Prospecção de Reforços de Inverno - texto curioso e oportuno

Num momento em que parece que o Sporting se prepara para voltar a contrar à moda de Freitas (ou seja, deitando cruz numa ou mais casas seguintes Veloz/Litígio/Brasil) deixo este texto pérola, da autoria de Luís Freitas Lobo, dedicado não só ao Cacá Pulso Mole mas a todos quantos tive que “aturar” na defesa deste burguesso e da sua forma de “trabalhar” o mercado de contratações nestes últimos 6 anos.

Ainda há bem pouco tempo houve quem discordasse da ideia que defendi em torno da existência de uma estrutura de prospecção de reforços, na mesma filosofia da que existe para a formação.

Cá vai o texto giro (mas ingénuo) de Lobo.

[i]Manual para descobrir reforços

Aproxima-se o mercado de Janeiro e, mais uma vez, não ficam dúvidas: os clubes estão completamente reféns dos empresários na compra e venda de jogadores. Não dão um passo sem eles. Existe, porém, outra forma.

Durante o último defeso, vários treinadores perguntaram-me a opinião relativamente a um jogador zambiano chamado Collins Mbesuma. Confesso que o conhecia mal. Vira um par de jogos dele ainda na África do Sul, mas não me convencera definitivamente e do pouco que jogou em Inglaterra, no Portsmouth, ficara-me a ideia de um nº9 robusto, de choque, mas tecnicamente pouco imaginativo.

A razão que me levara a procurar por um jogo dele na África do Sul era, no entanto, demolidora. Prometera, ao chegar, marcar 40 golos na época e, no final, marcara…38. Seja onde for, ninguém marca tantos golos por acaso. Aposta consciente ou de risco, o jogador acabou por ingressar no Marítimo (que, diga-se, não me perguntou nada) e neste momento, já não duvido, não é um fenómeno, mas é um ponta-de-lança como o golo no sangue.

O caso de Mbesuma não foi, porém, único. As perguntas múltiplas sucederam com outros jogadores estrangeiros vindos de paragens mais longínquas. No final, quase todos, trazidos pela astúcia negocial dos empresários, encontraram um clube. Muitos, pouco ou nada jogam, mas não é isso que os impede de estar agora já a fazer as malas para outro clube.

Não consigo entender porque os clubes não têm um gabinete de prospecção estruturado como uma prioridade da sua organização. Tanto para um reforço normal como para uma grande estrela, o reconhecimento e contratação de um talento implica um trabalho estruturado no tempo.

Por cada posição, deve-se ter pelo menos cinco jogadores referenciados (divididos em idades, características, custo, etc). Não acho possível avaliar um jogador em treinos ou por mirabolantes montagens em DVD.

Já vi alguns em que o nº9 mais torpe parece uma máquina goleadora. Um jogador pode ser, primeiro, referenciado em vídeo, mas, depois é obrigatório observá-lo ao vivo. Pelo menos, três jogos em casa e três fora, com condições, adversários e graus de dificuldade diferentes. Desta forma, traça-se o perfil, táctico e técnico do jogador, respeitando uma trilogia base:
valor potencial (o que efectivamente demonstrou)
rendimento (o que, integrado noutro clube, ambiente, táctica, aspecto humano, etc, poderá render)
e especialização (posição de origem).

Depois, quando chegada a época de transferências (inicio de época e mercado de Janeiro) iria recorrer-se a essa relação de jogadores e avançar, assim, para uma contratação devidamente pensada e suportada em observações sérias.

Ou seja, a contratação feita em Janeiro de 2007, deve ter sido começada a pensar em Janeiro de 2006 e assim sucessivamente, mas a verdade é que a maioria dos clubes chegam a estar altura sem ter qualquer jogador referenciado.

Então, em vez de serem os clubes a ir ter com os jogadores e, indirectamente, seus empresários, acontece o contrário: são os empresários a ir ter directamente com os clubes com os seus portfolios de craques para todos os gostos, posições e bolsas. São recebidos de braços abertos em opíparos almoços e jantares.

No futebol, no relvado ou nos gabinetes, só se vence partindo da organização e da identidade. Os dirigentes cada vez querem mais coisas, cada vez querem coisas mais depressa, e cada vez sabem menos aquilo que querem.[/i]

nada a acrescentar.
Mas como ainda há quem ache que Cacá está a fazer um bom trabalho… siga… cantando e rindo.

Eu acredito que o Bueno tenha vindo só por causa do video do Youtube.

ele no fm tb não tá mau!

:lol:

Sou sincero: sorte a de quem um dia conseguir sacar este gajo para trabalhar no seu clube!

Não é que ele seja a pessoa mais inteligente do Mundo ou aquela que mais sabe de bola: simplesmente não é atrasado mental, como a grande maioria dos que “defendem os interesses dos seus” clubes ( :shock: :shock: :shock: ), e neles trabalham ( :shock: :shock: :shock: ).

Gostava de ver mesmo “um” Luís Freitas Lobo a gerir, a descobrir e a contratar jogadores para o meu clube. Mas ao que parece, saiu-nos na fava outro Freitas…

www.Porta10A.blogspot.com

Este senhor percebe muito de futebol dentro das quatro linhas e tudo o que envolve este desporto… Dá gosto ver os textos dele. :wink:

Cá vai o texto giro (mas ingénuo) de Lobo.
Achas mesmo que é ingénuo? A mim parece-me que ele escolhe o tema e as palavras para atingir com precisão um determinado alvo...

Quanto ao conteúdo, nada a dizer, é isto mesmo. Mas também não se pense que o homem descobriu a pólvora. Este tipo de trabalho de prospecção de base, profissional e rigoroso, é, com as devidas adaptações, o que Sporting faz há décadas nas camadas jovens.

Infelizmente, nas contratações para a equipa principal os critérios, e sobretudo as prioridades, são outros. Por isso é que nós recrutamos no lote de enjeitados, litígios e nulidades que nos trazem um ou dois empresários, enquanto um pouco por toda a Europa clubes com capacidade financeira idêntica ou mesmo inferior à nossa vão contratando futuras estrelas a troco de vinténs. :arrow:

é inteligente, tem ideias e percebe de futebol! mas se estiver a trabalhar num clube e metido nos negócios…não sei até que ponto consegue resistir à pressão das “luvas” e “comissões”…

Mas que porra! Quantas assinaturas é que é preciso para convocar uma assembleia geral e levar a votos a expulsão daquele FDP?

Cá vai o texto giro (mas ingénuo) de Lobo.
Achas mesmo que é ingénuo? A mim parece-me que ele escolhe o tema e as palavras para atingir com precisão um determinado alvo...

Quanto ao conteúdo, nada a dizer, é isto mesmo. Mas também não se pense que o homem descobriu a pólvora. Este tipo de trabalho de prospecção de base, profissional e rigoroso, é, com as devidas adaptações, o que Sporting faz há décadas nas camadas jovens.

Infelizmente, nas contratações para a equipa principal os critérios, e sobretudo as prioridades, são outros. Por isso é que nós recrutamos no lote de enjeitados, litígios e nulidades que nos trazem um ou dois empresários, enquanto um pouco por toda a Europa clubes com capacidade financeira idêntica ou mesmo inferior à nossa vão contratando futuras estrelas a troco de vinténs. :arrow:

Isto ainda é mais grave! O sector de formação trabalha muito melhor, e é muito mais profissional que o sector do futebol sénior. Mal de um clube que assim esteja estruturado.

Este senhor percebe muito de futebol dentro das quatro linhas e tudo o que envolve este desporto... Dá gosto ver os textos dele. :wink:

Também sou grande apreciador do trabalho de Luís Freitas Lobo. Sou leitor assíduo do seu Blog.

Ja aqui alguns falaram que este senhor seria bem vindo ao sporting ou com um cargo profissional a tempo inteiro ou simplesmente como um consultor em exclusivo.

Se cácá & companhia nao querem la mais ninguem que visitem o site deste senhor que sempre podem aprender alguma coisa.

Noutra prespectiva seria dar plenos poderes ao AURELIO PEREIRA para montar um departamento capaz e profissional pra prospecçao de mercado a nivel senior.

O Departamento de prospecção das camadas jovens faz um brilhante trabalho.
Convém, no entanto, lembrar que convencer jovens portugueses a ingressar na maior escola de formação do país não é uma tarefa assim tão complicada.
Existe um mérito enorme na detecção de talentos mas depois temos argumentos válidos para os trazer para cá.

Em relação aos seniores a história é outra.
Convencer jogadores estrangeiros a jogar num clube com pouco peso a nível internacional e que nos últimos anos ganhou meia dúzia de troféus não é pêra doce.
A detecção de talentos a baixo custo e com vontade ingressar no nosso clube não é o mesmo que ir buscar um miúdo talentoso de 13 anos a um clube de Trás-os-Montes e convencê-lo a vir jogar na academia que tem formado tantas estrelas.

Sem dúvida que o nosso departamento de prospecção a nível senior não funciona da melhor maneira mas não seremos os únicos e ninguém acerta sempre

Mais uma achega para o gabinete de prospecçao seria utilizar antigos jogadores e treinadores do sporting que nao estejam em litigio com o sporting para serem os nossos olheiros nos respectivos paises e fazerem logo o trabalho de casa.

Falo em litigio porque ai nao poderemos incluir neste aspecto Iordanov e Cherbakov.

Mas temos pessoas como Andre Cruz,Beto Acosta,Mirko Jozic,Ivkovic,Schemeichel e muitos outros que nos poderiam dar uma ajuda…

Talvez seja uma ideia maluca mas …

Talvez seja uma ideia maluca mas ....

Longe disso. É só uma questão de saber quem tem realmente capacidade para fazer esse trabalho. :wink:

O Manchester tem um protocolo com o Solskjaer e com a escola de formação que ele tem na Noruega e já la foi buscar alguns miúdos.

Podíamos fazer protocolos semelhantes noutros países.

Schmeichel e André Cruz são jogadores que fariam mais facilmente esse tipo de acordos com clubes de outra dimensão. Jozic não tem ligação forte com o Sporting para esse tipo de ligação.

Acosta parecia-me uma excelente aposta. Poderia coordenar um sector de prospecção na América Latina.
Ivkovic acho que continua por cá mas se ele estivesse informado poderia fazer prospecção ali pela Croácia, Jugoslávia, Sérvia, Bósnia, Eslovénia, esses países por aí.

é só teóricos neste fórum :lol:

Ja se fala em contratar o LFL para gerir o futebol do Sporting e tudo… :shock: :slight_smile:

O que ele diz é bem verdade, os jogadores são vendidos por catálogos, e sob o ponto de vista lucrativo, para quem é interveniente no negócio. É impressionante como alguém que deve ter um bom ordenado, ainda tem “coragem” para ganhar mais umas massas, prejudicando o clube na mais variadas ocasiões, sem que nada lhe aconteça. Se um director ou responsavel de uma empresa num determinado sector, erra tantas vezes, só tendo uma grande cunha ou fazendo parte de um “sistema”, é que consegue manter o posto de trabalho.

Investiguem-se estes senhores, pois está na cara e à vista de TODOS, que o que fala mais alto na altura de decidir uma contratação, são as comissões.

Ainda tive a falar com o meu irmão hoje acerca deste tema, e chegamos à conclusão que a contratação de um jogador, obedece a uma série de regras e exigências, que vão desde a qualidade enquanto futebolista (suportado na analise de vários jogos) como do seu carácter enquanto pessoa. Por exemplo, é impensável na minha persepctiva que um jogador que esteja em litigio com o seu actual clube entre no Sporting.

Um clube como o Sporting, que vive numa situação complicada, tem de ter outros niveis de exigencia nas contratações, como tal tem de ter os profissionais certos para os lugares certos. As pessoas caem no erro de acreditar na teoria do “custo zero”…nada mais que uma falácia. Olhem o caso do JPinto, que era a “custo zero” e custou a módica quantia de 4 milhões de euros :shock: :shock: :shock: uma das contratações mais caras de sempre do Sporting…

Isto é tudo muito bonito e vejo aqui algumas ideias interessantes, mas agora pergunto se vocês acham que o senhor Franco abriria mão do seu mais que tudo, amado, Freitas?

Freitas está de pedra e cal no Sporting. Dói mas é verdade.

no outro dia espetei por acidente um agrafo no polegar. E ele lá ficou, de pedra e cal. Ainda hoje lá está. Dói mas é verdade. Mas o que se há-de fazer? É a vida.

eu acho que devias arrancar, mesmo que faça sangue, porque senão vai infectar. A ferida sára sempre.