Mercado de Inverno 2019/2020

O mercado de inverno é, em regra, pautado por uma abordagem mais tranquila dos clubes, já que estes procuram sempre um negócio de ocasião ou uma compra que acrescente qualidade imediata, não mexendo com a base da equipa, até porque há sempre competições em disputa.

Não obstante, para outras equipas, o mercado inverno serve como a limpeza que damos à nossa casa quando surge algum convidado repentino. Serve essencialmente para tirar as sujidades mais visíveis, de forma improfunda e apressada, não mexendo naquilo que parece estar minimamente bem.

Ora, vendo o Sporting já arredado de quaisquer aspirações possíveis, e conjugado isso com o péssimo planeamento do plantel realizado no verão, a minha ideia passaria sempre por uma mini limpeza do plantel, mitigando os problemas da equipa com saídas de alguns empecilhos e entradas de jogadores para zonas do plantel para os quais estamos carenciados.

Guarda-Redes: Pseudo-Rei nan; Maximiano

Estando a equipa eliminada da maior taça interna e em vias de ser arrumado da segunda, não faz sentido mexer aqui. pelo menos agora. No verão espera-se um guarda-redes de nível para assumir a titularidade, relegando o ídolo do estagiário das redes sociais.

Defesa-Direito: Ristovski; Rosier; João Oliveira

2 jogadores em sub-rendimento que irão melhorar com o Silas, já que este é um treinador relativamente bom em organização defensiva (jogador do JJ em várias equipas) e ambos necessitam de melhorar em termos táticos. O Rosier ainda não vi grande coisa em termos ofensivos.

O João Oliveira seria o 5º lateral do plantel.

Defesa-Centro: Coates, SIMON DELI (Brugge); Neto; Ivanildo Fernandes (Trabsonspor);

Aqui seria a mudança mais surpreendente.

Mathieu já parece em pré fim de carreira, não merece o amadorismo que se instalou com a saída de BDC e parece-me o timing perfeito (arredados de competições) para preparar a sua substituição para a época que se avizinha.

Contrataria o Simon Deli do Brugge, um central que se evidenciou no excelente Slavia Praha da última época, que fez uma boa Liga Europa, e tem estado a um nível monstruoso no clube Belga.
Goza da imponência física característica dos centrais de origem africana e de uma velocidade surpreendente para um jogador da posição (faz lembrar o Semedo nesse aspeto como come sprints aos avançados adversários, mas tecnicamente bastante dotado. Muitas das vezes aparece no meio campo, seja na ala ou mais dentro, em condução, como se de um lateral ou médio se tratasse. A fazer exibições como as que tem feito na Champions (Real Madrid à cabeça), este é o timing ideal para o segurar.

Estruturalmente teríamos a posição definida como deve ser.
2 centrais mais pesados e imponentes no jogo áereo, a jogar pelo lado direito e 2 centrais mais móveis e técnicos pelo lado esquerdo, apostando também no regresso do Ivanildo.

Illori seria para servir de moeda de troca em algum negócio ou colocar no OLX à venda quase novo.

Defesa-Esquerdo: Acuña; Nuno Mendes;

Em termos táticos na lateral esquerda privilegiaria um lateral mais vertical, devido a pobreza franciscana, em termos da criatividade nos espaços dentro do clube, do duo do meio campo do Silas, já que os alas teriam de compensar isso com mais movimentos dentro.

Posto isto, não vejo melhores jogadores que o Acuña e o Nuno Mendes para ocupar tais posições.

O Nuno Mendes, pese embora a tenra idade, já está fisicamente maturado para o futebol sénior. Acredito que continuar nos sub-23 poderá ser nefasto para ele, podendo correr o risco de estagnar.

Se a opção fosse por outro jogador, não defraudaria um empréstimo com opção de compra pelo Rogério (Sassuolo), que anda perdido esta época.

O Borja seria vendido.

Médio-Defensivo: Doumbia; Rodrigo Fernandes/Pepelu (Tondela);

É complicado destrincar os médios defensivos dos médios centros neste modelo.

Silas parece jogar com 2 trincos, 2 médios defensivos em cunha o que me parece fazer regressar aos tempos do Paul Sérge, onde se fosse preciso perfilava um meio campo com André Santos, Pedro Mendes e Zapater.

O Doumbia foi um investimento da estrutura que deposita esperança nele e acredito que continuará como titular.

Sou um confesso admirador do Rodrigo Fernandes, mas não o vejo a render a plenitude das capacidades num duplo pivô. Gostaria de o ver mais sozinho no seu raio de acção, com os interiores a sua frente. Um pouco como acontecia com o Fernando Reges no Porto ou o William Bandalho.

Dado esse facto, não defraudaria apostar agora no Pepelu, promissor jogador do levante que está emprestado ao Tondela. É um médio que trata muito bem a bola, com a pujança física e agressividade necessárias para a posição, mas com uma mobilidade assinalável.

Atento também á situação do Palhinha, que está em fim de empréstimo com o Braga.

Gostei bastante do Eduardo Henrique no Belém e considero-o um 8, mas vendia-o.

Médios Centro: Wendel; Daniel Bragança

É um bocado a reflexão acima.

Se me pusesse no lugar do Silas procuraria exigir a estes médios que jogassem sempre mais avançados em relação ao jogar da posição 6, procurando partir em condução ou com passes de rotura para os jogadores que jogam dentro do bloco.

Wendel seria o titular de eleição, jogador que tem potencial para valer muito mais do que vale atualmente e repescaria o Daniel Bragança ao Estoril para lutar pela titularidade.

Médio Ofensivo/Segundo Avançado: Bruno Fernandes; Vietto;

Não há muito a dizer. Dois dos melhores jogadores da equipa.

Dada à ausência de jogo anterior de qualidade da equipa deveriam jogar mais próximos do ponta de lança, daí considerar a posição como Segundo Avançado ou 9.5.

Extremo-Direito: Bolasie, Gonzalo Plata; Bruno Tavares/Joelson

Considero que o congolês “morreu” como jogador desde a sua rotura de ligamentos pós entrada no Everton.

Contudo, é inegável que se tem esforçado para assumir a titularidade e a exigência está tão baixa que até isso é de salutar.

Na minha ótica funcionaria como “gatekeeper” para a entrada, gradual, de 2 jovens talentosos na equipa, neste caso o Plata e o Bruno Tavares/Joelson.

Extremo-Esquerdo: Wanderson (Krasnodar); Jovane Cabral;

Depois da saída do Raphinha a equipa ficou carenciada de um criativo desequilibrador capaz de acompanhar o BF na missão de conseguir rebentar com uma defesa sozinho.

Com o dinheiro da venda do extremo brasileiro e a de outros ativos que eu venderia, tais como o Mathieu, Borja ou Luiz Phellype, ia buscar um jogador que me enche as medidas.

Extremos tecnicamente e fisicamente abnegados arranjamos às resmas, mas jogadores que aliem isso a capacidades cognitivas, como a criatividade ou visão de jogo, e comprometimento ao jogo, intensidade e capacidade de trabalho, como o Wanderson faz no Krasnodar, é bastante complicado.

Seria sempre um alvo para abrir os cordões à bolsa, mas acredito que seria uma aposta que retribuiria dividendos desportivos e financeiros.

A posição seria preenchida com o Jovane Cabral, que tem sido subvalorizado por esta estrutura, mas tem condições especiais para figurar num plantel de equipa grande.

Ponta-de-Lança: Munas Dabbur/ Łukasz Teodorczyk; Pedro Mendes;

Chegamos à posição que mais tem sido discutida desde o deadline day.

Dado o baixo rendimento, seja em termos individualmente estatísticos ou na influência do jogo coletivo propriamente dito, dos avançados existentes no plantel, eu optaria por uma revolução neste setor.

Luiz Phellype deveria ser vendido, já que se encontra no limiar da valorização desportiva do seu passe, não tem o necessário para ser titular e temos para suplente um miúdo com maior margem de progressão, formado no clube (que o sporting carece) e de características especiais.

Jesé não tem demonstrado rigorosamente nada, a não ser a possibilidade ser mais um jogador desencaminhador no balneário.

Como tal, avançaria para um negócio de empréstimo com opção de compra a um de 2 jogadores que estão tapados nos seus clubes, o Munas Dabbur ou o Łukasz Teodorczyk no Sevilla e Udinese, respetivamente.

2 jogadores que aprecio bastante e que já falo daqui há alguns anos. O Dabbur um jogador mais completo, com qualidade técnica e de finalização, embora com algumas dificuldades de comprometimento sem bola, e era menino para rebentar com o Tugão.

O Łukasz Teodorczyk um ponta-de-lança mais clássico, menos móvel e de movimentos mais curtos, mas essencialmente um finalizador de excelência e bastante agressivo sem bola.

Para backup, pelo que já acima mencionei, o lugar seria do Pedro Mendes.

Joker: Dimitar Mitrovski

Jogador que pela sua criatividade, capacidade técnica, versatilidade e inteligência de jogo, poderia desempenhar várias funções no miolo/ataque, seja como extremo, nº10, 8 ou segundo-avançado.

Contratações
Simon Deli; Wanderson; Munas Dabbur/Łukasz Teodorczyk; Pepelu ?;

Regressos
Daniel Bragança; Ivanildo Fernandes

Saídas
Cristián Borja; Mathieu; Eduardo Henrique; Ilori; Battaglia; Jesé Rodriguez; Luiz Phellype; Matheus Oliveira; Fernando;

  • Mateus Nunes seria emprestado a uma equipa da primeira liga ou reintegrando na impossibilidade do regresso do Daniel Bragança.

d3e0143207de63609ef7c94c028a44fe

1 Like

Gostava que esta direcção não investisse mais…já deu para perceber o resultado desse mesmo investimento.

Que este plantel dê para assegurar a Liga Europa e que para 2020/2021 uma nova direção possa construir qualquer coisa digna de ter o nome de plantel profissional de futebol.

Todos os jogadores que não Acuña, Mathieu, Coates e Bruno não têm qualidade para jogar no Sporting. Isto aliado ao facto de, um clube grande como Sporting e num campeonato como o português, em que as equipas jogam para o pontinho, só termos um ponta de lança que pela sua qualidade deveria ser uma 3a opção está tudo dito. A equipa já estava desequilibrada e, por incrível que pareça, nos últimos mercados ficou progressivamente pior. Gabo a paciência para sugestões a quem as dá uma vez que, não sendo destituído este CD antes do Natal, nada de positivo se augura.

2 Likes

Ou seja, tudo o que resta da “herança”, tanta vez usada como desculpa para o insucesso da atual direcção, certo ?

1 Like

Basicamente. Na minha óptica nenhum negócio de relevo realizado por esta direcção terá sido benéfico para o clube. Os melhores jogadoees foram vendidos/dispensados e as receitas desperdiçadas em elementos que não trouxeram rendimento desportivo ou financeiro. Temos um plantel que não rende e os nossos (poucos) bons activos estão, cada vez mais, desvalorizados.

1 Like

@valhalla, ou muito me engano ou estás a ultrapassar o limite de novas inscrições.

Gostava que houvesse uma enorme revolução neste plantel, mas não é muito sensato fazê-lo em janeiro. Ia ao mercado buscar alguns jogadores, mas procurava sobretudo aproveitar o que temos por cá. Fazia isto, mais ou menos:

Guarda-redes - Renan e Maximiano.

O brasileiro não é um frangueiro, mas também não é um guarda-redes que dê muita segurança. É mediano. É um bom guarda-redes para jogar nas taças. Ainda assim, e apesar de o achar curto, só o despachava no fim da época. A não ser que algum maluco dê 3 ou 4 milhões por ele, nesse caso ia com um lacinho na cabeça e tudo.

Laterais-direitos - Ristovski e Rosier.

Honestamente, gosto dos dois. O Risto tem as suas falhas, mas é um lateral fiável. O Rosier ainda jogou pouco, mas tem qualidade com a bola. Para já acho que chega. Em último caso, ponderaria convencer o Camacho a jogar aqui em jogos que pedissem mais a nível ofensivo.

Laterais-esquerdos - Acuña e Borja.

O Acuña tem cumprido. O Borja não é grande espingarda, mas acho que está em sub-rendimento. Se a equipa subir de rendimento, acredito que ele se consiga mostrar a um nível minimamente decente. Vendia-o depois, no fim da época - até porque acredito que agora ninguém o queira. Nuno Mendes a espreitar, claro.

Defesas-centrais - Mathieu, Coates, Neto/Ilori e Quaresma.

Gosto da dupla de centrais, individualmente é uma das melhores que vi por cá. Entre Neto e Ilori procurava vender um e subia o Eduardo Quaresma. O miúdo tem qualidade, mas acho que para mais do que 4º central é capaz de ser um salto muito grande. Ainda assim, ia-lhe dando oportunidades para ver do que ele é capaz.

Médios-defensivos - Rodrigo Fernandes e contratação #1.

Sou fã do Rodrigo, acho que tem muita qualidade com a bola e é superior aos que temos. Ficaria como backup de uma contratação, que teria de assumir o lugar. A meu ver, esta contratação deve ser a prioridade nº1.

O Doumbia, à semelhança de muito outro jogador que por cá anda, está em sub-rendimento. Acho que pode e deve dar mais. Emprestava-o a uma equipa onde pudesse jogar com regularidade, ainda tenho alguma esperança que dê jogador (seja a 8 ou a 6).

Médios-centro - Wendel, Bruno Fernandes, Daniel Bragança e Eduardo Henrique.

Com este leque ficava satisfeito. Wendel e Bruno como titulares, Bragança e Eduardo como backups. Acho que é difícil arranjar um bom negócio para colocar o Eduardo noutro clube e não o acho assim tão mau se jogar a 8, pelo que não me importava de o manter no plantel. Se fosse possível arranjar colocação, aí integraria o Francisco Geraldes.

Extremos - Bolasie, Gonzalo Plata, Vietto e contratação #2.

Apostava a sério no Plata e comprava um jogador que pudesse fazer a diferença para fechar o leque. Não sou muito fã do Bolasie, mas não é mau de todo e acredito que possa ser útil. Ao contrário de muitos, não desgosto do Vietto na ala e acho que até pode resultar, se for bem trabalhado.

Pontas-de-lança - Luiz Phellype, Pedro Mendes e contratação #3.

Inscrevia o Pedro Mendes e integrava-o como 3º avançado, pode acabar por ser útil apesar de não ser tão bom como muitos dizem ser. O Luiz ficaria como 2ª opção e a contratação teria de ser alguém capaz de assumir a titularidade. Sem espinhas.

As minhas sugestões para as contratações são:

Contratação #1

Primeiras opções: Cheick Doucouré (Lens), Jonathan Gonzalez (Monterrey) e Kranevitter (Zenit).

Low-cost: Gustavo Assunção e regresso do Palhinha.

Contratação #2

Primeiras opções: Yeferson Soteldo (Santos), Ramadhan Sobhi (Al Ahly) e Martín Benítez (Independiente).

Low-cost: Bruno Tabata.

Contratação #3:

Primeiras opções: JJ Macías (Leon/Guadalajara), Nsamé (Young Boys), Roman Yaremchuk (Gent) e Moussa Konaté (Amiens).

Low-cost: Mehdi Taremi.

Da maneira que está o plantel é melhor não mexer muito. O plantel tem demasiadas fragilidades que um mercado de inverno não é suficiente para suprimir essas fragilidade.

Que se inscrevam alguns sub23 e não se gaste dinheiro. Ainda por cima com o “toque de Midas” desta direção ainda vinha mais entulho…

Inscrevam a malta dos juniores e não mexe mais. Para trazer mais trampa é melhor estar quieto.

1 Like

Marius Niculae.

Convém fazer alguma coisa, digo eu…
Tipo para acabar em 3° e chegar a uns quartos de LE…
Cuidado com as 3 do Minho…

Espero que já não seja esta direção a abordar o próximo mercado de Janeiro.

Se for que não mexa muito. A vir alguém que seja por empréstimo.

Existem lacunas evidentes mas é preferível apostar na prata da casa e em 2/3 reforços por empréstimo.

Numa ótica de 3x4x1x2:

GR - Renan e Max

DC - Coates/Mathieu/Ilori/Neto/Quaresma

LD - Rosier/ristovski/Camacho

LE - Acuna/Borja/Nuno Mendes

MD - Contratação/Doumbia/R. Fernandes

MC - Wendel/Eduardo/Contratação

MO - Bruno Fernandes

PL - Vietto/L. Phylipe/Contratação/Pedro Mendes

Aquilo que vamos observar neste mercado de inverno é a mais uma etapa do processo de limpeza do plantel. Enquanto existirem jogadores da anterior direcção, com os quais a actual não está em completa sintonia ou não andaram juntos em panelinhas, há que limpar. Enquanto houver valor para vender, há que vender. E os únicos que valem alguma coisa… são os mais antigos. veremos ser substituídos por mais uns craques, uns da lista de sábado à noite, outros dos scouts que contratam jogadores não pelo que são ou pela evolução natural das competências e posição, mas pelo que nos vão transformar. Talvez tenhamos um lateral a fazer de avançado, ou um GR a fazer de PL.

Se fosse eu a mandar, que não sou e nem percebo nada disso, o mercado de Janeiro também seria para limpezas, mas de outra natureza. Ilori (no limite Neto, caso houvesse real interesse do jogador e de uma quantia interessante na mesa); Fernando
e Bolasie iam de vela. O Jesé só não ia porque não o aceitam de volta e ele não pode jogar por mais nenhum clube europeu (boa manobra do PSG para entalar sempre os clubes que o recebem). Mas avisava o gajo que o dia dele começa às sete, no ginásio e que treinaria com os outros colegas, mas tem de mostrar muito mais para voltar a vestir a camisola de jogo (talvez lhe desse vontade de ir até aos States fazer carreira mista, jogador e cantor).

Max e Doumbia (caso o Batta esteja pronto para competir) iam de empréstimo. Caso o Batta queira mesmo sair para jogar, não me oporia, mas aí o plantel começaria a ficar curto e talvez o Doumbia tivesse de ficar.

Cinco reforços. O primeiro seria a inscrição do Pedro Mendes, sempre animava as hostes. O segundo seria um GR. A opção cairia sobre o Tiago Volpi. O São Paulo ainda não exerceu a opção de 5 milhões de dólares. Eu falava já com o empresário e com o Querétaro, avaliava até a hipótese de empréstimo com opção de compra.

Em terceiro, seria o empréstimo do Jairo Riedewald. Bem sei que ele está uma m[…]a, mas o dinheiro não abunda, o empréstimo seria facilitado e a opção de compra de certo baixa. Dava para integrar e avaliar até Junho. O jogador representa, teoricamente, uma mais-valia, seja pelos sistemas que podem ser introduzidos (até a passagem de sistema de 3 a 4 defesas durante o jogo, seja pela adopção de posicionamentos em posse ou saída rápida e em pressão alta ou bloco baixo) e pela rotação entre posições.

Já vamos em 3.

Os dois últimos são atacantes. O primeiro, Yony González. Não sei se já assinou pré com alguém. Custa as luvas para ele e agente. O último representa um investimento algo avultado. Talvez com apoio de investidor/agente/clube interessado manter opção ou adquirir 50%. Trata-se de José Juan Macías, avançado que está no León do México.

#KnowHow

Eu faria as mesmas mexidas, também gosto das sugestões p/entradas, mas para este modelo do Silas funcionar acho que é essencial trazer também um 6 de raiz que saiba sair jogar.

Ontem no Canal 11 falaram num Jordi Quintilla do St.Gallen (sim esse colosso que não conseguimos vencer na pré-época), 26 anos, formado no Barcelona, é bom de bola, e já leva 6 golos esta época, mas tem um percurso medíocre entre a MLS e a NASL (2ª divisão). Tem todo o perfil de flop mas como termina contracto no final da época não deve custar mais do que um saco de amendoins.

Um 8?

Se vão ser os mesmos a tratar do mercado de inverno não admira, a falta de noção continua lá… :see_no_evil:

Despachar os poucos que ainda jogam alguma coisa para trazer mais refugo… Vai ser bonito ver.

deixar esta trampa de direção ir a um novo marcado é ser pelo menos ser masoquista

já pagou a casa

1 Like