Jornal do Sporting - Parte II

PORQUÊ “EU SOU”?*

Por André Bernardo
16 Jun, 2020

OPINIÃO

(…) no dia em que estivermos dispostos a contornar a verdade desportiva e todos os princípios que estiveram na nossa origem seremos mais um clube em vez de sermos mais do que um Clube

A pergunta foi-me feita em entrevista para esta edição do Jornal.

Ser Sporting são 113 anos de eclectismo com uma génese pioneira, vanguardista, democrática e inclusiva, que nasceu sob o signo de Leão em 1906 e construiu uma identidade singular na qual todos nós Sportinguistas, sem sequer pararmos para pensar nisso, nos revemos.

É provável que o caminho que levou cada um de nós a ser Sporting seja distinto, mas o que nos mantém Sporting não é. E no dia em que passar a ser então seremos outra coisa.

Porque no dia em que aceitarmos trocar Esforço e Dedicação por medo e ameaça, que confundirmos Devoção com proselitismo, as vitórias dificilmente surgirão, mas a existirem jamais serão Glória . Não teremos Formação porque os mais novos não vão querer vir, nem os pais os vão querer por cá. E os que já cá estão não vão conseguir render.

E no dia em que estivermos dispostos a contornar a verdade desportiva e todos os princípios que estiveram na nossa origem seremos mais um clube em vez de sermos mais do que um Clube . E por tudo isto, então o Sporting Clube de Portugal já não será o Sporting Clube de Portugal .

Quando era criança o meu pai levava-me com ele a assistir aos jogos no antigo estádio e aprendi, de forma natural, a tratar os desconhecidos Sócios do lado como família. E eu até já conhecia de cor o ritual de um deles: abria a pequena maleta que sempre o acompanhava, limpava religiosamente o assento com um pano, colocava a sua almofada, pousava o rádio e retirava uma cerveja envolta na perfeição em folhas de jornal, que abria orgulhosamente com um abre-cápsulas. Depois, durante 90 minutos transformava-se numa outra personagem, mas sempre pacífica, mesmo quando manifestava o seu desagrado. Após o término dos jogos pedia desculpas pelo eventual uso descontrolado de jargão na minha presença, mas acrescentava sempre, dirigindo-se ao meu pai: “Mas sabe, eles mais tarde ou mais cedo deixam de ser miúdos”, ao mesmo tempo que me dava uma palmada na cabeça e me piscava o olho.

E o miúdo tonou-se graúdo, mas o que o fez ser Sporting na altura mantém-se intacto.

Não é nostalgia de um tempo diferente que já passou, é promover a vivência de uma maioria que faz do Dia de Sporting um momento de família, que vive o desporto com paixão, manifestando alegria e tristeza, mas que vive o associativismo de forma positiva e não como forma de compensação da falta de sociabilidade alternativa.

E é nunca esquecer esta herança única, esta história ímpar e estes valores singulares, que nos faz entre nós ser iguais – Ser Sporting – mesmo que aos olhos de outros diferentes .

E enquanto assim for todos teremos sempre orgulho nas palavras “Eu Sou Sporting”.

** Editorial da edição n.º 3778 do Jornal Sporting*

JORNAL SPORTING JÁ NAS BANCAS

Por Sporting CP
16 Jun, 2020

NOTÍCIAS

Edição n.º 3778 disponível

A mais recente edição do Jornal Sporting está disponível nas bancas habituais a partir desta terça-feira, 16 de Junho, e o tema em principal destaque é o novo cartão de Sócio que vai chegar a casa dos Leões e das Leoas por todo o Mundo após a renumeração que vai decorrer durante o verão. “Eu Sou Sporting”, pode-se ler na primeira página da publicação verde e branca, recordando a recente campanha do Sporting Clube de Portugal.

Toda a campanha é explicada ao detalhe no Jornal Sporting desta semana, com declarações de André Bernardo, elemento do Conselho Directivo do Sporting CP, Miguel Varela, director-executivo da produtora Garage, e Ricardo Agostinho, director-executivo da agência Gravity. As novidades do próximo cartão de Sócio, como o facto de ter a Gamebox incluída (para quem a tiver adquirido), ter a funcionalidade contactless ou ser também cartão de abastecimento de combustível na Repsol, merecem igualmente muito destaque.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Sporting , Alexandre Ferreira, membro do Conselho Directivo do Sporting CP com o pelouro dos Sócios e Museus, abordou o tema da renumeração, do novo cartão de Sócio, da evolução do Museu Sporting e da importância de uma militância activa, deixando o mote: “Lutar pelo eclectismo do Sporting Clube de Portugal é bastante simples: basta ser Sócio”.

No âmbito desportivo, é recordada a vitória diante do FC Paços de Ferreira por 1-0 com um grande golo de Jovane Cabral e com uma excelente notícia: “Formação em destaque”. “As pérolas da formação foram decisivas, deixando claro que o presente e o futuro estão bem entregues”, conta o Jornal Sporting .

António Atanásio, funcionário do Sporting CP há mais de 45 anos que faleceu recentemente, não foi esquecido, assim como os últimos dados divulgados pela Federação Portuguesa de Basquetebol que confirmam o que todos sabiam: o Sporting CP, no ano em que regressou à elite da modalidade no masculino, foi o Clube que mais e melhor promoveu o espectáculo a todos os níveis.

JORNAL SPORTING

Por Sporting CP
19 Jun, 2020

JORNAL SPORTING

Informações sobre a publicação

O Sporting Clube de Portugal informa os seus Sócios e adeptos que a próxima edição do Jornal Sporting (n.º 3779) estará nas bancas no dia 1 de Julho, data em que se comemora o 114.º aniversário do Clube.

De recordar que, devido ao período conturbado que atravessamos causado pela pandemia de COVID-19, o jornal continuará com periodicidade quinzenal até final de Agosto e de acesso gratuito a todos os Sócios do Sporting CP aqui – versão digital (mediante registo).

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
01 Jul, 2020

JORNAL SPORTING

Edição 3779 em papel e em formato digital

Já está nas bancas e disponível em formato digital, aqui, a nova edição do Jornal Sporting que foi publicada neste dia 1 de Julho, dia do 114.° aniversário do Sporting Clube de Portugal.

Por isso, o número 3779 do jornal é também dedicado ao aniversário do Clube com uma mensagem do presidente Frederico Varandas, 114 curiosidades que engrandecem o Sporting CP e o lançamento da nova pele do Leão. O novo equipamento já está à venda e foi promovido com um vídeo de arrepiar produzido no Museu e no Estádio José Alvalade. O Jornal Sporting conta-lhe agora todos os pormenores da campanha.

Mais há mais! A formação está no ADN do Clube e nesta edição também é destaque, não apenas a do futebol, mas também a das modalidades de pavilhão.

A não perder, entre outras coisas, é igualmente a rubrica das lendas do Sporting CP, desta feita com Fernando Mamede.

114 ANOS (AINDA)… E FUTEBOL! E ESTATUTOS!

Por Tito Arantes Fontes
09 Jul, 2020

OPINIÃO

(…) neste mundo globalizado muitas vezes não podemos mesmo estar limitados a presenças físicas em assembleias gerais. Esta “pandemia” veio-nos demonstrar isso mesmo

Fizemos, como todos sabemos, 114 anos no dia 1 de Julho. Foi também momento para o Jornal Sporting apresentar uma alusiva e memorável “edição especial”, com uma extraordinária capa! O interior estava recheado e muito bem recheado! Impressionaram-me muito as páginas dedicadas a “114 Anos, 114 Curiosidades”… é um repositório de feitos inolvidável! Inesquecível! Incomparável! Lendário! Capítulos dedicados a “Universo SPORTING”, “À Conquista da Glória desde 1906”, a “Recordes e Destaques UEFA”, a “Futebol”, a “Academia SPORTING / Formação”, a “Clube Olímpico”, a “Atletismo”, a “Futsal”, a “Hóquei em Patins”, a “Natação”, a “Ténis de Mesa” e a “Outras Modalidades”! Está lá tudo! Ou quase… menos duas referências… alguma coisa tinha de falhar… faltou uma referência a Francisco Stromp, o icónico Sócio n.º 3 do Sporting CP! E outra ao inesquecível gigante que foi e é Joaquim Agostinho! Bem sei que as suas grandes vitórias internacionais não são com a nossa camisola ao peito… mas ele é “nosso” e tudo o que ele fez é – por isso mesmo – “SPORTING”! Excelente trabalho, pois e ainda assim, que o Jornal Sporting/Paulo Almeida nos proporcionaram! Um resumo de Esforço, de Dedicação, de Devoção! Umas páginas de Glória! Umas páginas de Orgulho Leonino! Um verdadeiro bálsamo! Recomendo vivamente o “mergulho” nessa leitura!

A nossa equipa de futebol tem vindo a afirmar-se e o “nosso” Rúben Amorim merece todo o apoio que, gradualmente e de modo cada vez mais evidente, a massa associativa lhe vem concedendo. Elogia-se (e bem!) o trabalho que tem vindo a ser apresentado, os resultados que estamos a conseguir, a qualidade e o fio de jogo que desenvolvemos, a aposta na juventude e na nossa formação. É o caminho que foi traçado pela Direcção do SCP. Bem sei que a alguns custa afirmar isso. Mas é facto. Curioso até que alguns comentadores Sportinguistas apresentem uma “dualidade” interessante… quando é para dizer bem elogiam Rúben Amorim (como se este tivesse “caído do céu” e não fosse contratação decidida e assumida pelo presidente, contra muitos) e quando é para dizer mal já põem – para criticar – o nome de Frederico Varandas com todas as letras! Coerência, Sportinguistas, coerência é só o que peço!

Ainda futebol… ontem (segunda-feira à noite, para quem me lê mais tarde) voltámos aos “espectáculos deprimentes” da nossa nacional arbitragem… como começamos a “assustar”, vai de sermos presenteados, em Moreira de Cónegos, com esse “expoente rubro” da arbitragem nacional que dá pelo nome de Tiago Martins, acolitado no VAR pelo inefável Sr. Jorge Sousa. Uma dupla de “calibre”! O resultado foi, assim, o que seria de esperar: dois penáltis escamoteados ao SCP (um logo a “abrir” o jogo e outro mesmo ao “fechar” do mesmo) e uma expulsão perdoada ao defesa-lateral do Moreirense! E – não contente – o Sr. Tiago Martins ainda demorou quase duas horas a escrever o seu relatório… devia estar preocupado com o que escrevia, como justificava a sua injustificável “missão cumprida”! Pois, que isto de faltar à verdade desportiva à frente de milhões de Sportinguistas obriga a cuidados redobrados! Até quando? Até quando teremos de suportar esta gente?

Estatutos – o Clube anunciou a criação de um Grupo de Trabalho presidido, como creio que deve ser, pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral para apresentar até ao fim do mês de Julho um projecto de reforma estatutária destinado a prever a introdução de sistema de voto electrónico na vida do SCP. Saudamos esta iniciativa. É esta a verdadeira forma de aproximar, nos tempos modernos, a massa associativa e o Clube. Não ostracizando ninguém, contando com todos os Sócios. Permitindo e criando condições para que – obviamente em segurança e de modo tecnicamente adequado – sejam auscultados todos os Sócios do SCP! Estejam eles onde estiverem! É que sabemos muito bem como neste mundo globalizado muitas vezes não podemos mesmo estar limitados a presenças físicas em assembleias gerais. Esta “pandemia” veio-nos demonstrar isso mesmo. Temos, pois, de adaptar os nossos Estatutos aos interesses dos Sócios do Clube. E do próprio do Clube! Não podemos é continuar “confinados” ao espartilho estatutário em que actualmente vivemos, em que – na prática – poucos podem condicionar a vida associativa de muitos! Sou claro nesta matéria: apoio o sentido desta modificação dos Estatutos. E mais acrescento, também de um modo claro, que só tem receio da mesma quem tiver receio da massa associativa! Eu não tenho! Dito isto, espero – naturalmente – pelo projecto para o apreciar e, se for o caso, tecer os comentários que julgue que sejam necessários.

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

OS MIÚDOS

Por Pedro Almeida Cabral
09 Jul, 2020

OPINIÃO

(…) Grandes jogadores haverá sempre. Miúdos que queiram entrar em Alvalade de leão ao peito depende muito do que nós, Sócios e adeptos, lhes queremos e desejamos

Há muitos e muitos anos, quase por acaso, tive o privilégio de jantar ao lado de Aurélio Pereira, um dos maiores recrutadores de talentos de todos os tempos. Primeiro, como treinador do futebol da formação, depois como líder da captação do Sporting Clube de Portugal, Mestre Aurélio deixou uma marca profunda no futebol. Futre, Figo, Quaresma e Cristiano Ronaldo são jogadores de classe mundial que foram descobertos e começados a delapidar por este enorme Sportinguista.

Nesse repasto Leonino, perguntei a Aurélio Pereira o que era determinante para que um jovem singrasse. Surpreendentemente, e creio não cometer inconfidência alguma, Mestre Aurélio disse que nunca havia certezas. Dependia de muitos factores. Tanto físicos e desportivos, como psicológicos e motivacionais. O actual mercado global de jogadores torna o crivo de ascensão a um patamar de excelência muito apertado. Cabe aos clubes reconhecidamente formadores, como o Sporting CP, reduzir ao mínimo os riscos neste caminho. E não deixar de apoiar quem, investindo muito de si, por alguma razão, fica para trás.

Nestes últimos dias, temos falado dos miúdos lançados por Rúben Amorim. Eduardo Quaresma, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Tiago Tomás e Joelson Fernandes prometem. Ainda não é certo como evoluirão. Cada um de nós terá as suas certezas. Mas sabemos que tudo se define desde cedo, na primeira ou na segunda época na equipa principal.

Em tempos de esperanças nestes jovens, há a notícia que Fábio Paim visitou, tantos anos depois, a Academia que lhe deu fama, mas que, por mau destino, não lhe deu proveito. Talvez hoje não se tenha bem a noção do que se dizia de Fábio Paim, curiosamente, na mesma altura em que jantei com Mestre Aurélio. Era certo que seria um dos maiores. Mas não foi. Nem perto andou. Vê-lo na Academia, não escondendo as saudades do que poderia ter sido, faz-nos pensar em todos os que agora têm uma oportunidade. A eles, a melhor das sortes. Ao Fábio, tudo de bom. Aos Sportinguistas, a consciência de sabermos lembrar quem um dia sonhou de verde e branco. Grandes jogadores haverá sempre. Miúdos que queiram entrar em Alvalade de leão ao peito depende muito do que nós, Sócios e adeptos, lhes queremos e desejamos.

SPORTING CP, KASPAROV E MTQ

Por André Bernardo
09 Jul, 2020

OPINIÃO

Qualquer estratégia começa com um objectivo futuro, que depois é trabalhado daí para trás. Hoje estamos muito mais perto do destino que definimos há dois anos atrás

No livro “A vida imita o Xadrez”, Garry Kasparov, ex-campeão mundial de xadrez, descreve que a base de cada jogada assenta no equilíbrio entre três conceitos: de material, de tempo e de qualidade (MTQ).

“O material descreve os nossos bens tangíveis. O tempo refere-se a quanto tempo demoramos a alcançar um objectivo específico. A qualidade, o elemento mais importante e um objectivo em si mesmo, representa o valor. O objectivo é ser bem-sucedido em cada uma das áreas e também investir e equilibrar os factores de forma correcta”.

São os mesmos factores que estão por trás de qualquer estratégia e que usarei como paralelismo ao tema da capa de hoje: “Eu Sou Formação”.

Material

Material é o elemento fundamental. No xadrez é o número e tipo de peças que a cada momento temos versus o nosso adversário. Noutros desportos são os jogadores. E para ter os melhores jogadores é preciso uma combinação variada de factores: capacidade financeira, os próprios verem valor no clube, capacidade de recursos com aptidão de identificar os melhores e uma estrutura capaz de os acolher e desenvolver.

E isto faz-se com base numa estratégia pensada e com investimento. Mas exige tempo.

Tempo

“Tempo de tabuleiro” é o número de jogadas necessárias para alcançar um objectivo. Há duas maneiras de “ganhar” tempo: i) efectividade ii) dinheiro.

No primeiro temos de ser mais eficientes que os demais, seja estando um passo à frente, seja na melhor capacidade de desenvolvimento do material à nossa disposição. Foi o que conseguimos fazer com a introdução do modelo Centralizado no Jogador - que nos permite hoje ter na equipa principal seis jogadores de escalões menores que tiveram um desenvolvimento acelerado (ver entrevista central).

O segundo, dinheiro, passa pela possibilidade de ganhar tempo adquirindo material que consideramos aportar qualidade de forma mais imediata ou crítica no processo. E é o que fizemos, por exemplo, na contratação de Šporar e Rúben Amorim.

Evidentemente, dependendo da situação financeira do Clube podemos partir de uma posição “aberta” (várias saídas possíveis) ou “fechada”.

Mas para chegar a ter uma posição aberta, que é o ideal, é fundamental dar prioridade aos factores dinâmicos versus estáticos. Ou seja, em cada momento perceber o que é mais importante para chegar ao destino final.

E se o material é um ponto de referência fundamental e o tempo é acção, estes dois elementos só fazem sentido guiados por um terceiro: qualidade.

Qualidade

O valor de uma peça no xadrez varia conforme a posição da mesma e o momento do jogo.

Todas as decisões envolvem um custo de oportunidade. Abdicar do melhor marcador da equipa, com salário anual de 6 M€, na fase final e decrescente da sua carreira é uma decisão táctica em nome de uma estratégia.

Alocar 12 M€ para a Academia Sporting (2 M€ até à data), 10 M€ num treinador que aposta na juventude, desenvolver um modelo centralizado no jogador e aplicar a reduzida liquidez na retenção de 89 recursos identificados como alto potencial, é um investimento na Formação com base numa estratégia definida desde 2018.

Tenacidade

Só erra quem decide. E só aprende quem reconhece os erros e não os repete. E todos queremos acertar mais e errar menos. Porém, existe uma crucial diferença entre teimosia e tenacidade.

E é por isso mesmo que aos factores MTQ , Kasparov acrescenta um outro factor decisivo: confiança, destacando que “ as nossas tácticas devem ser guiadas pela nossa visão estratégica global e pelos nossos objectivos. (…) Essa força psicológica é a base. Se ela enfraquecer, toda a estrutura se desmorona ”.

E, portanto, quem decide não pode andar a ziguezaguear ao sabor dos ventos da pressão.

Qualquer estratégia começa com um objectivo futuro, que depois é trabalhado daí para trás. Hoje estamos muito mais perto do destino que definimos há dois anos atrás. Nesta edição damos a conhecer aos Sportinguistas parte de um dos pilares desse futuro: a Formação.

** Editorial da edição n.º 3780 do Jornal Sporting*

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
09 Jul, 2020

JORNAL SPORTING

Edição n.º 3780 em formato físico e digital

Já está disponível nas bancas e em formato on-line a edição desta semana do Jornal Sporting, com a primeira página a destacar apenas e só uma frase: “Eu sou formação”.

Dito isto, o destaque principal desta edição vai para a entrevista exclusiva a Tomaz Morais, director do futebol de formação verde e branco, sobre o que mudou, o que está a ser feito e o futuro do trabalho nas camadas jovens do emblema de Alvalade.

Também Auriol Dongmo, atleta do lançamento do peso, merece o seu espaço nesta edição com uma entrevista em que a atleta garante que vai fazer “tudo o que puder para conquistar uma medalha nos Jogos Olímpicos”.

Por fim, não perca também a reportagem relativa à conquista do quinto título nacional consecutivo por parte da equipa masculina de ténis de mesa do Sporting CP ou as entrevistas a João Matos, capitão da equipa de futsal que acaba de renovar contrato, e Rui Silva, técnico que assumiu recentemente o comando da equipa de andebol.

MILITÂNCIA E AMOR SPORTINGUISTA

Por Tito Arantes Fontes
23 Jul, 2020

OPINIÃO

Somos mais de 106 mil Sócios! (…) Somos, também por isso e de modo indiscutível, um dos maiores clubes do mundo!

O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL procedeu à renumeração dos seus Sócios. Foi um processo “burocrático-administrativo” antecedido de uma campanha de manutenção e recuperação de quotas junto de Sócios que tinham deixado de pagar as mesmas de modo regular. Foi uma campanha de indiscutível sucesso. Bem gerida. Bem direccionada para os seus alvos. Sem “publicidade” desnecessária. Com resultados plenamente alcançados. E de indiscutível mérito! Só em Junho, o valor das quotas recebidas pelo SCP foi de mais de um milhão de euros! Impressionante!

Aproveitou-se o processo para – finalmente – se fazer uma renumeração capaz, o que não era feito há mais de dez anos. Foram, naturalmente, desconsiderados os Sócios que, entretanto e com nosso comum pesar, já partiram desta nossa vida terrena, bem como não se consideraram como Sócios todos aqueles que não tivessem quotas pagas de 2018 até ao presente. É, pois, uma fotografia real de Sócios activos aquela que agora o Sporting CP apresenta. Somos mais de 106 mil Sócios! Activos! Presentes! Vivos! Actuantes! Somos, também por isso e de modo indiscutível, um dos maiores clubes do mundo!

Neste processo cumpre também salientar o modo como o Clube sob gerir a “boa nova” do novo número de sócio junto da sua dedicadíssima massa associativa! Foi um excelente momento de Sportinguismo. Momento esse a que os Sócios corresponderam de modo grandioso. São inúmeros os Sócios, os grupos de Sócios, no Facebook e no WhatsApp, e por todo o lado, que trocaram milhares e milhares de mensagens inquirindo pelos novos números de Sócio, afirmando com garbo o seu! Dando notícia do seu reafirmado amor ao Sporting CP! Estou a falar de gente de todas as idades, de Sócios mais antigos e mais novos, de gente conhecida do universo Sportinguista e de gente anónima… todos, mas todos mesmo, unidos no seu Amor ao Sporting CP pelo seu novo número de Sócio! E todos os números são “bons”! Mas – porque a vida tem números mágicos – fiquei também a saber que um dos meus amigos Leões mais “doentes”, o Luís Mira, é o novo sócio 1000! A felicidade estampada no rosto e no coração deste nosso querido Sócio mais que cinquentenário! Uma felicidade genuína, verdadeira e autêntica… fantasticamente “infantil”, num cinquentão com quase dois metros de “envergadura”! A expressão do verdadeiro amor ao SCP! Fiquei, pois, deveras surpreendido com esta avalanche de emoções Leoninas pelo seu “novo número”… com a grandeza, a dimensão desses festejos! E a verdade é que não me devia ter espantado com todo este Sportinguismo… tenho, pois, de dizer mea culpa… estou a chegar aos 50 anos de Sócio e já devia saber que somos assim, de uma fé imensa, de uma esperança enorme, de um amor incondicional! Por isso somos gigantes, maiores como os maiores do mundo! Um Grande Clube, tão Grande como os maiores da Europa! Como o nosso Fundador José Alvalade quis! E assim o “dixit” em 1906! E assim “o” cumprimos! Todos os dias, todos os anos!

Futebol – fomos ao Dragão. Não ganhámos. Foi insuficiente, ainda que tenha sido digno o nosso jogo. O Rúben Amorim já disse que quer mais. Também queremos. Sabemos que temos uma equipa jovem, melhor dizendo, muito jovem. E sim, queremos apoiar e muito! E sim, também queremos mais! Rebobinei, no rescaldo desse jogo, a nossa equipa… e andei uns meses para trás, situando-me sempre nesta época… quem diria que sem Bruno Fernandes, sem Mathieu, sem Acuña, sem Vietto, sem Luiz Phellype… e com a juventude de Plata, Jovane, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Quaresma e Max… mais os suplentes que jogaram Joelson, Camacho e Tiago Tomás faríamos um jogo tão igual com o agora declarado e destacado novo campeão nacional. Quem diria? Acreditemos, pois! Temos muita matéria-prima! E temos um Senhor Treinador! Deixemos, pois, o “folclore de milhões… inconsistente e incoerente” para outras paragens! E trabalhemos nós na verdadeira, autêntica, persistente e única fábrica de talentos em Portugal… Academia Sporting! É o nosso futuro! São os nossos meninos! É a nossa equipa!

VIVA O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!!!

MAIS DO QUE UM NÚMERO

Por Pedro Almeida Cabral
23 Jul, 2020

OPINIÃO

(…) não consigo conceber que alguém queira o engrandecimento do Clube, exigindo títulos e glória, sem que isso implique quaisquer deveres

Como acontece a cada cinco anos, teve lugar há bem pouco tempo a renumeração dos Sócios do Sporting Clube de Portugal. É sempre um momento especial sentir o estreitamento da nossa ligação ao Clube. Não que o número mais baixo indicie maior ou menor Sportinguismo. Mas é sempre uma altura que nos lembra todo o nosso percurso associativo até aos dias de hoje, bem como o que significa ser Sócio do Sporting CP.

Não tinha pais Sportinguistas. Quis o acaso que nos meus verdes anos andasse numa escola a poucas centenas de metros do nosso antigo estádio. Por insistência minha, achando que deambular pelas imponentes arcadas desse estádio me fazia mais crescido, quis, desde muito novo, praticar um desporto lá. Qualquer desporto. E assim, pelos meus cinco anos, inscreveram-me na ginástica do Sporting CP. Foi quando me tornei Sócio do Sporting CP. Sob o olhar desgostoso do meu pai benfiquista, claro. Os anos foram passando e a ginástica ficou para trás. Exercendo o seu poder paternal de malus pater benfiquistus, o meu pai discretamente deixou de me pagar as quotas uns anos mais tarde, argumentando que não pagava quotas de outros clubes. Algures por aí, recordo com saudade o tempo em que o Senhor Amaro ia a nossa casa fazer a cobrança das quotas. Sempre se trocavam dois dedos de conversa sobre o Clube. Mal comecei a trabalhar, tendo recursos próprios, dirigi-me à secretaria do Clube para tornar a ser Sócio. O que nunca mais deixei nem vou deixar de ser.

Conheço bons Sportinguistas que sofrem pelo Clube tão ou mais que muitos Sócios. Procuro sempre convencê-los a fazerem-se Sócios. Não é somente pela garantia de que as quotas pagas vão direitinhas para o orçamento das modalidades, permitindo-nos vibrar e celebrar tantos títulos, nacionais e europeus, num Clube que é muito mais que futebol. É também porque não consigo conceber que alguém queira o engrandecimento do Clube, exigindo títulos e glória, sem que isso implique quaisquer deveres. É um sacrifício que todos temos de fazer para termos um Clube maior. Ser Sócio do Sporting CP é ainda entrar numa galeria de milhões de pessoas que, nos últimos 114 anos deram, nalgum momento da sua vida, um pedaço de si ao Clube. Fazer parte desta história, que se confunde com a história do desporto em Portugal, é um privilégio. Por isso, ser Sócio do SCP é muito mais do que um número.

O ‘JOÃO ROCHA’ ESTÁ DE VOLTA!

Por Juvenal Carvalho
23 Jul, 2020

OPINIÃO

A próxima época terá que ser sob o signo do Leão. Aquele que nós aprendemos a amar e a trazer no coração, como canta a tão nossa Maria José Valério

Tenho o ‘defeito’ de ler os jornais desportivos de trás para a frente. Querendo saber tudo sobre as modalidades. É assim desde sempre, embora, como quase todos nós, seja Sportinguista muito por causa do futebol, pese a minha fase de criança me ter contemplado, e levado a ser um fervoroso defensor do eclectismo, devido a ‘monstros’ como Carlos Lopes e Joaquim Agostinho, para citar apenas dois de uma panóplia de atletas que marcaram para todo o sempre a imensa História do Sporting Clube de Portugal.

Este início foi só para vos situar na falta que sinto de ver as nossas equipas de pavilhão retomarem o regresso à luta pelos títulos. Felizmente, no passado dia 10 de Julho, a Direção-Geral da Saúde deu luz verde ao regresso à ‘nova normalidade’ das competições no andebol, basquetebol, futsal, hóquei em patins e voleibol, a partir do próximo dia 1 de Agosto.

Desta forma, e depois do malfadado vírus que em Março obrigou à suspensão das competições quando lutávamos por ganhar em todas as modalidades, inclusive liderávamos no basquetebol e no futsal, e em todas as outras dependíamos apenas de nós, em 2020/2021 lá estaremos de novo para dignificar o símbolo e fazer o que sabemos. Lutar pelas conquistas. Os tempos, sabe-se, não estão fáceis. O lado económico ditará regras, não só para o Sporting CP como também para os seus adversários directos. Agora teremos que ser ainda mais assertivos, para alcançarmos o tão propalado mais com menos.

Mas numa coisa tenho a certeza. Iremos estar na luta. Rui Silva, Luís Magalhães, Nuno Dias, Paulo Freitas e Gersinho, serão os ‘comandantes’ de umas ‘armadas’ que irão ser fortes. Até lá iremos seguramente começar a ter certezas sobre a composição dos plantéis. Com a premissa que teremos de estar na linha da frente para lutar para ganhar em todas. Aqui e na Europa. Claro que com mais hipóteses numas que noutras para almejar conquistas europeias que acresçam às actuais 35 já conquistadas, mas onde entrar o emblema do Leão, a obrigação é dignificar e lutar pela vitória.

Mesmo que 2020/2021 surja atípico devido à pandemia em que vivemos, o ansiado regresso ao ‘João Rocha’ começa a despertar aquele sentimento lindo de ver a ‘verde a branca’ a passear classe por onde passar.

Claro que o eclectismo do Sporting CP não se confina, termo agora tão em voga, às modalidades de pavilhão. São mais de meia centena as que temos no nosso Clube, e todas elas começam paulatinamente a regressar para uma nova época. A época passada, pelos motivos conhecidos, não nos foi permitido ganhar. A próxima terá que ser sob o signo do Leão. Aquele que nós aprendemos a amar e a trazer no coração, como canta a tão nossa Maria José Valério.

Agora, que está quase chegada a hora, é convosco: Nós acreditamos em vocês!

NUMEROLOGIA

Por André Bernardo
23 Jul, 2020

OPINIÃO

O Clube é dos Sócios, mas todos os Sócios têm de ter a possibilidade de poder decidir

106 625
É o número de Sócios activos do Sporting Clube de Portugal após a Renumeração. Inclui todos os Sócios com quotas regularizadas e aqueles com quotas em atraso até um máximo de dois anos (Abril de 2018).

72 863
É o número de Sócios que tinha quotas em dia após a conclusão da Renumeração. Valor 33% superior ao de 2015: 54 711.
Na última Renumeração , em 2015, o critério adoptado foi incluir todos os Sócios com quotas por regularizar desde 2005 , abrangendo assim um período de dez anos, versus os dois anos actuais, terminando com 120 435 Sócios activos.

8 141
É o número de Sócios que regressaram no âmbito da campanha “ Eu Sou – Renumeração 2020 ”, e que resultou num registo recorde de quotização, superando um milhão de euros. No período da campanha, o valor total de quotização ultrapassou os dois milhões de euros. Após apuramento contabilístico divulgaremos os números exactos.
Não há lugar a numerologia, estes são os números. É relevante sim interpretá-los ao abrigo do contexto em que eles ocorrem. E em tempos de pandemia, com desporto à distância e a pior crise dos últimos 100 anos à porta, é de salutar a forte participação de todos os Sportinguistas.

Parabéns ao Sporting CP !

177 é o número de Sócios que marcou presença na Assembleia Geral (AG) de 30 de Junho de 2014. Na AG de 5 de Outubro de 2014 foram 360 .

136 é o número de Sócios que participou na AG de 2 de Outubro de 2016.

83 é o número de Sócios que marcou presença na AG de 23 de Junho de 2017. 135 na AG de 29 de Setembro de 2017.

22 408 é o número recorde de participação de Sócios numa Assembleia, de natureza eleitoral, registado no passado dia 8 de Setembro de 2018.
São também números que retratam que é uma ínfima parte dos Sócios que participa nas decisões do Clube. Mesmo na Assembleia de maior participação, o número é relativamente baixo comparado com o potencial de Sócios que poderia participar. É revelador da actual incapacidade do Sporting CP em disponibilizar uma ferramenta capaz de assegurar a participação a todos os Sócios. A ferramenta existe, chama-se I-Voting . É a mais segura, mais abrangente e mais eficaz, mas os estatutos têm de a permitir. O Conselho Directivo já apresentou proposta à Mesa da Assembleia Geral e foi nomeada uma comissão de trabalho para revisão dos estatutos no que concerne estritamente a este ponto. Neste caso, decidindo uma vez, os Sócios passam a poder decidir para sempre alterar os números de participação nas decisões do Clube. Como sempre, os Sócios decidirão. O Clube é dos Sócios, mas todos os Sócios têm de ter a possibilidade de poder decidir .

PS – 200 é o número de jogos de Leão ao Peito do nosso capitão. Obrigado, Sebastián Coates.

Editorial da edição n.º 3781 do Jornal Sporting

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
23 Jul, 2020

JORNAL SPORTING

Edição n.º3781 em formato físico e digital

Já está disponível nas bancas e em formato on-line a edição desta semana do Jornal Sporting, com a primeira página a destacar a “classe central” de Jérémy Mathieu e Sebastián Coates, uma dupla “que se separa e que vai deixar saudades”.

Dito isto, os principais temas de destaque são as entrevistas exclusivas aos dois defesas-centrais dos Leões, o francês devido ao fim da carreira e o uruguaio por ter atingido a marca redonda de 200 jogos a vestir de verde e branco.

Além disso, nesta edição poderá também ler a entrevista exclusiva a Maria Serrano, responsável pela Fundação Sporting e pelo Departamento de Expansão e Núcleos, focada no presente e no futuro dos Núcleos do Clube.

Por fim, não perca também todas as novidades sobre o ano europeu que se avizinha, com o Sporting CP a ter as cinco principais modalidades de pavilhão – a par de outras – representadas nas competições internacionais, algo que nunca tinha acontecido na história do Clube.

JORNAL SPORTING JÁ DISPONÍVEL

Por Sporting CP
06 Ago, 2020

JORNAL SPORTING

Edição n.º 3782 em formato físico e digital

Já está nas bancas e disponível em formato digital, aqui, a edição 3782.ª do Jornal Sporting.

Neste novo número, o destaque vai para o i-voting que o Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal quer implementar para assim dar a todos os Sportinguistas a possibilidade de, mesmo à distância, decidirem sobre os assuntos e o futuro do Clube.

Outro dos temas em destaque é a renumeração feita no passado mês de Julho. Nesta edição, o Jornal Sporting mostra-lhe os números finais e esclarece algumas das dúvidas que foram sendo colocadas nas últimas semanas.

Numa altura em que o desporto voltou à acção, o Jornal Sporting dá-lhe também a conhecer algumas das caras do futebol de formação, que assinaram contrato profissional nos últimos meses, assim como o novo responsável pela área de estratégia, avaliação e recrutamento da formação verde e branca, Paulo Noga, através de uma entrevista exclusiva.

Quanto às modalidades, destaque para o regresso aos treinos e para as reformulações já conhecidas nas equipas de andebol, basquetebol, futsal, hóquei em patins e voleibol.

Vários temas a não perder, como uma entrevista ao voleibolista Miguel Maia e a rubrica das lendas do Sporting CP desta feita com José Travassos.

POLÍGRAFO SPORTING CP

Por André Bernardo
06 Ago, 2020

OPINIÃO

Os Sócios têm agora uma oportunidade que nunca tiveram: a de decidir uma vez para decidirem todos sempre

“Sporting pondera vender a maioria da SAD” . Poderia ter iniciado este editorial com este título. O impacto mediático teria sido muito superior e estaria a circular à velocidade da luz pelos media e internet. A técnica de colocar um título chamativo é antiga, mas nos dias de hoje ganhou uma nova dimensão devido à escala, celeridade e capilaridade com que se consegue veicular a informação devido à nova era digital. E com ela veio o fenómeno das fake news e o clickbait *.

“Já ouviram as notícias, agora vamos contar-lhes a verdade” . É a frase que dá início a todas as edições do programa “Intermédio” da Antena 3, canal televisivo da nossa vizinha Espanha e lembrei-me da mesma a propósito de várias notícias recentes relativamente ao Sporting CP.

Façamos então um “polígrafo Sporting CP” .

Maioria da SAD . Em primeiro lugar, há que esclarecer que esta Direcção do Sporting CP não pondera vender a maioria da SAD . Considera sim que uma decisão desta natureza, como outras, deve ser decidida por todos os Sócios. Podem ser 10, 80, 100, 500 os Sócios a decidir por toda a restante maioria de Sócios o futuro do Clube ou podem ser todos os Sócios (elegíveis para tal). Há vários temas importantes a rever nos estatutos, mas o i-voting é o mais prioritário porque é o que permite a decisão por parte de todos os Sócios relativamente aos demais.

I-voting não é seguro . É seguro e, sem dúvida alguma, mais robusto que a contagem manual de votos. Acresce que o processo é conduzido por uma empresa externa independente . Aliás, o método é o mesmo que o do voto electrónico que já existe no Sporting CP, mas sem exigir a presença física do Sócio. O que significa que o mesmo tem que se autenticar. Como é feito isto? O Sócio conseguirá aceder à plataforma para votar com um processo de autenticação em quatro parâmetros , tendo que colocar: 1) número de Sócio + 5 dígitos do cartão , 2) número de contribuinte , 3) Username , 4) PIN .

O username e o PIN são enviados ao Sócio em momentos distintos, através de canais separados, precisamente por motivos de segurança. O i-voting é já amplamente utilizado por várias instituições a nível mundial e inclusive governos como o caso conhecido da Estónia (ver artigo nas páginas 18 e 19).

Os Sócios têm agora uma oportunidade que nunca tiveram: a de decidir uma vez para decidirem todos sempre . A alternativa é deixar que uma minoria que pode deslocar-se fisicamente para votar decida por eles. Como sempre, os Sócios decidem.

Siniša Mihajlović . O Sporting CP pagou a Mihajlović 3 M€ . Do valor em causa, entregou 0,75 M€ ao fisco, correspondentes a impostos obrigatórios. O treinador considera que deveria ter recebido os 3 M€ líquidos, sem a dedução, e abriu um processo de execução no Tribunal de Lausanne, exigindo penhora de valores futuros que o Sporting CP tenha a receber da UEFA. O Tribunal ainda não tomou decisão relativamente ao processo por não ter efectuado a respectiva avaliação. O que o Tribunal decidiu foi manter essa penhora até avaliar o fundo da questão, mas apenas isso. Nós mantemos a nossa posição: o pagamento efectuado é integral.

Valor do Plantel . Em termos de balanço, um jogador da formação é contabilizado a zero (ou a custos de renovação). Um jogador contratado é contabilizado ao valor de compra acrescido de custos. Nenhum deles representa o valor de mercado. Um jogador vale aquilo que o Clube comprador paga por ele em determinado momento .

Para efeitos de exemplo, Thierry Correia, por ser da formação, tinha valor no balanço de 44.300 €, e o seu passe foi vendido por 12 M€.

Raphinha, à data da sua venda, tinha um valor contabilístico de 5,2 M€ e no Transfermarkt valia 8 M€, menos 13 M€ do que aquilo por que foi vendido. E hoje, na mesma plataforma, está avaliado em 16 M€, isto é, 5 M€ abaixo do valor de venda.

Ou seja, todos os jogadores da formação que hoje subiram ao plantel principal têm valor de balanço zero, os contratados o valor de contratação (e, como tal, quanto menor o valor da compra, menor o valor). No Transfermarkt basta consultar jogadores como Eduardo Quaresma, Nuno Mendes e Matheus Nunes para verificar que não têm valor de mercado. Convém também lembrar que em Março fomos atingidos por uma pandemia chamada COVID-19 e, com base num estudo da KPMG, publicado em Maio, no Financial Times , a estimativa de queda no valor dos jogadores é de 10 mil milhões de euros . Uma rápida consulta e até o Liverpool FC perdeu valor de mercado.

Perda de valor, mas desportivo, teve o Sporting CP com a saída de Bruno Fernandes, que já vai no terceiro prémio consecutivo na Premier League e é o verdadeiro timoneiro da recuperação do Manchester United FC. Muitos Parabéns ao nosso ex-capitão pela performance e pelo bom gosto nas caneleiras!

Portanto, assumimos totalmente a responsabilidade das opções que tomámos , quer na aposta na formação , quer na venda de Bruno Fernandes para assegurar a sobrevivência financeira do Clube , quer nas contratações de treinadores e jogadores que fizemos (bem e mal conseguidas) mas qualquer avaliação e comparação de valor nos parâmetros que tem sido comunicado não faz sentido ou é pura demagogia.

Soccas . A Soccas pediu a insolvência da SAD e perdeu na primeira instância. Existem dois processos “normais”, respeitantes às transferências de Nani e Piccini, relativamente aos quais a Soccas se recusou a negociar sem envolver a questão William. E existe um outro, sobre William de Carvalho, que não se tratou de uma transferência, mas de um acordo global numa altura em que o jogador já não era do SCP, motivo principal pelo qual o Sporting CP considera que, neste caso, não deve nada à Soccas.

COVID-19 . É um facto confesso que o Sporting CP, e o mundo, não ficou imune à pandemia da COVID-19. A Eurostat prevê uma quebra de 16,5% na economia portuguesa, a maior de sempre. Se vínhamos na recuperação da nossa própria pandemia, a restaurar uma situação trágica de liquidez, com a COVID-19 a situação não ficou mais fácil. Para nós e para todos. Mas vamos, com a confiança e ambição Leoninas que nos caracterizam, ultrapassar a situação.

Lançámos no dia 23 de Julho a campanha “ Débito Directo Num Minuto ” e já temos cinco vezes mais adesões que no acumulado dos últimos cinco anos. Estes e os resultados da Renumeração são o melhor polígrafo da força e vitalidade do Sporting CP de hoje .

  • Clickbait é um termo referente à prática de gerar tráfego na internet através da utilização de títulos sensacionalistas ou enganosos para geração de cliques.

Editorial da edição n.º 3781 do Jornal Sporting