Orçamento para a próxima época

17 milhões para nova época

A projecção orçamental para o futebol do Sporting na temporada 2006/07 configura o final da acentuada redução de custos que marcou os últimos anos de gestão na SAD leonina. A próxima época vai implicar um investimento equivalente ao da que agora finda
JEAN-PAUL LARES

Os responsáveis da SAD do Sporting já estabeleceram a projecção orçamental para a próxima temporada: a empresa do futebol vai dispor de 17 milhões de euros para “atacar” os ambiciosos objectivos desportivos – recorde-se que, pela primeira vez desde 2001/02, o emblema de Alvalade vai disputar a fase de grupos da Liga dos Campeões.

Apesar de muito inferior ao dos rivais de sempre, o novo orçamento dos leões fica marcado por uma alteração significativa da política seguida nos últimos anos: ao contrário do que sucede desde 2002, o investimento no futebol não vai ser reduzido. Termina assim um esforço de adequação das despesas à capacidade de gerar receitas. Obedecendo a um princípio estratégico e às recomendações dos parceiros financeiros, o Sporting cumpriu o programa de contenção de despesas, mas, hoje, perante os novos desafios, terá atingido o limite inferior numa actividade em que a competitividade – desportiva e comercial – é extrema.

Assim, a SAD contará com um orçamento da ordem dos 17 milhões de euros, ou seja, sensivelmente o mesmo que resultará do exercício em curso – a previsão era de 18 milhões de euros, mas não deverá ir muito além dos citados 17, mesmo com os prémios resultantes do apuramento directo para a “Champions”.

Corte de dez milhões em apenas quatro anos

Ao fixar a fasquia nos 17 milhões de euros, a SAD leonina assume ser este o limite mínimo para assegurar a competitividade da equipa de futebol profissional, mas concretiza os objectivos a que, num passado recente, se propôs. Num espaço de apenas quatro anos, os custos do futebol leonino foram reduzidos em cerca de dez milhões de euros, num ciclo de contenção de despesas digno de nota. Se, em 2002/03, a principal actividade do clube registou despesas de 28 milhões de euros, esse valor desceu para 23 em 2003/04, para 20 em 2004/05 e, na época agora finda, deverá ficar pouco acima dos 17 milhões de euros (face aos cerca de 18 milhões previstos).

in ojogo

sendo este um orçamento baixo em comparaçao os outros acredito que possamos fazer uma boa época apostando nos novos talentos!

sendo este um orçamento baixo em comparaçao os outros acredito que possamos fazer uma boa época apostando nos novos talentos!
Na actual situação do Sporting, a aposta na sua formação é não só uma prioridade como uma inevitabilidade face ás dificuldades económicas do clube, mas mesmo que elas não existissem esta é uma boa filosofia, da qual o Sporting tem conseguido retirar alguns frutos nos últimos anos, e espero que assim continue no futuro.
[b]17 milhões para nova época[/b]

A projecção orçamental para o futebol do Sporting na temporada 2006/07 configura o final da acentuada redução de custos que marcou os últimos anos de gestão na SAD leonina. A próxima época vai implicar um investimento equivalente ao da que agora finda
JEAN-PAUL LARES

Os responsáveis da SAD do Sporting já estabeleceram a projecção orçamental para a próxima temporada: a empresa do futebol vai dispor de 17 milhões de euros para “atacar” os ambiciosos objectivos desportivos – recorde-se que, pela primeira vez desde 2001/02, o emblema de Alvalade vai disputar a fase de grupos da Liga dos Campeões.

Apesar de muito inferior ao dos rivais de sempre, o novo orçamento dos leões fica marcado por uma alteração significativa da política seguida nos últimos anos: ao contrário do que sucede desde 2002, o investimento no futebol não vai ser reduzido. Termina assim um esforço de adequação das despesas à capacidade de gerar receitas. Obedecendo a um princípio estratégico e às recomendações dos parceiros financeiros, o Sporting cumpriu o programa de contenção de despesas, mas, hoje, perante os novos desafios, terá atingido o limite inferior numa actividade em que a competitividade – desportiva e comercial – é extrema.

Assim, a SAD contará com um orçamento da ordem dos 17 milhões de euros, ou seja, sensivelmente o mesmo que resultará do exercício em curso – a previsão era de 18 milhões de euros, mas não deverá ir muito além dos citados 17, mesmo com os prémios resultantes do apuramento directo para a “Champions”.

Corte de dez milhões em apenas quatro anos

Ao fixar a fasquia nos 17 milhões de euros, a SAD leonina assume ser este o limite mínimo para assegurar a competitividade da equipa de futebol profissional, mas concretiza os objectivos a que, num passado recente, se propôs. Num espaço de apenas quatro anos, os custos do futebol leonino foram reduzidos em cerca de dez milhões de euros, num ciclo de contenção de despesas digno de nota. Se, em 2002/03, a principal actividade do clube registou despesas de 28 milhões de euros, esse valor desceu para 23 em 2003/04, para 20 em 2004/05 e, na época agora finda, deverá ficar pouco acima dos 17 milhões de euros (face aos cerca de 18 milhões previstos).

in ojogo

Aqui está mais um exemplo da gestão merdosa da qual o Sporting é alvo. Deveriam continuar a queimar dinheiro que não têem e depois ir pedir mais empréstimos, isto sim seria uma gestão virada para o futuro do Sporting. :roll: