Radares para controlar a velocidade em Lisboa

Excerto de notícia do Diário Digital:

Os radares deverão ser instalados 21 radares em outros tantos locais problemáticos da cidade - Avenida da Índia , a Avenida de Brasília , a Avenida Infante D. Henrique , a Avenida de Ceuta , a Radial de Benfica , o prolongamento da Avenida Estados Unidos da América , a Avenida Marechal Gomes da Costa , a Avenida Gago Coutinho , a Segunda Circular, na zona de Benfica, junto à Avenida Cidade do Porto e na zona das Calvanas . Serão também vigiadas as saídas dos túneis do Campo Grande e da Avenida João XXI, o futuro Túnel do Marquês e a Avenida das Descobertas.

A intenção declarada é a de diminuir o número de acidentes. Mas está-me a parecer que é também para encher os cofres. Não vejo qualquer problema em, não havendo bicha, andar a 80 na Avenida da Índia ou a 100 na Radial de Benfica. Muito mais perigoso é andar a 60 na Fontes Pereira de melo ou na Avenida da República. Porque é que não colocam os radares aí? Enfim…

eu até concordo com esta medida mas tinha de ser generalizada a todas as localidades e especificados bem os limites de acordo com a problemática de cada via. Em Zurique por exemplo, há quase 20 anos que em nenhuma estrada se pode andar a mais de 60 à hora. Todas as estradas, estradinhas ou ruelas são controladas, oscilando entre os 60 e os 30 Kmh de acordo com a perigosidade de cada estrada.

Já vêm tarde. Mas soube dessa notícia ontem, e quando saía do jogo de caminho para casa, tentei ver na 2ª circular o limite de velocidade, e só por uma vez consegui vislumbrar o sinal a dizer 80. Na zona do Colégio Alemão, mas muito escondido. Até tinha ideia que o limite ali fosse 100.

Todas as medidas para evitar os acidentes de transito sao benvindas.

Portugal e o pais da Europa com mais acidentes.

Nao vejam os radares so como uma medida para sacar dinheiro.
Grandes cidades Mundiais tem os mesmos radares com excelentes resultados.
Em portugal ninguem respeita o limite de velocidade!

Eu ate duvido que algum se importe com isso, conduz a velocidade que quer e pode.

Portugal e o pais da Europa com mais acidentes.

Lamento, mas essa afirmação não é correcta.

Não só não somos o país com mais acidentes, como, contrariando o que a maioria dos média diz, não estamos na cauda da europa.

Comparando com a Espanha (que serve de comparação para tudo, ao fim e ao cabo), Portugal conseguiu, em 2004, melhores resultados tanto no número de mortos como na redução da sinistralidade nas estradas. Segundo um relatório provisório da Comissão Europeia, o número de mortos por milhão de habitantes foi de 108 no nosso país e de 111 em Espanha. Nas estradas portuguesas perderam a vida um total de 1135 pessoas e nas espanholas 4751. Relembro apenas que no fim-de-semana da páscoa, morreram em Portugal 8 pessoas, incluindo o tal actor da TVI e em Espanha 106!!

Ainda segundo relatório divulgado pelo jornal Expresso, Portugal foi no ano passado o terceiro país da Europa a conseguir melhores resultados na redução da mortalidade em acidentes de viação (-16,3%), uma diminuição que colocou Portugal a meio da tabela dos 25 da UE, em paralelo com a Áustria e o Luxemburgo e à frente da Espanha (que reduziu, em 2004, as mortes em 12,2%), Grécia e de todos os Estados de leste e centro europeu.

Ainda me podia alongar sobre a fiscalidade automóvel portuguesa, que faz com que as marcas comercializem como Extas, equipamentos de segurança activos e passivos como ABS, Airbag, EDS, etc, que noutros países, ao contrário de cá, são equipamentos de série na maioria dos carros do segmento médio e que ajudam a baixar a estatistica do numero de mortos por acidente, mas isso fica para outra ocasião.

Somos maus, não não somos tão maus como nos querem fazer parecer.

Eu passo todos os dias na radial de benfica e nunca vi lá um acidente. Agora vou ter de ter mais cuidado

Eu passo todos os dias na radial de benfica e nunca vi lá um acidente. Agora vou ter de ter mais cuidado

Verifiquei hoje “in loco”, limite 80. A única lógica que isso pode ter é não confundir os automobilistas, pois se houvesse dentro da cidade vias rápidas com velocidades diferentes tenderiam a adoptar a velocidade permitida pela via com maior velocidade admitida. Mas continuo a dizer que bem podiam esquecer os radares aí e colocá-los por exemplo na Avenida da República para ver se o limite de 50 é cumprido.

Se acham que nao estao na cauda tudo bem!!!

E um feito nao estar na cauda da Europa nos acidentes de viacao!!!

Se acham que ha poucos acidentes em Portugal continuem a nao
respeitar :o :o

… cuidado é com estes radares !!

Um abraço ,

The Mechanic

http://theflyingmechanic.blogspot.com/

Parece que o nº de multas no 1º dia ascendeu às 4000. Quem decidiu a localizacao dos radares e os seus limites foi esta loira enqto vereadora da Mobilidade, sem qq critério a nao ser o pessoal.


Gostaria de saber qual é a formacao especifica desta Sra do PSD para saber quais os melhores locais e velocidades para os radares.
Em Inglaterra, há radares mas o critério é publico, locais onde tenham morrido 4 pessoas num determinado periodo tempo cá em Portugal como diz a ACAP uma Sra decidiu para tapar o buraco financeiro da Camara, a seu belo prazer sem qq critério que se conheça (caça à multa).
Nao sei se repararam o PSD teve 15% nas eleicoes da Camara Municipal de Lisboa.
Para se ver a (nao) inteligencia desta Sra, ainda ontem numa entrevista conseguiu dizer o seguinte.
“Para a antiga vereadora da Mobilidade, a elevada percentagem de abstenção (62,61 por cento) é uma prova de “tranquilidade” face ao sistema político e, simultaneamente, um sinal de desinteresse da população.”
http://www.portugalnet.pt/pnet/noticia.asp?id=70090
Ou seja para esta Sra. é positivo as pessoas nao irem votar :wall:

Eu concordo com os radares. penso apenas que são poucos!

Gostava mesmo que os radares dessem tanto, mas tanto dinheiro à camera que resolvessem reduzir o IMI! Isso sim é uma multa que pago todos os anos!

Os radares e as multas de velocidade só paga quem quer. Não existe discussão alguma sobre isto! Eles estão lá, estão sinalizados, dizem até a velocidade permitida … se 4000 cairam, foi porque tinham dinheiro a mais e consciência civica a menos …

Em relação ás localizações e velocidades permitidas, relembro que todos os radares estão em circuito urbano, dentro da cidade e como tal, todas as estradas deviam ser de 50Km/hora. Felizmente alguem se lembrou de fazer um pedido para alterar em algumas estradas. Algumas foram alteradas outras não!

Podia ser mais alta a velocidade em algumas estradas … sim!
Podiam estar melhor localizados … sim!
Pode-se sempre evitar ser multado … sim!

Olha que bela oportunidade para fazer um “merge”! :lol:

Vou passar amanhã novamente na Radial de Benfica. Espero que agora o limite de velocidade esteja fixado nos 80, como esteve durante muito tempo e está anunciado - é que nas últimas duas semanas, no sentido Campolide - IC 19, estava nuns ridículos 50.

Por acaso no Ministério da Administração Interna vem informação contrária, ate 2005(ultimo ano) do estudo temos esse índice sempre superior à Espanha:
http://www.portugal.gov.pt/NR/rdonlyres/DE0FC124-ADC4-4662-BD67-F465D9BBA0DA/0/Estudo_PNPR_2007_2015.pdf - Pag. 11

No relatório da CE não devem contar(??) o feridos graves que depois morrem digo eu.
O único país pior que nós é a Grécia.

Mas em termos reais se calhar estamos muito piores (em relação a Espanha), porquê:

  • Esta comparação não leva em linha de conta que a Espanha é o 2º destino turístico mundial. O número de turistas em Espanha é 5/6 vezes o numero em Portugal o que distorce os dados.
  • Alguns turistas que vêem a Portugal de França, Alemanha passam por Espanha. Portugal é o fim da linha.
  • Alguns turistas Portugueses fazem o mesmo (eu por exemplo) quando vão a França, Italia, ect.
  • Centenas de Milhares de Trabalhadores, Marroquinos, Argelinos cruzam o território Espanhol(vindos de França, Suiça, ect) todos os anos com carros(mais que cheios" com cagulo", com tudo o que possam imaginar) e grande parte em mau estado, sem descansarem, originando muitos acidentes.
  • Dezenas de milhares de Portugueses, fazem o mesmo normalmente sem descansarem.
  • O grau de mobilidade interna, seja em trabalho, seja em ferias é muito superior em Espanha que em Portugal.

Eu não conheço a Grécia por isso não posso falar. Mas de todos os que conheço bem (na Europa) onde se conduz pior (com menos civismo) é em Portugal e no Sul de Itália.
Eu conduzi à Esquerda na Irlanda e no Reino Unido com mais facilidade do que conduzo na maioria da estradas Portuguesas.

Não foram esses radares que dispararam com os comboios?

Leis são leis e limites, são limites, ó Angel. Não existe nenhum sinal de tráfego que permita um limite de 80 sem filas e de 50 com filas. Ou é de 80 ou é de 50. Por outro lado, em relação à Av. da Índia, está a escapar-te as mortes nas passadeiras que já aconteceram nesse local.

Também aqui não concordo. Passo frequentemente nessas vias e não vejo que seja mais perigoso andar aí a 60 que noutras avenidas largas. :-\

Ui… já nao me lembro onde estava a info que referi. Deveria ter postado o link… mas penso que segui um link do Expresso online, mas repara que a info era relativa a um relatório provisório e foi em Abril de 2006.

Retenho, no entanto, que esse relatório apresentava os valores de 108 mortos po milhão de habitantes para Portugal e de 111 para Espanha. Seguindo o teu link, esses valores não são verificados. Por isso suponho que o tal relatório provisório tenha sido depois rectificado, pois eu não inventei esses numeros.

No entanto o teu link comprova a evolução positiva em termos de redução de mortos na estrada. Fomos quem mais evoliu nesse aspecto, o que é bom frisar.

Procurei entretanto mais informação e dei com isto:

http://epp.eurostat.ec.europa.eu/portal/page?_pageid=1996,39140985&_dad=portal&_schema=PORTAL&screen=detailref&language=en&product=sdi_tr&root=sdi_tr/sdi_tr/sdi_tr_imp/sdi_tr1410

http://ec.europa.eu/transport/roadsafety_library/care/doc/historical_evol.pdf

http://ec.europa.eu/transport/roadsafety_library/care/doc/historical_evol_pop.pdf

Não sou nenhum perito estradal, não tenho pachorra para agora estar a fazer mil e uma comparações estatísticas, nem me pagam para isso :P, no entanto acho que era interessante reflectir sobre o porquê de na Alemanha existir um numero de mortos por acidente e por milhão de habitantes muito inferior ao nosso enquanto eles têm 10x mais acidentes.

O rácio entre mortos/feridos deles é metade no nosso. Nós temos 1 morto por 30 acidentes e eles têem 5 por 330.

Para isto eu tenho uma leitura e gostava de saber qual a vossa opinião. É que eu acho que estes numeros têem tudo a ver com a segurança passiva do parque automóvel e com a qualidade do mesmo. Isto leva-me aos preços dos automóveis e à carga fiscal inerente. Ainda agora temos um ministro das finanças que alegremente respondeu como respondeu à comissão europeia relativamente à questão do abuso fiscal (ROUBO) que é a tributação de IVA sobre o IA, enquanto o português médio continua ter de prescindir de alguns equipamentos de segurança no seu automovel que um alemão médio não prescinde. Dá que pensar…

Não me fiz entender. Estou absolutamente de acordo em que não deve haver limites de velocidade diferentes consoante as condições de tráfego. O que quero dizer é que seria razoável ter um limite de 100 na Radial de Benfica - esse seria o limite a cumprir, devendo andar-se a menos se houvesse muito trânsito e tal se tornasse perigoso, e isto aplica-se a todas as vias.

Relativamente à Avenida da Índia, se calhar confundo com a Avenida de Brasília, nunca sei qual é qual. Estou a falar daquela que apanha quem vem da Marginal e se desloca para Alcântara, do lado da linha de comboio sem ser o do rio, em que não há atravessamento de peões.

Tendo em conta sobretudo o atravessamento de peões, andar a 60 na Avenida da República é mais perigoso que andar a 80 na tal avenida do Dafundo.

Não tenho muito tempo para escrever, mas gostaria de dizer o seguinte.

Relativamente à comparação entre os países, o rácio [n° de acidentes/n° de kms percorridos] ou [n° de acidentes/(n°pessoas transportadas X kms percorridos)] é muito mais pertinente que [n° de acidentes/população]. Este último oculta dois dados importantes : a mobilidade dos habitantes (e particularmente a mobilidade automóvel) que é muito mais importante em países germânicos, por exemplo, que em Portugal (não necessariamente em proporção, sobre esses dados não sei de nada) ; os factores geográficos, sendo de enorme importância o tipo de espaço em que se insere a maior parte desta mobilidade (âmbito urbano, suburbano, periurbano, rural). A acidentologia em zonas rurais costuma ser mais grave (maior, creio que não, mas vou tentar confirmar amanhã se tiver tempo) que em meio urbano. Portugal é dos países menos urbanizados da Europa - 65% de população urbana - média UE 75%) e este dado é um factor (não é exclusivo) agravante que explica a comparação que fizeste, António, entre Alemanha e Portugal.

Os rácios que tomam em conta o número de kms percorridos mostram outra imagem : como os kms percorridos em Portugal são muito menos que na Alemanha (mobilidade mais baixa, país muito mais pequeno e de densidade populacional mais baixa, mas também a idade média dos automóveis em circulação), o valor da divisão aumenta mecanicamente : em 1999, Portugal era o segundo país da Europa com os piores dados. Não encontro dados mais recentes, mas ao ler esta página (em francês, peço desculpa para quem queria ler e não percebe a língua de Molière), a evolução, não da conjuntura, mas sim global, desde os anos 90, não é das melhores em Portugal.

PS : entretanto, enquanto procurava mais dados, dei com este relatório - peço imensa desculpa, ainda é em francês - que utiliza (última página) o rácio n° vítimas/população total em 2004, e mesmo com este método (população global) Portugal aparece na cauda, apenas ultrapassado pela Bélgica (na mesma página, explicam que quanto mais elevada é a densidade populacional, menores são os riscos - esquecem-se de explicar então a posição da Bélgica).

(Uma nota curiosa : cada vez que estou em Portugal, é uma alegria atravessar uma rua urbana e saber que o carro que aí vem vai parar para me deixar passar. Se soubessem como é complicado fazer isto em França : aqui, o carro é mais potente que o peão, e portanto passa-lhe por cima se for preciso. A mentalidade portuguesa não é assim tão má.)

Isso é óbvio, é do senso comum. Se na auto-estrada, cujo limite é de 120, se encontrar bicha, sou forçado a reduzir para 60 ou 70. O problema é com aqueles que não respeitam nada nem ninguém e põem-se a fazer «chincana» entre os carros, colocando por vezes em risco a sua e a vida dos outros.

A Av. da Índia tem passadeiras. Não em toda a sua extensão, mas tem algumas passadeiras.

Qual é o problema de andar a 60 nessas avenidas? Não te estarás a esquecer dos sinais luminosos? Os peões só têm prioridade nas passadeiras, quando o respectivo sinal verde está aberto para eles e em contrapartida, se um condutor apanhar a «onda verde», pode perfeitamente percorrer essas avenidas a 60 ou até a mais. É claro que na Av. da Índia também há sinais antes das passadeiras, só que alguns inconscientes sentem uma atracção fatal em desrespeitar a sinalização nessa avenida e daí já terem ocorrido 2 tragédias.

O problema começa assim. A lei nao obriga a uma distancia minima entre os carros. E a razao dos acidentes entre carros é na esmagadora maioria por falta distancia entre eles.
Quando um acidente acontece nunca é pq ia a X velocidade, é pq o carro de alguem parou de repente. Pensem nisso :slight_smile: