José Ribeiro

REALIDADE ALTERNATIVA

Fazemos, todos os dias, um esforço enorme para acreditarmos que o que vai acontecendo no (e com) Sporting é ‘imaginário’, mas quando ‘acordamos’ chocamos de frente com a realidade

José Ribeiro

Enfrentar a realidade, reconhecer os problemas e procurar soluções para os resolver é sempre o melhor caminho. Diria até que o único caminho. Mas, de uma forma ou de outra, este Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal e este Conselho de Administração da SAD preferem refugiar-se numa redoma de realidade alternativa, tentando adiar o confronto com o Princípio de Peter. Pois, mas permitam que transmita uma ‘novidade’ a Frederico Varandas, Francisco Zenha, Miguel Cal e João Sampaio: os senhores já atingiram o patamar de Princípio de Peter e, como todas as pessoas cheias de soberba, nunca o irão aceitar e/ou reconhecer. Daí as contínuas fugas para a frente, sempre auxiliadas pela mentira que alguma Comunicação Social vai ignorando de forma olímpica.

1 – Diz Francisco Zenha em entrevista publicada no ‘Expresso’, este fim-de-semana: “Coincidência, a partir desse momento [alteração do protocolo com as claques] a atitude das claques muda drasticamente. Usa-se a desculpa dos resultados desportivos, mas nessa altura estávamos em 1º lugar no campeonato”. Deixe-me dizer-lhe, Francisco Zenha, que é o senhor quem usa como ‘desculpa’ a falta de memória de Sócios e adeptos. Porque na realidade (não na alternativa em que os senhores vivem) o Sporting esteve em 1º lugar apenas por uma jornada, no final da 3.ª, após vencer em Portimão, aproveitando a derrota do Benfica frente ao FC Porto, na Luz. Logo, o único jogo realizado na condição de líder da Liga deu-se na jornada 4. Sabe do que estamos a falar? Eu recordo-lhe: derrota do Sporting em Alvalade frente ao Rio Ave (com consequente perda da liderança), no dia 31 de agosto, precisamente cinco dias após a venda de Bas Dost ao desbarato, sem que naquele momento outro ponta-de-lança tenha sido adquirido (e faltavam dois dias para o fecho do mercado). A contestação começou em Portimão, mesmo vencendo. Porquê? Volto a lembrar-lhe: Bas Dost nem foi para esse jogo pois já tinha sido negociado de forma ridícula com o Eintracht Frankfurt. Percebe agora a ’mudança drástica’ no comportamento de milhares de Sócios e adeptos?

2 – Empatar em Vila do Conde está longe de ser um escândalo. Já vi acontecerem resultados muito piores frente ao Rio Ave. Até em Alvalade… Mas empatar após um jogo de nível zero é que se torna (mais) preocupante. Pior fica o cenário quando constato que Silas saiu do Belenenses, mas o Belenenses não saiu de Silas, ou seja, o treinador do Sporting Clube de Portugal enfrenta os jornalistas após um jogo desastrado e consegue deixar esta pérola: “os jogadores do Sporting têm qualidade para jogar também no Rio Ave e no Sp. Braga”. Nós sabemos Silas, por isso o Palhinha está a dar vitórias ao Sp. Braga, da mesma forma que o Gelson Dala vai ajudando o Rio Ave a vencer. E esse é que é o problema: estão a aumentar a capacidade de concorrentes diretos ao 3.º lugar em vez de conferirem maior poder ao plantel do Sporting.

3 – Agora gostava eu de estar a viver uma realidade alternativa, na qual a equipa de Hóquei em Patins ainda lutava pela revalidação do Título Europeu. Mas infelizmente a modalidade pela qual me apaixonei na década de 1970, ao seguir os jogos do Sporting no Pavilhão da Académica da Amadora (não tínhamos pavilhão), falhou o objetivo, imitando o resultado do Futsal. A dupla de sucesso Gilberto Borges/Paulo Freitas já nos proporcionou momentos de imensa felicidade. Acredito que em breve vão voltar a fazer-nos felizes. Não há motivo para ‘tocar o alarme’ porque o Hóquei (como o Futsal) está nas mãos das pessoas certas.

P.S. Já estava muita gente a tentar desviar atenções do resultado de Vila do Conde para o (mau) comportamento dos adeptos no final do jogo. Battaglia até parecia ter sido agredido. Só parecia, porque o próprio desmentiu aqueles que não têm vergonha em embarcar sem pensar na propaganda que hoje, infelizmente, pessoas no Sporting sabem espalhar sem escrúpulos.

EDIT: Para quem quiser ler o anterior

https://www.mixcloud.com/sporting160/sporting160-com-o-josé-ribeiro/

Criar um tópico para dar protagonismo a um sócio que votou nesta direção, só porque agora “abriu os olhos” e decidiu vir para as redes sociais criticar o presidente, ilustra bem o desnorte da massa associativa e a guerra civil que se instalou no clube. Não interessa quem é o camarada-de-armas, aquilo em que acredita, ou o que fez no mês passado: desde que hoje esteja disposto a mandar umas bombas para o lado contrário, é bem-vindo à trincheira. Enfim…

Aos defensores incondicionais da dinastia croquette até se pode dar um desconto: muitas vezes são casos de psiquiatria ou têm relações sociais e familiares com os visados e nunca vão alterar a sua posição, mesmo com as evidências a entrar pelos olhos adentro. Mas num clube saudável essa trupe nunca seria um problema porque não passaria de uma minoria sem poder. Além disso vozes e posições contrárias sempre houve em toda a parte, faz parte da natureza.

Mas tipos como este José Ribeiro é que me tiram do sério, porque estes sim é que têm sido decisivos em tempos de crise e incerteza. Votou em Varandas. Agora arrependeu-se. A avaliar pela forma como se expressa, parece um tipo lúcido. Mas votou Varandas…como um néscio! Então em que ficamos? Sem mais informação de que possa dispôr, digo apenas o que penso: penso que estamos perante um Sportinguista-Catavento, que se vira para o lado que o vento sopra, para ver se ganha protagonismo e quem sabe candidatar-se a um tacho na próxima direção. E a sportinguistas desses só não lhes chamo porcos pelo respeito que tenho à raça suína, que é muito maior do que o respeito que tenho por eles.

Eu não sou mais sportinguista do que ninguém. Mas na forma como se vive o “sportinguismo”, há atitudes com que me identifico e atitudes com que não me identifico. E vira-casacas é coisa de que não gosto. Por isso é que apoiei BdC até ao fim e por isso é que, para mim, BdC foi o melhor presidente que vi ao serviço do clube, mesmo com os erros que cometeu. Era um indivíduo tenaz, defendia até ao fim aquilo em que acreditava e em situações extremas isso começou a ser confundido com obstinação e irracionalidade. E foi essa a razão da sua queda: porque num clube de cataventos e vira-casacas, ser fiel a princípios e defender até ao fim aquilo em que se acredita não é uma qualidade: é sempre uma aberração, é um tumor que tem que se extirpar. Foi com essa realidade que BdC nunca soube lidar e foi por isso que acabou não só destituído como também expulso. Era um sportinguista atípico, ao contrário de José Ribeiro, que parece ser o sportinguista típico.

1 Curtiu

José Ribeiro tem defendido sempre BdC.

Tem um discurso moderado, verdade, mas isso não é mau.

Diz q votou Varandas por causa de Albuquerque.

Não compreendo esta opção mas também acho q muita gente dentro do clube foi ao engano pelas 2 caras do “Sr Doutor”

O próprio BdC manteve-o. Sabendo como entrou dentro do clube.

Revisionismo. Os candidatos à presidência eram todos uma merda. Todos, sem excepção. Pelo que se conhecia, apenas Varandas, Benedito, e Ricciardi eram caras que o sportinguista normal podia votar. Tudo o resto eram incógnitas que não se sabia ao que vinham, nem davam quaisquer garantias do que vinham fazer. Relembro a todos que até um lampião se candidatou à presidência do Sporting.

O Sporting é uma empresa num meio altamente adverso. Nenhum, à excepção de TALVEZ o Ricci tinha competência para o lugar. O tio Ricci, todos sabemos que é um gajo duvidoso, tanto podia ser um gajo “normal” como todos os croquettes que vieram antes de 2013 assim como podia ser o maior coveiro de todos eles. Era o único que se podia dar o benefício da dúvida como gestor, como pessoa é que é mais difícil. O Varandas tinha uma clínica e tinha visto de perto BdC & cia durante anos, mas tinha um carácter de merda que se revelou com Alcochete. Mas tivessem metido lá o Benedito e não era muito diferente, nunca geriu nada na vida logo não dava garantias de nada e com aquela personalidade de estar “bem” com todos, só ia dar merda no futebol português. E arrisco-me a dizer que ainda mais que o Vagandas, porque esse ao menos tem a CS dos piolhosos na mão.

Por outro lado, o Miguel Albuquerque era um símbolo das modalidades, que eram todas competentes e tinham acabado de ser todas campeãs nacionais. Para muitos que estão de fora, o Albuquerque ter escolhido o Varandas foi uma indicação que pelo menos nesse aspecto, haveriam garantias de que as coisas podiam manter-se. Não culpo ninguém que tenha engolido o sapo de votar no desertor por causa do Albuquerque. Quem votou no Varandas porque achava que ele era mais competente, também compreendo. Estava no clube há anos a ver BdC & cia passar e tinha experiência a gerir uma empresa. Nesse caso era entre ele e o tio Ricci, e também não culpo quem tenha votado no RIcci porque achava que ele podia gerir o Sporting melhor que os outros.

Volto a repetir, todos os candidatos eram uma merda. Eu pessoalmente não fui votar porque para mim após 23 de julho foi tudo uma farsa e não queria compactuar com isso. Mas compreendo quem tenha lá ido votar e que o tenha feito pelas razões que digo acima (Ricci por ser o melhor gestor ou Varandas por ter o Miguel Albuquerque atrelado). E coube a cada um pesar os prós e contras entre votar num desertor que tinha cozinhado uma destituição mas que tinha o aval do gajo competente das modalidades, ou no sonso do Benedito que não tem experiência nenhuma e que se sabia tinha saído a mal da secção do qual o tal gajo competente das modalidades presidia.

A incompetência que vemos agora seria igual tivesse lá o Varandas ou o Benedito, porque nenhum tinha competência para o lugar (à excepção de TALVEZ o Ricci). O problema do Sporting para além da incompetência advém da contestação promovida através da CS deu poder aos empregados sobre o chefe e depois o golpe de estado com o churrasquinho que fizeram a seguir. Tudo o que temos assistido é uma consequência disto mesmo. O plantel do Sporting tinha a obrigação de fazer melhor que todas as equipas do campeonato à excepção de Porto e Funfica, mas andavam com guerrilhas internas entre eles. A comunicação social manipula o povão agora com a mesma falta de vergonha como manipulou antes. O poder que vigora no Sporting faz o que bem lhes apetece tal como o Enfarta Soares e companhia fizeram.

2 Curtiram

Está a fazer confusão. O Lopo era para a SAD! O Rego pode ter muitos defeitos, mas não é lampião…

e já que estamos no topico do zé e foi ele que falou no Taremi ter sido oferecido ao Sporting. Sabias que o lopo ofereceu por um saco de caramelos o Chiquinho ao Sporting?

A tua resposta é uma resposta de treta! NÃO GOSTAS, NÃO LÊS.

José Ribeiro é alguém que ao contrário do que dizes nunca se contradisse, e nunca se radicalizou, criticando quando tinha a criticar. Quanto à sua opção de voto, ele explicou-a. Foi a opção dele, não concordei com ele, mas foi o que decidiu. Mais ainda, ele Sabe muito do que aconteceu e quando acha que o que se diz não é bem verdade, tenta esclarecer o que aconteceu no periodo mais negro da nossa história, e acho que as opiniões dele devem ser divulgadas.

Repito NÃO GOSTAS, NÃO LÊS. Quanto a mim publico o que me interessa.
E fico por aqui…

EDIT: Não fiquei, edito a resposta para esclarecer que criei o tópico por uma grande razão. Sigo-o no Facebook e twitter e ele não foge a esclarecer os Sportinguistas sobre o que realmente aconteceu no tempo de BdC quando alguém tenta pintar a realidade com outras cores. E assim, será aqui que divulgarei o que na acharei que vale a pena ser divulgado desses esclarecimentos, ou de outras contribuições.

1 Curtiu

@radicalhighway

Falaste bem, concordo com grande parte do que disseste, e em certa medida acabas por me dar razão.

Vejamos:

  1. O que eu questiono acima de tudo é a autoridade moral e o timing do José Ribeiro para vir criticar um presidente que ele próprio ajudou a eleger.
  2. Foi atrás dito que José Ribeiro votou em Varandas influenciado pelo Miguel Albuquerque, sendo essa a escolha que dava garantias nas modalidades.
  3. Nesse caso, José Ribeiro só teria motivos para se queixar de Varandas se as modalidades estivessem num caos. Não é o caso. E além disso, o foco das críticas de JR é o futebol e a postura do presidente.

Portanto, voltamos ao início. José Ribeiro decidiu entrar em diatribes contra Varandas agora porquê? E com que autoridade moral, se foi ele que o ajudou a colocar no poleiro? Dizem-me que face às alternativas, Varandas era o mal menor. Pois eu digo exatamente o contrário: dado o papel que Varandas teve em toda a crise, Varandas era precisamente aquele que se devia excluir à partida, por ter aí revelado a sua falta de caráter, que nem a experiência que tinha no clube deveria atenuar. José Ribeiro e mais uns milhares de sócios não quiseram ver isso, entregaram o ouro ao bandido…e agora andam a gritar “ladrão”. lol

Dizem-me que José Ribeiro era apoiante de BdC como se isso fosse um certificado de sportinguismo e de idoneidade. O que é que me interessa que JR apoiou BdC? Também votou em Varandas e agora anda a criticá-lo nas redes sociais. Na volta, até se pode ter dado o caso de, com o mesmo fervor com que apoiou BdC, também ter ido votar na sua destituição e na sua expulsão de sócio…

E este tipo de atitude seguidista de ir na corrente é que é preciso acabar de uma vez por todas no clube. Ainda hoje em declarações no tribunal PdC disse que nunca compreendeu como é que um Presidente que teve 90% dos sportinguistas a seu favor numa votação, passados escassos meses tem 70% contra. Pois eu compreendo: é que a massa associativa do Sporting está cheia de Josés Ribeiros, que hoje acreditam numa coisa para amanhã acreditarem no seu contrário.

1 Curtiu

Nem sabia que havia tópico para o José Ribeiro sendo assim fica aqui um link para o depoimento.

É o caso.

Todas as modalidades que eram campeãs nacionais não o foram no ano a seguir. Tudo bem que duas foram campeãs europeias, mas isso era do trabalho que vinha de trás.

Este ano. Futsal perdeu as duas taças, por golpe de sorte lá conseguiu estar em primeiro na fase inicial mas durante largo tmepo não esteve por incompetência própria. Andebol tem-se aguentado mas faltam pelo menos três homens e já vem de anos que isto é assim. Hóquei tem apanhado vergonhas e duvido que ganhem o que quer que seja este ano. Voleibol e Atletismo masculino foram esquecidos. Ténis de mesa levou corte. Basquetebol entrou e tem tido resultados interessantes, mas não vai ganhar nada. Acabou-se com o ciclismo.

As modalidades estão piores. Podem não estar um caos, mas não estão ao ao nível que estávamos habituados.

Era tudo merda, era só uma questão de que tipo de merda preferias. O Benedito também saiu a mal do Sporting, andou a fazer drama em jogos com os piolhosos e numa gala do Sporting, chegou a escrever artigos de merda no Rascord e encontrava-se com croquttes nas Amoreiras. Não era melhor que o Varandas, nem em sportinguismo assumido lhe ganhava. Um gajo que votou no Madeira Rodrigues? Ficou mais que apresentado várias vezes. É tudo a mesma escumalha, só vem em cores diferentes.

De resto concordamos. Mas essa de tentarem passar a ideia que era outro que era o mal menor… vão lá gozar com outro. Se bem que acho piada que o Bembonito passou de d. sebastião a menos merda que os outros. E mesmo assim, é bem capaz de ganhar umas eleições com os patinhos que temos como sócios.

radicalhighway:
Era tudo merda, era só uma questão de que tipo de merda preferias. O Benedito também saiu a mal do Sporting, andou a fazer drama em jogos com os piolhosos e numa gala do Sporting, chegou a escrever artigos de merda no Rascord e encontrava-se com croquttes nas Amoreiras. Não era melhor que o Varandas, nem em sportinguismo assumido lhe ganhava. Um gajo que votou no Madeira Rodrigues? Ficou mais que apresentado várias vezes. É tudo a mesma escumalha, só vem em cores diferentes.

Dizer que Varandas não merecia nem um voto pelo papel que teve na crise, não significa que qualquer um dos outros fosse melhor escolha do que ele.
É apenas uma questão de princípio.
Votar em Varandas naquelas circunstâncias foi a mesma coisa que dizer: ok, meus senhores, daqui para a frente, quem der uma golpada, por mais suja que seja, arrisca-se a vencer as eleições seguintes. É um incentivo a futuros golpes e traições.

Que o leque de escolhas era miserável, estamos todos de acordo, eu não disse o contrário. Mas a massa associativa só foi colocada perante esse cenário, porque Varandas teve um papel decisivo na forma como se chegou a esse cenário. A ideia de destituir BdC só começa a ganhar contornos de inevitabilidade a partir do momento em que Varandas faz aquele ato de propaganda profissional com reportagens em simultâneo no Jornal da Noite de todos os canais, em que se “assume” como “alternativa” a BdC. Estava encontrada a solução para a crise. Agora era preciso afastar BdC para convocar eleições e impedir que ele se recandidatasse para levar o golpista ao poder. Os sócios foram na cantiga, o presidente legitimamente eleito foi destituído e impedido de se recandidatar, e o golpista traidor levou a melhor, mesmo depois de se ter andado a rir no rescaldo do ataque. Se Varandas não se tivesse apresentado como salvador da pátria leonina, os acontecimentos teriam levado outro rumo.

Por outras palavras: se colocarmos a questão em termos de um dilema: “mrda1" ou "mrda2”, é óbvio que o dilema não tem solução. Mas podemos reformular a questão nos seguintes termos: como diabos é que chegámos a este dilema? Foi por obra e graça do “m*rda1”? Então esse é para esquecer. Isto não é dizer que os outros têm mais mérito. É apenas uma questão de princípio. Há problemas que não se resolvem, evitam-se. Mas já não se podendo evitá-los, podemos pelo menos evitar que ocorram problemas semelhantes no futuro, dando a justa retribuição a quem se comportou como rato de porão.

E foi isso que os sócios não quiseram fazer. Se Varandas chegou ao poder da maneira que chegou, doravante não é preciso ética, não é preciso lealdade, nem é preciso muito para ser presidente do Sporting. Basta ter cupidez, falta de escrúpulos e um pouco de paciência para esperar pelo momento certo.

SÓCIOS: O PARCEIRO VIP

Não entendo como ex-dirigentes continuam a ‘carregar’ sobre determinados sectores de Sócios e adeptos, desprezando a importância estratégica que os mesmos têm para o crescimento do negócio

José Ribeiro

Texto

1 de Junho 2020, 12:00

Sem surpresa, nos últimos dias voltaram a ouvir-se e ler-se ex-dirigentes do Sporting a ‘carregar’ sobre determinados grupos de Sócios e adeptos, fossem eles os chamados ‘Brunistas’, fossem eles as ‘Claques’ (e sim, são coisas bem distintas). Para o ex-Presidente Soares Franco, existe um grupo de ‘radicais’ ligados a Bruno de Carvalho que só pretende instalar a confusão no Clube; o ex-dirigente Carlos Barbosa da Cruz, mais explícito, vai ao ponto de ‘solicitar’ à Comissão Executiva da SAD que proíba a venda de ingressos para a ‘Curva Sul’ a elementos afetos aos Grupos Organizados, lutando assim por dar forma ao sonho do ex-administrador Miguel Cal, defensor da ‘higienização’ dessa bancada.

Para quem mete tudo no mesmo ‘saco’, explico o óbvio, o que qualquer Sócio ou adepto, habitual frequentador do Estádio e do Pavilhão (com lugar fora das zonas corporate) sabe: os ‘radicais Brunistas’ não se juntam num sector, na verdade estão um pouco por todas as bancadas (especialmente nas B e nas Superiores A) e por todo o Pavilhão (maioritariamente nas centrais). Já as Claques, por feliz decisão da Comissão Executiva da SAD liderada por Bruno de Carvalho, encontram-se exclusivamente na Curva Sul (Superior A Sul).

Os ‘radicais Brunistas’ pedem um Sporting exigente com os resultados em qualquer modalidade e não um que desculpe a ausência destes; pedem um Sporting que não se vergue às vontades dos poderes exteriores e não um que estabeleça acordos ou parcerias com os mesmos por receio de represálias; pedem um Sporting que respeite Sócios e adeptos como parceiros, e não que os olhe como meros clientes; pedem um Sporting que não tenha medo de crescer e não um que se revele conformista. Muitos defendem o ‘Brunismo’ como modelo e não querem sequer ouvir na possibilidade do ex-Presidente voltar a ocupar a cadeira. Já as Claques pedem uma única coisa e muito simples: que os deixem viver a paixão que têm pelo Sporting da forma que sabem, que é a apoiar as nossas equipas até perderem a voz, em vez de serem tratados como ‘escumalha’ ou ‘lixo’.

Uns e outros têm importância estratégica para fazer crescer o negócio e desprezá-los nunca será a decisão mais sábia, apenas a mais revanchista, egoísta e contrária aos interesses do Sporting Clube de Portugal. Explico porquê:

1 – OS SÓCIOS. Este conjunto de pessoas é o parceiro VIP de Clube e SAD e devia ser tratado como tal, nunca como mero cliente. O coletivo ‘Sócios’ representa ganhos financeiros anuais ‘garantidos’ de valor muito significativo. No Grupo Sporting (Clube e SAD), em 18/19, Sócios e adeptos foram responsáveis pela entrada direta de cerca de 23 milhões de euros nas contas, entre quotas, bilhética (não conto aqui com as verbas do corporate) e merchandising, isto representa cerca de 32 por cento das receitas totais (‘esquecendo’ a quantia recebida pelas inscrições nas modalidades)! Só a venda de Direitos TV é mais rentável, e mesmo assim, para já, por pequena diferença. Ora, se olharmos ao Relatório e Contas do primeiro semestre da SAD, relativo à época em curso, verificamos que as receitas obtidas através de Sócios e adeptos iriam ficar em linha com o verificado há um ano, mesmo tendo em conta a perda de bilhética registada no Clube (não houve etapa europeia de apuramento no futsal, nem houve final da Taça dos Campeões Europeus de hóquei em patins). Claro que por força da pandemia, os resultados vão cair muito, mas disso não pode ser responsabilizada a administração da SAD nem o Conselho Diretivo do Clube. Em todo o caso, o meu ponto é este: as receitas provenientes de Sócios e adeptos estão a estagnar ou até a baixar, quando o pretendido é que subam, dado existir aqui um potencial mínimo bem superior a 25 milhões. Por isso, no lugar de Frederico Varandas, se quiser colocar os interesses do Sporting acima de tudo, dispensava os conselhos destes ‘amigos’ que apresentam medidas para ostracizar sectores de Sócios e adeptos, o que inevitavelmente levará a uma progressiva diminuição de receitas.

2 – AS CLAQUES. Há Sócios que gostam de assistir ao jogo a partir de um local tranquilo, e há Sócios que necessitam fazer ouvir a sua paixão e por isso optam pela Curva Sul, seja na Torcida, no Directivo, na Juve Leo, na Brigada ou nas cadeiras que não são ocupadas pelos GOA. No nosso estádio há e tem de haver lugar para todos. Em vez de se patrocinar a saída das Claques da Curva Sul, devia, isso sim, dar-se continuidade ao projeto que estava em marcha junto da FPF, no sentido de obter junto da UEFA a autorização para retirar as cadeiras daquele sector, à semelhança do que fez o Borussia Dortmund, para conseguir ‘erguer’ o ‘muro amarelo’. Ganhava-se em ambiente, no aumento de assistências e, por consequência, em receitas. Quando falamos de Claques falamos igualmente de Sócios, pois no tempo de Bruno de Carvalho a venda da Gamebox passou a ser negada a adeptos. Por vezes excedem-se? Claro que sim. Por vezes prejudicam o Clube? Também. Mas no deve e haver o saldo positivo está do lado deles, dos que transformaram o Pavilhão João Rocha num caso único no país, dos que seguem a equipa até ao fim do Mundo, dos que só pedem que os deixem dar tudo no apoio às nossas equipas (e não me venham com a história de Alcochete, porque ninguém consegue controlar a totalidade de grupos tão vastos). Porque criticam o Presidente Frederico Varandas são ‘escumalha’? Não. São vozes discordantes. E era só o que faltava se em democracia não pudessem expressar o seu pensamento, não pudessem exercer o seu sentido crítico. Também o fizeram com Bruno de Carvalho. É bom sinal. Não se ‘vendem’ às lideranças do Clube, têm autonomia. Da mesma forma que Varandas pode dizer não ser contra as Claques, mas apenas contra as suas lideranças, as Claques também podem dizer que não são contra o Sporting, mas apenas contra a sua liderança! Ação gera reação. E isso pode fazer-nos esquecer que a porta das Claques serve de entrada para milhares de adeptos se tornarem Sócios? Pode fazer-nos esquecer que sem eles o estádio mais parece uma sala silenciosa de cinema? Ou que sem a voz deles a ouvir-se o FC Porto jogou em Alvalade no passado mês de janeiro como se estivesse no Dragão, durante quase toda a primeira parte? Alguns dos Sócios mais antigos são os maiores contestatários das Claques, mas já se deram ao trabalho de analisar a atual estrutura associativa do Clube? Faço um resumo: ao dia de hoje, os Sócios com mais de 25 anos de filiação (aqueles que vêm do século XX) são cerca de metade daqueles que se associaram apenas desde 2013 (estou a excluir os que não têm ainda direito a voto), e sim, é neste grupo que estão muitos dos chamados ‘radicais Brunistas’ e ‘escumalha’. Há, portanto, que saber gerir os conflitos com uma grande dose de bom senso, caso contrário o maior derrotado será sempre o Sporting Clube de Portugal.

3 – OS NÚCLEOS. Imagine-se que Frederico Varandas também dizia não ser contra alguns Núcleos mas apenas contra as suas lideranças. E seguindo a lógica que usou com as Claques, poderia fazê-lo. Porque existem inúmeros Presidentes de Núcleos que já criticaram e criticam de forma sistemática a ação dos atuais Órgãos Sociais. Claro que retalia da forma como entende, não comparecendo, por exemplo, aos seus aniversários. Mas não os hostiliza. E faz muito bem. Porque aqui reside outro dos pólos principais para a dinamização do negócio Sporting. De 2013 aos dias de hoje foram reativados inúmeros Núcleos. Foram instituídas cotas mínimas de associados em cada Núcleo, e na generalidade dos casos onde a percentagem de Sócios rondava os 25 por cento, hoje estará perto ou acima dos 50. E também aqui existem muitos ‘radicais Brunistas’ e ‘escumalha’. Mas, a bem do futuro do Sporting, quem lidera o Clube tem de ter estômago para lidar com a situação e tentar aumentar as receitas e o apoio gerado por esta teia que garante o sportinguismo em todas as regiões do país e em muitas cidades estrangeiras. E quem não tem estômago para defender os interesses do Sporting acima dos próprios, fica com um único caminho: o da rua.

P.S. Dizer apenas isto sobre a decisão do ‘processo Alcochete’: as juízas ‘leram’ os acontecimentos do ataque à Academia (quem, como, porquê) exatamente como o fiz… a 16 de maio de 2018. Na ocasião, na qualidade de assessor de imprensa do Sporting, expliquei, de forma repetida, a inúmeros jornalistas e comentadores esse mesmo ‘quem, como e porquê’. Nenhum acreditou que a resposta fosse tão óbvia e fácil. Queriam, desse por onde desse, uma ‘teoria de conspiração’. Temos pena…

Leonino

1 Curtiu