio e passa a batata quente para outro lado.

Quando uma empresa não acredita nela mesma, será o consumidor que vai acreditar? :inde:

Com a nova reestruturação diziam que Meireles não era preciso, e não é que agora foram contratar um substituto e ainda por cim às escondidas. Vejam só a redução de custos em acção:

[i]Carlos Fonseca é novo director financeiro
GRUPO EMPRESARIAL JÁ TEM SUBSTITUTO PARA RUI MEIRELES

Carlos Eduardo Arantes Pedroso Fonseca, 53 anos, licenciado em Administração e Gestão de Empresas é, desde o passado dia 1, o novo director administrativo e financeiro da Sporting Património e Marketing, estendendo a sua acção não apenas a esta sociedade, mas a todas as empresas do universo Sporting, a quem prestará consultoria.

Com ligações familiares ao presidente do clube, Filipe Soares Franco, Carlos Fonseca chega ao Sporting pela mão de Filipe Nobre Guedes, principal responsável pela reestruturação do modelo organizativo do clube, que, após a saída de Rui Meireles, terá identificado carências nas áreas de contabilidade, fiscalidade, controlo de gestão e serviços gerais. A médio/longo prazo, o novo director administrativo e financeiro será também responsável pela área dos recursos humanos.

A nomeação deste licenciado em Administração e Gestão de Empresas tem sido mantida em segredo e nem sequer foi comunicada à CMVM, já que, ao contrário do seu antecessor, Fonseca não terá qualquer ligação ao mercado. Nem mesmo ao de jogadores. Contratações e dispensas estão-lhe vedadas.[/i]

in Record

Familiar do Soares Franco… bom critério… :think: ::slight_smile:

Familiar do Soares Franco… bom critério… :think: ::slight_smile:
[/quote]

familia hein?..

E nao so, para quem anda a despedir, afinal teem carencias na area de servicos gerais e outras… :think:

familia hein?..

E nao so, para quem anda a despedir, afinal teem carencias na area de servicos gerais e outras… :think:
[/quote]

Não percebo… O que é quem tem a ver deixar sair pessoas na secretaria ou tratadores de relvados com contratar alguém para a contabilidade, gestão, fiscalidade, etc? E o tipo não pode ser um excelente profissional, mesmo sendo familiar do Soares Franco? Ou se é da familia tem que ser imcompetente?

Eu quando tenho que contratar alguém, lembro-me sempre das pessoas que já conheço e que sei que são competentes.

Mas pronto, isto era só um interludio, podem continuar a malhar…

servicos gerais.

Um director comercial tem as mesmas valências que alguma das pessoas que saiu? Claro que não, né?

Mas alguém tem de explicar por que razão aquando da reestruturação feita se despediu o Meireles porque supostamente com a nova organização a função dele deixava de fazer sentido e como tal reduzia-se o número de altos executivos para baixar custos, e afinal vai-se a ver e eles não reestruturaram nada porque contrataram um subsituto para as mesmas funções e, mais grave que isso, à socapa para ninguém saber.

Afinal em que ficamos? A “reestruturação” foi tão simplesmente o empoleiramento do Pedro Afra e o despachar do Meireles? É isso a que eles chamam “reestruturação”, reorganização e racionalização?

E só hoje já depois de o Record publicar a informação é que lançam uma nota no site confirmando a contratação para não parecer mal, mas sem justificar as razões da sua contratação, e sem apresentar o currículo do homem:

[i]16-11-2007
Heidrick & Struggles seleccionou Director Administrativo e Financeiro

Carlos Arantes Pedroso Fonseca, 54 anos, licenciado em Gestão e Administração de Empresas assumiu as funções de director Administrativo e Financeiro do Sporting Clube de Portugal num processo rigoroso de selecção realizado por uma das maiores empresas internacionais de recrutamento e selecção de profissionais, quadros superiores e gestores de topo, a Heidrick & Struggles.

O novo director Administrativo e financeiro já se encontra em funções.[/i]