O maior magico do mundo é um português

Segundo as ultimas informações (devem ser do Guinness), David Copperfield deixou de ser o maior magico do mundo.
Em seu lugar aparece um português, de seu nome orelhas.

As suas habilitações para o lugar são incontestaveis:
Depois de fazer aparecer mais de 100 000 socios galinhas do nada.
Consta que conseguiu fazer desaparecer cinco milhões de Euros.

David foste ultrapassado… o futuro é do orelhas.

Vieira já é arguido no caso Mantorras ANDRé KOSTERS/LUSA

Luís Filipe Vieira surge na transferência de Mantorras do lado do vendedor e, mais tarde, já no Benfica, do lado do comprador

Nuno Miguel Maia

Luís Filipe Vieira já foi constituído arguido no chamado caso Mantorras, cuja transferência do Alverca para o Benfica está a ser investigada pela Polícia Judiciária (PJ). O presidente do clube da Luz junta-se a outros dois arguidos no mesmo processo, os empresários Jorge Manuel Mendes e Paulo Barbosa.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, o interrogatório formal de Vieira como arguido aconteceu no dia 17 do mês passado nas instalações da DCICCEF da PJ. A diligência foi realizada sob grande discrição, na mesma semana em que Vieira e Veiga foram inquiridos pelo Ministério Público italiano sobre a transferência de Miccoli.

Em causa nesta investigação da PJ, está o apuramento do rasto de parte importante dos cerca de cinco milhões de euros que em 2000 foram pagos pelo Benfica por 50% do passe do futebolista angolano. É que, depois de entrar nas contas do Alverca, uma fatia substancial da verba não ficou no clube. Vieira ter-se-á dito alheio a esta situação.

Na transferência, Luís Filipe Vieira surge, no entanto, envolvido do início ao fim. Inicialmente do lado do vendedor, enquanto presidente do Alverca, e do lado do comprador, quando tomou posse como gestor do futebol do Benfica, sob a presidência de Manuel Vilarinho. Acresce que Vieira chegou a deter, em nome pessoal, uma quota sobre o passe de Mantorras, aquando da aquisição ao clube angolano. O mesmo dirigente cedeu, depois, essa posição ao Alverca.

São estas circunstâncias que podem levantar suspeitas em torno da actuação do actual líder do clube da Luz, num processo em que são investigados eventuais crimes de burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais. Este crime surge associado a uma operação detectada pela PJ relativa a um levantamento, pelo lado do Alverca, de cerca de 1,5 milhões de euros em notas. A esta saída de verbas correspondeu a contratação de um jogador boliviano de nome Ronald Garcia, que foi posteriormente transferido do Alverca para o Benfica. A PJ está a passar a pente fino as contas de Jorge Manuel Mendes.

Antes de Luís Filipe Vieira ter sido constituído arguido - mas depois de o jornal “24horas” ter noticiado, a 24 de Agosto passado, que a PJ iria interrogá-lo nessa qualidade -, as autoridades colocaram o empresário Paulo Barbosa como suspeito no processo, uma vez que, desde há bastante tempo, tinha uma relação informal bastante próxima com Vieira, no âmbito de vários negócios do futebol do Alverca. Muito antes disso, o agente Jorge Manuel Mendes tinha sido constituído arguido.

Contactado pelo JN e depois de inteirado do assunto, Luís Filipe Vieira não quis prestar declarações. “Não falo sobre isso. Desculpe lá, não quero incomodar-me com isso. Peçam informações à Polícia Judiciária”. E desligou o telemóvel.

…oui?