O que é que lêem, nestas noites...? (Livros, BD, colectâneas)

Os que vêem a seguir são igualmente bons, na minha opinião, só que temos de ter em conta que a história anda para a frente… há muita gente que adora o God Emperor of Dune (o número 4) ao ponto do absurdo, porque, enquanto o primeiro Dune se dedica bastante world-building e a meter as coisas no seu lugar, o livro 4 eleva os propósitos da história ao seu ponto mais alto e faz-nos pensar sobre o futuro, sobre a vida, sobre a humanidade e o nosso papel em tudo isso.

O que eu sinto nestes livros é que são livros de ficção científica que tocam em diversos pontos vitais daquilo que é a sociedade. Ecologia, biologia, política, religião, tecnologia, etc. Acho muito bom a diversidade de assuntos, e sinceramente já não me concentrava tanto num livro há muito tempo.

Para aqueles que, como eu, gostam de romances/dramas históricos, aconselho a ler Ken Follet. Pilares da Terra, Mundo Sem Fim e Eye of the Needle são os meus preferidos.

Acabei ontem o Red Rising, tinha lido grandes coisas da saga, mas achei meh. Muito juvenil, pareceu-me. Pode ser que seja daquelas que a história vai ficando mais adulta, mas não sei se fiquei com vontade de continuar, pelo menos para já.
Além do personagem principal ser o tipo mais mega em tudo que existe, mesmo sem saber e sem foramcao, o gajo é o maior da aldeia.

Eu adorei a segunda metade do livro. Sim, é a rocar um pouco YA-sci-fi (quase nível Hunger Games), mas uma pessoa habitua-se. A história ganha complexidade no segundo e terceiro livros, fica mais “dramática” e menos childish e tem momentos muito muito bons, na minha opinião. Aliás, é ao ponto de uma pessoa quase esquecer os acontecimentos do primeiro volume.

Pois, eu imagino que seja exactamente como o Hunger Games, que tb vai ficando mais adulto e complexo.
Mas custou-me um bocado aceitar um cenario de barbarie que se adivinhava, com todos aqueles alphas, e depois acabou tudo por ser relativamente pela rama. Tinha curtido muito mais se fosse mais na onda do Battle Royale.

Não li esse, mas agora vou mandar vir só pra saber. :grinning_face_with_smiling_eyes:

Sim, o primeiro (Red Rising) acaba por ser soft, mas aquilo também era mais um jogo de survival entre “putos” onde o objectivo não era bem bem matarem-se todos uns aos outros, já nos dois seguintes há mais “sumo”… mas sim, o Darrow é sempre aquele gajo que, mesmo quando o apocalipse está ali mesmo ao lado, arranja maneira de sair da coisa. O final do segundo livro no entanto, deixa-te meio em choque… :sweat_smile:

Vou dar uma hipotese entao ao proximo. Thanks
O Battle Royale é um hunger games à seria. Eu gostei muito.

1 Curtiu

A saga de Dune são 6 livros.
No fundo são 2 trilogias onde a transição da primeira para a segunda é notória e abrupta, sem nunca deixar de ter as linhas orientadoras da saga. Demorei alguns anos para começar a ler o Dune Messiah e Children of Dune, depois de acabar Dune. E ainda mais alguns para acabar a saga. Devia tê-lo feito mais cedo.
TODA a obra de FH é incrivelmente sagaz, bem escrita, densa, pertinente e repleta de food for thought. Gostarás mais de alguns livros que outros, é natural, mas não há um livro mau ou menos bom na saga.
Dune é uma referência incontornável em sci-fi e ramificou em tantas outras obras literárias/filmes/séries por alguma razão. Só para dar um exemplo, Star Wars tem várias pequenas (e outras grandes) referências “retiradas” de Dune. Quem conhece os dois mundos nota-o claramente e é um gozo especial para mim, dado que sou fã de ambos.

Okay, estava a pensar ao acabar o primeiro livro, avançar para a Century Trilogy que é uma trilogia que já ando a pensar ler há algum tempo, mas se calhar vou pensar em dar uma oportunidade a toda a saga.

Fiquei um bocado “meh” quando vi os comentários no Reddit acerca do resto dos livros. Eu nem sou muito de me guiar por outros na minha escolha bibliotecária, mas fiquei um pouco de pé atrás. Mas vou acreditar em vocês e vou dar uma oportunidade à coisa. Sou um confesso fã de Sci-Fi, e realmente era um sacrilégio nunca ter lido o livro de Sci-Fi mais reconhecido do mundo…

Comprei um Kobo, um pequeno e-reader, e isso permite-me agora sacar os livros, em inglês como gosto, e ler à vontade, sem me preocupar com gastos absurdos em livraria. Abriram-se novos horizontes para mim ahahah

Não é acreditar em nós, per se.
Dune (saga) é unânimente reconhecida como a mais importante obra de sci-fi de sempre (a par com Foundation, de Isaac Asimov). Mais de 5 décadas depois, continua a acumular o respeito e a admiração incontida de quem lê as obras de FH. E já foram milhões de pessoas a fazê-lo.
Ainda há todo o trabalho do filho e de Kevin J. Anderson. Aí muitos, tal como eu, não encaram estas obras como cannon. Muitos acham que são cannon. Opiniões.

Especialmente para quem gosta de sci-fi, ler a saga completa é obrigatório. Vais dar o tempo por muito bem empregue, garantidamente.

2 Curtiram

Algumas dezenas de páginas já lidas…
image

2 Curtiram

c

2 Curtiram

3aab9589-c218-4673-b97a-a14dd3038211_1.77f76d10557909ec4bbb419815b6d7b6

3 Curtiram

@Paracelsus, @Mentat acabei de ler agora o Messiah of Dune. Okay, apesar de ser um livro, na minha opinião, extremamente confuso (foca-se mais nas intrigas políticas, no “perceber” do Paul em relação ao seu futuro e ao desfecho das suas ações, naquilo que a sua jihad obliterou), a introdução do Tleilaxus, dos ghola, bem como a morte da Chani e no facto de ter tido gémeos, mostrando um desfecho final ao Paul daquilo que ele tinha visto nas suas visões (adorei o final do livro btw)) este foi o livro que realmente me agarrou. À custa do Messiah of Dune irei continuar a ler, fantástico. Vou sentir a falta do Paul nevertheless. Grande personagem, uma espécie de semi-god que se apercebeu das suas limitações/desfecho de ações.

Também tou com curiosidade para ver como é que vai ficar o breeding program das Bene Gesserit.

1 Curtiu

Meti parte do teu post em spoiler-mode para não dar em demasia a quem ainda não leu.

Ah, e sobre o Paul, ainda não te livraste dele… :smiling_imp:… não vou dizer mais pra não estragar. :sweat_smile:

Fizeste bem, nem me lembrei disso. Opa, lindo. Deste-me curiosidade ahaha.

Mas o @Mentat disse que havia muitas coisas que inspiraram outras histórias de ficção científica, e eu noto isso ao nível dos espaços. Sietch Tabr e Arrakeen, na maneira como eu as imagino, deu claramente início a diversas outras civilizações, como as muitas localizações em deserto do Star Wars. Pá, tou a adorar. What a ride.

A viagem ainda mal começou.
Dune é tão mas tão vasto, denso e intrincado que os primeiros dois livros são apenas o levantar da ponta do véu.
Engraçado a tua visão sobre a personagem Paul. A minha é algo diferente, mas acho normal tendo em consideração que só leste 1/3 da obra. Paul é uma metáfora brilhante e intemporal e o resto da leitura vai fazer-te chegar lá.
Siga para Children of Dune. E depois começa a diversão a sério (pelo menos para mim).

O Paul faz-me pensar. Ele, na teoria, criou um império extremamente vasto, alocado a uma religião que se pode considerar de fanáticos, envolvendo-se numa cruzada por todo o Universo proclamando a palavra do Senhor. Ou seja, na teoria o Paul matou milhões de pessoas. Um Hitler em esteroides. Ele próprio faz referência a isso. Mas existe moralidade nele. Ele próprio tem noção que desencadeou uma série de ações moralmente questionáveis, envoltas numa doutrina de fanáticos que conceberam nele um Deus, mesmo sendo ele um homem. Ele tinha noção dos eventos que desenrolou e tinha noção daquilo que iam despoletar, mas não se opôs e até deu continuação aos mesmos - a própria Alia é também uma deusa com um templo. Faz-me ter dúvidas em relação ao seu papel. É um ditador? Um Hitler universal? Ou um homem dominado pelo tempo, que percebeu na “prescience” que detém que aquele era o caminho certo, mesmo sabendo que destruía metade do Universo numa jihad para tal?

Podia responder-te a tudo isso, mas seria uma parvoíce da minha parte.
Descobrir quem “é”, afinal, Paul Atreides foi um dos maiores gozos da obra, para mim. É uma personagem muitíssimo bem escrita, e deixo só um micro spoiler, que te será muito óbvio daqui a umas centenas de páginas. Paul é o somatório da genética e das suas decisões pessoais. E aqui está o fulcro da personagem, nas suas decisões.
Entretanto, quando um livro te faz ponderar n cenários sobre (apenas) uma personagem, quando te faz mexer as engrenagens mentais, sabes que estás a ler algo que vale a pena.

Deixo só um conselho, se bem que sou biased af. Tenta prestar particular atenção à Sisterhood.
As Bene Gesserit são uma das melhores “partes” do livro e a minha “personagem” favorita. Bem sei que são um conjunto de pessoas, mas funcionam como um todo. Quase sempre.
São um compêndio de informação e de análise ao comportamento humano fabulosamente bem imaginado e escrito por FH e tem um papel determinante em toda a saga.

Epá, só tenho medo de me estarem a escapar coisas. De não ter capacidade analítica para conseguir absorver todas os detalhes intrincados da série. Pá, mas vou até ao fim. E uma das coisas que eu mais gosto neste tipo de livros é ir ler depois as opiniões de outros ao reddit. Sei que parece parvo, mas é das coisas que mais gosto de ver, como é que as outras pessoas desdobram aquilo que eu pensei de determinada forma, e muitas vezes pensam em coisas que eu não pensei.

Já são uma das minhas “partes” favoritas, confesso. O breeding program delas, e a busca pelo Kwisatz Haderach é muito interessante. A tentativa de controlarem alguém que consegue ter domínio sobre o time e o space … Mas a “traição” da Jéssica foi algo que não anteciparam. Tou com muita curiosidade para ver como tudo isto se desenvolve, dado que o Kwisatz Haderach Paul veio uma geração adiantado, portanto deve haver consequências.