Não há mais concertos em Alvalade

Direcção do Sporting quer poupar o relvado do estádio, diz o jornal O Jogo. Concerto dos AC/DC poderá ter sido derradeiro espectáculo musical em Alvalade.

Acabou-se a Música - é com esta manchete que o jornal desportivo O Jogo dá a conhecer, na sua edição de hoje, a decisão de acabar com os concertos no Estádio Alvalade XXI.

Segundo O Jogo, o Presidente do Sporting Clube de Portugal, José Eduardo Bettencourt, quer poupar o relvado de Alvalade, evitando as substituições a que obrigam os concertos.

Para a direcção do clube, as compensações financeiras trazidas pelos concertos não justificam os riscos.

Ainda de acordo com O Jogo, os concertos “financiam a substituição regular da relva, mas obrigam a que esta seja feita no pico do Verão, com temperaturas que em nada favorecem a implantação de um novo tapete”.

Aquela publicação concretiza mesmo a ideia com um exemplo recente: "No último defeso o relvado anterior estava em excelentes condições antes de ser danificado pelo concerto dos AC/DC ".

A passagem dos AC/DC pelo Estádio Alvalade XXI poderá assim ter sido o derradeiro espectáculo musical a acontecer naquele recinto. Desde a década de 80, passaram pelo Estádio do Sporting (até 2003, Estádio José de Alvalade) artistas como Rolling Stones, Depeche Mode, U2, Guns N’ Roses, Bon Jovi ou The Cure.

Ainda no passado fim-de-semana, o treinador do Sporting, Paulo Bento, queixou-se do estado do relvado do Sporting após o jogo da Taça de Portugal frente ao Penafiel.

http://blitz.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=bz.stories/53073

Assim sendo, vemos derrubada mais uma desculpa para o mau estado habitual dos relvados do Sporting. Mesmo assim, ainda restam a arquitectura do recinto, proximidade à 2ª Circular, etc. Apesar disso, é também com muita pena minha que vejo terminar esta bela tradição do clube. A única coisa que me alegra um pouco é que já não iremos ter mais vândalos a estragarem alegremente a nossa relva.

porque é que não se substitui a relva agora no inverno para se implementar melhor?

não era mal pensado e ia-se po jamor durante uns tempos fazer os jogos em casa… é uma solucção viável ou não?

ou belem

É tudo uma questão de bom estudo e planeamento para que os concertos sejam até bem rentáveis, coisa que a direcção não está disposta a fazer. Vamos lá ver:

O relvado tem que ser substituído de x em x tempo, sendo que o ideal é ser entre Novembro e Março, alturas de maior frio(pelo que li aí, estas são as condições climáticas propícias para a implementação de um novo tapete). De certeza que nesse período, que é longo, vai haver uma altura em que o estado do relvado estará miserável para a prática de futebol e que já não há “remendos” possíveis. Então essa será a altura para fazer o concerto, e, depois do concerto um implementar o novo tapete(o tapete já estava estragado, pelo que ter concerto ou não ter, em termos de relvado, é indiferente)

Depois tem de se ter em atenção um ponto:Estudar o númeo e importância/grau de dificuldade de jogos que o Sporting tem em casa durante a substituição do tapete, sendo que não deve exceder dois com grau de dificuldade baixa.

Isto não é concretizável? Por amor de Deus!

Imaginemos que último jogo do Sporting com o tapete velho é num Sábado. Então, faziam o jogo, e começavam imediatamente a preparar o tal concerto, sem que para isso seja necessária qualquer atençao ao relvado.

Teria-se o concerto à quarta-feira de noite. O concerto acabava, e no dia seguinte, começava imediatamente a operação da substituição do tapete.

O timing a escolher para fazer isto dependeria como já disse antes dos jogos em casa que vamos ter.

Isto é assim tão difícil de ver ou sou eu que sou um visionário?

Mais uma alínea que cai da treta do Estádio ‘auto-sustentável’ do Projecto.

Fantástico é o tempo que levaram para chegar a esta conclusão. Mas deve ser corolário lógico da frase do Tangas que “Só quem não faz projectos é que não se engana”. :wall:

Lá se vai a famosa designação “Catedral do Rock”…até isso nos tiram :-\

@andrew619, compreendo a tua posição, embora como já referi noutro tópico, seja contra ela por achar que não é compensatório, pelos exemplos que temos tido nestas últimas 5 épocas, em que é sempre a mesma coisa (leia-se más condições para a prática de futebol) no inicio de época.

No entanto a tua ideia tem uns pequenos contras: A época alta destes concertos de estádio é nos meses de verão, em que é muito mais fácil para os organizadores terem retorno para o brutal investimento que fazem. A excepção à regra será o concerto duplo dos u2 em Outubro.
O outro inconveniente é o timing: estes concertos não são organizados de um mês para o outro, como numa normal festa citadina. As bandas com público para encher estádios não marcam concertos para o mês que vem, como é bom de ver pelas declarações que fazem os organizadores dos festivais de verão, que quando acabam a edição de um ano, já têm praticamente o alinhamento da próxima edição feito. Logo por aí, era impossível por em prática a ideia de que “ora bem o relvado está a ficar um caco, é altura de organizar um concerto para o mês que vem para ver se nos pagam o relvado”. :great:

:offtopic:

Já que vão acabar com os concertos, não seria a altura de também acabar com o fosso, ou a existência do mesmo não foi justificada com a necessidade de os veículos que transportam o material necessário para os concertos entrarem no recinto? (coisa que no saudoso Estádio José Alvalade acontecia pela porta da maratona)

É mais um passo consistente na política de acabar com qualquer tipo de espectáculo no nosso estádio . . .

Não sou de forma nenhuma especialista em relvas nem em outras agriculturas, mas parece-me que o problema do relvado é um problema estrutural do estádio que pode ser ampliado pelos concertos musicais, mas que não é causado por esses concertos.

Provavelmente daqui a um ano ou dois, mesmo se concertos vamos ter um relvado miserável. Entretanto os concertos saltam para a concorrência . . .

Relvado sintéctico ou semi artificial ou lá como se chama é cada vez mais 1 realidade bem proxima de todos nós…

Estou-me cagando para a musica.
O que sei é que é mais uma fonte de receita que desperdiçam!!!

Brilhante!!!

SL

Lá vai a falácia do fosso cair por terra.
O estádio tinha que ter um fosso para se realizar concertos, agora só falta encher com água e meter lá crocodilos.
Fdx, Sporting, estás entregue aos bichos :wall: :wall: :wall: :wall:

Lá se vai a única forma de enchermos o nosso estádio. >:(

Até concordo com esta medida , se calhar os proveitos financeiros dos concertos não eram por aí alem , servindo só para estragar o relvado.

Muita gente a mamar com os concertos e o Sporting a pagar a factura do relvado , acho bem , 1ª medida do JEB que concordo.

Podiamos criar o fosso dos leões, os circos vão ficar sem os bichos, acho que comprávamos uns bem baratos. Depois no fim dos jogos, escolhiam-se os piores jogadores e atiravam-se para o fosso. O treinador como é óbvio só o podiamos atirar uma vez…mas seria o culminar da festa.

Nãos nos podemos queixar, temos concertos de 15 em 15 dias dados por uma banda muito desafinada, com alguns elementos péssimos e um maestro ridiculo.

Green,

Cada vez que havia concerto o relvado estava ao abrigo de um seguro.
As vezes que tivemos de substituir o relvado em virtude de um qq concerto não pagamos nestum!!!
Não me parece que a medida seja assim grande coisa a menos que seja para fechar de vez aquele fosso horrivel :lol:

SL

É realmente incrível como tudo o publicitado no Grande Projecto vai ruindo.
O Alvaláxia iria ser uma maravilha e veja-se a tristeza da realidade.
Era uma nova concepção que geraria receita para melhorar a equipa…
O fosso era necessário para os lucros fabulosos dos concertos e veja-se a tristeza da realidade.
Podíamos ter um estádio novo à inglesa com os adeptos junto ao relvado e não temos…
A única coisa que vamos tendo a aproximação é a produção de talentos na academia, mas muitíssimo mal aproveitadinhos.
É tudo uma tristeza e não me parece que a culpa de tudo isto seja do Paulo Bento!!! :frowning:

Sim que sirva para fechar o fosso , que estraga a beleza do estádio e impedem os sócios e adeptos estarem mais perto do relvado.