Schmeichel: «Deixa-me orgulhoso o carinho dos sportinguistas

De férias em Portugal, o antigo guarda-redes leonino faz uma análise à época passada e comenta o futuro dos veteranos. Não percebe as opções tomadas com Rui Jorge e Barbosa. Quanto aos jovens portugueses, considera Ronaldo o maior. Tal como Mourinho. A conversa franca e directa com um homem sem meias-palavras

RECORD – Segue atentamente a carreira do Sporting passado este tempo de afastamento de Portugal?
SCHMEICHEL – Sim, claro. Sigo sempre. E muito atentamente. Afinal, joguei e passei aqui dois anos muito bons da minha vida.

RECORD – Consegue eleger os melhores momentos deste ano, em que os leões acabaram por nada ganhar?
SCHMEICHEL - Tenho de eleger a caminhada europeia do Sporting, que infelizmente terminou mal na final de Lisboa. Vi quase todos os jogos e gostei muito das exibições. Essencialmente dos jogos com Feyenoord, Middlesbrough e Newcastle. Neste último, em Lisboa, o Sporting fez mesmo um jogo impressionante. Principalmente a partir da entrada do meu amigo Pedro Barbosa. Espantosa a reviravolta que a equipa conseguiu após a sua entrada. Soube-me muito bem ver isso. Não é fácil ganhar por 4 a uma equipa de topo inglesa.

RECORD – E a final da UEFA?
SCHMEICHEL – O mais triste é que o Sporting até fez um bom jogo. Infelizmente não percebeu que o contra-ataque do CSKA era letal. Os russos podem não ser uma grande equipa europeia, mas a verdade é que foram terrivelmente eficazes. O Sporting ainda fez uma grande primeira parte, estava a merecer a vitória. Mas depois tudo mudou. Tive muita pena. Principalmente pelos jogadores mais velhos, que deram tudo o que tinham e perderam uma das últimas oportunidades para vencer uma prova tão importante.

RECORD – E acompanhou a época dos seus amigos, os jogadores mais velhos?
SCHMEICHEL – Acompanhei, claro. Acho que é até normal estar sempre mais atento a eles, afinal são ex-companheiros de equipa com quem passei dois anos bons e que nunca esquecerei. Impressionante a importância de jogadores como Rui Jorge, Barbosa, Sá Pinto e Beto na equipa do Sporting esta época. O Beto é normal, que ainda é novo, mas o que dizer de Barbosa? E mesmo de Sá Pinto, após tanto tempo parado com lesões? Sorte a do Sporting de ter profissionais assim.

RECORD – O que pensa da saída de Rui Jorge?
SCHMEICHEL – Nem quis acreditar. Soube pela televisão e depois falei com eles. Verdadeiramente inacreditável. Não dá para perceber o que está o Sporting a fazer. É extraordinário. Experiência como a de Rui Jorge e Barbosa não se compra. Aliás, experiência e mística são coisas não se compram. Têm ambos muitos anos de clube e provaram a época passada que podem ainda jogar ao mais alto nível. As equipas não podem ser feitas apenas de jovens. Isso nunca dá certo.

RECORD – Mas o Peter já terminou?
SCHMEICHEL – Sim, mas eu sou bem mais velho. Atenção, ter um jogador com as virtudes de Rui Jorge e deixá-lo fugir é mesmo difícil de entender. E mesmo Pedro Barbosa. É o capitão de equipa. Já ganhou imensas coisas pelo clube e personifica a mística que uma equipa necessita de sentir dentro de campo. Em Inglaterra não tratamos os jogadores mais velhos assim. Não olhamos para os bilhetes de identidade. Se ainda têm qualidade? jogam. Se não têm, saem. Tenham 10, 20, 30 ou 40 anos. Em Inglaterra os treinadores respeitam isso. Mesmo Mourinho apoia-se nos jogadores mais experientes do Chelsea.

RECORD – Mas para fazer esse papel o Sporting escolheu Sá Pinto?
SCHMEICHEL – O que torna as outras opções ainda mais incompreensíveis. Percebo que renovem com Sá Pinto. É um grande jogador, impôs-se novamente no ataque do Sporting e gosto muito de o ver assim. Mas torna mais difícil perceber o que vai na cabeça de quem deixa sair os outros.

RECORD – Qual o jogador com quem mais gostou de trabalhar no Sporting?
SCHMEICHEL – Foram muitos. Gostei muito dos dois anos que passei aqui. Foram importantes e ganhar aquele título foi sensacional. Mas a eleger só um terei de eleger Barbosa. Dou-me bem com ele e vemo-nos de vez em quando. É um grande jogador, de qualidade superior. Não trabalhei com muitos assim ao longo da carreira.

RECORD – Lamenta ter deixado o Sporting ao fim de apenas dois anos?
SCHMEICHEL – Não. Não lamento nada do que fiz na minha carreira. É como lhe disse. Tive dois anos muito bons aqui e tenho ainda hoje muito boas relações com o País. Portugal é bonito e gosto imenso de cá voltar sempre que posso. É por isso que tenho cá uma casa. É um sítio que gosto de visitar acompanhado pela família. E recordo com carinho os bons momentos que passei aqui.

RECORD – Ainda sente admiração dos portugueses por si?
SCHMEICHEL – Sim, muita. Sou muito acarinhado em Portugal. Sempre que venho cá com a família sou abordado por muitos sportinguistas, que me desejam felicidades e perguntam pela minha vida. É reconfortante sentir que deixámos saudades e uma boa imagem nos clubes e países em que trabalhámos. Deixa-me orgulhoso o carinho que todos os sportinguistas sempre me dispensaram.

RECORD – E o que faz hoje, após o abandono do futebol?
SCHMEICHEL – Oh? felizmente ainda faço muitas coisas. Tenho várias parcerias nos média, as mais importantes com a BBC, como comentador da Premier League, e com a TV3, para os jogos europeus. Por exemplo, tudo o que é relacionado com a Liga dos Campeões e a UEFA. Para além disso, acompanhando tudo o que é futebol pelo Mundo inteiro.

RECORD – O seu filho Kasper a isso obriga?
SCHMEICHEL – Não, ajuda mas não obriga. Mas é verdade que acompanho a carreira do Kasper com muita atenção e faço sempre votos para que tudo lhe corra bem.

RECORD – E como vai ele?
SCHMEICHEL – O Kasper actualmente está no Manchester City e continua a lutar pela sua carreira.

RECORD – E vai ser tão bom como o pai?
SCHMEICHEL – Não sei. É ingrato para ele estar sempre a ser comparado comigo, por todos os títulos que conquistei. Eu, como pai, obviamente espero que sim. Espero até que ele seja melhor do que eu.

Atento aos jovens portugueses: «Ronaldo é o melhor»

Apesar de conhecer alguns jovens da SuperLiga e reconhecer muita qualidade aos portugueses que José Mourinho levou consigo para o Chelsea, a preferência de Schmeichel em termos de jogadores portugueses é muito clara. O melhor joga no Manchester United.

R – Acompanha a jovem geração de jogadores portugueses?
S – Sim, sempre que possível. Sei, por exemplo, que no Sporting há outro miúdo que este ano se impôs na primeira equipa. Moutinho. Mas para mim, dos vossos jogadores mais novos, o melhor é Ronaldo. Faz alguns jogos verdadeiramente impressionantes no Man. Utd.

R – É melhor do que os portugueses do Chelsea?
S – Atenção, reconheço grande qualidade a Ricardo Carvalho, um central fora do vulgar, a Paulo Ferreira, um lateral importantíssimo, e a Tiago, um médio fino a jogar à bola. Mas Ronaldo faz coisas que raramente vimos nos campos de futebol. É muito bom, mesmo. É aquilo a que chamo um talento extraordinário. E quanto mais tempo passar no Manchester United melhor jogador será. Tem apenas de ser um pouco mais consistente durante a época. Mas é um dos melhores do Mundo. O que faz em alguns jogos é, por vezes, de tirar o fôlego.

O talento não é de agora: «Moutinho é muito bom»

Schmeichel teve, via BBC, muitas oportunidades para ver e estudar o Chelsea. E o comentário do antigo guarda-redes é de quem sabe do que fala. Mourinho merece-lhe rasgados elogios e uma chamada de atenção para os ingleses que só agora acordaram para o fenómeno. O talento do Zé não é de agora.

R – O que apetece dizer sobre o técnico José Mourinho?
S – Apenas aquilo que todos têm de reconhecer. Ele é muito bom. Mesmo muito bom. Mas não é de agora. Os ingleses demoraram um pouco a percebê-lo, mas eu acompanhei o seu trabalho no FC Porto. E quem conquista a Taça UEFA e a Liga dos Campeões à frente de uma equipa portuguesa, que vive com orçamentos bem mais limitados que as maiores equipas europeias, tem de ser muito bom. Acho que ele no Chelsea apenas provou que o seu trabalho pode dar frutos noutros sítios.

Uma outra saída a lamentar: «Freitas é grande profissional»

Tendo passado a semana de férias no nosso país, Schmeichel viveu com atenção o momento do Sporting. Assim, além de ter estranhado a saída de Rui Jorge e o silêncio relativo a Barbosa, ficou a saber da saída de Carlos Freitas, o ex-homem-forte do futebol com quem trabalhou dois anos. A opinião do dinamarquês é clara. Os leões perderam uma peça importante.

R – O que pensa da saída do director do futebol do Sporting, Carlos Freitas?
S – É lamentável. Penso que o clube perdeu uma peça importante. Carlos Freitas é um grande profissional e hoje um amigo. Tem conhecimentos de mercado que o Sporting não devia subestimar. Tal como acontece com Rui Jorge, isso é algo que não se compra. Não percebo que o clube invista cinco anos na formação de um profissional que ajudou a construir duas equipas campeãs e uma que este ano foi à final da UEFA e lutou pelo campeonato até ao fim e depois assista serenamente à sua saída. São fenómenos para mim difíceis de perceber, talvez porque estou por fora. Mas o Sporting perde um conhecedor de mercado importante.

Autor: BERNARDO RIBEIRO
Data: Segunda-Feira, 6 de Junho de 2005 03:33:00

http://www.record.pt/noticia.asp?id=675906&idCanal=24

Independentemente da valia de Freitas como conhecedor do mercado (não a discuto, o que discuto foram os objectivos que colocou como meta para a sua aplicação, a meu ver mais a comissão fácil que o reforço pensado do futebol) é engraçado reparar o quão sôfrega parece a Com. Social em pedir e comentar a saída de C. Freitas, a um nível até mais acentuado que o registado com as saídas de JEB e MRT… até já ao schmeichel pedem o comentário.

Só me faz pensar cada vez mais que se havia “toupeira” em alvalade ao serviço dos media (seus ex-empregadores) era mesmo o Freitas e que muito tristes devem estar os pasquins com o fim do acesso a um “malheiro” bem posicionado internamente.

Independentemente da valia de Freitas como conhecedor do mercado (não a discuto, o que discuto foram os objectivos que colocou como meta para a sua aplicação, a meu ver mais a comissão fácil que o reforço pensado do futebol) é engraçado reparar o quão sôfrega parece a Com. Social em pedir e comentar a saída de C. Freitas, a um nível até mais acentuado que o registado com as saídas de JEB e MRT.. até já ao schmeichel pedem o comentário.

Só me faz pensar cada vez mais que se havia “toupeira” em alvalade ao serviço dos media (seus ex-empregadores) era mesmo o Freitas e que muito tristes devem estar os pasquins com o fim do acesso a um “malheiro” bem posicionado internamente.

Nem mais! A febre com que toda a comunicação social inquire qualquer bicho careta sobre a saída do freitas ultrapassa os limites do proteccionismo a um dos seus. Tivessem ele atitudes corporativas com outros individuos “insulares” e poupavam-nos a ouvir muitos disparates!

E a origem da catadupa confusa de informações e furos sobre jogadores a entrar e sair é para mim facilmente identificável!

Antes o Carlos Freitas era um menino que deixava os jogadores “fugirem” para o regaço do PdC. Agora é “O Gestor De Futebol”, o maior dos maiores e um injustiçado, claro está.

Este agora tb já vem dar palpite acerca da dispensa do Rui Jorge e do Barbosa (Barbosa foi dispensado?), tudo publicado no mesmo dia… enfim, coincidências…

Como diria o tio Alberto João, eles andem aí… os tais… que não são jornalistas…

Por acaso ontem vi o Schemeichel a passear de mercedes descapotavel com a mulher no guincho. :lol:

Foi um dos grandes jogadores que vestiu a camisola do Sporting.

Quanto ao conteudo da entrevista, são opiniões, tão respeitaveis como outras quaisquer.

Realmente não é todos os dias que jogadores com o shemeicel são contratados pelo Sporting…

Quem na altura tratavas nas contratações?

A hipotese de contratar o Schemeicel era unica, assim como é a de figo actualmente… :oops:

Realmente não é todos os dias que jogadores com o shemeicel são contratados pelo Sporting..

Quem na altura tratavas nas contratações?


Quem tratou da negociação com o Schmeichel foi Paulo Abreu. Parece mentira, tendo em conta o resultado, mas não é…

foi talvez o ultimo guarda-redes que imponha respeito na baliza…

só a figura dele, o nome e a cor das camisolas! :lol:

que saudades!

a defesa que mais me ficou na retina, foi a do ultimo jogo contra o salgueiros em que ele faz uma defesa á andebol :lol:

Ele k se meta na vida dele, e deixe o SCP em paz…

Incitatus, seu mal humorado :stuck_out_tongue:

Eu acho que o pessoal liga muito ao que os outros dizem, sobretudo a jogadores e treinadores que já passaram pelo Sporting, o objectivo de quem pergunta é claro, já só cai quem quer! :arrow: :idea:

o schemeicel so fala do rui jorge e pedro barbosa? creio que na entrevista fala de outras coisas :roll:

O tema foi apenas puxado pelos jornalistas, e fizeram da resposta do schemeicel “manchete”

podiam comentar o resto em vez de atacarem o grande Shmeichel

O Schmeichel é amigo do Freitas, do Rui Jorge e do Barbosa. Só por isso é que os vem defender…

A.A.

Na altura da sua saída… foi muito criticado e diziam que não tinha acrescentado nada ao Sporting, tal e qual como o Ricardo.

Agora temos saudades dele…

Na altura da sua saída... foi muito criticado e diziam que não tinha acrescentado nada ao Sporting, tal e qual como o Ricardo.

Agora temos saudades dele…

temos? Olha, por mim podes tirar-me desse rol!

Esteve sem duvida na 1ª linha do campeonato de 2000… depois, parece que lesionado, mas ainda assim, nao foi o GR que necessitavamos.

Eu cheguei a pensar nele como uma futura opção para Manager do Sporting, mas agora depois destas opiniões acerca dos “amigos”… :roll:

Ele caracter tem, mas tou a ver que teria de ser mto bem vigiado para nao meter a pata na poça… :lol:

Na altura da sua saída... foi muito criticado e diziam que não tinha acrescentado nada ao Sporting

:?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:

Para mim dava era um grande treinador de guarda redes , era já contratado!!