Sporting exclusivamente Português?

Não me vou colocar aqui com um discurso muito extenso e vou directo ao assunto:

  • Seria ou não benéfico o Sporting tornar-se um clube apenas com jogadores portugueses?

Muitos dirão que isso seria o fim do clube, que seria a sua renúncia a ser competitivo em nome de um ideal que nunca foi o seu.

A minha pergunta é: consegue o Sporting ser competitivo num mercado global de futebol? E os rivais, acreditam que o conseguirão ser por muito mais tempo? Alguém acredita que clubes como Porto e Benfica são sustentáveis? Não o são, e bastará um período desportivamente negro para o tornar evidente. Não será este mercado global apenas um isco para a ruína financeira?

Há quantos anos não somos campeões apesar de tantos jogadores comprados? Quantos negócios ruinosos não fizemos em nome da competitividade? Melhor… na nossa política de compras, quantos jogadores não Portugueses foram negócios proveitosos nos últimos anos?

Nenhum.

Sermos pioneiros nesta atitude podia trazer-nos diversas vantagens:

  • Colocarmos pressão nos rivais pela falta de Portugueses no seu plantel, facto que seria mal aceite pelos seus adeptos.
  • Captarmos imensos adeptos que não gostam de futebol mas que se passariam a rever no ideal do clube.
  • Maior investimento na formação, com melhoramento de todo o processo formativo.
  • Melhoramento do Scouting em divisões inferiores, detectando precocemente talentos que poderiam ser imediatamente inseridos numa equipa B.

A minha questão final é a seguinte:

  • Com a optimização real de todos estes processos, não ficaria o Sporting um clube indiscutivelmente mais forte em relação ao que é hoje? E quando digo mais forte, não o digo apenas em termos desportivos, falo igualmente em termos monetários e sociais.

É uma perspectiva diferente e algo curiosa. E, apesar de ter obviamente contrariedades (nomeadamente a nível do rendimento desportivo imediato), não me consigo manifestar de forma contrária a ela.

Uma ideia interessante, mas não passa disso.

na minha opinião é uma má ideia. pelo menos do modo como eu vejo o futebol nos dias de hoje.

porquê uma má ideia?

  • porque na minha opiniao a principal vantagem do campeonato portugues é exactamente não ter limite de estrangeiros o que permite ebcher os planteis com jogadores de qualquer parte do mundo que possam ter potencial. a partir daí existe uma selecção feita pelas equipas dos campeonatos com mais dinheiro e onde existe uma limitação de jogadores extra comunitarios… no fundo o campeonato portugues serve de campeonato teste para jogadores extra comunitarios darem o salto… o resultado final é um saldo muito positivo no que diz respeito a importação/exportação de jogadores.

  • porque não existem muitos jogadores portugueses de qualidade… basta ver que os principais clubes portugueses não têm praticamente jogadores nacionais. depois, porque pertencendo Portugal à comunidade europeia (pelo menos por enquanto) os jogadores portugueses são mais assediados pelas equipas dos principais campeonatos europeus que os extra comunitarios.
    ao serem mais assediados fazem mais pressão para sair o que afecta o seu rendimento e a estabilidade do grupo.
    tirando jogadores como o cristiano ronaldo, o nani, o coentrão, o pepe, o ricardo carvalho ou mesmo o manuel fernandes, o quaresma ou o danny que são jogadores que têm salarios incomportaveis para um clube como o Sporting que outros jogadores portugueses sobram?

carlos martins, postiga, joão pereira, ricardo costa?

é com jogadores destes que se faz uma equipa vencedora?

no outro dia estava a falar com um benfiquista e ele dizia-me que não se identificava muito com este benfica por apenas jogar com estrangeiros e dizia que devia haver um limite de estrangeiros e que devia apostar-se mais nos jogadores portugueses etc… a minha resposta foi: “isso seria muito bonito se depois os jogadores portugueses que se destacassem não começassem a fazer birra para sair…”

porque um comprometimento dos clubes em apostar nos jogadores portugueses deveria ter como resposta um respeito ao clube por parte do jogador e não é isso que acontece.

Paulo, as duas realidades influenciam-se mutuamente.

Será que não existem tão poucos jogadores Portugueses nos grandes pois não lhes é dada uma (ou nenhuma) oportunidade?

Acreditas que o Ribas é melhor que o Hugo Vieira?
Acreditas que o Arias é melhor que o Cedric?
Acreditas que o Rodriguez e melhor que o Nuno Reis?
… e por aí fora.

Existem apostas em jogadores estrangeiros altamente discutíveis a todos os níveis.

Para já não falar no facto de essa “montra” encher os bolsos a muito boa gente com critérios tudo menos desportivos.

@Abelixander,

Gosto sinceramente da ideia. Quanto à exequibilidade da coisa, no Sporting CP (tendo em conta a não implementação no resto das equipas [com regras específicas em relação ao estímulo para uma maior utilização do jogador português]) é simplesmente impossível! A curto prazo, pelo menos…

A discussão é legítima, e eu próprio defendo e defenderei sempre um Sporting mais português, mas engloba bem mais que apenas uma equipa, um Clube. E aqui entra todo um rol de variantes às quais não podemos fugir (económico-financeiras inclusivé), com claro prejuízo não só para as raízes formadoras do Clube como para o próprio futebol português!

Basta olhar para o privilégio que os brasileiros usufruem no nosso campeonato (e que nem sequer é reproduzido no Brasil em relação a portugueses). Nisto como no (des)acordo ortográfico!..

Afinal, há muito quem alerte para isto, mas “eles” não se interessam minimamente, e as várias promessas que vão largando ao longo dos tempos acabam por se tornar cada vez mais vãs e, consequentemente, as mesmas pessoas, como tu e eu, que defendem tais medidas, acabam por nem sequer tentar, sabendo que a(s) ideia(s) acaba(m) por morrer à partida!

Até nisto, Portugal parece um País treceiro-mundista! :-\

Aplaudo, ainda assim: :clap: :clap: :clap: :beer:

Impossível está bem longe de o ser, não existe é nenhuma vontade para isso pois isso significaria perder muito dinheiro.

A questão é principalmente financeira e não desportiva, pois tudo mama com certas transferências.

O país Basco nem sequer tem 3 milhões de habitantes.O Bilbao compete no recrutamento de jogadores com a Real Sociedade, Osasuna e Alavés, e mesmo assim consegue ser competitivo ao ponto que em Portugal se arriscava com frequência a ser campeão. É preciso é trabalho e organização, e não dinheiro e mais dinheiro.

Abraço!

Tendo em conta como está o futebo e o mundol não me parece de todo que fosse uma boa medida. No entanto não quero que o Sporting se torne um benfica ou porto no que toca a 0 tugas no 11. :great:

Parece-me difícil singrar em Portugal com um modelo destes, mas com uma academia como a que o Sporting tem, esta pode ser uma solução de sucesso.

Se a academia for potenciada ao Maximo, e tivermos a sorte de saírem grandes fornadas da Formação… Tudo é possível :think:

Um exemplo de como é possivel singrar com um modelo destes:

Ajax de Amesterdão
1994-1996

Campeão Holandês 95
Campeão Europeu 95
Taça Intercont. 95
Supertaça Europ. 95
Final Champions 96

Uma equipa do outro Mundo acabadinha de se formar nas escolas do Ajax, juntamente com 2/3 jogadores de classe mundial, que venceu absolutamente tudo o que havia para ganhar.

Acho muito interessante. E merece uma reflexão profunda.
Mesmo financeiramente, parece-me interessante. O produto que vendemos melhor é o “jovem jogador português”, aliás, as poucas vezes que se fala de investimento estrangeiro, a formação é quase sempre a origem desse interesse.

Acho que a ideia é interessante mas para mim a comparação falha num ponto, é que o Bilbao aproveita o nacionalismo inerente à situação Basca. Nós aqui nunca conseguiriamos ter o “amor à camisola” que se viu e ainda se vê em alguns jogadores por jogarem lá.

Agora que gostava de ver o Sporting a jogar só com portugueses, gostava.

@Abelixander,

Achei a tua ideia sinceramente fantástica. Sou daqueles que gostava muito que o nosso Sporting Clube de Portugal fosse somente formado por Portugueses, até porque temos valor para que tal aconteça, o problema a meu ver está nas pessoas que ao quererem prémios de assinatura sobre os jogadores vindos do estrangeiro, tudo fazem para que tal não aconteça.

Infelizmente, como muitas vezes já aqui disse sou da Senhora da Hora a 320 km de Lisboa e assim sendo não consigo acompanhar os nossos miúdos juniores e como tal vou vendo apenas quando dá na TV, mas vi no Porto vs Sporting último que temos miúdos de elevadíssima qualidade e que ajudados entrariam no plantel a brincar, assim essas gentes que procuram somente os seus ganhos tivessem no coração o Sporting e o querer fazer bem, aos Portugueses, os miúdos não são inferiores em nada aos estrangeiros.

No tópico do Rui Patrício por exemplo disse facilmente é o melhor guarda-redes Português querem segura-lo? Fácil, coloquem-no a ganhar o mesmo ordenado que dão ao Polga, por exemplo e estou convicto que ficará no Sporting, mas tenho nisso a maior convicção do Mundo e juro-te eu não acredito que Rui Patrício vá embora, se tiver uma boa proposta nossa, a mim a comunicação social não faz a cabeça, só acreditarei que Rui Patrício vai embora quando o vir sair até lá “filmes” não obrigado!

Outro exemplo de Português é o João Pereira que é só o melhor lateral direito de Portugal e atenção que estou a falar de jogadores Portugueses e peço por favor que respeitem a minha opinião e não venham já com a baba do ódio ao mesmo, por eu falar nele, falo nele porque é um enorme valor Português e é de longe o melhor de Portugal.

Carriço idem, grande jogador mostrou que quando colocado a trinco não ficou a dever nada a Rinaudo e se for para central também não ficará a dever nada a nenhum dos nossos centrais.

André Santos esta época andou desanimado, mas também não é difícil, foi preterido por todos e passou de titularíssimo a 4ª escolha, certamente tem sentimentos logo achei e acho normalíssimo o seu desalento, mas não desaprendeu de jogar futebol isso não é um belíssimo jogador.

O um dia poder formar uma equipa de Portugueses está ali mesmo ao virar da esquina, é só quererem, pois só é necessário que se pense somente na vertente desportiva e nunca na financeira, pois o único problema é que só pensam quanto vão receber com a vinda dos estrangeiros qual a jóia mais nada.

Estou 100% de acordo com o teu pensamento, pois penso que o Sporting Clube de Portugal ficaria muito mais forte assim sendo do que aquilo que hoje é.

Se podemos dar 9 milhões pelo Elias e atenção, que eu adoro o jogador não está em causa em momento algum o que o clube pagou por ele, nem tão pouco o seu valor enquanto jogador, mas existe uma coisa que está em causa e que quero dizer com todas as palavras para quem diz que não temos dinheiro para os Portugueses, vamos lá a dar esses mesmos 9 milhões ao André Martins mais o ordenado chorudo e vamos ver se ele sai do clube ele e todos os Portugueses.

Para finalizar a meu ver isto é tudo uma questão de mamões, desculpa o termo nada mais.

Parabéns pelo excelente tópico. :clap:

É uma ideia romântica. E o romantismo, hoje em dia, é batido aos pontos pelo pragmatismo :mrgreen:

Não vou ao ponto de afirmar peremptoriamente que optar por um 11 Português seria abdicar de vencer títulos, mas a verdade é que formando grandes jogadores, inevitavelmente os mesmos seriam sempre “agarrados” pelos tubarões. Formar um 11 base, que durasse 3/4 anos, talvez o tempo suficiente para teres uma equipa vencedora, seria uma tarefa extremamente difícil :exclaim:

É uma ideia interessante, mas, sinceramente, não creio que fosse possível em termos práticos.
É preciso lembrar-mo-nos do clube (país) a que pertencemos. Somos totalmente incapazes de dar tempo a um projecto ou a um treinador. Mesmo alguns jogadores acabados de vir dos juniores e com tremendo potencial, como o Figo ou o Nani, tiveram de se sujeitar a sucessivos coros de assobios. Por que diabo haveríamos de ter paciência para implementar uma solução dessas, dando tempo a que os resultados surgissem? Ao primeiro insucesso tinhas uma assembleia geral extraordinária onde um (vasto) grupo de adeptos perguntariam aos dirigentes por que é que insistiam em lutar com menos armas que os rivais.

Com franqueza, não penso que o problema esteja aí. Já no que diz respeito à tua outra afirmação, concordo em absoluto.

Isso, sim, é aquilo que mais precisamos: trabalho, organização, se quiseres, competência.
Se formos competentes, então não se põe em questão a percentagem de jogadores portugueses ou até o número de jogadores estrangeiros que conseguimos rentabilizar.
Se formos competentes, jogaremos com jogadores competentes, treinados por técnicos competentes, assistidos por um corpo médico competente, dirigidos por uma direção/administração competente e, nessa altura, garanto-te que nem tu te irás lembrar da nacionalidade de nenhum deles.

Eu que ate sou defensor do jogador portugues no nosso clube, nao gostava de chegar ao ponto extremo de nao ter alguns estrangeiros no clube.

Penso que seria benefico para todos os clubes de um pais, nao so o Sporting, ter um numero limitado de estrangeiros no plantel.
Mas isso teria que ser feito pelo proprio clube e nao pela liga, digamos num plantel de 23 jogadores no maximo 6 jogadores estrangeiros.

A qualidade dos jogadores de fora seria muito melhor e nao serviam para lavagens de dinheiro, e os jogadores portugueses de qualidade seriam procurados e trabalhados para corresponder!

Essas medidas a medio longo prazo iria aumentar a nossa competividade e qualidade de campeonato!

Respondeste à tua própria questão. :slight_smile:

O Paulo Duarte já disse o essencial. A chave para uma liga de um pequeno país como o nosso estar neste momento em 5º no ranking da UEFA está na vantagem competitiva que a relação privilegiada com o Brasil (e, em menor escala, com África) traz, bem como a presença forte no resto da América do Sul. Sem estas vantagens, estaríamos hoje desportivamente ao nível de uma liga escocesa ou pior.

Deitar fora esta vantagem a troco de nada não faz sentido. E o Sporting então fazê-lo unilateralmente, parece-me completamente suicida. Estrategicamente, o caminho é mesmo esse - captar e trabalhar jovens talentos na América do Sul e em África, aproveitá-los desportivamente durante dois ou três anos e depois transferi-los a peso de ouro para as ligas centrais - Espanha, Inglaterra e Itália.

Aliás, nem sequer simpatizo com o ideal da equipa só de portugueses. Por duas razões:

Por um lado, muitos dos melhores jogadores que vi com a verde-e-branca eram estrangeiros. Se existisse uma política que proibisse os estrangeiros no Sporting, nunca teria tido o prazer de ver jogadores como Balakov, Iordanov, Luisinho, Naybet, André Cruz, Jardel, Liedson (entre muitos outros) a vestir a nossa camisola. Para mim, são tão parte da história do clube como os jogadores portugueses.

Por outro lado, já tivemos uma aproximação a esse ideal no actual contexto. E foi deprimente. Lembro o grande alarido que se fez por jogarmos com 8 ou 9 jogadores tugas nos tempos do JEB. A razão pela qual se fazia esse alarido era só uma: o fosso de qualidade que deixámos cavar para o Benfica e o Porto. Não vi mais gente a ir a Alvalade por isso. Bem pelo contrário, bateram-se recordes negativos de assistências. E não me parece os nossos rivais tenha ficado muito preocupados com isso.

É, de facto, uma ideia interessante.

Umas notas para algumas das considerações aqui feitas:

  • O exemplo do Ajax tem quase 2 décadas, muita coisa mudou no futebol mundial entretanto.

  • O exemplo do Bilbao não é replicável. Clube de uma região com uma cultura muito própria, que compete numa das ligas mais mediáticas do mundo e que tem condições financeiras para suportar salários que os clubes portugueses não têm, podendo, consequentemente, manter os seus jogadores por muito mais tempo.

A contratação de jogadores do estrangeiro não explica, por si, as perdas brutais na transacção de jogadores, a incompetência na politica de contratações, sim. Portugal é uma porta de entrada importante para alguns mercados e tal tem que ser aproveitado. Não deixaria de ver com bons olhos, contudo, o estabelecimento de uma quota no plantel de jogadores formados no clube ( 30 a 40%, como exemplo ).

Penso que tal seria enquadrável com o perfil de clube formador, conteria custos de aquisição e salariais e não nos cortaria o acesso a um mercado cada vez mais global e onde temos que estar presentes.

Defendo ter 3/4 jogadores estrangeiros muito bons e o resto com portugueses também de qualidade

acredito que existem melhores exemplos que esses…

nenhum desses jogadores mostrou o suficiente para se poder tirar alguma conclusão. (atenção ao alarido que andam a fazer à volta do nuno reis e do cedric… ).

mas de uma coisa tenho a certeza… não vejo nenhum jogador português a jogar no nosso campeonato com o potencial do carrillo ou com a qualidade do izmailov ou do rinaudo… já para não falar em jogadores que jogam nos nossos rivais (aimar, hulk ou james)…

aliás basta ver a convocatória de hoje da seleção para se perceber o que é o futebol português…

a questão do ajax é uma utopia pois as condições mudaram. basta ver o que tem acontecido ao futebol holandês nos últimos 20 anos.

a vantagem de campeonatos como o português é ter um campo de recrutamento muito grande… o ter jogadores extra-comunitarios até acaba por ser uma vantagem pois são jogadores menos assediados (pelo facto de as vagas para extra-comunitários serem limitadas nos campeonatos mais ricos) e ainda se pode aproveitar jogadores extra-comunitarios que estão a mais nos principais clubes desses campeonatos mais ricos.

Eu não concordo.

Iriamos ter uma equipa pouco competitiva mesmo muito pouca.

Eu gosto de ver jogadores de qualidade no Sporting, digam-me la quais eram os jogadores no imediato iriam substituir com a mesma qualidade ou melhor jogadores como o insua, rinaudo, schaars,ricky,elias,capel, entre muitos outros…