Questões à "tribuna" Leonina

A estratégia do “Projecto” passava por rentabilizar património imobiliário (Alvaláxia, Estádio, etc) de modo a deixar o clube menos dependente da bola entrar ou ir ao poste… ao venderes esse património, o Clube Sporting fica TOTALMENTE dependente da bola entrar ou ir ao poste, porque as receitas e despesas estão confinadas praticamente ao plantel de futebol.

Por isso é que vender o património para baixar o Passivo e só depois investir (a tal alternativa 1) vai deixar o Sporting ainda mais dependente dos resultados desportivos… somando a isso os efeitos nefastos que o desinvestimento no futebol vai tendo junto da mobilizacão dos adeptos e da identidade do Clube e acabas com um Clube que não tem grandes despesas, mas também não tem capacidade de gerar receitas… e aí, não tens dinheiro coisa nenhuma para investires no que quer que seja.

se leres a frase toda percebes melhor… eu estava a falar da sobrevivencia do clube… é completamente diferente investir com 200 milhoes de passivo ou com 100…

um investimento significativo falhado, neste momento, representa um duro golpe na sobrevivencia do clube… um investimento com o passivo mais baixo tera de ser menos significativo (as receitas sao menores e por consequinte o montante para investir tambem menor) e nao põe em causa a sobrevivencia do clube mas “apenas” a capacidade competitiva da sua equipa de futebol…

e eu nao disse que defendia a primeira opçao… eu quero é um Sporting exigente, ambicioso e ganhador… mas nao posso ignorar o facto de haver outras visoes e de pôr a hipotese de ser eu a estar enganado…

Eu também estava a falar na sobrevivência do Clube, mas num sentido mais amplo…

Claro que é diferente investir com 200 ou 100 milhões de Passivo, mas lembra-te que a SAD que lida com o futebol só tem 60 milhões de Passivo, o Clube todo é que tem os tal 277. Ou seja, a limitacão da SAD no investimento é sobretudo devido ao défice orcamental todos os anos que tem de ser coberto pela venda de jogadores, dinheiro esse que perante um orcamento balanceado poderia abater o passivo da SAD.

O que acontece é que o que foi construído tem sido tão mal gerido (ou mal construído) que o Clube Sporting (e não a SAD) tem um passivo de pouco mais de 200 milhões para resolver (é tirar os 60 ao total) e não consegue gerar receitas a partir desse património construído para suportar o pagamento do empréstimo. Se metêssemos a SAD a pagar o Passivo então aí é que seria o descalabro, já que nem com a venda de jogadores se conseguiria cobrir o défice orcamental (mas pelos vistos já o fizeram com parte da venda do Nani).

Solucão de FSF: vende-se o património e deixa de haver Passivo, mas passa a haver “menos” Clube também. Ou seja, extingue-se a possibilidade de gerar receitas com o património, mas extingue-se as despesas criadas pelo mesmo. O que nos deixa com a SAD, com os seus 60 milhões de Passivo, com o seu défice orcamental coberto pela venda de jogadores. O que é que mudou? Nada… onde é que tens mais dinheiro para investir?.. Não tens, já que na SAD em si nada mudou. O que é que reduzir o Passivo vai contribuir para um investimento no futebol? A meu ver, muito pouco ou mesmo nada.

Desculpa não te ter respondido tb a esta… a tabela são os prospectos da SAD de 2004 a 2010, sendo 2010 a coluna mais à direita… os prospectos são já do tempo de FSF como Presidente.

Mas gostava de saber o que achas sobre a não-relacão entre o Passivo e o investimento da SAD no futebol ;).

Salvo raríssimas excepções, os ditos “notáveis” do Sporting são uma enorme bosta. O conformismo não é só com o projecto, tem sido com todas as direcções que me lembre. E depois é tudo uma gente velha, ultrapassada, que dá uma péssima imagem do clube. Até parece que não há mais sportinguistas conhecidos, caramba!

Em relação ao rumo a seguir, com ou sem dinheiro, com mais ou menos investimento, se não se sabe investir, não serve de nada ter dinheiro. Nos primeiros anos do “projecto” derreteram-se milhões de contos em jogadores miseráveis e não se ganhou nada. Agora gasta-se menos, mas continua a gastar-se mal. O problema está em que a estrutura da SAD é composta por um presidente (mais um) que não percebe nada de futebol e quer chatear-se o menos possível com isso, e depois os “quadros” intermédios estão mais preocupados com os seus “interesses” pessoais que em construir uma equipa competitiva.

Depois há outra coisa que é preciso ter em conta, tendo tudo a ver com o que disse antes, que é a composição accionista da SAD, que explica muito do que se passa na mesma. A gestão do futebol não está afastada das lutas pelo poder que se verificam na SAD, até porque o futebol do Sporting é a parte mais apetecível, porque é lá que se pode ganhar dinheiro. E, claro, só falta pôr a Academia debaixo da alçada da SAD, para ficar o baile armado…

Não acredito que todas as pessoas que estão na SAD tenham sido escolhidas pelo Sporting. Creio, sinceramente, que para o Sporting voltar a ter hipóteses de ser competitivo e soberano, tem de “extingui-la”, porque com os actuais accionistas (para além do clube) haverá sempre “granel” no nosso futebol… Isto pode parecer absurdo, mas até o Dias da Cunha já veio dizer que a SAD tem de deixar de estar cotada em Bolsa para que o Sporting não perca o controlo do seu futebol. Eu acho que já o perdeu, e que são precisas medidas radicais se quisermos que o clube volte a ser competitivo.

Já um puto melhor do que é normal naturalmente quererá fugir de um clube onde ganhando menos, vive um ambiente depressivo, onde não ganha nada a não ser taças da treta e onde ainda por cima o metem a jogar com cepos contratados sabe-se lá porque critérios e que possivelmente ganham mais do que ele sem que se perceba bem porquê.

As mais recentes declarações de Miguel Veloso têm tudo a ver com isso. E mais jogadores farão o mesmo, se o Sporting não evoluir. Não posso censurá-los… :wall:

Com as dúvidas que a idade já não permite disfarçar, creio que estás enganado, essas projecções ainda são do tempo de Dias da Cunha, o que em todo o caso nem quer dizer muito, porque se estar em bolsa é respeitar um conjunto de regras e comportamentos absolutamente honestos, então o Sporting também não pode, em teoria, afastar-se muito disso, até porque foi com base nesses numeros que se contraiu o ultimo empréstimo obrigacionista.