PSP captura autor do disparo do very-light no Jamor: Hugo Inácio

Hugo Inácio foi capturado na Lixeira.

[url]http://www.maisfutebol.iol.pt/benfica/benfica/1390877-1456.html[/url]

Estou com problemas em entrar no link da notícia, mas está no Facebook do maisfutebol.

Que apanhe muitos sabonetes. Escorregadios. Porco!

Curioso que as notícias mais recentes que encontrei desse porco são do ano passado e falam da sua recaptura. Pelos vistos já estava cá fora outra vez.

PSP detém adepto que lançou very light na final da Taça

Hugo Inácio é suspeito de ter atingido um polícia com uma cadeira durante uma ação policial para repor a ordem, no Estádio da Luz.
Hugo Inácio, o adepto que foi condenado a cinco anos de prisão por ter lançado o very light que levou à morte de um adepto do Sporting, em 1996, nma final da Taça de Portugal, foi detido esta quarta-feira no Estádio da Luz. .

O ex-adepto da claque encarnada No Name Boys, recorde-se, foi condenado pela morte de um adepto do Sporting na final da Taça de Portugal, no Jamor, é agora suspeito de ter atingido um polícia com uma cadeira durante uma ação policial para repor a ordem, no Estádio da Luz, antes do Benfica-Spartak de Moscovo.

Segundo a PSP, “um adepto do SLB, posicionado no varandim superior do estádio, lançou uma cadeira sobre os elementos policiais, vindo a atingir um elemento desta Policia, causando-lhe ferimentos na mão e na perna, pelo que o agressor foi imediatamente detido”. Apurou-se que “se tratava do mesmo cidadão que já em 1996 esteve envolvido nos incidentes da final da Taça de Portugal e pelos quais foi condenado, como autor do disparo mortal do “very light” que culminou na morte de um adepto do Sporting Clube de Portugal”, lê-se no comunicado do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP.

Hugo Inácio esteve 11 anos escapado à Justiça, depois de se ter evadido, em 2000, da cadeia do Linhó, onde cumpria a pena de de cinco anos de prisão, quatro pela morte do adepto do Sporting e um por tráfico de droga. A 17 de fevereiro de 2011, foi detido, na Tapada das Mercês, em Sintra e cumpriu então os 15 meses e seis dias da pena que faltavam.

O JOGO

Era fixe o gajo perder a cabeça, e esta ser encontrada no jardim da casa dos degredos pelo nngay que lá está.
:twisted:

:lol:

Só em Portugal é que um gajo destes pode voltar a entrar num recinto desportivo. Neste caso sou completamente a favor de justiça popular.

A questão é essa, no galinheiro não se pratica desporto.

Já não bastava ser um assassino e um delinquente ainda tem a inteligência de uma avestruz. Assim que saiu do chilindró tornou logo a fazer merda. Que nunca mais saia de lá.

Espero bem que volte lá para dentro por mais uns aninhos e que fique interdito de aceder a recintos desportivos para o resto da vida.

E que lhe façam a folha lá dentro já agora.

Há gente que só ocupa espaço…

…este já justificava um linchamento no Marquês!

Escória!

Deviam era fazer-lhe a folha lá dentro, não se perdia nada!
Que vire a bitch de alguém lá dentro!

Grande Rui Mendes, não nos esquecemos! :clap: :clap:

Que seja a cabra de todos eles dentro da prisão! É bem, boa notícia para a humanidade!

Olha, parece que o "eterno guerreiro"continua a atirar coisas.

Não me admira que continue a ser um merdas nojento, só me admira como é que ainda pode entrar em estádios de futebol. Ou como é que não o tinham ainda apanhado.

Filho da pu…!

18.05.96 - Eu não me esqueço e tu?

O que surpreende mais, é mesmo a burrice desse lampião… foi preso, andou fugido, voltou a estar preso e agora anda metido em confrontos com a policia.

Realmente os lampiões são uma espécie muito peculiar.
E esse não merece viver.

Isto é que é de notar.
Ele está de passagem pela esquadra, só. Amanhã já anda por aí outra vez.

Para quem nunca viu, aqui fica a cara do lampião assassino.

Mais info (antiga, da altura em que foi recapturado depois de andar fugido): [url]TVI

É também o meu desejo. Que apanhe muitos sabonetes e se algum decidir apertar com ele não seja brando.

Estamos em Portugal, país lampiónico e por isso estamos na trampa. Ele ainda vai sair em ombros da prisão.

Mas pode ser que a “justiça” deste país me surpreenda.