Nova época com menos Tugas

Nem mais. Nem tinha pensado nisso mas de facto, por muito que digam que hoje em dia já não há amor à camisola, hoje em dia os jogadores só pensam nas verdinhas, etc, a verdade é que isso não é assim para todos e felizmente ainda há e sempre haverá gente com preocupações extra-materiais, seja por ligação afectiva ao clube ou mesmo ao país ou cidade, ou seja até por dificuldades várias de adaptação a outro país. Assim de repente consigo lembrar-me de alguns exemplos, além do Caneira, que já referiste:

  • Beto (sempre afirmou que queria fazer a carreira dele no Sporting, e só saiu porque não o quiseram cá)

  • Carlos Martins (idem aspas, mas também pouco fez para ganhar um lugar na equipa)

  • Sá Pinto (quando estava no País Basco só falava das saudades que tinha do Sol de Portugal e dos amigos que tinha deixado no Sporting)

  • o próprio João Pinto, que, depois de um ano a jogar no Atlético Madrileno, jurou que nunca jogaria no estrangeiro, por causa da inadaptação dos filhos)

  • o Maniche, outro com saudades do Sol de Portugal

Esquece isso da ligação sentimental porque não existe !!!

O Moutinho não renovou de cruz… fez valer os seus direitos e é hoje a par do Liedson o mais pago do plantel. Não digo que não gostem do clube, mas o dinheiro manda.

Ainda não percebi onde queres chegar com a tua teoria da formação. O que preferes um bom jogador estrageiro, para um lugar que não conheces preencher na formação, ou um puto que se calhar não vai dar conta do recado, só porque é tuga e das escolas ?

Cá para mim vão ser dois (Adrien e Pereirinha) a jogar muitissimo regularmente.

Falando da formaçao

Existem clausulas…desde que elas sejam exercidas…e que ponham outra clausula para prevenir o retorno a rivais…nao me aflige.

Tenho pena…vou ter pena de ver sair por exemplo o Moutinho e o Veloso.

Mas se com a saida destes 2 jogadores entrarem 60 milhoes de euros fico descansado…

Agora se negociarem por menos do que a clausula ai ja nao concordo.

Isto sao as leis do mercado.

Quanto aos estrangeiros…

Se os jogadores pretendidos sao de caracterisiticas que os da academia nao tem…que remedio temos nos em ir ao mercado.

Se os jogadores que vierem ainda tiverem qualidade e forem importantes…e ouro sobre verde.

E a meu ver este ano acho que e o que vai acontecer…agora daqui a uns meses ja teremos a certeza

Eu compreendo e partilho em parte a preocupação com a pouca quantidade de portugueses no plantel. Acho que foi importante na reconstrução do balneário o facto de o ano passado a maioria do plantel ser de portugueses, e os que não eram, tirando Farnerud, falavam português ou espanhol. É também importante para os jovens verem ex-colegas a triunfar na equipa principal do Sporting, e para tal deve haver uma aposta constante.

Contudo, há que ter os pés na terra e não querer passar do 8 ao 80. Se compararmos a situação de hoje com o que era há pouquissimos anos atrás, vemos um clara melhoria. Antes, tinhamos 1-2 talentos a despontar nos séniores de cada vez, e eram vendidos muito rapidamente. Hoje, já vemos mais jogadores da formação ao mesmo tempo no plantel principal, e as “estrelas” já ficam bastante mais tempo no plantel. O caso mais flagrante é Moutinho, que se fosse há uns tempos atrás, tinha saído logo depois da final da UEFA, Nani, em parte, e Veloso, agora.

Penso que a “aposta na formação” criou uma espécie de mito, que é termos o plantel quase todo feito da formação, e portugueses, e todos estrelas. A ideia não parece nada ser essa, mas sim deixar de contratar jogadores medianos para formar o plantel - como faziamos até há pouco tempo atrás, em que todos os anos compravamos jogadores à duzia - e substituí-los por jogadores da formação. Desde modo, é possivel focalizar as contratações mais em pontos chave do plantel, e reforçar com mais qualidade (pois deixa de ser necessário comprar 10 jogadores para contratar 4-5). Ainda não chegámos lá, até porque ainda há finanças por sanar, mas caminhamos bem nessa direcção.

Quanto a portugueses, resta lembrar que somos um país pequeno, que contratamos estrangeiros para a formação porque não temos matéria-prima suficiente, e temos cada vez mais a concorrência de outras escolas nacionais, que começam aos poucos a tirar-nos o monopólio do mercado de formação.

Woha! Reescrever a história é que não! Caneira rescindiu unilateralmente pelo dinheiro que lhe foi acenado pelo Porto - num raid que levou também o Paulo Costa e o Alhandra. Quem o pôs a rodar no Beira-Mar e no Alverca foi o FC Porto, não o Sporting. Não o pintem agora como herói incompreendido.

Depois, não me parece que entre 1995 e 2005 só se tenha comprado lixo: Duscher, Jardel, Rui Jorge, Acosta, André Cruz, Paulo Bento, João Pinto (apesar do custo), Enakharire, Liedson - se isto é lixo…

Acho suicida a formação de um plantel só à base de jogadores formados no clube. Por muito bom que sejam os programas de formação - e o do Sporting é dos melhores do mundo - nunca darão mais do que um ou dois jogadores à equipa principal por ano. Faça-se as contas e veja-se quantas épocas levaríamos e quantas classficações humilhantes teríamos até termos um onze em condições… Mais do que isso só se verifica em dois casos: uma geração absolutamente fora do comum; ou lançamento prematuro por desespero. Como disse o barbosa, qual é o interesse de ter um plantel maioritariamente formado por portugueses, se esses portugueses forem Custódios ou Garcias? Se é pela liderança, tendo um núcleo de três ou quatro jogadores da casa é mais do que suficiente.

A questão séria que se põem é se os jogadores vieram suprir lacunas do plantel (antigas ou criadas pela saída de titulares) para as quais não havia nenhum jogador da formação com qualidade e maturidade para as suprir já esta época. A mim parece-me que sim.

  • Não acho que o Rui Patrício - apesar de me parecer um GR prometedor - esteja já em condições de estar sob fogo semana após semana num clube que luta pelo título. Daí que a contratação de Stojkovic me pareça lógica - e se valer o que mostrou no Euro sub-21 e nos AA é mesmo um ganho face a Ricardo. Com dois ou três anos, o sérvio irá à vida, com possível ganho para o Sporting - e aí Patrício poderá já estar pronto para o lugar.

  • Purovic e Derlei vêm para posições onde não havia nenhum jogador fiável (Varela, please!), pois Yannick Djaló é ainda demasiado inconstante e não pode ser a única solução para acompanhar Liedson. Concorrência não lhe faz mal nem à equipa.

  • Vukcevic e Ismailov vêm para posições ofensivas nas alas e no centro, onde estamos altamente deficitários - atirem-me pedras, mas acho que Romagnoli é sério candidato ao prémio “sobrevalorização inexplicável da década” por parte dos adeptos do Sporting. E alguém queria uma equipa dependentes de um Fábio Paim ou de um Pereirinha?

  • A única contratação que me parece mais questionável é a de Gladstone, dada a presença de Tonel e Polga e a expectativa da entrada próxima de Carriço. Mas a verdade é que, se Caneira sai mesmo, o Sporting ficava descalço também no centro da defesa.

Claro que os jogadores podem dar barraca - em sete contratações, seria notável que não houvesse um único fiasco. Mas os nomes que entraram até agora parecem-me muito longe das contratações de rapar-o-fundo-do-tacho como Koke, Mota, Alecsandro, Kutosov ou Bueno…

Ov3R o mito é pensar que o Sporting para ter estrelas pode optar por outro caminho que nao a formacao.
Nos ultimos 20 anos qual é o rácio de estrelas que o Sporting contratou vs barretes e jogadores medianos, e qual é o rácio de estrelas vindas dos juniores no total de ex-juniores q tiveram oportunidade para estarem 1 ano no plantel sénior?
Já nem vou pela parte financeira. Só em tentativas falhadas para um companheiro do Liedson vem no jornal Record que o Sporting já gastou 9M euros

Mas algum defensor da formação quer mais do que 1 ou 2 jogadores da formação por ano?
Ninguém quer um 11 com 11 jogadores que subiram no ano anterior dos juniores. Ninguém quer uma média de idades de 20 anos no 11 titular. E que tal um 11 formado apenas por jogadores da cantera com uma média de idades de 25 anos? Claro que não agora, mas daqui a 7 ou 8 anos? Mesclado entre jogadores vindos da formação mas com 27, 28 ou 29 anos e jogadores acabado de subir e outros com 22 ou 23 anos.
Eu gostaria apenas de ter mais um ou dois elementos formados no clube que no ano anterior. Ou seja, se este ano não tivesse saído ninguém formado no clube, para o ano só subiriam 1 ou 2 (não mais). Como saiu o Nani, então para o ano subiam 2 ou 3 (não mais). Como também saiu o Garcia, então para o ano subiam 3 ou 4 (não mais). Isto parece tudo muito científico e como é óbvio teria de ser concertado com as necessidades mais prementes. Mas desta forma, ninguém pode dizer que teríamos um excesso de juniores no plantel, pois Yannick já tem um ano de senior, Veloso tb e Moutinho já tem 3 anos - de junior já não tem nada. Portanto na realidade seriam apenas esses novos que entravam.
Ninguém quer 7 juniores de uma só vez no plantel, mas já não me importava que daqui a 5 anos tivéssemos 10 jogadores no plantel que tivessem saído da nossa formação - mais uma vez reforço que que não eram os 10 com 18 anos, mas se calhar 2 com 19 e 2 com 20 e e os outros 6 com idades entre os 21 e os 25.
Mas tal como não quero 7 juniores de uma só vez no plantel, também acho que este ano são muitas as caras novas - juníores e contratados.

Eu queria mais ex-juniores do que contratacoes. Ninguem disse que a media tem de ser de 20 anos, mas neste momento nao temos uma media maior de idades com ex-juniores devido a uma politica errada de aposta em jogadores estrangeiros em épocas passadas. Este ano poder-se-ia perfeitamente ter apostado no David Caiado, no Tiago Pinto, no Varela, e no Daniel Carriço só para citar 4 exemplos. Nao acredito que fossem fazer pior que Izmailov, o tal defesa esquerdo q se ia buscar emprestado ao Milan, que o Derlei, e que o Gladstone. Diz a história que as estrelas do plantel do Sporting nascem da formaçao leonina nao das contratacoes porque é que agora haveria de ser diferente?

Estás a misturar duas coisas diferentes. O problema dos Buenos e Alecsandros não é uma questão de contratar de fora, mas de falta de qualidade da prospecção. Para fazeres uma comparação justa, tinhas de ver quem é que, nesse tempo, e saído da formação tinha qualidade para ser parceiro de Liedson. Lourenço? Saleiro? Varela? Djaló foi o melhor avançado que saíu nesse tempo e mesmo ele está ainda longe de poder ser um titular indiscutível.
OK, podes dizer que entre o Varela e o Bueno, era preferível o Varela - mas o que seria mesmo uma boa solução seria não depender nem de um nem de outro.

Bom, em primeiro lugar eu também sou defensor da formação. Em segundo, não percebo qual é a vantagem de manter jogadores da formação anos a fio se for só para fazer número (ver Custódio, Garcia ou Martins nos seus tempos finais). Quero manter jogadores da formação se eles tiverem qualidade - como Moutinho, Veloso ou Nani - não para preencher quotas. E não vale dizer que era preferível manter um Marco Almeida a ir buscar um Hugo, quando o que é desejável é que o Sporting não dependa nem de um nem de outro.

Jogadores como Moutinho ou Nani não precisaram de quotas para se afirmarem na primeira equipa. Mais, não percebo porque é que a presença de concorrência de qualidade prejudica os jogadores jovens e muito menos para a equipa. Veloso tinha a concorrencia de Paredes e venceu-a porque é um grande jogador, não por favor de ninguém. Já, por exemplo, Tó-Mané ou Caiado foram lançados contra o Braga há 2 anos porque não havia mais nenhuma escolha - em que é que beneficiaram disso? Pegar num miúdo de 18 ou 19 anos e dizer-lhe: “Puto, não contratámos ninguém para te dar o lugar - mas a contrapartida é que e a equipa depende inteiramente de ti nessa posição” é a minha definição de presente envenenado.

Claro que o caso muda de figura se bons jogadores estiverem a ser preteridos em favor de jogadores de qualidade duvidosa - seja por causa de jogos de empresários, de luvas aos treinadores, de nepotismo, etc. - como sucede em vários clubes da Primeira Divisão. Mas esse não é o caso do Sporting - aliás, não devem haver muitos clubes por essa Europa fora que formem, dêem as oportunidades e sigam tão de perto os seus jovens jogadores como o nosso.

Acho que nao se deve dizer que não é relevante, se no ano passado estavamos a gabar a composição da nossa equipa ser alimentada pelos juniores. E confesso que gostava de dizer que (quase) todos eram da cantera…