Rugby

a oval do Leão*: «Dividir para reinar»

Desde que Mani filosofou na Mesopotâmia, há uns anos atrás (fez no passado abril 2237 anos), que se tenta dar uma explicação dualista ao Universo e à Alma. Conseguiu o maniqueísmo explanar o conceito de Bem e do Mal no Zoroastrismo. Mais tarde, aquando do cativeiro dos judeus na Babilónia, desenvolveu-se a ideia do paraíso, e do Inferno.

Tudo isto para, aqui chegado, dizer com propriedade e conhecimento de causa, que tudo e todo tem dois lados, o branco e o negro, o positivo e o negativo, a luz e a sombra, e no nosso caso, o Verde e o Branco. Ufa… Vamos lá!

No Campeonato Nacional de Rugby Sevens Feminino, que teve a primeira fase no passado fim de semana, o Sporting apresentou duas equipas, a Sporting Verde e a Sporting Branco, cada uma numa pool de acesso. A equipa Sporting Verde jogou com o RC Belas, vencendo por 27-0, e com o CR São Miguel, ganhando por 52-7. Já a equipa Sporting Branco jogou com o SL Benfica, ganhando 12-10, e com o CR Panteras, ficando o score favorável em 33-10.

No apuramento para a fase seguinte, defrontaram-se o Sporting Verde e o Sporting Branco, tendo a vitória calhado ao Sporting Verde por 22-17. Seguem então a equipa Sporting Clube de Portugal Verde para a próxima fase, onde irá lutar pela fase final do Campeonato.

Uma palavra de apreço às equipas Sporting Verde e Sporting Branco. Foi intenção da equipa técnica dar a maior experiência e equilíbrio às duas equipas, em vez de apresentar uma equipa forte e outra mais acessível às adversárias. Jogaram muito bem, com muitas miúdas da nossa formação, e por aqui se vai vendo que a modalidade está bem entregue e respira saúde. Num período em que estamos todos a voltar ao “normal”, é bom saber que o trabalho não ficou parado. Os meus parabéns!

*quando consegue encontrar os ingredientes certos, o Escondidinho do Leão aparece com uma bola diferente debaixo do braço, pronto a contar histórias que terminam num ensaio