Juniores: Estrela da Amadora 0 - Sporting 0 (Crónica)

O Sporting deslocou-se ao Monte da Galega para defrontar o Estrela da Amadora e empatou a zero.

Entre a assistência destaque para as presenças de Aurélio Pereira, José Manuel Torcato, Carlos Bruno, o júnior David Santos e os juvenis André Martins e Diogo Ribeiro.

Na equipa do Estrela da Amadora destaque para o guarda-redes André Marques, campeão nacional de juvenis na época passada, emprestado pelo Sporting.

O Sporting jogou no 4-3-3 habitual com Tiago Jorge na baliza, Vasco Campos a defesa direito, Daniel Carriço e Marco Lança como dupla de centrais e Tiago Pinto (de regresso após a arreliante lesão) a lateral esquerdo. O trio do meio campo foi composto por João Martins a trinco, Adrien Silva sobre o lado esquerdo e André Pires sobre o lado direito, ficando o ataque entregue a Bruno Matias na ala direita, Alison na ala esquerda e Ricardo Nogueira na frente de ataque. No banco de suplentes esteve o guarda-redes dos juvenis Pedro Miranda, o defesa Jorge Abreu, os médios Yannick Pupo e André Santos e os avançados Marco Matias, Sebastião Nogueira e André Cacito. O trio de arbitragem veio de Portalegre.

Da esquerda para a direita: João Martins, André Pires, Adrien Silva, Alison, Vasco Campos, Ricardo Nogueira, Bruno Matias, Tiago Pinto, Marco Lança, Tiago Jorge e Daniel Carriço.

Resumo da 1ª parte:

A partida iniciou-se com o Estrela a assumir de imediato o ataque. Logo aos 4 minutos, num lance aparentemente inofensivo e em que Tiago Jorge confiou demasiado no golpe de vista, a bola foi ao poste na sequência de um cruzamento rasteiro da direita. No minuto seguinte foi Ricardo Nogueira que desferiu o primeiro remate leonino à baliza adversária. Isolado no coração da área, ganhou a bola num ressalto após livre da direita de João Martins, e mandou a bola por cima da trave, perdendo uma grande oportunidade de inaugurar o marcador. À passagem dos 10 minutos, o jogo começou a ser mais disputado a meio campo. Não havia muitas ideias para atacar por parte das duas equipas, sendo que o estado do relvado também não ajudava a bola a circular da melhor forma. Os remates também escasseavam. Adrien Silva foi o único a arriscar um remate de meia distância aos 17 minutos, que saiu por cima. Aos 20 minutos, João Martins viu o cartão amarelo devido a uma entrada mais dura sobre um adversário. Logo de seguida, o Estrela da Amadora criou perigo a partir de um livre da direita mas Tiago Jorge resolveu, saindo a soco e afastando o esférico. Aos 29 minutos surgiu outra boa ocasião de golo para o Sporting. João Martins bateu um livre directo em força e rasteiro, com André Marques a defender para canto. Na sequência do mesmo, um dos centrais amadorenses cabeceou para a sua baliza, e André Marques teve que se aplicar para mandar a bola para canto, com um golpe de rins. O Sporting, ainda assim, apesar de um par de boas oportunidades, não conseguia pegar no jogo a meio campo e não conseguia fazer a bola circular de pé para pé. Aos 41 minutos, Bruno Matias foi servido à entrada da área e ficou em boa posição para rematar, mas perdeu tempo e permitiu a intervenção do guardião do Estrela. Sobre o intervalo, Tiago Jorge teve uma má reposição de bola com o pé, com esta a ir parar ao extremo Adul Baldé. Daniel Carriço e Vasco Campos trataram de resolver a situação.

Resumo da 2ª parte:

No segundo tempo o Sporting entrou com outra disposição perante a partida. A equipa fez circular melhor a bola e conseguiu atacar com mais profundidade. Aos 54 minutos, João Martins marcou novo livre directo com a bola a sair à figura. Quatro minutos mais tarde, Vasco Campos desenvolveu uma boa jogada pelo flanco direito e isolou Ricardo Nogueira. Uma vez mais, o ponta de lança do SCP perdeu tempo e ângulo de remate, gorando-se assim mais uma boa oportunidade. O Sporting já conseguia provocar perigo com mais frequência, enquanto que o Estrela da Amadora só se mostrava nos pontapés de canto, embora sem causar grandes calafrios. João Martins ia tentando a sua sorte nos livres directos, mas sem sucesso. Também nos pontapés de canto o Sporting não conseguia encontrar o caminho das redes adversárias.

Aos 73 minutos saiu Bruno Matias e entrou Marco Matias, que se foi posicionar no flanco direito. Nesta fase, o jogo estava mais equilibrado mas o SCP não desistia. Daniel Carriço mostrava-se muito inconformado com o rumo dos acontecimentos e aparecia amiúde no ataque. Em dois remates sucessivos quase ia marcando. No primeiro remate (foto abaixo) André Marques fez uma brilhante defesa e o segundo remate (na meia lua) saiu por cima.

Aos 82 minutos, saiu André Pires e entrou Yannick Pupo. Os últimos minutos da partida foram de grande intensidade emocional. Houve dois lances muito duvidosos na grande área do Estrela da Amadora, com Ricardo Nogueira e Marco Matias como protagonistas. Se no primeiro ficámos com algumas dúvidas (Ricardo Nogueira é supostamente derrubado por um defesa contrário que lhe prende as pernas), no segundo consideramos ter havido motivo para assinalar grande penalidade, já que Marco Matias foi completamente abalroado. Ao minuto 88 Adrien Silva viu um cartão amarelo por uma entrada mais dura. Sobre o apito final, o Estrela da Amadora beneficiou de um livre directo ainda relativamente longe da baliza leonina. A bola foi batida com muita força e ia bem direccionada mas Tiago Jorge esticou-se todo e defendeu para canto, protagonizando uma excelente intervenção e salvando o Sporting de um mal maior. Nos 3 minutos de desconto, destaque para um golo anulado ao Estrela da Amadora por fora de jogo bem assinalado.

A haver um vencedor nesta partida, teria que ser o Sporting. Só que a equipa leonina desperdiçou demasiadas oportunidades para marcar.

Trio de arbitragem – Teve uma má prestação. Do ponto de vista técnico permitiu um comportamento demasiado agressivo dos jogadores estrelistas, deixando algumas faltas por marcar. Ficou pelo menos uma grande penalidade por assinalar e ficaram dúvidas sobre outro lance similar. Do ponto de vista disciplinar ficaram alguns cartões amarelos por mostrar.

Estrela da Amadora – Equipa muito compacta que defende muito bem mas em termos ofensivos deixa algo a desejar. O repentismo do extremo Adul Baldé e os lances de bola parada foram os únicos sinais de ataque da equipa estrelista. O guarda-redes André Marques esteve em bom plano, sendo o melhor em campo da sua equipa.

Sporting – Realizou uma exibição mais positiva do que a da semana passada. Depois de um primeiro tempo em que foi muito difícil assentar jogo, a equipa melhorou e conseguiu produzir algumas jogadas interessantes na etapa complementar.

Tiago Jorge – O regresso à baliza depois de uma longa ausência. Apesar de um par de hesitações decorrentes da compreensível ansiedade, fez um jogo positivo resolvendo bem os cruzamentos que se dirigiam para a sua área. No final da partida fez uma boa defesa garantido a inviolabilidade da sua baliza. :slight_smile:

Vasco Campos – Exibição regular, tendo melhorado no segundo tempo. No capítulo defensivo não comprometeu, tendo combinado bem com os companheiros no desenvolvimento do ataque.

Daniel Carriço – Foi das melhores unidades leoninas. Seguro a defender e simples a resolver as situações que se lhe deparavam. Perante a insistência do nulo no marcador, subiu várias vezes no terreno, revelando a habitual vontade inesgotável de vencer. Teve um par de oportunidades de golo. :slight_smile:

Marco Lança – Eficácia é a palavra que melhor descreve a sua exibição. Esteve sempre muito atento à sua área de jurisdição, não permitindo grandes veleidades ao adversário.

Tiago Pinto – Esteve bem, sobretudo na segunda parte, onde foi protagonista de muitas iniciativas de ataque, procurando sempre rematar e cruzar. A defender, tirando um ou outro lance, não teve problemas de maior. :slight_smile:

João Martins – Fez um jogo muito esforçado, uns furos acima dos últimos tempos. Esteve particularmente activo no capítulo das bolas paradas mas sem conseguir fazer o gosto ao pé. Usou de alguma dureza na disputa dos lances.

Adrien Silva – Outro jogador que subiu de produção no segundo tempo. Após um início algo lento e desinspirado, revelou-se muito importante na luta a meio campo. Esteve bem no capítulo da recuperação da bola.

André Pires – O MVP!! =D> =D> Foi mais uma vez a unidade mais certinha e regular ao longo do jogo. Importantíssimo nas recuperações de bola e nas transições defesa-ataque.

Bruno Matias – Muito lento e estático, não tem sido capaz de provocar os desequilíbrios que dele se esperam. Dispôs de uma boa oportunidade mas desperdiçou-a de forma displicente. Não se estranhou a sua saída.

Ricardo Nogueira – Revelou a vontade habitual na luta pela posse de bola. Combina bem com os companheiros no desenvolvimento das jogadas de ataque mas, na hora de rematar à baliza, mostra-se algo lento. Teve algumas oportunidades de golo mas desperdiçou-as todas.

Alison – Exibição esforçada do extremo brasileiro que lutou muito pela posse da bola. No entanto, continua a demorar demasiado tempo a decidir o que fazer com ela.

Marco Matias – Entrou bem e com vontade de mostrar serviço. Esteve muito activo no lado direito, durante o último esforço leonino de ataque à área adversária. :slight_smile:

Yannick Pupo – Esteve pouco tempo em campo, insuficiente para produzir algo digno de nota.

Mais uma excelente crónica!

Tenho saudades de vos acompanhar nessas expedições!

=D>

Há que fazer mais umas “achegas”.

A equipa ontem jogou melhor do que no jogo contra o Casa Pia. Mas nesse jogo, embora tivesse ficado um penalty por marcar, merecemos perder porque jogámos mal.

Ontem foi diferente. Podíamos ter ganho o jogo não fosse o facto da arbitragem ter sido um pouco “inclinada”. O Benfica ganhou 2-1 no Estoril e marcou o golo da vitória nos descontos. Não sei em que circunstâncias isso aconteceu mas se souber algo, depois ponho aqui.

É perfeitamente possível que “coisas esquisitas” comecem a acontecer nos jogos dos juniores, porque o Benfica não foi à fase final no ano passado. E isso não pode acontecer dois anos seguidos, senão era desgraça nacional. Vamos ver como correm os próximos jogos.

Era uma questão de tempo até isto chegar aos juniores, e aqui anda tudo à vontade até porque ninguem televisiona isto. Tristeza, e santinhos como somos mesmo que algo se passe de estranho comeremos e calaremos.

Mas o titulo é nosso e hei-de ver o jogo ao vivo. Está prometido. :smiley:

Era uma questão de tempo até isto chegar aos juniores, (...)

Mas qual questão de tempo? Sempre foi assim e já ando a ver jogos das camadas jovens há quase dois anos. Não começou ontem. Passa é mais despercebido.

Estava um pouco preocupado quando vi o resultado, mas uma pequena conversa com o Ricardo, fez-me ficar mais descansado. Esta equipa voltará ao habitual… vencer, vencer, vencer.

Obrigado Ricardo, por mais um belíssimo momento de reportagem. :wink:

Caro Ricardo, e que opinião tens do Lima? Estará a começar bem? Achas que tem “cabedal” para pegar nos júniores da melhor escola de formação?

É evidente que Lima não está a começar bem (uma vitória, um empate e uma derrota). Mas pelo currículo que ostenta, tem condições mais que suficientes para fazer um bom trabalho.

O problema essencial prende-se com o abaixamento de forma de alguns elementos do meio campo. E quando o meio campo não funciona…