Modelo de jogo do Paulo Bento

Mea culpa. O Custódio é um semideus da bola cuja elevada percentagem de passes certos não tem nada a ver com a direcção/grau de dificuldade dos mesmos.

Não deixa também de ter piada que o Paulo Bento tenha mudado de filosofia de jogo do ano passado para este, já que ao Zezinando não o impedia de subir no terreno e deixar adversários para trás. :roll:

Eu estou longe de ser um perito nos Juniores portanto deixo essas considerações para a Felina e o outro jovem que têm a delicadeza de nos manter a par.

MAS e correndo o risco de estar enganado MAS dos jogos que eu vi fiquei CLARAMENTE com a ideia que o modelo de jogo do ano passado era um modelo de jogo feito á medida das caracteristicas dos jogadores do plantel de juniores e este é feito á medida das caracteristicas dos seniores.

Na minha opinião o Paulo Bento não tem um sistema táctico de estimação o qual força ao seu plantel quer este encaixe ou não.

O Sporting joga claramente num sistema de contenção de jogo pelo centro do terreno num 4-4-2 losango e eu fiquei com a ideia que o modelo de jogo dos juniores 04/05 era claramente um modelo muito mais ofensivo que assentava num 4-3-3 atacante com Bruno Soares fixo no meio e 2 extremos bem abertos nas alas com Djaló na direita e Bruno Filipe na esquerda.

O meio campo desse 4-3-3 tinha Nani, Zezinando e Miguel Veloso portanto 2 jogadores de caracteristicas defensivas com Veloso claramente a evidenciar maior disiciplina táctica de posicionamento e nas compensações.

O juniores do Sporting podiam dar-se ao luxo de jogar futebol de ataque pois a diferença técnico-atlética dos nossos juniores para os outros juniores é muito maior que a diferença entre a nossa equipa senior e as outras equipas da liga portanto comparar um modelo de jogo com outro é ilusório pois são campeonatos diferentes onde se pode jogar com mais ou menos contenção defensiva.

Posso estar enganado mas os Juniores 04/05 não jogavam nada como os seniores de Paulo Bento.

Mais uma vez queria mencionar que aprecio muito os comentários da Felina e do outro jovem que nos providenciam tão interessantes apreciações dos nossos jovens. Não sei se o site “Leõezinhos em acção” é deles mas também é um site muito interessante e merecia mais carinho e atenção pois não são muitos que se dão a tanto trabalho:

http://leoezinhosemaccao.blogspot.com/

André

O Blog é de facto deles.
Os 2 manos que são os elementos do fórum da captação de jovens :lol:
O “Coração de Leão” e a “Felina”.

Aproveito e agradeço-lhes porque não estou presente como gostava para ver os Juniores e eles fazem-nos esse trabalho.

Quanto ao que o AndréSCP nos fala, também sou da opinião dele em relação ao sistema táctico do ano passado dos juniores para este ano nos séniores de Paulo Bento. Devido às exigências, e aos jogadores e adaptação dos mesmos ao nível de flancos.

O sistema de jogo dos seniores teria de ser logicamente diferente da equipa campeã de juniores, como o Andre refere, a superioridade da mesma perante as outras permitia um à vontade defensivo que a de seniores nao pode mesmo ter.

Paulo Bento agarrou numa equipa que sofria uma média superior a 1.7 golos por jogo em média (se bem me lembro) e cujo antecessor dizia que era impossivel a mesma não sofrer SEMPRE pelo menos um golo.

Passada uma volta tem a terceira melhor defesa do campeonato e a melhor da 2 volta, a sua performance na área já bate records, e jogadores rodam ali por todas as posições mas aquilo não abana (Caneira, Abel, Hugo, Polga, Tonel, Tello (está transfigurado, não é que encha as medidas, mas tem estado razoavel, nunca esperei), Miguel Garcia, todos andam a rodar pela defesa, e o SCP mantém ali firme e hirto :lol: ).
Se não tivesse optado por um modelo de contenção em detrimento da táctica 4-3-3 dos juniores, seria igual a Peseiro não na forma mas no conteudo.

Paulo Bento poderá ou não vir a ser um grande treinador, mas ao serviço da equipa sénior, perante as vicissitudes, perante o cenário que agarrou, independentemente do que venha a alcançar, conseguiu algo que nem o mais optimista de nos todos previu qdo Pesito saiu, agarrar em cacos, e andar a bater records é de homem…

Logico que se começa a nova época nas suas condiçoes a exigencia aumenta, mas cada coisa a seu tempo…

André, eu gosto muito de te ler, mas podias parar de abrir topicos sobre topicos quase sempre com o mesmo assunto, não é o caso deste topico mas ja são vários anteriormente, nao leves a mal, mas aqui a “familia” tem o habito de se moderar a ela propria, mesmo pq os Mods tb têm mais que fazer que andar a mover topicos, longe de mim querer ser indelicado ou arrogante, estou mesmo a tentar ajudar, é que um homem chega aqui depois de 12 horas de bule, encontra “n” topicos fora de lugar, ou sobre a mesma coisa, não é necessário, dá umas voltas por aí e vê bem como a coisa funciona…

De resto, siga la falar de tacticas, que ainda convencemos o Tomanas (ele é catedratico) a juntar-se a nós :wink:

PEACE

SPORTING SEMPRE!!!

Pensei que fosse óbvio que o meu comentário não era tanto sobre a filosofia de jogo mas sim sobre as características individuais dos dois jogadores. A minha opinião continua a ser a mesma: o Custódio não sobe mais com a bola porque não sabe. Já o vi fazer isso com sucesso sob o comando do Paulo Bento, só que é uma vez em cada vinte jogos – na maioria das vezes ou não arrisca ou perde a bola. Quanto ao Zezinando, e tendo em conta que o jogo a que assisti foi contra o Benfica, nem se pode falar da superioridade técnica/atlética da equipa como razão para o seu maior atrevimento ofensivo.

... A minha opinião continua a ser a mesma: o Custódio não sobe mais com a bola porque não sabe...

Sou levado a concordar contigo. Pessoalmente tenho uma antipatia por trincos que so sabem passar a bola para ao lado… quantas vezes vemos o CC fazer um passe a “rasgar”?
Acho que o CC é um jogador muito evoluido defensivamente e em termos táticos… agora atacar não é com ele! Puxando pela memória, nas selecções jovens ele até costumava subir no terreno e de quando em vez mandar chutar. Nos seniores deve estar com uma média de 1 remate a cada 10 jogos…

O Custódio antes de jogar nos seniores não era trinco. Jogava a médio centro, 8, às vezes até mais à frente. Lembro-me de alguns jogos nas selecções jovens com ele a organizar e, por vezes, a criar. Era também assim que jogava na nossa equipa B.

Depois, já nos seniores, penso que foi o Fernando Santos (que era um treinador bastante razoável na minha opinião), colocou-o a jogar à frente dos centrais e transformou-o como jogador, limitando-lhe os movimentos. A função dele passou a ser só de filtro defensivo. Deixou de participar na construção, limitando-se a colocar a bola jogável para o distribuidor.

Parece-me que esta transformação foi um imperativo táctico da equipa. Alguém tinha que jogar nessas circunstâncias, porque jogávamos muito ofensivamente, penso que já com o Jardel, que era menos um a ajudar. Como o Custódio era bom tacticamente, ainda jovem, fácil de moldar e tinha um bom passe, além de ser um bom cabeceador, era o jogador ideal para isso.

Depois disto, até já foi opção para central nalguns jogos particulares.

Eu tinha ideia que ele, depois de assimilar as suas novas funções em campo, de perceber o seu espaço e de ganhar confiança, ia começar a ultrapassar as suas competências imediatas e participar no jogo ofensivo também. Tal não veio a acontecer, e já não espero que aconteça. É um jogador feito, já não vai evoluir.

Sendo assim, parece-me muito útil para equipas que joguem só com um trinco, mas não é um jogador que goste de ver jogar. Prefiro mil vezes um jogador que filtre jogo e que arrisque bem mais no passe, principalmente longo. Bem como, se compensado, faça entradas a romper.

É claramente o sucessor de Costinha na maneira de jogar.

O Custódio antes de jogar nos seniores não era trinco. Jogava a médio centro, 8, às vezes até mais à frente. Lembro-me de alguns jogos nas selecções jovens com ele a organizar e, por vezes, a criar. Era também assim que jogava na nossa equipa B.

Depois, já nos seniores, penso que foi o Fernando Santos (que era um treinador bastante razoável na minha opinião), colocou-o a jogar à frente dos centrais e transformou-o como jogador, limitando-lhe os movimentos. A função dele passou a ser só de filtro defensivo. Deixou de participar na construção, limitando-se a colocar a bola jogável para o distribuidor.

Parece-me que esta transformação foi um imperativo táctico da equipa. Alguém tinha que jogar nessas circunstâncias, porque jogávamos muito ofensivamente, penso que já com o Jardel, que era menos um a ajudar. Como o Custódio era bom tacticamente, ainda jovem, fácil de moldar e tinha um bom passe, além de ser um bom cabeceador, era o jogador ideal para isso.

Depois disto, até já foi opção para central nalguns jogos particulares.

Eu tinha ideia que ele, depois de assimilar as suas novas funções em campo, de perceber o seu espaço e de ganhar confiança, ia começar a ultrapassar as suas competências imediatas e participar no jogo ofensivo também. Tal não veio a acontecer, e já não espero que aconteça. É um jogador feito, já não vai evoluir.

Sendo assim, parece-me muito útil para equipas que joguem só com um trinco, mas não é um jogador que goste de ver jogar. Prefiro mil vezes um jogador que filtre jogo e que arrisque bem mais no passe, principalmente longo. Bem como, se compensado, faça entradas a romper.

É claramente o sucessor de Costinha na maneira de jogar.

Concordo com o que pus a bold. Também prefiro um trinco assim. Tal como o Iniesta ontem. Um trinco numa equipa com o Sporting não pode ser apenas um “filtro” defensivo e limitar-se a passar a bola para o lado.

[quote=“kaiowa”]Prefiro mil vezes um jogador que filtre jogo e que arrisque bem mais no passe, principalmente longo. Bem como, se compensado, faça entradas a romper.

Mesmo em equipas só com um trinco uma coisa é um trinco actuar como playmaker retraido (ou 2º playmaker) e arriscar ter criativade no passe em vez de optar pelo passe seguro quando joga num 4-1-3-2 mas quando joga num 4-4-2 losango os imperativos tácticos são outros porque no 4-1-3-2 o trinco tem á sua frente um meio campo de 3 elementos dispostos em linha com um médio-centro Nº8 mesmo á sua frente a acrescentar densidade ao meio campo mas quando se jogar em 4-4-2 losango existe um vazio enorme entre os 4 vertices do losango porque não existe um médio-centro e por isso o losango quando faz transposição defesa-ataque o losango encolhe com os 3 elementos da frente a recuar uns metros de maneira melhorar a qualidade de passe do trinco para o triangulo ofensivo do losango. Quando já têm a bola o tridente dianteiro do losango volta a adiantar-se no terreno e durante este reposicionamento táctico o Custódio nunca é obrigado a mudar de posição pois os 2 interiores e Nº10 mudam em função dele para compensar a ausência de um médio-centro.

Nenhum sistema resiste á fluidez do jogo. O Sporting começa em 4-4-2 losango pois é o seu sistema base mas quando perde a bola naturalmente os seus elementos dianteiros descem para compensar a descida dos médios para ajudar o trinco quando tentam recuperar a bola portanto defensivamente um 4-4-2 pode fácilmente evoluir para um 4-5-1 e a atacar é comum passar do 4-4-2 de contenção para um 4-3-3 atacante de 2 pontas-de-lança e 1 playmaker no caso do Sporting ou um 4-3-3 de apenas 1 avançado e 2 extremos no caso do Chelsea dependendo de se uma equipa joga com extremos (Chelsea) ou interiores (Sporting) o 4-3-3 terá um tridente com largura (extremos) ou contundência (2 pontas-de-lança).

Não há sistema perfeito. O melhor sistema é aquele que realça as qualidades do XI em campo em vez de os forçar a algo para o qual não foram talhados. O Anderson Polga era constantemente exposto no esquema de Peseiro e Enakharire também.

Pessoalmente adoro o nosso sistema de jogo. É um esquema realista e moderno em que apenas sobe um lateral algo que muitos acólitos de futebol de ataque desenfreado ainda não perceberam.

André

Custodio um jogador feito?!?! Bem, ele ainda e Sub21 , ainda tem muita para dar e espero bem que nao seja este o Custodio feito. Tem de evoluir um bocado mais para bem dele e nosso;-).

So mais uma coisa: o Andre (acho que foi ele) escreveu que os juniores 04/05 jogavam com bruno soares como ponta de lanca mas isso nao e verdade. estavam la o Saleiro e o ToMane que jogavam nessa posicao.

[quote=“Joao SCP”]

Concordo com o que pus a bold. Também prefiro um trinco assim. Tal como o Iniesta ontem. Um trinco numa equipa com o Sporting não pode ser apenas um “filtro” defensivo e limitar-se a passar a bola para o lado.

Pelo Amor de DEUS mas tu estás a comparar o Barça com o Sporting e são equipas com uma matriz de jogo completamente diferentes e com jogadores com caracteristicas diferentes.

O Barça assenta o seu jogo na troca rápida de bola e com um tridente atacante com uma mistura Técnico-Atlética absolutamente fora do comum com Eto’o, Ronaldinho e Messi (ou Giuly) a evidenciarem uma mescla de técnica com um sprint explosivo que é um quebra cabeças tricéfalo para muitas defesas especialmente as defesa tácticamente rigidas como é o caso do Chelsea e a Juventus.

E o 4-3-3 atacante assenta numa almofada de segurança que é uma mescla de grande capacidade operária de recuperação de bola com criatividade suficiente para não necessitarem de um playmaker no meio-campo pois tanto Deco como Van Bommel sabem construir jogo e o próprio Xavi tem muita qualidade no passe.
Um meio-campo com 3 unidades de contenção como Deco, Xavi, Marquez (ou ontem Van Bommel e Iniesta) consegue segurar tanto o centro do terreno com guardas as faixas laterais com ajuda de Belleti e GVB (ou Silvinho) e é mais um exemplo do futebol moderno no qual os extremos já não jogam no meio-campo que hoje em dia cada vez mais estão a adoptar sectores criativos com 2 interiores e 1 médio-centro ou então o 4-4-2 losango. Para mim um médio moderno é um Pedro Mendes, um Deco, um Tiago Mendes, um João Moutinho, um Andrea Pirlo ou até um Maniche, jogadores médios polivalentes que conseguem defender, conseguem criar jogadas de ataque mas são tácticamente disiciplinados e não abandonam a marcação zonal da área que lhes foi préviamente designada.

É de notar algo vital, o Barça no inicio da época jogava mal e perdia jogos porquê? Porque se repararem nos jogos de então para cá os 3 sectores (finalizador, creativo e defensivo) estavam a jogar com MUITO maior distância entre si. Desde então quando há transposição da defesa para o meio-campo o tridente no sector criativo desce mais próximo para melhorar a recepção de bola. O Sector finalizador continua a actuar algo distante (o Barça é uma equipa de ataque) mas as perdas de bola entre a defesa e meio-campo que se viram em Setembro practicamente desapareceram.

Comparar o Andres Iniesta com Custódio não é justo pois o Sporting joga só com um trinco num 4-4-2 losango enquanto o Barça ontem jogou em 4-3-3 com 3 unidades de contenção (que jogaram mal) com 1 trinco (Iniesta), 1 médio polivalente (Van Bommel) e um playmaker adaptado a médio-centro (Deco). É natural que numa equipa de ataque que começa em 4-3-3 quando inicia um contra-ataque rápido possa evoluir para um 4-2-4 com Iniesta a tentar romper por detrás do tridente Eto’o, Ronadlinho, Larsson mas acho que o jogo de ontem não é um micro-cosmos de como joga o Barcelona versão 2005/06 pois todos os 3 sectores estiveram desfalcados de unidades importantes e volto a dizer que o segredo deste Barça é o trio de meio-campo Deco, Xavi e Rafael Marquez e sem eles o Barça é como o Porto sem Paulo Assunção e Lucho Gonzalez.

André

Continuando a brincar…o AndreSCP é um Gabriel Alves em potencia… :smiley: 8) :arrow:

Ou quem sabe até um João Querido Manha. :smiley:

Ou isso, ou isso… :smiley: :wink: 8) :arrow:

So mais uma coisa: o Andre (acho que foi ele) escreveu que os juniores 04/05 jogavam com bruno soares como ponta de lanca mas isso nao e verdade. estavam la o Saleiro e o ToMane que jogavam nessa posicao.

Teoricamente o Tomané era a terceira opção devido ao facto de ainda ser júnior de primeiro ano, enquanto que o Saleiro e o Bruno Soares já eram de segundo. No caso do Bruno Soares nunca percebi bem porque razão era tão utilizado, já que ele é no mínimo patético. Durante os jogos passava mais tempo a falar e a protestar do que propriamente a jogar, algo que não fazia muito bem, diga-se de passagem.

André peço desculpa mas não vi ninguém a comparar o Custódio ao Iniesta e vice versa…

Ou isso, ou isso... :D :wink: 8) :arrow:
n chamem nomes feios ao rapaz. :wink:
De resto, siga la falar de tacticas, que ainda convencemos o Tomanas (ele é catedratico) a juntar-se a nós :wink:

PEACE

SPORTING SEMPRE!!!

Catedrático não direi, :oops: sou apenas um apaixonado pelas questões tácticas do jogo que tento ver para além dos 22 gajos a correr atrás duma bola e do resultado final.

Por isso mesmo saúdo a chegada ao fórum de alguém que tenta introduzir essas questões que geralmente são aqui pouco debatidas, :frowning: isto apesar de discordar de algumas das coisas que o AndreSCP escreveu.

Por exemplo eu acho que o Sporting joga com dois centrais a marcar à zona e não com um na marcação ao homem e outro à zona, e também não me parece que o futebol de Paulo Bento privilegie a posse de bola, isso era com o Peseiro quando a equipa jogava muito junta com a defesa subida.

Agora o futebol do Sporting assenta numa boa organização defensiva que começa lá na frente com a equipa mais estendida e quando se junta é cá atrás.
Os movimentos verticais são os mais frequentes e nem sequer se despreza o jogo directo dos defesas para os avançados. Por outro lado a equipa sente muito confortável jogando no contra ataque onde já resolveu alguns jogos.

Espero que o André não me leve a mal mas penso que o estilo dele é por vezes excessivamente convencido, isto no sentido em que apresenta as suas opiniões como se fossem a sagrada palavra do senhor que até o Rui Santos plagia. :stuck_out_tongue:

Acontece que o futebol está longe de ser uma ciência exacta, é antes um jogo que depende de vários factores alguns dos quais bastante aleatórios, pelo que não há aqui verdades absolutas nem receitas mágicas.

Por exemplo eu sou daqueles que pensam que o João Alves não tem dimensão para jogar no Sporting, ele tem um bom toque de bola e pouco mais, só me faz lembrar o Afonso Martins. :cry: O tempo encarregar-se-á de confirmar ou desmentir esta minha opinião, poderei acertar como já aconteceu inúmeras vezes ou errar com aconteceu outras tantas, mas isso não fará de mim um bimbo ou um génio, pois até os grandes técnicos da especialidade falham muitas vezes ao escolher jogadores para as suas equipas. :wink:

Concordo com a opinião sobre J.Alves, não tem dimensão…

Quanto aos centrais, parece-me realmente que há um na zona e outro man to man, o que acontece é que não me parece estático, ou seja tanto calha a um como a outro, mas não posso acreditar nisso pois o risco seria enorme…

Também concordo quanto ao Joao Alves. Tem uma boa tecnica, um bom toque de bola, mas ao chegar ao um clube de grande nivel encolheu-se, e nunca mais apareceu.

Quando sao jogadores de grande nivel explodem ao chegar a um grande. Podem demorar mais ou menos tempo, mas nao tanto como um Joao Alves, que está mais do que adaptado ao futebol português.

Vejamos o Tonel. Que jogador se tornou. Está bem melhor que no Maritimo.

Quanto aos centrais, parece-me realmente que há um na zona e outro man to man, o que acontece é que não me parece estático, ou seja tanto calha a um como a outro, mas não posso acreditar nisso pois o risco seria enorme...

Isso é que é marcação à zona, ou seja cada um marca quando o avançado adversário cai na sua zona.
A alternativa é ter um que marca em cima e outro mais solto ás sobras.