Seleccao ainda é Nacional?

Ah, és um Judas :twisted:
Nã, acho que isso não consigo. Mas não invalida que não queira que o Pepe não passe do banco ou que jogue tão mal, tão mal que seja banido da mesma :smiley:

Não tem nada a ver com o Pepe, teria a mesma atitude se fosse o Liedson!

Não tem nada a ver com o Pepe, teria a mesma atitude se fosse o Liedson!

Plenamente de acordo, tb sou contra uma eventual chamada do Liedson à selecção quanto mais o Pepe.
A Globalização é muita bonita mas não não na selecção.

Era contra a chamada de Deco, sou contra a chamada de Pepe, serei contra a chamada de Liedson.

Considero os três brasileiros.

Exacto.
Se ainda tivessem chegado ao país sem serem profissionais de futebol, já não me importaria.

No entanto ainda não sei como reagiria se se tratasse de algum dos jovens jogadores que o Sporting foi agora buscar para as camadas mais jovens. É que pela idade eles ainda não são profissionais, embora na prática até sejam tratados como tal.
Mas provavelmente da mesma forma.

Há uns dias atrás, escrevi o seguinte post sem ter obtido qualquer resposta:

A questão é complexa e irá ser sempre controversa. Isso porque a questão que se põe é saber o que é ser português.

É ter nacionalidade portuguesa?
É ter nascido em território português?
É ter passado muitos anos em Portugal? Quantos? Ou em percentagem da vida?
Pode ser português mesmo sem ter nascido e nunca sequer ter posto os pés em Portugal, mas ser de ascendência lusa?
É saber falar português? Tem que ter um dos sotaques de português?

Imaginem um brasileiro que mora em Portugal desde 2 anos e um português que mora no Brasil também desde os 2 anos. Qual o mais português?

Não é fácil.
Bileao


Colcaste o dedo na ferida a questão é tudo menos simples.
Exemplo: Dos 4 melhores atletas (Atletismo):Francis Obikwelu é da Nigeria e quando chegou a Portugal não falava Português; Naide Gomes é de São Tome e Nelson Evora nasceu na Costa do Marfim de pais cabo-verdianos e quando chegou a Portugal falava apenas Francês. Só o Rui Silva nasceu em Portugal.

Existem países em que se fazem teste de história, geografia e da cultura do país para se dar a Nacionalidade. Era uma hipótese… Com um inconveniente(ou grande vantagem) se fizessem os testes a todos os autóctones (aos puros e duros) possivelmente 60/70 % chumbariam. Poderiam ser enviados para o Burkina Faso que passaria a ser o país do mundo com mais camisolas rosinhas. Era talvez a única solução para colocar o país nos rota dos países mais desenvolvidos, pena não ser exequível. :slight_smile:

O tempo de permanência no país em si não quer dizer grande coisa. Existem portugueses em Inglaterra à 12 anos que não sabem falar Inglês. Que só falam e convivem com Portugueses praticamente. Vêem só televisão Portuguesa (caso conhecido). Merece ser cidadão do Reino Unido? Um imigrante em Portugal numa situação análoga merece ser Português?

Não é facil. :slight_smile:

Não é uma questão muito linear. Há desde logo uma questão que acho prioritária: nenhum atleta deveria poder representar Portugal como segunda escolha. O problema mesmo é a aplicabilidade desse conceito. Como se prova se um atleta representa Portugal apenas porque não o quiseram no seu país de origem? :think:

A questão do território de nascimento não acho que faça sentido. Lembro-me por exemplo do Dimas, nascido na África do Sul, mas fazendo todo o seu percurso em Portugal. Era para mim tão português como um Rui Jorge (ainda que pior jogador).

A percentagem de vida em Portugal também é complicado. Temos neste fórum vários exemplos de emigrantes que se sentirão tão portugueses como os que cá habitam. Perderão eles o direito a representar as nossas cores? Ainda agora temos o Manuel da Costa a aparecer nas selecções. Não o vemos como português?

Estar devidamente inserido na nossa sociedade, conhecer a nossa história e as nossas tradições? A quantidade de portugueses nascidos em Portugal que teriam de ser expulsos… Não pode ser por aí.

Acima de tudo não acho que se deva colocar a mais valia como critério. Isso é equiparar as selecções aos clubes, interessados em contratar os melhores para se reforçarem. É um conceito errado que vem desvirtuar a própria razão de ser duma selecção nacional. Os outros também fazem? Paciência. Não acho argumento ir buscar o que vem de fora.

Como digo, acho que não há uma fórmula 100% eficaz para se decidir quais os atletas a representarem as nossas cores. Penso que se deverá analisar cada caso de forma o mais detalhada possível. Na minha análise altamente subjectiva, Deco, Pepe e Liedson são três brasileiros.

De facto a questão não é muito simples.

Eu tenho por acaso uma opinião bastante “liberal”.

Todo o jogador que nunca tenha jogado como internacional pelo seu país de nascimento e que tenha nacionalidade de outro país deve ter permissão para jogar na Seleccão desse mesmo país, se o seleccionador e ele próprio assim o entenderem. Estou a levar em conta que esse tal jogador está à partida a abdicar de jogar no seu país de origem para o resto da vida e para além de ter a nacionalidade do país pelo qual irá jogar, dois factores que para mim já dizem bastante sobre a ligacão que existe entre o jogador e o país que o acolheu.

É claro que existirão casos mais perversos, como seja o caso do Pepe, mas penso que não devemos prejudicar os que o fazem por real amor à camisola do país para onde vêm viver e com os quais têm uma ligacão afectiva muito forte.

Se fores bem a ver as horas a que foram criados os tópicos, vais ver que antes de ser discutido isso já eu tinha aberto o tópico na Seccao indicada de Futebol :exclaim:

Para mim há uma forma simples de resolver isto:

Jogador naturalizado só joga pela selecção principal se tiver representado o país numa das formações jovens, pelo menos a de sub21.

Senão vejamos alguns exemplos:
Deco e Pepe, na minha opinião, não deveriam representar a selecção Portuguesa, utlizando esta regra estaria então essa possibilidade vedada.
Nani e Manuel Fernandes, parece-me consensual, devem poder representar as cores de Portugal apesar de serem naturalizados, segundo esta regra ser-lhes-ia permitido.

O Escroquelari convocou mesmo o Pepecito30milhonesbarrete e o Veloso ficou fora

"Selecção
Pepe estreia-se na Selecção portuguesa; Maniche regressa
Pepe e Maniche foram hoje convocados por Luiz Felipe Scolari para os próximos jogos da Selecção portuguesa de futebol agendados para 8 e 12 de Setembro a contar para a fase preliminar do Campeonato Europeu de 2008.

ASF
A grande novidade reside, como é evidente, na «primeira vez» do defesa central luso-brasileiro ex-FC Porto e actualmente no Real Madrid. Trata-se de mais um futebolista nascido no Brasil e que, adquirindo a nacionalidade portuguesa, apresentava argumentos para poder representar a camisola das quinas.

Lista de convocados:

Guarda-redes:

Ricardo (Bétis)
Quim (Benfica)

Defesas:

Bruno Alves (FC Porto)
Fernando Meira (Estugarda)
Jorge Andrade (Juventus)
Bosingwa (FC Porto)
Pepe (Real Madrid)
Miguel (Valência)
Marco Caneira (Valência)
Paulo Ferreira (Chelsea)

Médios:

Deco (Barcelona)
Petit (Benfica)
João Moutinho (Sporting)
Maniche (At. Madrid)
Raul Meireles (FC Porto)
Tiago (Juventus)

Avançados:

Cristiano Ronaldo (M. United)
Hélder Postiga (FC Porto)
Hugo Almeida (Werder Bremen)
Nani (M. United)
Nuno Gomes (Benfica)
Ricardo Quaresma (FC Porto)
Simão Sabrosa (At. Madrid)

30-08-2007 12:40 "

pasquim I

bem no pasquim II então " habemus Pepe " tá td doido

Escrevi isto o ano passado e escrevi algo semelhante na altura do Deco.

O que coloquei a bold resume porque na minha opinião o universo de escolha do seleccionador são jogadores PORTUGUESES e a partir do momento que adquira a nossa nacionalidade (e não esteja impedido pela FIFA por ja ter representado oficilamente outr selecção senior) pode se seleccionado. E só é admissivel criticar o seleccionador se o critério não for a qualidade.
Claro que é subjectivo, eu naõ gosto do Pepe, mas pode ser erro de avaliação meu, porque um jogador pelo qual dão 30 milhoes de euros alguma qualidade ha-de ter. Acredito que o seleccionador o convocou pela sua qualidade e porque oficialmente é PORTUGUES.

Concordo? Não, mas…não posso criticar o seleccionador, que convoca os que na sua óptica são os melhores. Há muitos brasileiros e outros que já adquiriram a nacionalidade portuguesa e não são convocados…esses já não se critica a lei da nacionalidade??

bom bom era ir buscar uns quantos ronaldinhos, kakas, ronaldos ao Brasil, traze-los pa ca e daqui a uns anos (depois de se naturalizarem of course) tinhamos uma grande equipa nacional…

Eu vou explicar-vos o meu caso:

Eu sou brasileiro, e sou português. O meu pai é português e viveu no Brasil durante 16 anos; quando ele decidiu regressar a Portugal eu tinha 5 anos de idade. Como tal, fiz toda a minha formação por cá, desde a 1ª classe da escola primária até à faculdade, que estou a concluir.

Tendo pai português, beneficio automaticamente da dupla-nacionalidade; o que acontece é que, para mim, este estatuto não é apenas uma mera questão burocrática. Eu sinto MESMO, de todo o coração, a minha dupla nacionalidade, e amo Portugal, amo o Brasil, por igual.

Pela convivência com a minha família, mantenho o meu sotaque brasileiro. Não acho (ao contrário de muita gente) que isso me retire nenhuma legitimidade para defender que Portugal é a minha pátria, com tudo o que isso acarreta; direitos, deveres, etc, e posso afirmar que se tivesse que fazer uma escolha do género, por mais que ame o Brasil, optaria por Portugal, por ter sido aqui que fiz todo o meu percurso.

Quanto ao Deco e ao Pepe… é extremamente difícil para mim acreditar que eles representam Portugal pelo sentimento que nutrem pelo país, pois eles vieram pra cá com 17/18 anos… é óbvio que o sentimento existe, mas o de apego, de carinho por um país que lhes deu uma grande oportunidade e lhes mudou a vida, mas não acredito muito que seja uma verdadeira noção de pátria!

Se fosse basear a minha opinião apenas nisto, seria mesmo totalmente contra a chamada deles à selecção; não a considero necessária, mas já que acontece, acho que não devemos ser radicais, pois eles estão lá para ajudar e, se formos a ver bem, nem todos os jogadores, mesmo sendo “puros” portugueses, estão ali dispostos a por a camisa da selecção em primeiro lugar e defendê-la acima de tudo… não nos dias que correm…

Ygor, BINGO! É por isto que não defendo a chamada de ambos (e nem do Manuel da Costa, visto que ele nem sabe falar português).
Se fosse um caso de um brasileiro, que tivesse chegado cá há 10 anos, até seria diferente pois já tinha tempo suficiente cá, até porque a lei portuguesa concede a nacionalidade após esse tempo. O que se vê nestes dois casos é que existe um aproveitamento para o seu trabalho, apadrinhado por uma federação de desporto. Mal ambos tiveram direito à nacionalidade portuguesa, bazaram e foram trabalhar para outro país.

Mas agora que estão cá, que defendam condignamente a camisola.

Eu sou frontalmente contra estas naturalizações interesseiras no futebol.

Na minha opinião, as competições entre países só faz sentido na lógica da selecção dos melhores de cada país. Se é para andar com este tipo de naturalizações, mais vale terminar com estas competições.

No nosso caso, ganhámos o Deco, ganhámos o Pepe e queremos ganhar o Liedson. Só iremos acordar e começar a discutir as coisas com seriedade quando perdermos um “figo” ou um “cristiano” para países mais ricos.

:arrow:

Sem dúvida , pelo andar da carruagem ainda veremos os seleccionadores dos países com melhores selecções e empresários a disputar e a andar atrás de jogadores jovens de outros países.

Ex: jovem craque brasileiro ou português recebe oferta de empresário - Queres ír para a selecção inglesa , francesa , espanhola ou italiana , se fores para a selecção x recebes x€€€€.

Vejam o exemplo do mexicano Geovanni dos Santos , andam a tentar desvia-lo para a selecção espanhola.

É pouco provável que aconteça, normalmente as naturalizações são intercontinentais, sul-americanos, africanos… mas se acontecer, um jogador que não queira representar Portugal não faz falta nenhuma! Há-de haver sempre quem queira, com maior ou menor qualidade, a dignidade é que conta.

Bem ou há moral ou comem todos, como costuma dizer o povo.

Se é para moralizar, então deve deixar de existir naturalizados na selecção de Rugby, Basquete, Andebol, Atletismo, etc…

Ninguem questiona o argentino convocado para a selecção de Rugby, nem a medalha de ouro do Nelson Evora ou as do Obikwelu ou Naide Gomes.

Só no futebol é que se levanta sempre estas questões. Portugal limita-se a seguir a tendencia, se paises como a Espanha, Alemanha, França e Italia que tem um base de recrutamento muito maior que a nossa, não tem problemas com isso, vamos nós nos armar em virgens ofendidas ?

Com a agravante de no caso da Espanha eles são naturalizados à pressão. O Pepe e o Deco cumpriram todos os preceitos legais e não existiu para eles nenhum regime de excepção.

Se tem qualidade e passaporte Português, não me oponha e para mim o próximo era o Liedson !