O (in)comunicado

Atenção aos “ler aqui” do FLL. É preciso indicar os endereços dos sites.

PS: a gravata do Rui Santos :shock: :lol:

29-03-2007

COMUNICADO DO CONSELHO DIRECTIVO

Tendo em conta alguns pedidos de informação chegados ao Sporting Clube de Portugal durante o dia 29 de Março de 2007 relativos à intervenção do sr. Amadeu Lima de Carvalho na operação de venda do património não desportivo deste Clube esclarece-se o seguinte:

  1. O património não desportivo foi adquirido pela Sociedade SILCOGE - Sociedade Construtora de Obras Gerais , S.A. conforme consta da escritura pública respectiva;

  2. Nesta operação de compra e venda interveio como mediadora imobiliária a Sociedade SILFIDUCIA - Sociedade de Mediação Imobiliária , Lda que contou com a colaboração, na qualidade de consultor de gestão financeira e desenvolvimento de estudos de mercado, da Sociedade Dignidade e Firmeza, Unipessoal, Lda representada pela mulher do sr. Amadeu Lima de Carvalho;

  3. Como contrapartida da intervenção na operação em causa das duas entidades referidas no número anterior, foram pagos os honorários contratualmente acordados no valor global de um 1 809 459 mil euros que correspondem a 3,55% sobre o valor de venda de 50 972 944 euros;

  4. Uma parte dos referidos honorários, equivalente a oitocentos mil euros foi pago através da entrega de quatrocentas mil acções da Sporting Sociedade Desportiva de Futebol, SAD;

  5. Todos os valores e elementos supra mencionados constam dos documentos mediante os quais a operação foi concretizada;

  6. Para além da sua condição de sócio e da titularidade de um camarote no Estádio José Alvalade, ajustado no momento da realização da operação, nenhuma outra ligação existe entre o Grupo Sporting e o sr. Amadeu Lima de Carvalho;

Lisboa, 29 de Março de 2007

Sporting Clube de Portugal
O Conselho Directivo

Pretende-se com este comunicado esclarecer a intervenção, no negócio da venda do património imobiliário não desportivo do Sporting, do Sr. Amadeu Lima de Carvalho, que ganhou notoriedade pelo seu envolvimento no escândalo da Universidade Independente, estando actualmente preso preventivamente no âmbito de um inquérito criminal sobre o assunto.

Trata-se de uma peça que, por errónea e incompleta, traduz um certo insulto à inteligência dos destinatários. Mas trata-se, afinal, de mais um exemplo da convicção, que parece ter-se instalado em Alvalade, de que, sobre um assunto mais nebuloso, basta regurgitar qualquer arremedo de explicação, que o vulgo sportinguista tudo engolirá com lauto prazer. E se calhar com razão, porque o mesmo tipo de estratégia conduziu há um ano a uma votação maciça nestes dirigentes.

Pois, pelo menos desta vez, os caros colegas foristas vão saber coisas que o comunicado “incomunicou”, e daí cada um poderá partir para a sua própria reflexão:

A pretexto de explicação sobre a intervenção do dito indivíduo na venda do imobiliário, informa-se que, no âmbito desse negócio, o Sporting pagou a duas empresas a quantia de 1.809.459,00€, correspondentes a 3,55% do valor total da venda (diga-se desde já que se trata de um valor superior aos corriqueiros 3%, mas que não pode ser considerado exorbitante num negócio desta natureza). Interessante seria também saber se este valor incluía IVA (se não, há que somar-lhe cerca de 380 mil euros). Mas adiante.

E o dinheiro serviu para pagar o quê? Pois bem, à “Silfiducia”, os serviços de mediação imobiliária que terá prestado; à “Dignidade & Firmeza”, os serviços de consultoria de gestão financeira e desenvolvimento de estudos de mercado. Infelizmente o comunicado não esclareceu a concreta repartição da verba entre as duas sociedades.

Mas comecemos pela primeira. A “Silfiducia” é uma conhecida empresa de mediação imobiliária. Mas como pertence ao mesmo grupo que a “Silcoge”, que juntamente com o Deutsche Bank adquiriu o património, fica por saber que raio de serviços de mediação terá prestado, para mais num negócio tão antecipada e prolongadamente apregoado. É um pouco como eu comprar um apartamento directamente a um particular, mas como sou dono de uma imobiliária, aproveitar para lhe cobrar comissão. Adiante, uma vez mais.

Vamos então deter-nos nos pomposamente designados serviços de “consultoria de gestão financeira e desenvolvimento de estudos de mercado” que justificaram a maquia que a “Dignidade & Firmeza”, da esposa do Sr. Amadeu Augusto Lima de Carvalho, veio a embolsar.

“Dignidade & Firmeza”? Que nome estranho é este? Será o resultado de um peculiar sentido de humor, atentos os desenvolvimentos recentes do caso UnI? Será apenas uma designação muito foleira, a fazer lembrar um estabelecimento comercial dos anos 50?

Não, meus amigos. “Dignidade & Firmeza” era uma das designações pré-aprovadas para a constituição das chamadas “Empresas na Hora”, aquelas em que basta aparecer na Conservatória e perder uns minutinhos, para saír de lá com uma sociedade constituída (para uma lista actualizada de designações pré-aprovadas - e não menos foleiras - consultar aqui).

Pois o caso é mesmo esse. A “Dignidade & Firmeza - Unipessoal, Lda. ” foi constituída, através do processo “na hora”, no passado dia 19 de Dezembro de 2006. Tem a forma de sociedade unipessoal por quotas, com o capital social de 5.000,00€, e é sua sócia única a Sra. D. Maria Luísa Barros dos Santos Carvalho, casada com o Sr. Amadeu Augusto Lima de Carvalho, tendo aquela ficado desde logo nomeada gerente. O seu objecto social consiste, como não podia deixar de ser, em “consultoria de gestão financeira e estudos de mercado, no sector imobiliário” (queiram fazer o favor de confirmar tudo aqui e aqui).

A sede da sociedade situa-se em Lisboa, na Av. das Forças Armadas, 4, 7º F, a mesma morada da residência do casal e do domicílio profissional do Sr. Amadeu Augusto Lima de Carvalho (conferir aqui).

Afortunada empresa, a da Sra. D. Maria Luísa Barros dos Santos Carvalho. Modestamente nascida com o capital social mínimo exigido por lei, adoptando uma estrutura jurídica própria das microempresas, com uns estatutos cuja minuta se pode descarregar da net, e sem possuir sequer instalações próprias, logo que foi constituída teve ocasião de prestar os seus reputados serviços de consultoria no mais mediático negócio imobiliário do ano.

Logo que foi constituída? Reformulo: antes mesmo de se constituir. É que a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006, ou seja, mais de um mês antes de a “Dignidade & Firmeza” sequer existir.

É caso para dizer que a jovem empresa fez jus à oportunidade, porque o seu sucesso foi precoce, meteórico e retumbante. Tanto consultou, tanto estudou, que mais de um mês antes de estar constituída já havia colaborado na obtenção de uma proposta de compra firme, e logo em 15 de Janeiro de 2007, menos de um mês depois de entrar em actividade, conseguiu que se realizasse a escritura pública de compra e venda daquele mega-negócio, no valor de 50.972.944,00€.

Está assim finalmente esclarecida a intervenção do Sr. Amadeu Augusto Lima de Carvalho no negócio. Não foi nenhuma. Não passava, afinal, do consorte de uma recente mas promissora consultora imobiliária, ao comando de uma pequena mas auspiciosa empresa.

Veremos agora se a nova gerência da empresa conseguirá manter tão virtuoso rumo. Sim, porque no passado dia 7 de Março de 2007 a Sra. D. Maria Luísa Barros dos Santos Carvalho deixou mais pobre o mundo da consultoria de gestão financeira e estudos de mercado, sendo - agora sim - substituída na gerência da “Dignidade & Firmeza” pelo nosso conhecido Sr… Amadeu Augusto Lima de Carvalho (aqui), que entre consultoria, advocacia, reuniões da SIDES, viagens a Angola e agora prisão preventiva, é capaz de ficar com pouco tempo para usufruir do camarote que passou a deter no Estádio José Alvalade.

A que título recebeu este camarote? Não terá sido certamente no âmbito do negócio, uma vez que nenhuma intervenção teve nele. Quiçá tenha sido a Sra. D. Maria Luísa Barros dos Santos Carvalho quem lho ofereceu.

Por fim, é de notar que, do valor total, 800 mil euros terão sido pagos mediante a entrega de 400 mil acções da Sporting SAD, tendo por base um valor unitário de 2 euros. O curioso é que nos últimos seis meses a cotação das acções nunca caiu abaixo dos 2,52€ (confirmar aqui), e que nos primeiros dias de 2007, por altura da conclusão do negócio, andaram permanentemente acima dos 2,65€ (aqui).

Neste último link pode verificar-se que, a 15 de Janeiro de 2007, data da outorga da escritura, as acções da Sporting SAD valiam 2,68€. Ou seja, admitindo que o Sr. Amadeu Augusto Lima de Carvalho as tenha recebido nessa data (ou antes, a Sra. D. Maria Luísa Barros dos Santos Carvalho, porque ele não teve nada a ver com o assunto), as 400 mil acções valiam então 1.072.000,00€. Acima dos 800 mil que se destinavam a pagar, mas coisa pouca, apenas uns frugais 272 mil euros, pequenita mais-valia instantânea de 34%.

Ficaram os esclarecimentos ao “esclarecimento”. Como diria um conhecido forista, “olaré”. :arrow:

Depois de tão atarefada pesquisa, podias explicar que é que o Sporting fez de ilegal?
Havia melhor proposta?
Já agora, podias ir tambem explicar porque é que o Deutsche Bank se envolveu neste negócio “tão sujo”?

Estou a gostar desta caça às bruxas, cuidado com os ricochetes … olha que se alguem faz uma tão atarefada pesquisa ao Abilio Fernandes, Abrantes Mendes …

Como escrevi logo no início, deixei dados objectivos para que cada um faça a sua reflexão.

Outros já fizeram a sua. Que a tua, sobre tudo isto, resulte em que nada houve de ilegal e que a “caça” pode apanhar outras “bruxas”, é coisa que não me espanta. Mas é problema teu.

PS- Diz-me aí um negócio em que o Abílio Fernandes e o Abrantes Mendes tenham vendido 10 milhões de contos de património do Sporting, que eu “investigo” com igual diligência. :arrow:

Como escrevi logo no início, deixei dados objectivos para que cada um faça a sua reflexão.

Outros já fizeram a sua. Que a tua, sobre tudo isto, resulte em que nada houve de ilegal e que a “caça” pode apanhar outras “bruxas”, é coisa que não me espanta. Mas é problema teu.

PS- Diz-me aí um negócio em que o Abílio Fernandes e o Abrantes Mendes tenham vendido 10 milhões de contos de património do Sporting, que eu “investigo” com igual diligência. :arrow:

Problema meu???

Quem tem um problema com o actual Sporting, és tu! Que não perdes nenhuma oportunidade para “contar histórias terriveis” sobre qualquer dirigente do Sporting ou negócio feito após a entrada do Roquete no Sporting com o tão propalado projecto. O curioso é não te ver tão minucioso sobre os mandatos anteriores onde os presidentes de então (como o Sousa Cintra e o Jorge Gonçalves) são realmente exemplos de pessoas de métodos “transparentes” e pessoas com o registo criminal “limpo”.

Só gostaria que me “iluminassem”, sendo os dirigentes do Sporting tão “vigaristas” ou “corruptos”, por que é que não controlam os “tentáculos” do futebol? Dinheiro não seria problema de certeza.
Se calhar não são sportinguistas … são adeptos dos nossos adversários infiltrados … as várias dezenas de ano de sócios que a esmagadora maioria têm, fazia (ou ainda faz) parte dum plano maquiavélico para conquistarem o poder na altura certa, não deixa de ser uma teoria interessante …

Já agora, uma coisa engraçada que eu li este fim de semana. O Sr. Pimenta Machado afirmou que o Sporting foi campeão em 99-2000, porque nesse ano o Pinto Costa e o Valentim Loureiro estavam zangados …

Se o teu nível de reflexão não te permite perceber o que está errado com a história que eu contei, é evidente que tens um problema.

Um problema de autismo, porque ainda não te li uma opinião sobre a lisura de processos neste negócio, e tudo o que te preocupa é se houve ou não ilegalidades ou se outros dirigentes no passado fizeram falcatruas ou não. E vais até ao ponto de achares “curioso” o facto de, entre os negócios esconsos ocorridos há três meses e outros, que ninguém conhece, mas que teriam sempre para mais de doze anos, eu só “investigar” os primeiros…

Eu não tenho problema nenhum para além de não gostar que façam de mim parvo, cuspindo-me na cara qualquer comunicado de meia tigela, no qual esperam que acredite como se fosse um débil mental. Não sou, se te sentes bem nessa pele lamento, porque não te tenho nessa conta.

Mas quando te vejo desconversar desta maneira, desculpa que te diga mas não posso deixar de pensar que sportinguistas como tu merecem o clube que têm.

Se o teu nível de reflexão não te permite perceber o que está errado com a história que eu contei, é evidente que tens um problema.

Um problema de autismo, porque ainda não te li uma opinião sobre a lisura de processos neste negócio, e tudo o que te preocupa é se houve ou não ilegalidades ou se outros dirigentes no passado fizeram falcatruas ou não. E vais até ao ponto de achares “curioso” o facto de, entre os negócios esconsos ocorridos há três meses e outros, que ninguém conhece, mas que teriam sempre para mais de doze anos, eu só “investigar” os primeiros…

Eu não tenho problema nenhum para além de não gostar que façam de mim parvo, cuspindo-me na cara qualquer comunicado de meia tigela, no qual esperam que acredite como se fosse um débil mental. Não sou, se te sentes bem nessa pele lamento, porque não te tenho nessa conta.

Mas quando te vejo desconversar desta maneira, desculpa que te diga mas não posso deixar de pensar que sportinguistas como tu merecem o clube que têm.

Ora aqui estamos de acordo, eu estou muito orgulhoso do clube que temos e não tenho vergonha nenhuma de qualquer um dos dirigentes que está no Sporting neste momento. Quem se sente mal que se mude, ou que tente alterar as coisas apresentando alternativas.

Ficaria bastante incomodado, se o FSF fosse arguido no Apito Dourado, se o MRT fosse apanhado a prometer “quinhentinhos” a um determinado arbitro, se o Bettencourt fosse apanhado a prometer fruta a alguem em troca de uma arbitragem à maneira, se um vereador da câmara de Lisboa fosse agredido a mando de algum dirigente do Sporting, se o Sporting tivesse comprado um jogador por um milhão de contos a algum clube e passado 3 ou 4 anos esse clube tivesse extinguido a sua secção profissional de futebol, se o Sporting tivesse garantido a um determinado adversário uma receita fantástica em troco do jogo em campo neutro, etc … aí sim eu tinha vergonha!

Vergonha ou incómodo tive, (nunca deixei de pagar as quotas, pelo contrário até reforcei o meu contributo financeiro para o Sporting) quando corriam noticias dia sim dia não que o Sporting tinha em atraso pagamentos a fornecedores, quando atletas nas deversas modalidades rescindiram por salários em atraso, quando havia declarações publicas dirigentes do Sporting a pedir determinados arbitros para determinados jogos, ou quando dirigentes do Sporting ofereciam máquinas fotográficas em jogos que eram visitantes. Sim nessa altura, sentia-me desgostoso como sportinguista … hoje tenho orgulho em não ver nenhum dirigente do Sporting envolvido no Apito Dourado, em não ver nenhum atleta do Sporting rescindir por falta de pagamentos, em ter dois semestres consecutivos com lucros, na aposta dos jovens saidos da Academia, nas instalações da Academia, etc…
Claro que estou insatisfeito (não confundir com vergonha) por termos um passivo elevadissimo, por não termos um pavilhão (onde se possa fazer jogos oficiais) próprio, pela escolha de jogadores como Alecsandro, Bueno, Farnerud, por não termos basquetebol, por termos um marketing menos capaz que o do Benfica … mas seria diferente com o Abrantes Mendes? Eu acredito que seria diferente para pior …

Ah quanto ao que não respondi. Sobre este negócio, não vejo nada de ilegal nem de anormal. Comissões pagas em dinheiro, em acções, ou imóveis são prática corrente. Empresas feitas na hora, são infelizmente consequência das actuais leis … é óbvio que as intenções são “fugas de dinheiro” … mas são “buracos na lei”. O Sporting quis vender o património, só apareceu publicamente uma proposta (considero “brincadeira” a proposta alternativa da secretaria), o Sporting aceitou-a com as condições que foram descritas … foi um negócio normal.
Se foi bom negócio, tenho muitas dúvidas … mas infelizmente não vi nenhuma alternativa melhor. Se o intermediário é uma pessoa com problemas de justiça … lamento muito … e era preferivel que não tivesse … mas não vejo em que é que os actuais dirigentes do Sporting têm a ver com os problemas de justiça desse senhor.

Infelizmente o Sporting na sua longa vida, já fez negócios com intermediários e até empresas que tiveram ou têm problemas com a justiça … não me parece que isso faça com que qualquer dirigente do Sporting seja menos sério.

Moura, no texto de FLL, onde diz Sporting coloca Benfica ou FCPorto. A tua análise seria a mesma?

Só gostaria que me "iluminassem", sendo os dirigentes do Sporting tão "vigaristas" ou "corruptos", por que é que não controlam os "tentáculos" do futebol?

De facto às vezes as tuas leituras abismam-me, pq me parece que tu de burro não tens nada e no entanto vens com estas que são de um nível no mínimo infantil.

Quais tentáculos do futebol? Se quem lá estiver estiver apenas para se governar, para se divertir enquanto encaixa alguns e controla um bom ponto de encontro de interesses e lobbies de que lhe interessa assumir o controlo do futebol português? A única razão que eu veria para isso (sportinguismo à parte pois esse tá visto que não existe senão esta gente não dormiria descansada com a forma como o nome do clube é colocado desportivamente na sarjeta de há muitos anos para cá) seria a pressão dos adeptos… mas com adeptos como tu, que acham que está tudo bem mesmo após estes relatos que raio de pressão existe?

Já agora, uma coisa engraçada que eu li este fim de semana. O Sr. Pimenta Machado afirmou que o Sporting foi campeão em 99-2000, porque nesse ano o Pinto Costa e o Valentim Loureiro estavam zangados ...

Pois… é engraçado. Eu tb já ouvi várias histórias engraçadas sobre esse título. Embora nunca tenha visto nele e no outro nada de suspeito, antes pelo contrário, vamos lá ver se um dia não achas tudo terrivelmente pouco engraçado, caso se confirmem algumas histórias. Isto pq os teus adorados fazedores de nova gestão desportiva se há coisa vergonhosa que tiveram nos últimso 10 anos foram os consecutivos momentos de aproximaçao aos tais tentáculos que tu falas.

Portanto para ti está tudo bem…
criações de sociedades à última hora para receberem comissões…
ofertas de camarotes não se sabe bem porquê…
testas de ferro agora detidos por outros episódios…
presidentes que (de acordo com o q aguiar de matos disse no pasquim) ou não conheciam lima de carvalho (e andam a ser enganados) ou vão para o Conselho leonino mentir…

está tudo bem. No teu caso aplica-se bem Moura o Cantando e Rindo, até ao fim.

ps - diz-me, na tua infinita inocência, para quem foi, na tua interpretação, a comissão no negócio da venda de património, ou seja, o dinheiro que foi ROUBADO ao Sporting foi dividido por quem? Diz-me lá o que pensas disso… e vamos excluir a entidade celeste “espirito santo” (e não, não estou a dar uma dica bancária).

Há algum dirigente do clube a ser beneficiado com a venda do património não desportivo?

Esse Amadeu Lima de Carvalho (ou a mulher) não faz parte da direcção do clube por isso acho que pode o que quiser com esse negócio desde que não seja prejudicial ao Sporting. A empresa criada à última da hora vai encher os bolsos a quem?

Eu li isso e não percebo o problema. Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

Espero que nenhum dirigente seja intermediário neste negócio e que se aproveite para meter dinheiro no bolso!

Isto de política dentro dos clubes (assuntos analisados tim-tim por tim-tim) ainda não é coisa que me preocupe muito mas quero a verdade!

Exclareçam o ‘n00b’ (:lol:) sffv.

Bem resumindo de forma bruta !!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

Bem resumindo de forma bruta !!!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel. O objectivo foi sempre diminuir o passivo. O objectivo é pagar menos juros, para que seja “mais fácil” equilibrar as contas correntes.

Não acredito que o Sporting a curto prazo gaste dinheiro significativo em compra de jogadores, a não ser que venda algum por muito dinheiro.
Nos próximos tempos, as minhas expectativas são empréstimos, jogadores livres ou baratos (alem claro dos que vêm da formação). Mesmo com estas condicionantes acho que se pode escolher muito melhor. Por exemplo aquele Edgar que hoga no Beira-Mar parece-me muito mais jogador que o Alecsandro.

Bem resumindo de forma bruta !!!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel. O objectivo foi sempre diminuir o passivo. O objectivo é pagar menos juros, para que seja “mais fácil” equilibrar as contas correntes.

Não acredito que o Sporting a curto prazo gaste dinheiro significativo em compra de jogadores, a não ser que venda algum por muito dinheiro.
Nos próximos tempos, as minhas expectativas são empréstimos, jogadores livres ou baratos (alem claro dos que vêm da formação). Mesmo com estas condicionantes acho que se pode escolher muito melhor. Por exemplo aquele Edgar que hoga no Beira-Mar parece-me muito mais jogador que o Alecsandro.

Moura,

O que o Leão d’Aveiro fala não é da problemática da existência de intermediários!

Se uma proposta de venda pelo valor estipulado foi a votação no conselho leonino em Novembro, como é que a empresa mediadora/intermediária só foi criada em Dezembro.

Eu concordo que nestes negócios normalmente existem intermediários, mas sempre pensei que servissem para ajudar no negócio, e não para serem criados após o negócio estar feito para receberem 1.8M€ …

Consegues explicar a lógica do intermediário ter sido criado após todo o negócio estar apalavrado, tanto que a votação no conselho leonino foi antes da sua criação ?

Bem resumindo de forma bruta !!!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel. O objectivo foi sempre diminuir o passivo. O objectivo é pagar menos juros, para que seja “mais fácil” equilibrar as contas correntes.

Não acredito que o Sporting a curto prazo gaste dinheiro significativo em compra de jogadores, a não ser que venda algum por muito dinheiro.
Nos próximos tempos, as minhas expectativas são empréstimos, jogadores livres ou baratos (alem claro dos que vêm da formação). Mesmo com estas condicionantes acho que se pode escolher muito melhor. Por exemplo aquele Edgar que hoga no Beira-Mar parece-me muito mais jogador que o Alecsandro.

Moura,

O que o Leão d’Aveiro fala não é da problemática da existência de intermediários!

Se uma proposta de venda pelo valor estipulado foi a votação no conselho leonino em Novembro, como é que a empresa mediadora/intermediária só foi criada em Dezembro.

Eu concordo que nestes negócios normalmente existem intermediários, mas sempre pensei que servissem para ajudar no negócio, e não para serem criados após o negócio estar feito para receberem 1.8M€ …
Consegues explicar a lógica do intermediário ter sido criado após todo o negócio estar apalavrado, tanto que a votação no conselho leonino foi antes da sua criação ?

E ajudou, neste caso a distribuir os lucros :lol:
É claro que esta situação fede a esquema e este comunicado ao invés de dissipar as dúvidas ainda veio foi enterrar mais.

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.
Mas ainda não percebeste que, segundo o comunicado, intermediário foi a Silfiducia, enquanto mediadora, e não o Lima de Carvalho?

E que, segundo se informa, o Lima de Carvalho não recebeu nada, mas sim uma empresa da mulher dele, por ter prestado alegados serviços de consultoria?

E parece-te normal que esta empresa tenha sido constituída à pressão mais de um mês depois de a proposta estar formulada e aceite, em duas sessões do Conselho Leonino?

Achas mesmo que existe, implantada no mercado e com know how específico na área, uma empresa denominada “Dignidade & Firmeza”, e que essa empresa prestou de facto alguma espécie de serviço no âmbito deste negócio?

E admitindo que o Lima de Carvalho foi remunerado enquanto mediador, parece-te curial que se tenha escolhido para esse efeito um advogado, que está estatutariamente impedido de exercer tal actividade, isto enquanto um dos maiores defensores do negócio nos media era o próprio bastonário da Ordem?

Achas que tudo isto se conforma com as normas estatutárias sobre transparência na gestão orçamental e realização de despesa, e com o dever legal de diligência que impende sobre os administradores das sociedades?

Parece-te que o comunicado é honesto e esclarecedor sobre tudo isto?

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel.

Tenho certeza absoluta que Soares Franco disse, antes da AG para aprovar a venda de património (cujo resultado foi -para ele- negativo e que provocou as eleições antecipadas), que parte do dinheiro seria para o reforço do plantel de futebol profissional.

Se alguém tiver o manifesto eleitoral pode confirmar.

Só gostaria que me "iluminassem", sendo os dirigentes do Sporting tão "vigaristas" ou "corruptos", por que é que não controlam os "tentáculos" do futebol?

De facto às vezes as tuas leituras abismam-me, pq me parece que tu de burro não tens nada e no entanto vens com estas que são de um nível no mínimo infantil.

Temos conceitos diferentes da realidade, não há maior visibilidade (com os respectivos proveitos) do que ser campeão num clube de futebol (o Pinto da Costa é um exemplo flagrante). Os dirigentes que passaram pelo Sporting são na sua grande maioria pessoas reconhecidas publicamente com posses financeiras bem acima da média. São pessoas que se “mexem bem” quer nos meios económicos quer nos meios politicos. Isto é têm tudo para (partindo do principio que são vigaristas) para no minimo fazerem parte dos tais “tentáculos” do futebol português.

Quais tentáculos do futebol? Se quem lá estiver estiver apenas para se governar, para se divertir enquanto encaixa alguns e controla um bom ponto de encontro de interesses e lobbies de que lhe interessa assumir o controlo do futebol português? A única razão que eu veria para isso (sportinguismo à parte pois esse tá visto que não existe senão esta gente não dormiria descansada com a forma como o nome do clube é colocado desportivamente na sarjeta de há muitos anos para cá) seria a pressão dos adeptos... mas com adeptos como tu, que acham que está tudo bem mesmo após estes relatos que raio de pressão existe?

[i]Temos conceitos diferentes de sarjeta. Mesmo os insucessos desportivos nestes 10 anos nunca foram os piores de sempre, por exemplo nunca ficaram em 5º lugar, conseguiram 2 titulos nacionais em 10 anos o que está dentro da média do clube (infelizmente). Fracassos europeus, são comuns aos ultimos 30 anos e não aos ultimos 10 anos. A nivel de modalidades desportivas a realidade dos ultimos tempos é bem diferente de há 20 anos atrás com o aparecimento de clubes dedicados exclusivamente a essas modalidades, por isso não é de estranhar que os titulos sejam menos. Convem lembrar que o menor numero de titulos nas modalidades já vem desde que o João Rocha saiu do clube e não do “projecto em si”.

Quanto ao por em duvida o sportinguismo das pessoas, acho isso absurdo, pois tu próprio já disseste que ninguem tem o direito de quantificar ou classificar o sportinguismo de alguem. Alguns são sócios com emblema de ouro e um até de platina. Das duas uma, ou são vigaristas ou são ingénuos, todos os que lá estão (incluindo os do Conselho Leonino). Acredita nisso quem quer … eu não! [/i]

Já agora, uma coisa engraçada que eu li este fim de semana. O Sr. Pimenta Machado afirmou que o Sporting foi campeão em 99-2000, porque nesse ano o Pinto Costa e o Valentim Loureiro estavam zangados ...

Pois… é engraçado. Eu tb já ouvi várias histórias engraçadas sobre esse título. Embora nunca tenha visto nele e no outro nada de suspeito, antes pelo contrário, vamos lá ver se um dia não achas tudo terrivelmente pouco engraçado, caso se confirmem algumas histórias. Isto pq os teus adorados fazedores de nova gestão desportiva se há coisa vergonhosa que tiveram nos últimso 10 anos foram os consecutivos momentos de aproximaçao aos tais tentáculos que tu falas.

Não sei se percebeste o meu “engraçado”, o que eu quis dizer foi o que o pouco que o Sporting ganhou, parece que só foi possivel poque houve “divisões” no sistema. Isso só prova que era muito dificil o projecto ter sucesso desportivo.
Ao contrário de muitos foristas, eu acho que se deve respeitar as instituições independentemente de quem lá esteja a mandar. Acho absurdo cortes de relações entre clubes etc. Gosto muito de ver o presidente do meu clube no camarote presidencial em qualquer estádio que vá como visitante, como gosto muito de ver o presidente do clube adversário no camarote presidencial do meu clube quando nos visita. Acho muito bem que os clubes se unam, naquilo que o interesse é comum. Não vejo mal que alguns clubes se unam, para formarem listas para a Liga ou para indicarem nomes para a Federação. Sou totalmente contra que clubes se unam para prejudicar outro. Todas as declarações publicas dos dirigentes do Sporting nas alturas em que apareceram ao lado do presidente do Benfica ou do Porto, foram com objectivos (no entender deles) de melhorar as condições económicas dos clubes, de dar maior credibilidade ao futebol.
Par mim está claro que o sucesso do Porto no tempo do Pinto da Costa, está assente em vários pilares e um deles é a corrupção. Só que é um presidente eleito democráticamente pela massa associativa do seu clube, isto é o representante legitimo da seu clube e nunca foi condenado quer civil quer desportivamente por qualquer acto ilicito relacionado com o Porto (clube). Por isso não vejo mal nenhum em o FSF sentar-se ao lado dele e em alinharem juntos em alguns aspectos em que interesse dos clubes é comum.
Em relação ao LFV, “cheira-me muito a esturro” a história da transferência do Mantorras para o Benfica, o ultimo campeonato que eles conquistaram foi como se diz na giria “ao colinho”, mas aquilo que afirmei para o Pinto da Costa vale para o LFV.
O Sporting tem que respeitar qualquer presidente de qualquer clube. O presidente é o representante legitimo desse clube. Se esse presidente tem problemas com a justiça, são estes que o devem julgar e não o Sporting. O Sporting só de deve queixar se tiver provas concretas disso. De resto deve lutar para que as leis e a organização do futebol sejam o mais transparente possivel.

Portanto para ti está tudo bem... criações de sociedades à última hora para receberem comissões... ofertas de camarotes não se sabe bem porquê... testas de ferro agora detidos por outros episódios... presidentes que (de acordo com o q aguiar de matos disse no pasquim) ou não conheciam lima de carvalho (e andam a ser enganados) ou vão para o Conselho leonino mentir....

Não disse que achava bem, disse que não era ilegal. A menos que provem que alguem do Sporting ganhou dinheiro com isso … acho que este negócio foi o possivel (nunca o ideal).

está tudo bem. No teu caso aplica-se bem Moura o Cantando e Rindo, até ao fim.

ps - diz-me, na tua infinita inocência, para quem foi, na tua interpretação, a comissão no negócio da venda de património, ou seja, o dinheiro que foi ROUBADO ao Sporting foi dividido por quem? Diz-me lá o que pensas disso… e vamos excluir a entidade celeste “espirito santo” (e não, não estou a dar uma dica bancária).

[i]ROUBADO?? É um caso de policia e uma acusação grave (acho incrivel a maneira fácil que se fazem este tipo de acusações, mesmo sendo na Internet). Por norma acusações dessas só faço quando tenho a certeza ou estou um estado emocional fora do normal. Não acredito que o dinheiro da comissão tenha ido para os bolsos de qualquer dirigente do Sporting. Acredito que os dirigentes do Sporting são sérias. parto sempre do principio que as pessoas são sérias até prova em contrário. Há pessoas que não me merecem a confiança, mas não lhes chamo ladrões, pois tal não foi confirmado ou provado judicialmente. No caso de dirigentes do Sporting antigos (actuais não tenho nenhum exemplo), são o caso do Sousa Cintra, Jorge Gonçalves, Godinho Lopes por exemplo. Há dirigentes antigos ou actuais, que acho que não são competentes em certos cargos que ocuparam.Dias Cunha, Filipe Soares Franco, Rui Meireles não eram boas escolhas para lidarem directamente com a equipa de futebol por exemplo.

Nota: Eu se fosse dirigente do Sporting,e aparecesse uma acusação deste género num forum que usa o nome de SPORTING CLUBE PORTUGAL (nome registado não se esqueçam), faria tudo para que o clube levasse o autor dessas declarações a tribunal para provar o que diz. Estamos num forum que se autointitula FORUM SPORTING CLUBE PORTUGAL e fazem-se acusações graves aos legitimos representantes do SPORTING CLUBE PORTUGAL, há algo que não bate certo. Chamar incompetente, tudo bem. Chamar ingénuo, tudo bem. Chamar estúpido, enfim … é uma questão educacional … agora LADRÃO???
[/i]
[/quote]

Moura, tomei a liberdade de editar a tua mensagem para mais fácil leitura.

Em 1º lugar gostaria de agradecer ao FLL por partilhar conosco todo o trabalho que teve para ‘mastigar’ esse bendito comunicado.

Apesar de não ficar surpreendido com o teor ‘nubloso’ das negociatas que se vão fazendo no SCP, não consigo deixar de ficar profundamente chateado com o que se vai passando, mesmo sabendo que os que lá estão não contaram com os meus votos.

Confesso que mesmo não gostando deles, sempre mantive uma esperança que estaria errado e que no fim estes acabariam por fazer um bom trabalho no SCP. Parece-me que não estava de todo enganado, estão a fazer um bom trabalho para eles e para os amigos.

Aqui, parece-me residir a grande diferença entre nós e os nossos rivais. Enquanto os outros nos seus estrategemas procuram beneficiar o seu clube, no SCP as ‘habildades’ só servem para beneficiar os amigos, e se calhar, os próprios.

Fico a aguardar os ecos na CS deste caso. Mas não sei porquê, cheira.me que ficarei à espera…

Bem resumindo de forma bruta !!!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel. O objectivo foi sempre diminuir o passivo. O objectivo é pagar menos juros, para que seja “mais fácil” equilibrar as contas correntes.

Não acredito que o Sporting a curto prazo gaste dinheiro significativo em compra de jogadores, a não ser que venda algum por muito dinheiro.
Nos próximos tempos, as minhas expectativas são empréstimos, jogadores livres ou baratos (alem claro dos que vêm da formação). Mesmo com estas condicionantes acho que se pode escolher muito melhor. Por exemplo aquele Edgar que hoga no Beira-Mar parece-me muito mais jogador que o Alecsandro.

Moura,

O que o Leão d’Aveiro fala não é da problemática da existência de intermediários!

Se uma proposta de venda pelo valor estipulado foi a votação no conselho leonino em Novembro, como é que a empresa mediadora/intermediária só foi criada em Dezembro.

Eu concordo que nestes negócios normalmente existem intermediários, mas sempre pensei que servissem para ajudar no negócio, e não para serem criados após o negócio estar feito para receberem 1.8M€ …

Consegues explicar a lógica do intermediário ter sido criado após todo o negócio estar apalavrado, tanto que a votação no conselho leonino foi antes da sua criação ?

Sem ter a certeza do que vou dizer, acho que o intermediário sempre existiu. A maneira (não o valor si, esse acredito que já estava estipulado, quando a proposta se oficializou) como intermediário quis receber o dinheiro é que foi feita à posteriori. A maneira arranjada é as tais “chico espertices” dos negócios , que enfim o estado pouco tem feito para as impedir. Pode-se criticar os dirigentes do Sporting por pactuarem com estas “chico espertices”, mas não me parece correcto insinuar ou até afirmar que os dirigentes do Sporting tiveram proveitos próprios com isso.

Infelizmente neste caso, não apareceu mais nenhuma proposta concreta e objectiva. Se tivesse havido “concorrência séria”, certamente a probabilidade estas “chico espertces” acontecerem seriam bem menores.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel.

Tenho certeza absoluta que Soares Franco disse, antes da AG para aprovar a venda de património (cujo resultado foi -para ele- negativo e que provocou as eleições antecipadas), que parte do dinheiro seria para o reforço do plantel de futebol profissional.

Se alguém tiver o manifesto eleitoral pode confirmar.

O meu entendimento do que o FSF disse foi:

Com a baixa de passivo (e consequentemente pagar menos juros) seria possivel o Sporting ter exercicios com lucros e caso esses lucros fossem significativos, uma parte desses lucros seria investida na equipa do futebol. Outra coisa que disse (ou pelo menos entendi assim) que com o passivo menor seria mais fácil segurar as nossas “coroas”, não existiria a obrigatoriadade de vender um jogador no fim de cada época. Claro que se aparecer alguem com uma proposta mirabolante ou que pague a cláusula de rescisão, não vamos acreditar que o Sporting não vá vender essa coroa (no caso de pagar a cláusula de rescisão, não pode fazer mesmo nada).

NOTA: Estou muito apreensivo, caso o que recentemente o tribunal decidiu em relação ao jogador Zé Tó faça jurisprudência para o futuro.
Isso no minimo fará repensar a estratégia do Sporting assentar na formação e o investimento na academia.

Bem resumindo de forma bruta !!!!

O SPORTING faz uma venda de um património seu em 16 de Novembro por €50 972 944 .

a proposta da Silcoge/Deutsche Bank foi aprovada numa sessão do Conselho Leonino que teve lugar no dia 16 de Novembro de 2006

Em DEZEMBRO “NASCE” uma empresa na hora para cobrar 3,55% ( €1 809 459 ). Porque raio o SPORTING vai dar este dinheiro se o negócio já estava feito :?: :evil:
Se o dinheiro vai direitinho para o cofre do clube qual é a importância da acção de terceiros?

A diferença é de €1800459 já dava para “comprar” o falado Coentrão penso eu :-k e ainda dava para + alguma coisinha…

Será que estou a ver a “coisa” bem :?: :shock:

O intermediário fez sempre parte activa do negócio, não caiu do céu à ultima hora. A comissão fez parte sempre da negociação.

Nunca nenhum dirigente do Sporting mencionou que o dinheiro da venda do património (ou uma parte dele) era para reforçar o plantel. O objectivo foi sempre diminuir o passivo. O objectivo é pagar menos juros, para que seja “mais fácil” equilibrar as contas correntes.

Não acredito que o Sporting a curto prazo gaste dinheiro significativo em compra de jogadores, a não ser que venda algum por muito dinheiro.
Nos próximos tempos, as minhas expectativas são empréstimos, jogadores livres ou baratos (alem claro dos que vêm da formação). Mesmo com estas condicionantes acho que se pode escolher muito melhor. Por exemplo aquele Edgar que hoga no Beira-Mar parece-me muito mais jogador que o Alecsandro.

Moura,

O que o Leão d’Aveiro fala não é da problemática da existência de intermediários!

Se uma proposta de venda pelo valor estipulado foi a votação no conselho leonino em Novembro, como é que a empresa mediadora/intermediária só foi criada em Dezembro.

Eu concordo que nestes negócios normalmente existem intermediários, mas sempre pensei que servissem para ajudar no negócio, e não para serem criados após o negócio estar feito para receberem 1.8M€ …

Consegues explicar a lógica do intermediário ter sido criado após todo o negócio estar apalavrado, tanto que a votação no conselho leonino foi antes da sua criação ?

Sem ter a certeza do que vou dizer, acho que o intermediário sempre existiu. A maneira (não o valor si, esse acredito que já estava estipulado, quando a proposta se oficializou) como intermediário quis receber o dinheiro é que foi feita à posteriori. A maneira arranjada é as tais “chico espertices” dos negócios , que enfim o estado pouco tem feito para as impedir. Pode-se criticar os dirigentes do Sporting por pactuarem com estas “chico espertices”, mas não me parece correcto insinuar ou até afirmar que os dirigentes do Sporting tiveram proveitos próprios com isso.

Infelizmente neste caso, não apareceu mais nenhuma proposta concreta e objectiva. Se tivesse havido “concorrência séria”, certamente a probabilidade estas “chico espertces” acontecerem seriam bem menores.

Ora bem …

1º - Valor estava estipulado
2º - bens a adquirir estavam apresentados.
3º - Empresa que ia adquirir estava identificada
4º - Empresa que ia vender estava identificada

O que fez o Mediador ? O que fez um mediador que só apareceu de forma legal depois de tudo estar acertado e arrecadou 1.8M€ ??

Não achas estranho alguem servir de mediador para um negocio de 50M€, alguem que aparentemente não tinha experiência no que estava a fazer, uma vez que nem uma empresa era na altura ?

Não achas estranho depois de tudo estar certo, o negocio estar feito, apareça uma empresa, apenas para ganhar 1,8M€ …

Podiam ter falado abertamente, pois eu como informático teria feito o mesmo serviço que essa empresa fez, e neste momento tinha 1,8M€ mais … se não os tivesse que dividir com alguém!

Não seria interessante fazer uma auditoria ás contas dessa empresa que agora nasceu, para ver onde anda o dinheiro que recebeu de comissão por nada fazer ?

Será ilegitimo achar estranho alguem ganhar 1,8M€ sem fazer nada … e serem todos amiguinhos ?

Eu não percebo nada de economia, e nem sei quanto são 1,8M€ … mas com tanta empresa de mediação imobiliária no mercado com prática negocial, com know-how … tiverem que criar uma empresa a correr apenas para receber o cheque ?

Diz-me uma coisa, se a empresa não estava criada, quem foi a pessoa que fez o trabalho de mediação, trabalhava para quem ?