O Sporting e o investimento na América Latina, uma história de Sucesso?

O Sporting tem um departamento de scouting competente; convinha era, vá, ligar-lhe qualquer coisa.

Acho que há algum receio em fazer apostas de risco. Caso do Arana por exemplo, o Sporting chegou lá cedo e gostou, mas quis ver mais para tirar dúvidas, e mais um bocadinho, e ainda mais um bocadinho… quando se decidiu o jogador já era demasiado caro e fora das nossas possibilidades financeiras. Há que ter algum espírito de jogador de poker, de arriscar, e não vejo o Sporting a fazer esse género de apostas. Já me contaram de casos em que o Sporting rejeita jovens de alto gabarito a preços porreiros porque só quer apostar em certezas absolutas.

Isto já existe e adivinho que exista no departamento de scouting do Sporting.

Primeiro. se fosse fácil todos o faziam.

Partilho da opinião de outros: não é tanto a nacionalidade é mais uma questão do tipo de compra que se faz. Eu prefiro uma política em que se investe mais mas em jogadores de qualidade mais comprovada.

Os últimos anos comprovam mesmo isto: BF, Bas Dost. Caros para o clube mas titulares destacados. Esta política acaba por resultar melhor porque o potencial de venda também é muito melhor, o rendimento desportivo é melhor e reduz-se o risco.

Claro que quando há um Pongolle ou Labyad a coisa também dói muito mais mas alguém que faça a estatística: quantos jogadores acima de 6M é que foram flop (em %) e quantos de 0-4M é que o foram. Eu apostaria que mesmo com alguns flops caros a quantidade de dinheiro esbanjada em flops baratos foi muito superior.

Defendo que as contratações devem ser em jogadores de qualidade e os ‘buracos’ a serem tapados por jogadores da Academia que mereçam a oportunidade. Obviamente que há sempre negócios baratos q vale a pena o risco mas devem ser comprados mais na perspectiva de negócio q propriamente para titulares do clube.

Pessoalmente á muito talento em países na Europa como Croácia, Sérvia, Dinamarca… são outro tipo de jogadores, mas por serem europeus já tem algum andamento e se ajustam mais rapidamente ao nosso futebol.

Imaginem descrobir o novo Modric, ou um Matic, ou um Eriksen…

Já não sabes!!

Concordo em grande parte com muitas das vossas ideias. Antigamente vivíamos maioritariamente de contratações de elevado risco, aquelas entre os 0-4M, e que vamos ter de continuar a viver sempre. Mas recentemente já vemos contratações cirúrgicas por valores mais imunes a flops, como o caso do Bruno, Bas Dost, Acuna, Wendell… e este seria o caminho correcto.
No entanto, acho que não é apenas uma questão de scouting onde estamos furos abaixo da concorrência. Para podermos continuar a fazer contratações destas cirúrgicas, é necessário saber vender, saber identificar quem já está nos limites do potencial e não vai trazer mais do que o que já traz à equipa, conseguir perceber que a mais-valia de determinadas vendas é bem superior à falta que esses jogadores irão fazer no imediato… que as boas vendas podem ser colmatadas na hora com investimentos de valor abaixo ou igual em jogadores com mais qualidade do que o que vendemos. Basta olhar para casos gritantes como o de Alan Ruiz que segundo consta por teimosia de JJ não foi de vela por propostas altas… ou um Piccini que certamente já teve propostas que valorizaram imenso um jogador que penso que não dará mais do que isto… ou se quisermos meter mais a mão na ferida, jogadores como Acuña, até um William Carvalho… ou mesmo um Bas Dost, podem e devem/deviam ter ser vendidos quando estão/estavam em alta mediante algumas ponderações.
O caminho passa por saber comprar, mas também saber vender para poder comprar cada vez melhor.

Numa entrevista que li do Costinha, segundo ele, enquanto não assinou contrato com o fcp o presidente não desarmou, não abandonou a reunião, enquanto que com outros, “não resolve agora então amanhã falamos mais um pouco”…e este também pode ser um problema, ou seja quando descobrimos alguém, seja sul americano ou europeu, temos que ter, primeiro dinheiro e depois perseverança…só se abandona uma reunião por duas razões, ou sem entendimento mínimo ou com contrato assinado…e depois também não podemos exigir mundos e fundos a jovens logo no primeiro ano…isso só os predestinados…

Com o que se passou, ainda pior. Cada vez vai ser mais dificil trazer desta zona jogadores…

:rotfl:

Qual é mesmo a piada? Jogadores bons pode vir a ser mais trabalhoso. Agora dos outros esses qualquer um vem…